O USO DA RITALINA® (METILFENIDATO) PARA O DESEMPENHO ACADÊMICO

  • Dra. Juliana Oliveira de Toledo Centro Universitário do Distrito Federal - UDF
  • José Leonardo Neto Centro Universitário do Distrito Federal - UDF
  • Marcos Suel Miranda da Silva Centro Universitário do Distrito Federal - UDF
  • Matheus Leonardo Sousa Centro Universitário do Distrito Federal - UDF
  • Suelen Fernandes Gontijo Centro Universitário do Distrito Federal - UDF
Palavras-chave: Ritalina. Desempenho acadêmico. Curso superior.

Resumo

O uso indiscriminado de psicoestimulantes entre estudantes universitários se tornou comum em busca de maior desempenho cognitivo. Um desses psicoestimulantes é o cloridrato de metilfenidato, conhecido comercialmente por Ritalina®. O objetivo deste artigo é apresentar a prevalência do uso de Ritalina® por acadêmicos de uma instituição de ensino superior, entre os meses de agosto a novembro de 2019. Foram abordados 144 estudantes de vários cursos, principalmente de ciências da saúde (Farmácia, Enfermagem, Veterinária, Educação Física, Odontologia e outros) de uma Instituição de Ensino Superior (IES). Os resultados mais relevantes mostraram que é prevalente o uso de Ritalina® entre estudantes da área de saúde, com faixa etária entre 22 e 27 anos, que admitiram conseguir o medicamento sem prescrição, com amigos, parentes, médicos e, também, com farmacêuticos. Apesar da revisão literária mencionar que os prejuízos ao usuário podem ultrapassar os limites da piora no desempenho cognitivo, o uso indiscriminado se mostrou prevalente entre estudantes dos 3º, 4º e 5º períodos (semestres) dos cursos de saúde. Considerando os resultados obtidos e a conduta incoerente de profissionais ao facilitar a aquisição da Ritalina®, espera-se que haja maior empenho de profissionais éticos e de órgãos fiscalizadores no intuito de inibir a distribuição desse e de outros psicoestimulantes sem a devida prescrição de profissionais competentes.

Biografia do Autor

Dra. Juliana Oliveira de Toledo, Centro Universitário do Distrito Federal - UDF

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde - FS/UnB. Mestre em Gerontologia pela Universidade Católica de Brasília-DF. Especialista em Saúde Pública e PSF- pela Universidade Castelo Branco- RJ. Graduada em Farmácia/Bioquímica e em Biomedicina pela PUC/Goiás. Professora substituta e Supervisora de Estágio I do Curso de Farmácia da Faculdade de Ceilândia/UNB em 2014. Possui experiência de 10 anos na área acadêmica atuando em docência e pesquisas financiadas pelo CNPq e FAP-DF. Exerceu coordenação de Curso de Farmácia por dois anos na IES - Faculdades LS, assim como a coordenação das atividades de extensão. Atualmente, docente no Curso de Graduação em Biomedicina e FARMÁCIA do Centro Universitário do Distrito Federal - UDF – 2019.

Marcos Suel Miranda da Silva, Centro Universitário do Distrito Federal - UDF

Graduando no curso de farmácia pela UDF – Universidade do Distrito Federal

Matheus Leonardo Sousa, Centro Universitário do Distrito Federal - UDF

Graduando no curso de farmácia pela UDF – Universidade do Distrito Federal

Suelen Fernandes Gontijo, Centro Universitário do Distrito Federal - UDF

Graduando no curso de farmácia pela UDF – Universidade do Distrito Federal

Referências

- Ortega, F., Barros, D., Caliman, L., Itaborahy, C., Junqueira, L., Ferreira, C.P. (Setembro 2010). A Ritalina no Brasil: produções, discursos e práticas. Interface (Botucatu), 14(34), 499-512. Recuperado em 11 abril 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141432832010000300003&lng=en&nrm=iso. Botucatu.

- Andrade, L.S., Gomes, A.P., Nunes, A.B., Rodrigues, N.S., Lemos, O., Rigueiras, P.O. (2018). Ritalina uma droga que ameaça a inteligência. Revista de Medicina e Saúde de Brasília. Recuperado em 11 abril 2019, de https://bdtd.ucb.br/index.php/rmsbr/article/view/8810/5727. Brasília.

- Anvisa. (1998). Portaria n. º 344, de 12 de maio de 1998. Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde.

- Gonçalves, C.S., Pedro, R.M.L.R. (2016). “Ele melhorou a performance dele dentro do colégio”: nas controvérsias do consumo da Ritalina. Recuperado em 8 maio 2019, de http://www.hcte.ufrj.br/downloads/sh/sh9/SH/trabalhos%20orais%20completos/ELEMELHOROU.pdf. Rio de Janeiro.

- BRASIL. Ministério da Saúde. (1996). Conselho Nacional de Saúde. Resolução Nº 196, de 10 de outubro de 1996. Conselho Nacional de Saúde: Brasília.

- Morgan, H.L., Petry, A.F., Licks, P.A.K., Ballester, A.O., Teixeira, K.N., Dumith, S.C. (2017). Consumo de estimulantes cerebrais por estudantes de medicina de uma universidade do Extremo Sul do Brasil: prevalência, motivação e efeitos percebidos. Revista Brasileira de Educação Médica, 41(1): 102-109. Recuperado em 8 maio 2019, de http://www.scielo.br/pdf/rbem/v41n1/1981-5271-rbem-41-1-0102.pdf. Minas Gerais.

- Anvisa. (2013, Online). Estudo aponta crescimento no consumo de metilfenidato. Recuperado em 22 de novembro 2019, de http://portal.anvisa.gov.br/resultado-de-busca?p_p_id=101&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-1&p_p_col_count=1&_101_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_

_assetEntryId=2673362&_101_type=content&_101_groupId=219201&_101_urlTitle=estudo-aponta-crescimento-no-consumo-de-metilfenidato&inheritRedirect=true. Brasília.

- Lopes, L.M.B., Gricoleto, A.R. L. (2011). Uso consciente de psicotrópicos: responsabilidade dos profissionais da saúde. Brazilian Journal of Health, 2(1): 1-14, Jan/Abr. http://inseer.ibict.br/bjh/index.php/bjh/article/viewFile/70/81.

Publicado
2019-11-29
Como Citar
de Toledo, D. J. O., Neto, J. L., Miranda da Silva, M. S., Sousa, M. L., & Gontijo, S. F. (2019). O USO DA RITALINA® (METILFENIDATO) PARA O DESEMPENHO ACADÊMICO. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 2(5), 283-294. Recuperado de http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/94