DIFICULDADES VIVENCIADAS PELOS ENFERMEIROS COMO MEMBRO DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL NO CUIDADO PALIATIVO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.5097028

Palavras-chave:

Enfermagem. Cuidados Paliativos. Morte. Unidade de Terapia Intensiva.

Resumo

Identificar as dificuldades vivenciadas pelos enfermeiros intensivistas frente ao Cuidado Paliativo (CP) em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Trata-se de uma revisão integrativa da literatura realizada nas bases de dados SCIELO, LILACS e BDENF. Para a construção da pergunta norteadora utilizou-se a estratégia PICO e para análise dos resultados foi utilizado o fluxograma PRISMA. As buscas abrangeram o período de 2015 a 2020, sendo selecionados os artigos disponíveis em português e na integra. Dessa forma, selecionou-se 10 artigos para análise por meio da síntese narrativa. Pode-se observar que são várias as dificuldades vivenciadas pelos enfermeiros frente à abordagem paliativa na UTI, que vão desde as barreiras decorrentes do próprio hospital, como a falta de protocolos que auxiliam na implantação dos cuidados paliativos bem como as dificuldades de comunicação entre a equipe multiprofissional e os familiares de pacientes. Também ficou evidente o despreparo dos enfermeiros na graduação perante o processo de morrer e a dificuldade em gerenciar seus sentimentos. Constatou-se que o enfermeiro é um agente importante na assistência do cuidado paliativo e que são muitos os desafios da enfermagem nesse contexto, portanto se faz necessário preparar o enfermeiro desde a graduação, para lidar com situações de terminalidade o que possibilitará uma assistência de enfermagem mais adequada e com menor sofrimento dos envolvidos.

Biografia do Autor

Patrícia Soares de Lima, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil

Orcid:  https://orcid.org/0000-0002-5539-193X
Lattes: http://lattes.cnpq.br/5512020394280203
Universidade Paulista - UNIP (DF)
E-mail: patricia.lima85s@gmail.com

Lúcia de Medeiros Taveira, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil

Orcid: https://orcid.org/0000-0001-9907-2183
Lattes: http://lattes.cnpq.br/6860971889208367
Universidade Paulista - UNIP (DF)
E-mail: lucia.taveira@docente.unip.br

Referências

Santana JCB, Dutra BS, Carlos JMM, Barros JKA. Ortotanásia nas unidades de terapia intensiva: percepção dos enfermeiros. Rev. bioét. (Impr.). 2017; 25 (1): 158-67. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1983-80422017251177

D’Arco C, Ferrari CMM, Carvalho LVB, Priel MR, Pereira LL. Obstinação terapêutica sob o referencial bioético da vulnerabilidade na prática da enfermagem. O Mundo da Saúde. 2016;40(3):382-389.

Disponível em: http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/155575/A13.pdf

Silva RS, Pereira A, Mussi FC. Conforto para uma boa morte: perspectiva de uma equipe de enfermagem intensivista. Esc. Anna Nery. 2015;19(1):40-46. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ean/v19n1/1414-8145-ean-19-01-0040.pdf

Lopes MFGL, Melo YST, Santos MWCL, Oliveira DAL, Maciel AMSB. Vivências de Enfermeiros no cuidado às pessoas em processo de finitude. Rev. Ciênc. Plur. 2020; 6(2):82-10. Disponível em: https://doi.org/10.21680/2446-7286.2020v6n2ID188

Donato H, Donato M. Etapas na condução de uma revisão sistemática. Acta Med Port [internet]. 2020 [acesso em 2020 Out 22];32(3):227-235. Disponível em: https://www.actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp/article/view/11923/5635

Verri ER, Bitencourt NAS, Oliveira JAS, Júnior RS, Marques HS, Porto MA, Rodrigues DG. Profissionais de enfermagem: compreensão sobre cuidados paliativos pediátricos. J Nurs UFPE online. 2019 13(1):126-36. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/234924/31141

Silva RS, Evangelista CLS, Santos RD, Paixão GPN, Marinho CLA, Lira GG. Percepção de enfermeiras intensivistas de hospital regional sobre distanásia, eutanásia e ortotanásia. Rev. Bioética (Impr.). 2016; 24 (3): 579-89. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1983-80422016243157

Santos FPPG, Comassetto I, Porciúncula AIC, Santos RM, Ferreira FAS, Magalhães APN. Ortotanásia e distanásia: percepção dos profissionais de saúde de uma unidade de terapia intensiva. Cienc Cuid Saude. 2016 Abr/Jun; 15(2): 288-296. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v15i2.26017

Cavalcanti ÍMC, Oliveira LO, Macêdo LC, Leal MHC, Morimura MCR, Gomes ET. Princípios dos cuidados paliativos em terapia intensiva na perspectiva dos enfermeiros. Rev Cuid. 2019; 10(1): e555. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v10i1.555

Silva EMB, Silva MJM, Silva DM. Perceção dos profissionais de saúde sobre os cuidados paliativos neonatais. Rev Bras Enferm. 2019;72(6):1787-94.

Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0842

Silva IN, Salim NR, Szylit R, Sampaio PSS, Ichikawa CRF, Santos MR. Conhecendo as práticas de cuidado da equipe de enfermagem em relação ao cuidado na situação de final de vida de recém-nascidos. Esc Anna Nery 2017;21(4):e20160369. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2016-0369

Downloads

Publicado

2021-07-13

Como Citar

Lima, P. S. de ., & Taveira, L. de M. . (2021). DIFICULDADES VIVENCIADAS PELOS ENFERMEIROS COMO MEMBRO DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL NO CUIDADO PALIATIVO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, 4(9), 161–174. https://doi.org/10.5281/zenodo.5097028