USO DE PESQUISAS PARTICIPATIVAS, DE INTERVENÇÃO E GRUPOS FOCAIS EM SAÚDE COM PESSOAS LGBTI+: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.5346450

Palavras-chave:

Pessoas LGBT, Pesquisa Participativa Baseada na Comunidade, Saúde das Minorias

Resumo

Introdução: Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais só foram notados pelas políticas de saúde com o advento da epidemia do HIV e da Aids e se tornou caso de saúde pública. Em 2013, é lançada a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT), instituída pela Portaria nº 2.836 e é também um marco histórico de reconhecimento de suas demandas em condição de vulnerabilidade. Objetivo: Levantar os estudos desenvolvidos à base das pesquisas participativas, de intervenção e grupos focais que tratem da temática da saúde da população LGBTI+. Metodologia: Trata-se de um estudo de revisão integrativa de literatura. A busca e a leitura ocorreram entre os meses de abril/2021 a maio/2021 nas bases de dados PubMed, Embase, Web of Science, Portal Regional da BVS, Cochrane, Google Acadêmico, com descritores: “pessoas LGBT” AND “pesquisa participativa baseada na comunidade” OR “saúde das minorias”. A busca pelo material ocorreu em quatro etapas: a primeira foi a busca através dos descritores, onde foram encontrados 614 artigos; a segunda fase aplicaram-se os filtros – idioma (português, inglês e espanhol), tipo de estudo (pesquisa qualitativa), e intervalo de tempo (últimos 5 anos – 2016 a 2021), diminuindo para 228 artigos; na terceira fase, fez-se uma análise minuciosa dos títulos que eram compatíveis com o objetivo desta revisão e, em seguida, realizou-se a leitura dos resumos para confirmar essa compatibilidade acordo com os critérios de inclusão: tinha que ser uma pesquisa participativa, pesquisa intervenção, grupos focais e que envolvessem pessoas LGBTI+. Resultados: Foram selecionados 26 artigos, os demais foram excluídos porque não eram pesquisas direcionadas às pessoas LGBTI+, fora do intervalo de tempo estimado, ou outro tipo de estudo. Conclusão: As abordagens utilizadas pelos autores são de suma importância, o grande desafio da aplicabilidade variaria de contexto e território, visto que a maioria das pesquisas selecionadas não eram de literatura nacional. Pensando nas dificuldades da aplicabilidade e reprodução no Brasil seria um desafio, visto que a população LGBTI+, mesmo com uma política específica, ainda são estigmatizadas, tem seus direitos lesados, e diariamente são tratados de formas desumanas e desiguais.

Biografia do Autor

Ilana Moraes dos Santos, Universidade Estadual de Goiás, UEG, Brasil

[1] Fisioterapeuta da APE de Goiânia e do Hospital Materno Infantil Dr. Jurandir do Nascimento (Goiânia-GO), especialista em fisioterapia hospitalar com ênfase em Terapia Intensiva.

José Francisco de Sousa, Universidade Católica de Brasília, UCB, DF, Brasil

[1] Formado em História, Letras, Pedagogia, Administração, Direito, Biologia e Geografia. Especialista em Análise do Comportamento, Psicodrama, Terapia Cognitivo Comportamental, Terapia Clínica. Mestre em Educação. Doutorando em Psicologia (UCB). Professor da Secretaria de Educação do Distrito Federal.

Uguiarlem Ribeiro Durães, Universidade de Brasília, UnB, DF, Brasil

[1] Terapeuta ocupacional na APAE de Unaí-MG, especialista em direitos humanos e ressocialização, em saúde da população em situação de rua, com ênfase na população negra. Fez residência multiprofissional em saúde da família e comunidade. Mestrando em Saúde Coletiva (UnB).

 

 

Referências

- Butler, Judith.; Rios, André. Desdiagnosticando o gênero. Physis: Revista Saúde Coletiva, vol. 19, p. 95-126, 2009.

– BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE - MS. Painel de Indicadores do SUS nº5 – Prevenção de Violências e Cultura de Paz. Brasília, DF, 2008.

