Lactentes e Síndrome de Down: Aspectos Nutricionais

Palavras-chave: I.Nutrição. II.Obesidade. III.Atenção Especializada.

Resumo

A Síndrome de Down, descrita por John Langdon Down, em 1865, é a alteração genética mais comum na faixa etária pediátrica. O transtorno é associado a um cromossomo 21 adicional ou a trissomia parcial deste. A inexperiência da família com relação à problemática de como compreendê-lo no dia a dia e de aceitar participar do planejamento de uma intervenção sistemática junto à equipe multiprofissional, e a ausência de informação pode acarretar em preconceitos e temores. Portadores dessa síndrome, requerem um atendimento específico para que se tenha êxito no seu desenvolvimento psicomotor. Este diagnóstico pode ser realizado no pré-natal ou no berçário.  Os portadores de síndrome de Down poderão apresentar cardiopatias, doenças do trato gastrintestinal e disfunções imunológicas. Além disso, a obesidade tem sido frequente neste público alvo, daí a importância de se priorizar uma alimentação adequada como uma base para qualidade de vida desses pacientes. Diante disso, para a avaliação dos pacientes com Síndrome de Down, quanto ao crescimento e desenvolvimento, recomenda-se o uso das curvas próprias para esta população. É de crucial importância que estes tenham um acompanhamento adequado com um profissional nutricionista qualificado para tratar das particularidades do metabolismo e fatores nutricionais inadequados. É necessário que os pais e cuidadores de portadores da Síndrome de Down sejam a porta de abertura para uma vida mais saudável destes e sejam instruídos de forma correta, uma vez que a influência de bons hábitos dos pais é sempre a melhor saída.A equipe de saúde, juntamente com os pais precisam acompanhar desde os primeiros dias de vida a evolução dessa criança para que os riscos associados aos fatores genéticos sejam minimizados. Faz-se necessário também, uma atenção com os cuidados de integração desta população para que sejam pessoas bem cuidadas, bem nutridas, felizes, produtivas e com qualidade de vida. Entendendo a relevância desse tema e buscando compreender mais sobre a relação entre os diagnósticos associados e as possíveis intercorrências no estado nutricional e alimentação dos lactentes com a Síndrome de Down, realizamos uma pesquisa em um centro de atendimento especializado do Distrito Federal.

Desejamos a todos uma excelente leitura!

Biografia do Autor

Adriana Haack, Escola Superior de Ciências da Saúde, ESCS, Brasil.

Possui Bacharelado em Nutrição pela Universidade de Brasília, Licenciatura Plena em Nutrição e Biologia pela Universidade Católica de Brasília, Especialização em Saúde Coletiva ,Especialização em Nutrição Clínica Enteral e Parenteral , com Metodologia Teórica e Prática pelo GANEP e Especialização em Nutrição Clínica pela ASBRAN . Pós graduação em Nutrição na Terceira Idade. Especialista em Gestão de Redes de Atenção à Saúde pela Fiocruz. Pós Graduanda em Qualidade em Saúde e Segurança do Paciente. Possui capacitação em Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa pela FIOCRUZ. Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília e Mestrado em Nutrição Humana pela Universidade de Brasília.. É nutricionista do Hospital Materno Infantil da Secretaria de Saúde , professora da Secretaria de Educação do DF . Membro do Conselho e Equipe Técnica do Hospital de Ensino do HMIB . Professor Titular do Programa de Mestrado Profissional da FEPECS/SES/DF. Tem experiência na área de gestão pública de serviços de saúde e atuação no Conselho de Segurança Alimentar do DF , Nutrição Clínica e Ambulatorial, com ênfase em Nutrição em Saúde Pública, alergia alimentar e fibrose cística . Atuação como Membro da Equipe Ambulatorial de Atendimento ao Fibrocístico. Atuação como Membro da equipe de atendimento à crianças portadoras de Alergia Alimentar do HMIB. Atuação como Membro do Conselho de Segurança Alimentar-CONSEA. Atuação como Membro do Comitê Central de Promoção de Saúde do DF. Atuação como Membro da comissão de Padronização de Nutrição da SES - DF. Atuação como Membro da Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional Enteral do HMIB.Membro do Comitê Técnico de Avaliação dos Projetos de Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Saúde

Damares Dias Vieira , Escola Superior de Ciências da Saúde, ESCS, Brasil.

