INDICAÇÃO DE USO INDISCRIMINADO DE SILDENAFILA E TADALAFILA POR JOVENS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.5093826

Palavras-chave:

Disfunção erétil. Sildenafila. Tadalafila.

Resumo

A disfunção erétil (DE) é conhecida como uma dificuldade do homem em obter ou manter uma ereção, podem ter como causas algumas doenças e condições tais como: depressão, diabetes, hipertensão arterial, colesterol elevado, obesidade, doença coronária, doença de Parkinson, tratamento do cancro da próstata, consumo de esteroides anabolizantes, lesões na medula espinhal, toxicodependência, alcoolismo, e até mesmo stress e ansiedade. Uma descoberta acidental de um dos medicamentos mais famosos da indústria farmacêutica teve início no final da década de 80, quando o laboratório americano Pfizer, que havia investido muito em pesquisas e testes para encontrar um medicamento para hipertensão pulmonar e angina do peito. Então esses estudos foram encerrados em 1992, porque os primeiros resultados sugeriram que a droga tinha um pequeno efeito sobre a angina. Entretanto, foi notado algumas propriedades no citrato de sildenafila que poderia ser uma nova luz sobre o tratamento de disfunções eréteis. No período de 30 dias, em drogarias da região foram atendidos em média cerca de 800 indivíduos com idade entre 17 a 85 anos, onde se pode comprovar que não somente pessoas com disfunção erétil fazem o uso da sildenafila e tadalafila. Onde 51% desses indivíduos com idade entre 17 a 30 anos fazem uso desses medicamentos regulares, na maioria dos casos se dá para uso recreativo, sem uma indicação médica somente por questões pessoais como: aumentar a libido e para a melhora do desempenho sexual.

Biografia do Autor

Patrícia Mendes Rezende, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil

Orcid: https://orcid.org/0000-0001-7439-6480
Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil
E-mail: patriciamendes23@outlook.com

Marcus Vinicius da Silva Coimbra, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil

Orcid: https://orcid.org/0000-0002-5567-602X
Lattes: http://lattes.cnpq.br/7111897592346982
Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil
E-mail: professorfacesa@gmail.com

Referências

Sarris, AB, Nakamura, MC, Fernandes, LGR, Staichak, RL, Pupulim, AF e Sobreiro, BP Fisiopatologia, avaliação e tratamento da disfunção erétil: artigo de revisão. Revista de Medicina, 95(1), 18-29. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v95i1p18-29, 2016.

Parisotto-Peterle J, Bueno F. Estudo analítico e comparativo de comprimidos contendo citrato de sildenafila adquiridos no mercado formal e informal. Infarma - Ciências Farmacêuticas [Internet]. [Citado em 2020 Nov 29]; 28(4): 226-233. Disponível em:

http://revistas.cff.org.br/?journal=infarma&page=article&op=view&path%5B%5D=1685, 2016

Freitas VM, Menezes FG, Antonialli MMS, Nascimento JWL. Frequência de uso de inibidores de fosfodiesterase-5 por estudantes universitários. Revista Saúde Pública, São Paulo, v.42, n.5, p.965-7, out. 2008. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v42n5/6854.pdf Acesso em: 23/09/2018.

Smith WB, Mccaslin IR, Gokce A, Mandava SH, Trost L, Hellstrom WJ. PDE5 inhibitors: considerations for preference and long-term adherence. Int J Clin Pract Aug 2013; 67(8): 768- 780. doi: 10.1111/ijcp.12074.

Metodologia de pesquisa. 2018. Disponível em: https://www.andrefontenelle.com.br/tipos-de-pesquisa/#Pesquisa_de_Levantamento. Acesso em : 20 outubro 2018

Kukreja RC, Salloum F, Das A, Ockaili R, Yin C, Bremer YA, Fisher PW, Wittkamp M, Hawkins J, Chou E, Kukreja AK, Wang X, Marwaha VR, Xi L. Pharmacological preconditioning with sildenafil: basic mechanisms and clinical implications. Vascular Pharmacology, New York, v. 42, p. 219-232, 2005.

Almeida WRR. Desenvolvimento de metodologia analítica por UFLC, estudos de estabilidade e avaliação tecnológica de comprimidos de sildenafila. Uruguaiana-RS. 2016. Disponível em: . Acesso em 04 Set 2018

Santos RB. Determinação rápida do citrato de sildenafila empregando eletrodo impresso acoplado a sistemas BIA e FIA. Dourados – MS. 2016. Disponível em:< file:///C:/Users/Usuario/Desktop/TCC/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20Rafael%2 0Ba ckes.pdf>. Acesso em: 20 set 2018.