- GRUPO GAY DA BAHIA – GGB. Mortes Violentas de LGBT+ no Brasil. Relatório 2018. Bahia, 2019.

- FÁBIO, André Cabette. A Trajetória e as Conquistas do Movimento LGBT Brasileiro. 2017. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/explicado/2017/06/17/A-trajet%C3%B3ria-e-as-conquistas-do-movimento-LGBT-brasileiro

– BRASIL, MINISTÉRO DA SAÚDE – MS. Política Nacional De Saúde Integral De Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Ministério da Saúde. Brasília: 2013.

- MELLO, Luiz. et al. Políticas de saúde para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no Brasil: em busca de universalidade, integralidade e equidade. Sexualidade, Salud e Sociedad, nº 9, pag.7-28, 2011.

- MAYAN, Maria J.; DAUM, Christine. Além da disseminação: Gerando e aplicando evidências qualitativas por meio de pesquisas participativas baseadas na comunidade. Em K. Oslon, RA Young, & IZ Schultz (Eds.), Manual de pesquisa qualitativa em saúde para prática baseada em evidências. New York: Springer pag. 441-452, 2016.

- DIAS, Sonia; GAMA, Ana. Investigação Participativa Baseada na Comunidade em Saúde Pública: Potencialidades e Desafios. Revista Panamericana de Salud Pública, Vol. 35, nº2, pag. 150‐154, 2014).

- ISRAEL, Barbara et al. Revisão da pesquisa baseada na comunidade: avaliando a abordagem de parceria para melhorar a saúde pública. Annual Review of Public Health, Vol. 19, pag: 173–202, 1998.

- MACDONALD, Gordon; BUNTON, Robin. Promoção da saúde, desenvolvimentos disciplinares. In R. Bunton & G. Macdonald (Eds.), Promoção da saúde - disciplina, diversidade e evolução. Londres, pag: 9-27, 2002.

- BUSS, Paulo Marchiori. Promoção da Saúde e Qualidade de Vida. Ciência e Saúde Coletiva, Vol. 5, nº 1, pag:163-177, 2000.

- CARGO, Margaret; MERCER, Shawna. O valor e os desafios da pesquisa participativa: fortalecendo sua prática. Annual Review of Public Health, Vol. 29, pag: 325–350, 2008.

GORCZYNSKI, Paul; FASOLI, Fabio. Estratégia de pesquisa em saúde mental focada em LGBTQ + em resposta ao COVID-19. The Lancet: Psychiatry, Vol.7, 8ª ed. nº 56, 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/S2215-0366(20)30300-X, Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lanpsy/article/PIIS2215-0366(20)30300-X/fulltext#articleInformation

MATTHEWS, Alicia K., et al. Adaptação de uma intervenção proativa de cessação do tabagismo para aumentar o uso da linha de parar de fumar por fumantes LGBT. Progresso em Parcerias de Saúde Comunitária: Pesquisa, Educação e Ação, Vol. 13, nº 5, pag. 71-84, 2019.

FROST, David M. et al. Estresse de minoria, ativismo e saúde no contexto de precariedade econômica: resultados de uma pesquisa nacional de ação participativa com jovens lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, queer e não conformes com o gênero. Revista:American Journal of comumunity Psychology. Society Community Research and Action. Vol. 63, 3-4ª ed., 2019. DOI: https://doi.org/10.1002/ajcp.12326, Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1002/ajcp.12326

SUN, Christina J. et al. Pequenos tabletes de ouro”: um exame das dimensões psicológicas e sociais da PrEP entre as comunidades LGBTQ. Educação e Prevenção da AIDS, Vol. 1, pag. 51-62, 2019. Disponível em: https://guilfordjournals.com/doi/10.1521/aeap.2019.31.1.51

LOGIE, Carmem H. et al. Experiências e percepções de constrangimentos sociais e mudança social entre lésbicas, gays, bissexuais e transexuais no Lesoto. International Journal for Research, Interventon and Care, Vol. 21, 2019. DOI: https://doi.org/10.1080/13691058.2018.1498539. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13691058.2018.1498539?scroll=top&needAccess=true.