Especialista em Saúde da Criança pelo Programa de Residência Multiprofissional da Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Bacharel em Nutrição pela Universidade do Vale do Paraíba.  Atuou em hospitais pediátricos, Unidade de Neonatologia (UNEO) no contexto do Método Canguru, Banco de Leite Humano, Atenção Básica e Atenção Especializada em Diabetes durante o Programa de Residência. Atuou na Secretaria Municipal de Educação, na gestão da merenda escolar do município de Jacareí. Atua como nutricionista da Secretaria Municipal de Saúde, em Jacareí-SP.

 

Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/3415778729748518

Endereço para acessar ORCID: http://orcid.org/0000-0001-6480-7493

E-mail: vieiradiasdamares@gmail.com

Alessandra Cedro da Silva Santos , Escola Superior de Ciências da Saúde, ESCS, Brasil.

Mestre em Nutrição Humana pela Universidade de Brasília (UnB - DF). Servidora Pública do Instituto de Saúde Mental, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (SES – DF). Bacharel em Nutrição pela Universidade Católica de Brasília (UCB - DF). Atuação como docente no curso de Graduação em Nutrição na faculdade LS Educacional. Atuação como membro do Núcleo Docente Estruturante do curso de Graduação em Nutrição da faculdade LS Educacional. Experiência na área de Nutrição Enteral e supervisão de produção de refeições (SES – DF).

 

Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/5520903820976712

Endereço para acessar ORCID: http://orcid.org/0000-0002-2483-1226

E-mail: alejandracedar@gmail.com

Referências

AL-SARHEED M. Feeding habits of children with Down’s Syndrome living in Riyadh, Saudi Arabia. Journal of Tropical Pediatrics Vol. 52, No. 2, 2005.

AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS. Comminttee on Genetics. Health Supervision for Children With Down Syndrome. Pediatrics., 107(2):442-9, fev., 2001.

AMORIM S.T.S.P.; MOREIRA H.; CARRARO T.E. Amamentação em crianças com Síndrome de Down: A percepção das mães sobre a atuação dos profissionais de saúde. Rev. Nutr., 12(1): 5-19, jan./abr., Campinas, 1999.

AQUINO R.C.; PHILIPPI S.T. Consumo infantil de alimentos industrializados e renda familiar na cidade de São Paulo. Rev Saúde Pública; 36(6):655-60. São Paulo, 2002.

ARANGUREN L.N. et al. Crecimiento y estado nutricional de niños venezolanos con Síndrome de Down. Archivos Venezolanos de Puericultura y Pediatria; Vol 69 (4): 161 – 167; 2006.

AVELINO. et al. O tratamento da laringomalácia: experiência em 22 casos. Rev Bras Otorrinolaringol. V.71, n.3, 330-4, mai./jun., 2005.

BARRIL N. et al. Avaliação clínica e nutricional de crianças com Síndrome de Down após inserção em programa preventivo. Cuidarte enfermagem. Vol.4; n.2; p.59-65; jul/dez., 2010.

BERMUDEZ, B.E. B. V. et al. Síndrome de Down: prevalência e distribuição de cardiopatia congênita no Brasil. São Paulo Medical Journal. Cases series São Paulo, v. 133, p.521-4, agosto, 2015.

BERTAPELLI F. Curvas de referência de crescimento para crianças e adolescentes com Síndrome de Down com idade entre 0 e 20 anos. Tese de doutorado. Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas: Campinas, 2016.

BERTELLI E.C.P. et al. Clinical profile of children with down syndrome treated in a genetics outpatient service in the Southeast of Brazil. Rev Assoc Med Bras; 55(5): 547-52; 2009.

BOECHAT M.C.B. et al. Cholelithiasis and biliary sludge in Down’s syndrome patients. Instituto Fernandes Figueira - Fundação Oswaldo Cruz - Rio de Janeiro, Brazil. Sao Paulo Med J.;125(6):329-32. 2007.

BORN D. Cardiopatia congênita. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, vol.93, n.6, supl.1, São Paulo, 2009.