Wright PJ. Comparison of phosphodiesterase type 5 (PDE5) inhibitors. International Journal of Clinical Practice, Oxford, v. 60, p. 967–975, 2006.

Katzenstein L. Viagra, a nova revolução sexual: como funciona e pode mudar a sua vida. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

Batista DS. Estudo exploratório das variáveis relacionadas ao uso de Viagra, Cialis e Levitra por jovens sem disfunção sexual. 2005.43f. Monografia (Graduação em Psicologia) – Faculdade de Ciências da Saúde, Centro Universitário de Brasília, 2005.

Brunton LL, Lazo JS, Parker KL. Goodman & Gilman: as bases farmacológicas da terapêutic. Rio de Janeiro; McGraw-Hill Interamericana do Brasil; 2006. 1819 p. ilus.

Cavalcanti CO. Avaliação pré-clínica do efeito do citrato de sildenafil sobre o controle central da pressão arterial na hipertensão. João Pessoa-PB. 2016. Disponível em: Acesso em: 21 set 2018.

Amaro, A. et al. Avaliação do consumo de medicamentos para disfunção erétil entre indivíduos do gênero masculino na Região do Vale do Paraíba, São Paulo – Brasil

Smith KM, Romanelli F. Recreational use and misuse of phosphodiesterase 5 inhibitors. Journal of the American Pharmacists Association 2005; 45: 63-75.

Alves CR. O uso abusivo de sildenafila e tadalafila por jovens. – Brasília: UNIP, 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Farmácia) – Universidade Paulista, Instituto de Ciências da Saúde, Curso de Farmácia, 2018.

Giuliano F, Jackson G.; Montorsi F.; Martin-Morales A, Raillard, P. Safety of sildenafil citrate: reviewm of 67 double-blind placebocontrolled trials and the postmarketing safety database. The International Journal of Clinical Practice, Oxford, v. 64, n. 2, p. 240-255, 2010.

Abdo CHN, Oliveira Jr WD, Scanavino MT, Martins FG. Disfunção erétil: resultados do estudo da vida sexual do brasileiro. Rev Assoc Med Bras 2006; 52(6): 424-429. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ramb/v52n6/a23v52n6.pdf.

Giami A, Nascimento Kc, Russo J. Da impotência à disfunção erétil. Destinos da medicalização da sexualidade. Revista de saúde coletiva, v.28. n2. Disponível em: < https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S0103- 73312009000300005&script=sci_arttext&tlng=pt>. Acesso em: 23 set 2018.

Smith WB, Mccaslin IR, Gokce A, Mandava SH, Trost L, Hellstrom WJ. PDE5 inhibitors: considerations for preference and long-term adherence. Int J Clin Pract Aug 2013; 67(8): 768- 780. doi: 10.1111/ijcp.12074.

Villeda-Sandoval CI, Gonzáles-Cuenca E, Sotomayor MZ, Feria-Bernal G, Calao-Pérez MB, Ibarra-Saavedra R, et al. Frecuencia del uso recreacional de inhibidores de fosfodiesterasa-5 y otros potenciadores para mejorar La función sexual. Revista Mexicana de Urologia. México D.F. México, 2012.

Theves JA. Avaliação da qualidade de citrato de sildenafila em amostras comercializadas de forma ilícita. Santa Cruz do Sul - RS, 2015. Disponível em https://repositorio.unisc.br/jspui/bitstream/11624/1012/1/Jaqueline%20Amanda%20Theves.pdf. Acesso em: 02 dezembro 2020.

Amaro A, Fonda CA, Costa LAMR. Avaliação do consumo de medicamentos para disfunção erétil entre indivíduos do gênero masculino na região do Vale da Paraíba. 2014. 31 f. Monografia (Graduação em Farmácia) - Faculdade de Pindamonhangaba, Pindamonhangaba, 2014.

Shamloul R, Ghanem H. Erectile dysfunction. Lancet October 2013; 381: 153-165. doi: 10.1016/S0140-6736(12)60520-0.

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Rezende, . P. M. ., & Coimbra, M. V. da S. . (2021). INDICAÇÃO DE USO INDISCRIMINADO DE SILDENAFILA E TADALAFILA POR JOVENS. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, 4(9), 66–77. https://doi.org/10.5281/zenodo.5093826

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)