SUN, Christina J.; NALL, Jennifer L. e RHODES, Scott D. Percepções de necessidades, bens e prioridades entre homens negros que fazem sexo com homens com HIV: ações voltadas para a comunidade e impactos de um processo fotográfico participativo. American Journal of Men’s Health. 2019. DOI: 10.1177/155798831880490 Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1557988318804901.

GIRARD, Gabriel et al. A prevenção do HIV está criando novas biossocialidades entre os gays? Tratamento como prevenção e profilaxia pré-exposição no Canadá. Revista:Sociologyof Health e Illness. Vol. 41, pag: 484-501, 2019. DOI: https://doi.org/10.1111/1467-9566.12826. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/1467-9566.12826.

DIAS, Sónia; GAMA, Ana; SIMÕES, Daniel e MENDÃO, Luís. Processo de implementação e impactos de um HIV participativo - Projeto de pesquisa com populações-chave. BioMed Research International, Vol., 2018. DOI: https://doi.org/10.1155/2018/5845218. Disponível em: https://downloads.hindawi.com/journals/bmri/2018/5845218.pdf

JESSAMYN, Bowling et al. Um estudo de métodos múltiplos de comportamentos de saúde e preocupações percebidas de mulheres de minorias sexuais em Mumbai, Índia. Sexual Health, Vol. 15, pag. 29-38, 2017. DOI: https://doi.org/10.1071/SH17042. Disponível em: https://www.publish.csiro.au/sh/SH17042

WRIGHT, Leslie A. et al. Lições aprendidas com a pesquisa participativa de base comunitária: estabelecendo uma parceria para apoiar o envelhecimento de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros. Family Practice, Vol. 34, pag. 330-335, 2017. DOI: https://doi.org/10.1093/fampra/cmx005.

SEELMAN, Kristie L.; ADAMS, Mary Anne e POTEAT, Tonia. Intervenções para envelhecimento saudável entre lésbicas negras maduras: Recomendações coletadas por meio de pesquisas baseadas na comunidade. Journal of Women e Aging, Vol. 29, pag. 530-542, 2017. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/08952841.2016.1256733?scroll=top&needAccess=true

BOWLING, Jessamyn et al. Preocupações com a saúde percebidas entre mulheres de minorias sexuais em Mumbai, Índia: um estudo qualitativo exploratório. Culture, Health & Sexuality, Vol. 18, 2016. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13691058.2015.1134812?scroll=top&needAccess=true

GARCIA-RABINES, Diego; BENCICH, Bruno. Estratégias de resistência com base na comunidade entre um grupo de mulheres trans em Lima, Peru, durante a pandemia COVID-19. Journal of Homosexuality, Vol. 68, 4ª ed. 2021. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/00918369.2020.1868189?scroll=top&needAccess=true

CEREZO, Alison et al. Compreendendo o poder das mídias sociais durante o COVID-19: Formando normas sociais para beber entre mulheres universitárias expansivas de gênero de minoria sexual. Journal of Homosexuality, Vol. 68: 4ª ed. pag. 560-576, 2021. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/00918369.2020.1868183?scroll=top&needAccess=true

SILVA, Amanda de Cassia Azevedo et al. Implementação da Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (PNSI LGBT) no Paraná, Brasil. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. Vol. 24, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/Interface.190568, https://doi.org/10.1590/Interface.190568.