BOSCHINI FILHO J. et al. Predominância do sexo masculino em recém-nascidos portadores da Síndrome de Down em diferentes situações citogenéticas. Rev Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, v. 5, n.2, p. 28 - 29, Sorocaba: 2003.

BRASIL. Cadernos de Atenção Básica: Saúde da criança, aleitamento materno e alimentação complementar. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília, 2015.

_______. Dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para crianças menores de dois anos: um guia para o profissional da saúde na atenção básica. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. 2. ed. – Brasília, 2010.

_______. Guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde – Brasília: 2019.

_______. Diretrizes de Atenção à pessoa com Síndrome de Down. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília, 2013.

_______. Roteiro para Elaboração de Protocolos de Atenção à Saúde na SES-DF. Subsecretaria de Atenção Integral à Saúde. Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde. Governo do Distrito Federal. Secretaria de Estado de Saúde. Brasília, 2010. Disponível em http://www.saude.df.gov.br/images/Protocolos/2016/3._Roteiro_para_Elaboracao_de_Protocolos_na_SES-DF.pdf. Acesso em: 22 out. 2017.

BRAVO N.C.C.; ALDANA C.T.S.; ARBELAEZ H.E.M. Correlación genotipo-fenotipo y análisis molecular en pacientes con síndrome Down. Revista Ciencias de la Salud v10, n3, p295-305. Bogotá: 2012.

BRAVO-VALENZUELA. et al. Curvas de crescimento pôndero-estatural em crianças com síndrome de Down: Uma revisão sistemática. Revista Paulista de Pediatria, v29, n2, p:261-269, São Paulo:2011.

CALVO M.L. et al. Morbimortalidad hospitalaria en niños con Síndrome de Down. Revista Chilena de Pediatría. Rev Chil Pediatr.; 87(2):102-109. 2016.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION- CDC. National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion; Division of Nutrition, Physical Activity, & Obesity. Use and Interpretation of the WHO and CDC Growth Charts for Children from Birth to 20 Years in the United States. 2013. Disponível em https://www.cdc.gov/nccdphp/dnpao/growthcharts/training/overview/page3.html. Acesso em: 11 dez. 2018.

_______. Division of Nutrition, Physical Activity, and Obesity; Nutrition. Grow Chart Training. Overview of the CDC Growth Charts. Features of the CDC Growth Charts. 2015. Disponível em https://www.cdc.gov/nccdphp/dnpao/growthcharts/training/overview/page3.html. Acesso em: 11 dez. 2018.

_______. Birth Defects Homepage. Specific Birth Defects; Down Syndrome. Growth Charts for Children with Down Syndrome. 2017. Disponível em https://www.cdc.gov/ncbddd/birthdefects/downsyndrome/growth-charts.html. Acesso em: 08 nov. 2018.

CHAVES, A.L.; CAMPOS, C.K.; NAVARRO, A.C. Relação da Síndrome de Down com a Obesidade. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento (versão eletrônica). São Paulo, v.2, n. 1, p.412-422, Set/Out., 2008.

CREMERS M.J.G. et al. Growth curves of Dutch with Down’s syndrome. Journal of Intellectual Disability Research, volume 40, parte 5, p412- 420, October, 1996.

CRONK, C.E. Growth of children with Down’s syndrome: birth to age 3 years. Pediatrics 1978;61:564-8.

CRONK, C.; CROCKER, A.C.; PUESCHEL, S.M.; SHEA, A.M.; ZACKAI, E., PICKENS, G. et al. Growth charts for children with Down syndrome: 1 month to 18 years of age. Pediatrics 1988;81:102-10.

DONÁ T.C.K. et al. Características e Prevalência de Cardiopatias Congênitas em Crianças com Síndrome de Down Submetidas à Cirurgia Cardíaca em um Hospital na Região Norte do Paraná. Rev. Equilíbrio Corporal Saúde, v.7, n.1, p.11-6, 2015.

DONOSO E.; VERA C. Aumento de la mortalidad infantil en niños con síndrome de Down. Chile 1997-2013. Rev Med Chile. 144: 1432-1439; 2016.

ELMAGRPY Z. et al. Down syndrome and congenital heart disease: why the regional difference as observed in the Libyan experience? Cardiovascular Journal of Africa. Líbia, v. 22, n.06, p.306–309, nov. 2011.

