Artigo 02: CANVAS SOCIAL: TECNOLOGIA PARA MODELAR A MISSÃO E OS IMPACTOS DO TERCEIRO SETOR

  • Dr. Alessandro Aveni Universidade de Brasília, UnB, Brasil. Faculdade Processus, PROCESSUS, Brasil.
Palavras-chave: MODELO CANVAS SOCIAL. TERCEIRO SETOR. IMPACTO SOCIAL.

Resumo

O uso de modelos em formato Canvas, como o Business Model Canvas, desenvolve um papel importante na orientação de organizações empresariais e startups. O Canvas Social, como está sendo elaborado e praticado no exterior, é uma das maneiras de apresentar o modelo de uma organização que impacta socialmente. Existe também uma literatura do modelo Canvas principalmente sobre empresas com impacto social que não abrange todas as atividades propostas de valor social de organizações e todas as organizações engajadas. O trabalho propõese a comparar alguns modelos e propor a análise Canvas do modelo organizacional de organizações do terceiro setor. No Brasil estão surgindo iniciativas, modelos híbridos e práticas que precisam se amparar em um referencial teórico, e este é o objetivo do trabalho. Os resultados da análise foram aplicados com sucesso em uma organização da sociedade civil mostrando mais clareza em explicar sua missão e suas atividades com impactos sociais. A conclusão da pesquisa é que, em relação ao Canvas Social, há necessidade de usar tipos diferentes por diferentes organizações sociais que têm diferentes missões.

Biografia do Autor

Dr. Alessandro Aveni, Universidade de Brasília, UnB, Brasil. Faculdade Processus, PROCESSUS, Brasil.

Bacharel em Administração e Mestre em Geografia pela Universidade de Brasília-UnB, Doutor em Ciências Políticas pela Universidade Statale de Milano e em Administração pela Universidade Cormerciale Luigi Bocconi di Milano ambas na Itália. Possui também Especialização em Estratégia Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas ? FGV. Foi Gerente de Desenvolvimento da Rede Comercial e de Planejamento e Controle na Royal Dutch Shell/Itália. Exerceu função como gerente de desenvolvimento da rede comercial, gerente de planejamento e controle na Royal Dutch Shell ,Responsável de Tecnologia da Informação em diversos projetos, sociedades de consultoria e bancos italianos. No Brasil, entre 2005 e 2017, atuou como Professor na UnB, nas modalidades presencial e a distânca, em Administração, com ênfase em: Análise de Sistemas, Orçamento, Finanças e Matemática Financeira) e por 5 anos no ensino a distância na UNB. Entre 2009 e 2010 lecionou na Universidade Estadual de Goiás ? UEG, como Professor de Administração, com ênfase em: Administração Estratégica, Empreendedorismo e Responsabilidade Social, Gestão de Custos. Entre 2012 e 2014 foi estagiário e docente no departamento de Geografia UnB abordando os temas de política e geografia urbana, geografia econômica, geografia de transportes. Está em processo de conclusão do doutorado. Entre 2016 e 2018 Atuou como Professor de Gestão de projetos e Gestão do Terceiro setor no curso de Administração Pública da Faculdade Processus Campus II (nota 5 MEC) Foi pesquisador no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada ? IPEA em 2015 (Projeto: Rede Urbana do Brasil) Atualmente é Professor de Gestão do Terceiro setor da facultade Processus, de Empreendedorismo no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico ? CDT/UnB, onde atua também no ensino de Graduação e Pós-Graduação no Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação ? PPGPRONIT/UnB. Professor voluntário na Multincubadora do CDT onde participa de dois projetos de pesquisa. Ingressou em 2018 no Pód-Doc do Profnit com a pesquisa sobre Indicações Geográficas. È pesquisador do grupo Inovação e pesquisa em transportes - GIPT no CNPQ. http://dgp.cnpq.br/buscaoperacional/detalhegrupo.jsp?grupo=0240310NX9IPZB.

Referências

ALEX NICHOLLSSocial EntrepreneurshipNew Models of SustainableSocial ChangeEdited by Oxford Press . 2006

BLANK S.The Four Steps to the Epiphany. Ed. Lulu.com 2006 3ª ed.

BORNSTEIN, David. How to Change the World: Social Entrepreneurs and the Power of New Ideas.Oxford University Press 2004.

BRASIL Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999.

______ Lei nº 13.019, de 31 de Julho de 2014

DEFOURNY J., NYSSENS M., Social enterprise in Europe: recent trends and developments, in “Social Enterprise Journal”, Vol. 4, 3. 2008.

DRAYTONB.The social entrenpreneur. 1972.

DRUCKER, P. Innovation and entrepreneurship Practice and PrinciplesHarper&Row. New York1985.

_________. Managing non profit organization. Harper e Collins.1990.

_________. What Business Can Learn from Nonprofits. Harvard Business Review, Jul/Aug89, Vol. 67(4): 88-93.1989.

_________.Innovation and Entrepreneurship: Practice and Principles1985HARTS.L Capitalism at the CrossroadsWharton School Publishing, 2005.

LEADBEATER, C. The rise of the social entrepreneur. London: Demos, 1997.

M. YUNUSThe banker to the poor United States: PublicAffairs 1999.OSBORNE,S.P.. The Third Sector in Europe: Prospects and Challenges, London: Routledge.2008.

OSTERWALDER A.The Business Model Ontology-A Proposition In aDesign ScienceApproachPhD thesis University of Lausanne 2004. http://www.hec.unil.ch/aosterwa/PhD/Osterwalder_PhD_BM_Ontology.pdf.

PORTER, M.E. & Kramer, M.R. Strategy and Society: The Link Between Competitive Advantage and Corporate Social Responsibility,Harvard Business Review, December, pp. 78–92.2006.

PRAHALAD, C.K "The Fortune at the Bottom ofthe Pyramid" (Wharton School Publishing, 2004.

SINGER P.Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002.

SALAMON, L.M., AND ANHEIER, H.K. (eds.). Defining the Nonprofit Sector: A Cross-National Analysis. Manchester: Manchester University Press 1997.

SEBRAE. Referenciais para uma nova práxis educacional. Brasília: Sebrae,2001.

Publicado
2018-11-10
Como Citar
Alessandro Aveni. (2018). Artigo 02: CANVAS SOCIAL: TECNOLOGIA PARA MODELAR A MISSÃO E OS IMPACTOS DO TERCEIRO SETOR. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 1(2), 27-51. Recuperado de http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/48