A INFLUÊNCIA DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM E A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL NO LUTO DA FAMÍLIA: UMA REVISÃO DA LITERATURA

Palavras-chave: Luto. Equipe de Assistência ao Paciente. Equipe de Enfermagem. Atitude Frente a Morte.

Resumo

O luto corresponde a resposta emocional a perda imutável de alguém ou algo que se tenha muito apreço, sendo uma experiência única e individual. A forma como a equipe de saúde lida com este evento e com a família do enlutado pode impactar na forma como estes experienciam o luto. O objetivo deste trabalho é compreender, com base na literatura recente, a influência que os profissionais de Enfermagem possuem e quais as condutas adotadas para o enfrentamento do luto no acompanhante/família. Método: O presente estudo é uma revisão integrativa da literatura recente. A pesquisa dos artigos foi feita nas bases de dados LILACS, BDENF e na biblioteca virtual SCIELO. Após a inclusão dos critérios de inclusão e exclusão, foram selecionados 27 artigos científicos que estavam relacionados ao objetivo da pesquisa. Resultados: A leitura completa dos artigos, bem como a divisão destes em subgrupos, conforme o tema principal do trabalho, possibilitou a compreensão de tais temas e discussão de três linhas que respondem ao objetivo da pesquisa, sendo estas Os problemas da equipe de saúde na assistência a família e o paciente; A comunicação como forma de humanização do cuidado; e A importância dos profissionais de saúde para a família enlutada. Conclusão: Apesar de ser muito importante a introdução do assunto na academia, é algo que o profissional, também, aprende a lidar com o acúmulo da experiência. Porém, as bases para se realizar isto devem começar durante a graduação. As condutas de enfermagem não devem ser um dos motivos que contribuem negativamente no processo de luto da família.

 

Biografia do Autor

Maria Costa Lima, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil.

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Paulista UNIP, SP, DF, Brasil.

 

Andrey Hudson Interaminense Mendes de Araújo, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil.

Mestrado em Ciências e Tecnologias em Saúde Universidade de Brasília, UnB, Brasil.

 

 

Mariana Idnês de Oliveira Interaminense Mendes, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil.

Bacharel em Enfermagem pela Universidade de Brasília, DF, Brasil.

 