ERGAZ-SHALTIEL Z. et al. Neonatal characteristics and perinatal complications in neonates with Down syndrome. Am J Med Genet 9999:1–8, 2016.

ESPINOZA C.; OTAZÚ S. Manejo Nutritional em uma paciente con cardiopatia congeníta acianótica (CCA) y Síndrome de Down. ReNut 6 (2), p. 1043- 1053, 2012.

FARIA P.F. et al. Associação entre cardiopatias congênitas e infeções graves em crianças com síndrome de Down. Revista Portuguesa de Cardiologia; 33 (1):15-18; 2014.

FERNANDES A. et al. Characterisation of the somatic evolution of Portuguese children with Trisomy 21 – Preliminary results. Down Syndrome Research and Pratice (6), p.134- 138, 2001.

FOSCARINI, A. C. et al. Estado nutricional em portadores de Síndrome de Down com Cardiopatia Congênita: Comparação de curvas de crescimento. II Congresso Brasileiro de Medicina Hospitalar. Editora Blucher. São Paulo, v. 01 n.05, dez. 2014.

FRAGA L.D.; STRACIERI A.P.M. Prática de aleitamento materno e de alimentação complementar em crianças e adolescentes portadores de síndrome de down na apae de Timóteo-MG. 3º Congresso de Ciências da Saúde, 12ª Semana de Iniciação Científica e 3ª Semana de Extensão - UnilesteMG "Inovação a serviço da vida e ambientes saudáveis". Coronel Fabriciano-MG, 2011.

GALDINA A.P. A importância do cuidado nutricional na síndrome de Down. Monografia de Curso de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC. Criciuma, 45 p. 2012.

GARCÍA, F.; ROSELL, A. Nutrición en el lactante con cardiopatía congénita. Servicio de Pediatría. Hospital Universitario Son Dureta. Palma de Mallorca, 2008. Disponível em www.telecardiologo.com/descargas/15722.pdf. Acesso em: 10 out. 2018.

GORLA J.I. et al. Crescimento de crianças e adolescentes com Síndrome de Down – Uma breve revisão de literatura. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum, 13(3):230-237; 2011.

HEYMAN M.B.; ABRAMS S.A. AAP Section on Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition. AAP Committee on Nutrition. Fruit Juice in Infants, Children, and Adolescents: Current Recommendations. Pediatrics;139(6):e20170967; 2017.

HOPMAN, E. et al. Eating habits of young children with Down syndrome in The Netherlands: Adequate nutrient intakes but delayed introduction of solid food. Journal of the American Dietetic association, 98(7), 790–794. 1998.

JAMES W.H. J. med. Genet 1996; 33:806-808. Letters to the editor. The male excess in Down's syndrome. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1050748/pdf/jmedgene00263-0086b.pdf. Acesso em: 15 dez. 2018

JOSHI K. et al. Infantile spasms in Down syndrome: Rescue by knockdown of the GIRK2 channel. Annals of Neurology, 80(4), 511–521; out. 2016.

KIM M. et al. Prevalence of Congenital Heart Defects Associated with Down Syndrome in Korea. Korean Med Sci: 2014.

KIMURA J. et al. Longitudinal growth and height velocity of Japanese children with Down’s syndrome. Acta Paediatric. 92: 1039- 1042, 2003.
KOVALEVA N.V.; BUTOMO I.V.; KORBLEIN A. Sex ratio in Down syndrome. Studies in patients with confirmed trisomy 21. Tsitologiia i genetika , N 6: 43-4 2001.

LOPES, T. de S. et al. Assessment of anthropometric indexes of children and adolescents with Down syndrome. Jornal de Pediatria. Volume 84, n4, p350-6. Jul/Ago 2008.

MACKMAN C.A. et al. Growth Trajectory in Children with Trisomy 21 with and without Atrioventricular Septal Defect. Congenit Heart Dis. 2016.

MAGENIS M.L. et al. Dietary practices of children and adolescents with Down syndrome. Journal of Intellectual Disabilities; 22(2):125-134; Jun. 2018.

