A RELEVÂNCIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PLURILÍNGUES

Palavras-chave: Políticas públicas plurilíngues. Políticas linguísticas. Lei da Libras.

Resumo

Este estudo tem como objetivo analisar a relevância da implementação de políticas públicas plurilíngues, no Brasil, destacando a política linguística que legitima a língua de sinais da comunidade surda brasileira, a Lei 10.436, de 2002, Lei da Libras. Além disso, as políticas linguísticas conservam a cultura e a identidade de um segmento social que é minoritário, assegurando aos seus membros o direito de se manifestar como cidadãos, mesmo inseridos em uma comunidade linguística diferente da sua. À vista disso, ao se tratar do cidadão surdo brasileiro, são discutidas as ações que devem acompanhar a Lei da Libras, a fim de assegurar sua eficácia, bem como sua relevância para a pesquisa científica na área das linguagens. Logo, trata-se de um estudo bibliográfico, com abordagem qualitativa, sobre as políticas públicas plurilíngues e políticas públicas linguísticas, com base em uma análise documental da Lei 10.436, de 2002. Para atender aos objetivos da pesquisa, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com duas pessoas surdas. Na avaliação dos sujeitos da pesquisa, concluiu-se que embora a implantação de políticas públicas plurilíngues seja importante, sua implementação ainda não se deu forma efetiva.

Biografia do Autor

Ariane Carreiro de Sousa , Faculdade de Letras - UFG, GO, Brasil.

Mestranda em Estudos Linguísticos – Faculdade de Letras - UFG; Especialista em Docência do Ensino Superior - FABEC (2015); graduada em Letras-Libras - UFG (2014); Professora do Centro Universitário de Goiás - UNIGOIÁS, lotada na Pró-Reitoria de EaD. ariane.carreiro@yahoo.com.br. Orcid: http://orcid.org/0000-0001-5509-0777.

Mairy Aparecida Pereira Soares Ribeiro, Universidade Católica de Brasília, UCB, DF, Brasil.

Doutoranda em Psicologia - UCB-Brasília; Mestre em Educação - PUC-Goiás; Especialista em Estudos Linguísticos e Literários - UFG; Especialista em Letramento Informacional - UFG; Graduada em Letras Português - UFG; Graduada em Letras-Libras - UFG; Professora das Licenciaturas do Centro Universitário de Goiás - UNIGOIÁS, lotada na Pró-Reitoria de EaD; Estatutária da Secretária de Estado da Educação, Cultura e Esporte de Goiás. mairyribeiro@hotmail.com. Orcid: http://orcid.org/0000-0001-5571-7154

Juliana Guimarães Faria, Universitat Autònoma de Barcelona/Espanha, Espanha.

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Goiás (2001), especialização em Informática em Educação (UFLA, 2003), Avaliação Institucional (UEG, 2005) e em Mídias Digitais (IPOG, 2014), mestrado (2005) e doutorado (2011) em Educação pela Universidade Federal de Goiás e estágios pós-doutoral em: (1) Educação, Linguagem e Tecnologias, realizado na Universidade Estadual de Goiás (UEG, 2014), estudando a relação tecnologias, linguagem e educação de surdos; e (2) estágio pós-doutoral na Universitat Autònoma de Barcelona/Espanha (UAB, 2017), no Departament de Traducció i d'Interpretació i d'Estudis de l'Àsia Oriental, estudando a formação de profissionais de tradução e interpretação de línguas orais e línguas de sinais. É professora (Adjunto 4) na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás (FL/UFG) nos cursos de: a) Licenciatura em Letras: Libras; b) Bacharelado em Letras: Tradução e Interpretação em Libras/Português; c) Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística; e d) curso de Especialização em Linguística das Línguas de Sinais. julianagf@ufg.br. Orcid: http://orcid.org/0000-0002-4493-8944

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e dá outras providências.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Decreto no 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002.

BRASIL. Plano Nacional de Cultura: Diretrizes Gerais. Brasília: Ministério da Cultura, 2006. Disponível em: http://pnc.cultura.gov.br/wp-content/uploads/sites/16/2018/05/03_plano_nacional_de_cultura.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.
BRITO, L.F. Integração social & Educação de surdos. Rio de Janeiro: Babel; 1993.
FERNANDES, Sueli de Fátima. Práticas de letramento na educação bilíngue para surdos. Curitiba: SEED, 2006. CDU376: 800.95(81). Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2020.
FERNANDES, S.; MOREIRA, L. Políticas de educação bilíngue para surdos: o contexto brasileiro. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial, n. 2/2014, p. 51-69.

CENSO DEMOGRÁFICO 2010: características da população e dos domicílios: resultados do universo. In: IBGE. Sidra: sistema IBGE de recuperação automática. Rio de Janeiro, 2011a. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/ . Acesso em: 20 jun. 2020.

LACERDA, Cristina B.F. de. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Cad. CEDES [online]. 1998, vol.19, n.46, pp.68-80. ISSN 1678-7110. https://doi.org/10.1590/S0101-32621998000300007.


MENEZES, L. J. J. M. Plurilinguismo, Multilinguismo e Bilinguismo: Reflexões sobre a Realidade Linguística Moçambicana. Revista Percursos Linguísticos, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2020.

MOURA, Maria Cecília de; LODI, Ana Cláudia B; HARRISON, Kathryn M. P. História e educação: o surdo, a oralidade e o uso de sinais. In: LOPES FILHO, Otacílio. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca, 1997, Cap 16, p. 327-357

BRASIL. MEC/SECADI. Relatório sobre a política linguística de educação bilíngue – língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Brasília: MEC/SECADI, 2014.

MORELLO, R. Diversidade no Brasil: línguas e políticas sociais. Synergies Brésil, v. 7, p. 27- 36, 2009.

OLIVEIRA, Gilvan Müller de (org.). Declaração universal dos direitos linguísticos: novas perspectivas em política linguística. Campinas (SP): Mercado de Letras, 2008.

PEREIRA, Maria Cristina da Cunha. O ensino de português como segunda língua para surdos: princípios teóricos e metodológicos. Educ. rev. [online]. 2014, n.spe-2, pp.143-157. ISSN 0104-4060.

QUADROS, R. M. Políticas linguísticas e bilinguismo na educação de surdos brasileiros. In: Ana M. Carvalho. (Org.). Linguística luso-brasileira. Madrid: Iberoamericana Editorial Vervuert, 2009, v. 2, p. 215-235.

PERLIN, G. T. Surdos: cultura e pedagogia. In: THOMA, A. S.; LOPES, M. C. (org.). A invenção da surdez: espaços e tempos de aprendizagens na educação de surdos. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006. p. 63-84. v. 2.

QUADROS Ronice Muller de. . Educação de Surdos: a Aquisição da Linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.)

QUADROS, CAMPELLO, Ana Regina e Souza. Constituição política, social e cultural da língua brasileira de sinais. In: MACHADO, Lucyenne Matos da Costa Vieira; LOPES, Maura Corcini (org.). Educação de surdos: políticas, língua de sinais, comunidade e cultura surda. Santa Cruz/RS: EDUNISC, 2010.p. 15-47. v. 1.

SKLIAR, C. (org.) A surdez: um olhar sobre as diferenças. 4.ed. Porto Alegre: Mediação, 1999.
Publicado
2020-07-22
Como Citar
Sousa , A. C. de, Ribeiro, M. A. P. S., & Faria, J. G. (2020). A RELEVÂNCIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PLURILÍNGUES. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 3(7), 43-52. https://doi.org/10.5281/zenodo.3956727

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##