Referências

1. Kovács MJ, Rothschild D, Morato HTP, Freitas LV, Calaza RA, Rosenberg RL, Cassorla RMS e Carvalho VA. Morte e Desenvolvimento humanas. 3 ed. Casa do psicólogo livraria e editora: 1999.
2. Silva VA, Silva RCF, Turrini RNT, Marcon SS, Silva MJP. Características de cuidadores submetidos à musicoterapia após a morte de seus entes queridos. Rev Bras Enferm. 2019; 72(6): 1464-70.
3. Kubler-Ross E. Sobre a Morte e o Morrer. 10 ed. Editora Martins Fonte: 2017.
4. Soares LG, Kuchla E, Mazza VA, Soares LG, Ferraz MIR, Mattei AP. Mães de anjos: (re)vivenciando a morte do filho como estratégia de enfrentamento. Escola Anna Nery, 2020; 24(1).
5. Prado RT, Leite JL, Silva IR, Silva LJ, Castro EAB. The process of dying/death: intervening conditions to the nursing care management. Rev Bras Enferm. 2018; 71(4): 2005-13.
6. Lugarinho CA, Pacheco APAM, Nogueira JGP, Rosario SE, Magalhães P, Lugarinho LP, Penello LM. Comunicação de notícias difíceis: compartilhando desafios na atenção à saúde. 2010.
7. Vega PV, Rodriguez RG, Galdamez NS, Molina CF, Orellana JS, Villanueva AS, et al. Supporting in grief and burnout of the nursing team from pediatric units in Chilean hospitals. Rev. Esc Enferm USP. 2015; 51.
8. Lima LMM, Pinto CAS, Gonçalves SMB; Processos de confronto dos enfermeiros face à morte inesperada de crianças e adolescentes. Rev Rene. 2018; 19.
9. Baran FDP, Mercês NNA, Sarquis LMM, Rosa LM, Mensi C, Brey C. Itinerário terapêutico revelado por familiares de pessoas com mesotelioma: estudos de casos múltiplos. Texto Contexto Enferm. 2019; 28.
10. Costa VT, Meirelles BHS. Adesão ao tratamento dos adultos jovens vivendo com HIV/aids sob a ótica do pensamento complexo. Texto Contexto Enferm. 2019; 28.
11. Hellinger B. A fonte não precisa perguntar pelo caminho: um livro de consulta. Patos de Minas, MG: Editora Atman, 2005.
12. Organização Pan-Americana de saúde (OPAS). Depressão. 2018.
13. Silva AF, Issi HB, Motta MGC, Botened DZA. Cuidados paliativos em oncologia pediátrica: percepções, saberes e práticas na perspectiva da equipe multiprofissional. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(2): 56-62.
14. Costa MR, Isabela Teixeira Rezende Guimarães ITR, Baliza MF, Bousso RS, Poles K. Sofrimento Moral dos enfermeiros, em situações de final da vida, em unidades de terapia intensiva, Rev enferm UFPE online. 2017; 11(9): 3607-16.
15. Ventura G, Silva B, Heinzen KV, Bellaguarda MLR, Canever BP, Pereira VP. Enfrentamentos dos enfermeiros na morte no processo de cuidado na sala de emergência. Revista Enfermería Actual em Costa Rica. 2019; 2(37).
16. Machado RS, Oriá MOB, Fernandes MA, Gouveia MTO, Silva GRF. Tradução e adaptação cultural do Death Attitude Profile Revised (DAP-R) para uso no Brasil. Texto Contexto Enferm, 2019; 28.
17. Cordeiro FR, Kruse MHL. Espaços de (final de) vida: estudo etnográfico em domicílios e estabelecimentos médico-sociais brasileiros e franceses. Rev Gaúcha Enferm. 2019; 40.
18. Braz MS, Franco MHP. Profissionais Paliativistas e suas Contribuições na Prevenção de Luto Complicado Psicologia: Ciência e Profissão. 2017; 37(1): 90-105.
19. Cabeça LPF; Sousa FGM. Dimensões qualificadoras para a comunicação de notícias difíceis na unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Fund Care Online. 2017; 9(1): 37-50.
20. Rangel RL, Ramírez OJG. Experiência do cuidador familiar de alguém que morre de câncer no momento da morte. Aquichan. 2018; 18(4): 395-406.
21. Prado RT, Leite JL, Silva ÍR, Silva LJ. As razões relacionadas a comunicação para a gestão da enfermagem diante da morte e morrer do paciente internado. Texto Contexto Enferm. 2019; 28.
22. Silva AAA, Arrais AR. O luto complicado diante da finitude de idoso hospitalizado: um alerta à equipe de saúde. Rev. Kairós. 2015; 18(2): 247-264.
23. Silva R, Lage, Macedo E. Vivências dos enfermeiros sobre morte e morrer em cuidados intensivos: Uma reflexão fenomenológica. Rev. port. enferm. saúde mental. 2018; (20).
24. Santos MR, Wiegand DL, Sá NN, Misko MD, Szylit R. Da hospitalização ao luto: significados atribuídos por pais aos relacionamentos com profissionais em oncologia pediátrica. Rev Esc Enferm USP. 2019; 53.
25. Cholbi NCSP, Oliveira ICS I, Carmo SA, Morais RCM, Martinez EA, Nascimento LCNL. As ações de enfermagem frente ao direito à morte digna da criança hospitalizada. Esc. Anna Nery. 201; 23(3).
26. Cavalcanti ÍMC, Oliveira LO, Macêdo LC, Leal MHC, Morimura MCR, Gomes ET. Princípios dos cuidados paliativos em terapia intensiva na perspectiva dos enfermeiros. Rev Cuid. 2019; 10(1).
27. Figueiredo RMA, Sá LO, Lourenço TM, Almeida SS. Ansiedade relacionada à morte em cuidados paliativos: validação do diagnóstico de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2019; 32(2):178-85.
28. Nascimento DC, Nasser GM, Amorim CAAA, Porto TH. Luto: uma perspectiva da terapia analítico comportamental. Psicol Argum. 2015: 33(83); 446-458.
29. Arrieira ICO, Thofehrn MB, Porto AR, Moura PMM, Martins CL, Jacondino MB. Espiritualidade em cuidados paliativos: experiências vividas de uma equipe interdisciplinar. Rev Esc Enferm USP. 2018; 52.
30. Misko MD, Santos MR, Ichikawa CRF, Lima RAG, Bousso RS. A experiência da família da criança e/ou adolescente em cuidados paliativos: flutuando entre a esperança e a desesperança em um mundo transformado pelas perdas. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2015; 23(3): 560-7.
Publicado
2020-11-17
Como Citar
Lima, M. C., Araújo, A. H. I. M. de, & Mendes, M. I. de O. I. (2020). A INFLUÊNCIA DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM E A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL NO LUTO DA FAMÍLIA: UMA REVISÃO DA LITERATURA. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 3(7), 516-534. https://doi.org/10.5281/zenodo.4277982

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##