MAHAN L.K.; ESCOTT-STUMP S. Krause, alimentos, nutrição e dietoterapia. Tradução Natalia Rodrigues Pereira...et al. Rio de Janeiro, Elsevier, 2010.

MARTINS M.R.; SANTOS C.H.M.; FALCÃO G.R. Late diagnosis of Hirschsprung’s disease. Journal of Coloproctology; 35(3):178–181; Rio de Janeiro, 2015.

MEGUID N.A. et al. Growth charts of Egyptian children with Down syndrome (0-36 months). East Mediterr Health J.; 10(1-2):106-15; jan/mar 2004.

MORAES C.M. et al. Mortalidad y enfermedades asociadas al síndrome de Down en el primer año de vida. Experiencia de la Policlínica Interdisciplinaria de Atención al Niño con Síndrome de Down del Servicio de Recién Nacidos del Centro Hospitalario Pereira Rossell. Arch Pediatr Urug; 78(3); 2007.

MONTEIRO, F. P. M. et al. Caracterização Alimentar de Crianças com Cardiopatias Congênitas. Ciencia y Enfermeria. Concepción, v. 1, p77-88, 2012.

MOURA A.B. et al. Aspectos nutricionais em portadores da Síndrome de Down. Cadernos da Escola de Saúde, Curitiba, 02: 1- 1, 2009.

MOURATO, F. A.; VILLACHAN, L.R. R.; MATTOS, S.S. Prevalência e perfil das cardiopatias congênitas e hipertensão pulmonar na Síndrome de Down em serviço de cardiologia pediátrica. Revista Paulista de Pediatria. São Paulo, v.2, n. 32, p.159-163, 2012.

MUSTACCHI, Z. Curvas padrão pôndero-estatural de portadores de Síndrome de Down procedentes da região urbana da cidade de São Paulo. Tese (doutorado) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo. Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas; 192p. São Paulo, 2002.

_______. Síndrome de Down. In: MUSTACCHI, Z.; PERES, S. (Org.). Genética baseada em evidências - síndromes e heranças. CID editora, p. 817-894, São Paulo, 2000.

MYRELID, A. et al. Growth charts for Down’s syndrome from birth to 18 years of age. Arch Dis Child 2002; 87:97–103.

NETTO J.F.L. et al. Laryngomalacia surgery: a series from a tertiary pediatric hospital. Braz J Otorhinolaryngol.;78(6):99-106; 2012.

NISIHARA, R. M. et al. Doença celíaca em crianças e adolescentes com síndrome de Down. Jornal de Pediatria - Vol. 81, No.5, 2005.

NISLI K. Prevalence of congenital heart defects in patients with Down’s syndrome. Jornal de Pediatria; 85(5), p.377-378. Rio de Janeiro, 2009.

PAVLOVIC, M.; BERENJI, K.; BUKUROV, M. Screening of celiac disease in Down syndrome - Old and new dilemmas. World Journal of Clinical Cases. Jul 16; 5(7): 264–269. 2016.

PAVOSQUI, V.; PATERNEZ, A. C. A. C. Síndrome de Down e sua patogênese: principais características e sua abordagem nutricional. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo, v.5, n.26, p.48-56, Mar/Abr, 2011.

PINTO J.A. et al. Surgical treatment of severe laryngomalacia: a retrospective study of 11 cases. Braz J Otorhinolaryngol ;79(5):564-8; 2013.

PINHEIRO A.C. et al. Evaluación del estado nutricional en niños con síndrome de Down según diferentes referencias antropométricas. Rev. chil. pediatr. v.74 n.6; Santiago nov. 2003.

PIRO E. et al. Growth Charts of Down Syndrome in Sicily: Evaluation of 382 children 0- 14 years of age. American Journal of Medical Genetics Supplement 7:66- 70, 1990.

PISACANE A. et al. Down syndrome and breastfeeding. Acta Paediatr 92: 1479-1481. 2003.

PRADO M.B. et al. Acompanhamento nutricional de pacientes com Síndrome de Down atendidos em um consultório pediátrico. O Mundo da Saúde;33(3):335-346. São Paulo, 2009.

