SONO: FATOR DE RISCO PARA A QUALIDADE DE VIDA DO PROFISSÍONAL DE SAÚDE

Palavras-chave: Transtornos da Sonolência Excessiva. Fatores de Riscos; Qualidade de Vida.

Resumo

Objetivo: Demostrar como o sono não reparador pode desencadear patologias que colocam em risco a qualidade de vida do profissional de saúde. Visa também mostrar a importância de se tratar o sono para prevenir futuras patologias que podem pôr em risco a qualidade de vida do profissional de saúde. Metodologia: foi feita uma busca em base de dados virtuais em saúde, das publicações, do período de 2013 até 2020, apresentadas no Sistema Latino-Americano e do Caribe de informação em Ciências da Saúde - LILACS, Scientific Electronic Library Online – SciELO, National Library of Medicine – MEDLINE; Bancos de Dados em Enfermagem - BDENF. Foram utilizados os descritores: Transtornos da Sonolência Excessiva, fator de risco e qualidade de vida. Resultados: a partir da avaliação da qualidade do sono e da percepção da qualidade de vida, o profissional de saúde que trabalha no período noturno apresenta maior comprometimento na qualidade do sono e assim apresenta-se insatisfeito com sua qualidade de vida em relação ao profissional que trabalha no período diurno, o qual possui melhor qualidade de sono, estando mais satisfeito com sua qualidade de vida. Conclusão: os hospitais tem responsabilidades quanto à saúde física e mental dos trabalhadores noturnos, pois os padrões de sono dos enfermeiros precisam ser melhorados, assim como a qualidade de vida desses profissionais.

Biografia do Autor

Ingridy Priscila Veloso Miranda , Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil.

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Paulista UNIP, SP, DF.

 

 

Marco Aurélio Ninomia Passos, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Católica de Brasília (2006), mestrado em Ciências Genômicas e Biotecnologia pela Universidade Católica de Brasília (2009). Doutor em Biologia Molecular pela Universidade de Brasília (2014). Bolsista de mestrado e doutorado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Referências

1. Silva KKM, Lima GAF, Gonçalves RG. Alterações do sono e a interferência na qualidade de vida no envelhecimento. Revista de enfermagem, UFPE. Recife. 2017; 422-8.

2. Machado AKF. Problemas do sono em população rural do Sul do Brasil: um estudo de base populacional. Rev. Saúde Pública [Internet]. 2018. 52(Suppl 01) 5s.

3. Ravagnani JS, Crivelaro, PMS. Qualidade de sono e percepção da qualidade de vida dos profissionais de enfermagem de uma Unidade de Terapia Intensiva. (Dissertação), Lins. 2010, 85p. il. 31cm.

4. Zanuto EAC et al. Distúrbios do sono em adultos de uma cidade do Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Epidemiologia [online]. 2015;18(1):42-53.

5. Souza EL. Conscientização e expressividade corporal com base na Educação Somática: reflexões, diretrizes e repertório de temas para estudo do movimento. (Dissertação de doutorado), 2016. 358.

6. Corrêa CC, Oliveira FK, Pizzamiglio DS, Ortolan EVP, Weber SAT. Qualidade de sono em estudantes de medicina: comparação das diferentes fases do curso. J. bras. Pneumol. [Internet]. 2017, 43(4): 285-289.

7.Neves GSML, Macedo P, Gomes MM. Transtornos do sono: atualização (1/2), Revista Brasileira de Neurologia. Rev Bras Neurol. 2017, 53(3):19-30.

8. Magalhães F, Mataruna J. Sono. Orgs. Medicina da noite: da cronobiologia à prática clínica. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ. 2018, pp. 103-120.

9. Fonseca GC. Sistema para detecção automática de eventos de ronco, apneia e movimento periódico de pernas em exames de PSG, Itajubá. Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica) – Universidade Federal de Itajubá. 2013, 90 p.