LAMPALZER, Ute et al. As necessidades das pessoas LGBTI em relação às estruturas de saúde, medidas de prevenção e procedimentos de diagnóstico e tratamento: um estudo qualitativo em uma metrópole alemã. International Journal Environmental Research and Public Health. Vol 16, 19ª ed., 2019. DOI: https://doi.org/10.3390/ijerph16193547. Disponível em: https://www.mdpi.com/1660-4601/16/19/3547/htm

GREENE, Madelyne Z. et al. Experiências de mulheres de minorias sexuais com a divulgação da identidade sexual no tratamento de anticoncepcionais. Obstetrícia e Ginecologia, Vol. 133, 5ª ed., pag: 1012-1023, 2019. Disponível em: https://journals.lww.com/greenjournal/Abstract/2019/05000/Sexual_Minority_Women_s_Experiences_With_Sexual.23.aspx

EVENS, Emily et al. Experiências de violência de gênero entre mulheres profissionais do sexo, homens que fazem sexo com homens e mulheres trans na América Latina e no Caribe: um estudo qualitativo para informar a programação do HIV. Revista:BMC International Health and Human Rights, Vol. 19, 2019. DOI: https://doi.org/10.1186/s12914-019-0187-5. Disponível em: https://bmcinthealthhumrights.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s12914-019-0187-5.pdf

PUTNEY, Jennifer M. et al. "O medo é profundo", as necessidades previstas de adultos LGBT mais velhos em cuidados de longa duração. Journal of Gerontological Social Work, Vol. 61, Ed.8, pág:887- 907, 2018. DOI: https://doi.org/10.1080/01634372.2018.1508109

GARCIA, Jonathan; PEREZ-BRUMER, Amaya; CABELLO, Robinson et al. “E então quebre o clichê”: entendendo e enfrentando a vulnerabilidade ao HIV por meio do desenvolvimento de uma telenovela de prevenção do HIV com homens que fazem sexo com homens e mulheres trans em Lima, Peru. Arch Sex Behav. Vol. 47, pág: 1995–2005, 2018. https://doi.org/10.1007/s10508-017-1119-x

IBRAGIMOV, Umedjon e WONG, Frank Y. Exame qualitativo do estigma contra homens gays e bissexuais e resultados de saúde relacionados no Tajiquistão, Ásia Central. Saúde Pública Global, Vol. 13, 5ª ed. pág: 597-611, 2018. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/17441692.2016.1224910

MÜLLER, Alex. Lutando pelo acesso: disponibilidade, acessibilidade, aceitabilidade e qualidade dos cuidados de saúde para lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros na África do Sul. BMC Int Health Hum Rights. Vol. 17, nº 16, 2017. Disponível em: https://bmcinthealthhumrights.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s12914-017-0124-4.pdf

MARCELL, Arik V. A socioecologia do uso de cuidados de saúde sexual e reprodutiva entre jovens do sexo masculino pertencentes a minorias urbanas. Journal of Adolescent Health. Vol. 60, 4ª ed. pág:404-410, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jadohealth.2016.11.014. Disponível em: https://www.jahonline.org/article/S1054-139X(16)30867-9/fulltext#

LOGIE, Carmen H. et al. É para nós, recém-chegados, pessoas LGBTQ e pessoas HIV-positivas. Você se sente livre para ser": um estudo qualitativo que explora a participação de grupos de apoio social entre lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros africanos e caribenhos recém-chegados e refugiados em Toronto, Canadá. BMC Int Health Hum Rights, Vol.16, nº 18, 2016. Disponível em: https://bmcinthealthhumrights.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s12914-016-0092-0.pdf

KURTZ, Steven P. e BUTTRAM, Mance E. Incompreensão do uso de profilaxia pré-exposição entre homens que fazem sexo com homens: implicações para a saúde pública e políticas. Saúde LGBT Vol. 3, nº 6, pag. 461-464, 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5165658/pdf/lgbt.2015.0069.pdf

KOTTORP, Anders et al. Habitação para pessoas LGBTQ envelhecidas na Suécia: um estudo descritivo de necessidades, preferências e preocupações. Scandinavian Journal of Occupational Therapy, Vol. 23, 5ª ed., pag. 337-346, 2016.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

Santos, I. M. dos ., Sousa, J. F. de ., & Durães, U. R. . (2021). USO DE PESQUISAS PARTICIPATIVAS, DE INTERVENÇÃO E GRUPOS FOCAIS EM SAÚDE COM PESSOAS LGBTI+: UMA REVISÃO INTEGRATIVA. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, 4(9), 267–297. https://doi.org/10.5281/zenodo.5346450