QUARESMA L. et al. Nutrição Entérica do Lactente com Cardiopatia Congénita. Acta Pediatrica Portuguesa; 46:119-25; 2015.
RETAMALES NATALIA RETAMALES M. et al. Morbilidad y Mortalidad durante el Primer Año de Vida en Pacientes con Síndrome de Down. Rev Chil Pediatr 2009; 80 (4): 323-331. Rev. chil. pediatr. v.80 n.4 Santiago ago. 2009
ROMANELI M.T.N. et al. Doença de Hirschsprung -Dismotilidade intestinal pós-cirúrgica. Revista Paulista Pediatr.;34(3):388---392; 2016.

RUZ-MONTES M.A. et al. Cardiopatías congénitas más frecuentes en niños con síndrome de Down. Revista Colombiana de Cardiología; 24(1):66---70, 2017.

SANTOS, G. G.; SOUSA, J.B.; ELIAS, B.C. Avaliação antropométrica e frequência alimentar em portadores de Síndrome de Down. Ensaios e Ciência- Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde Vol. 15, Nº. 3, Ano 2011.

SEDAGHAT S. et al. Supraglotoplastía láser en laringomalacia severa Laser supraglottoplasty for severe laryngomalacia. Rev. Otorrinolaringol. Cir. Cabeza Cuello; 76: 160-166; 2016.

SILVEIRA, A.C.; MORAIS, C. N. Terapia nutricional enteral em lactente cardiopata com desnutrição grave. Revista Brasileira de Nutrição Clínica. Porto Alegre, v.4, n. 28, p. 335-339, 2013.

SIMÕES, L.R.C. Avaliação nutricional e antropométrica de crianças de 06 e 36 meses com Síndrome de Down, e oferta de oficinas de culinária à suas famílias. Fundação Dom Bosco. Belo Horizonte. B.H. Sepex – Semana de Pesquisa e Extensão do Uni - BH 2007; IV; 30-37. Disponível em https://docplayer.com.br/15781439-Palavras-chave-avaliacao-antropometrica-oficina-de-culinaria-sindrome-de-down.html. Acesso em: 10 out. 2018

STYLES M.E. et al. New cross sectional stature, weight, and head circumference references for Down’s syndrome in the UK and Republic of Ireland. Arch Dis Child. 87, P.104–108, 2002.

TOLONI M.H.A. et al. Introdução de alimentos industrializados e de alimentos de uso tradicional na dieta de crianças de creches públicas no município de São Paulo. Rev. Nutr. vol.24 no.1 Campinas Jan./Fev. 2011.

VILAS BOAS L.T.; ALBERNAZ E.P.; COSTA R.G. Prevalência de cardiopatias congênitas em portadores da síndrome de Down na cidade de Pelotas (RS). J. Pediatr. (Rio J.)[online]. vol.85, n.5, pp.403-407. 2009.

VILLAR M.A.M. et al. Doença de Hirschsprung: experiência com uma série de 55 casos Hirschsprung’s disease: experiment with a serie of 55 cases. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 9 (3): 285-291, jul. / set., 2009.
WEFFORT, V.R.S.; LAMOUNIER, J.A. Nutrição em Pediatria. Da neonatologia à adolescência. 2ª edição. Barueri: Manole 2017.

WIECZORKIEVICZ A.M.; SOUZA K.V. O Processo de amamentação de mulheres mães de crianças portadoras de Síndrome de Down. Cogitare Enferm; 14(3):420-7, jul/set 2009.
WORLD HEALTH ORGANIZATION- WHO. Global Strategy for Infant and Young Child Feeding. Genebra, 2003.
XUEFEN SU. et al. Growth charts for Chinese Down syndrome children from birth to 14 years. Arch Dis Child;99:824–829; 2014

YANG, D. et al. Prevalence of celiac disease in patients with Down syndrome: a meta-analysis. Oncotarget. 9(4): 5387–5396, Janeiro, 2018.

ZEMEL B.S. et al. Growth Charts for Children With Dow Syndrome in the United States. PEDIATRICS Volume 136, number 5, nov. 2015.
TEMPSKI P.Z. et al. Protocolo de cuidado à saúde da pessoa com Síndrome de Down - IMREA/HCFMUSP. Revista Acta Fisiátrica;18(4):175-86; 2011.
Publicado
2020-10-21