10. Souza AC, Passos JP. Os agravos do distúrbio do sono em profissionais de enfermagem. Revista Ibero-Americana de Saúde e Envelhecimento. 2015; 1(2):165-176.

11. Faria MO, Moraes Filho IM, Cunha IMS, Silva KRG, Alves P, Brasileiro MSE. Repercussões do trabalho noturno junto ao profissional enfermeiro. Rev Inic Cient Ext. 2019; 2 (3): 139-46.


12. Purim KSM, Guimarães ATB, Titski ACK, Leite N. Privação do sono e sonolência excessiva em médicos residentes e estudantes de medicina. Rev. Col. Bras. Cir. 2016 DeC; 43(6): 438-444.
13. Santana L. Distúrbios do sono em trabalhadores de enfermagem: revisão da literatura. Revista Científica FacMais, Volume. XII, Número 1. Abril. Ano 2018.

14. Pinheiro LMG, Souza NC, Oliveira PG. Qualidade do sono dos profissionais de enfermagem que atuam em hospital privado no período noturno. C&D-Revista Eletrônica da Fainor, Vitória da Conquista. 2015; 8(2):194-205.

15. Silva JSX, Silva RM, Cangussu DDD, Moraes-Filho IM, Perez MA, Proença MFR. Qualidade do sono dos profissionais de enfermagem do serviço móvel de atendimento de urgência. REVISA. 2019; 8(3):264-72 Doi: https://doi.org/10.36239/revisa.v8.n3.p264a272.

16. Viana MCO, Bezerra CM, Silva KK, De Martino MM, Oliveira AP, Torres GV, Silva DM, Souza AM, et al. Qualidade de vida e sono de enfermeiros nos turnos hospitalares. Rev Cubana Enferm. 2019 ;35(2):131-9.

17. Silva ES et al. Avaliação da qualidade do sono e sua relação com a qualidade de vida de trabalhadores noturnos da enfermagem do hospital de São Lourenço-MG. Revista Saúde em Foco – Edição nº 10 – Ano: 2018

18. Guerra PC; Oliveira NF; Terreri MTS; Lemos RA; Ramos Len CA. Sono, qualidade de vida e humor em profissionais de enfermagem em Unidades de Terapia Intensiva Infantil. Rev. esc. enferm. USP. 2016; 50(2): 279-285.

19. Celikkalp Ü, Dilek F. Factors affecting the occupational accident rates among nurses. Rev. esc. enferm. Rev. esc. enferm. USP. 2019; 53(1): 3524-34

20. Palhares VC, Corrente JE, Matsubara BB. Associação entre qualidade de sono e qualidade de vida em profissionais de enfermagem em turno rotativo. Revista Saúde Pública, agosto de 2014; 48 (4): 594-601.

21. Simões J, Bianchi LRO. Prevalência da Síndrome de Burnout e qualidade do sono em trabalhadores técnicos de enfermagem. Revista Saúde e Pesquisa. 2016; 9(3):473-481.

22. Moreira MM, Marcondes C, Geremia DS. Padrões de sono entre os profissionais de enfermagem. Revista de Atenção à Saúde. 2015; 13(44):11-16.

23. Silva KKM, Martino MMF, Viana MCO, Bezerra CMB, Miranda FAN. Relationship between work shifts and quality of sleep 57 of nurses: a descriptive study. Online braz j nurs. 2017; 16 (1):57-63.

24. Daltro MCSL. Qualidade do sono de profissionais noturnos de um hospital em um município do sertão paraibano. Fisioterapia Brasil. 2018; 19(5): 252-58.
Publicado
2020-11-06
Como Citar
Miranda , I. P. V., & Passos, M. A. N. (2020). SONO: FATOR DE RISCO PARA A QUALIDADE DE VIDA DO PROFISSÍONAL DE SAÚDE. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 3(7), 336-346. https://doi.org/10.5281/zenodo.4253175

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##