SÍNDROME HEMOLÍTICA URÊMICA ATÍPICA (SHUA) PÓS TRANSPLANTE RENAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/jrg.v3i7.32

Palavras-chave:

Síndrome Hemolítica Urêmica Atípica. Microangiopatia trombótica. Eculizumab.

Resumo

A síndrome hemolítica urêmica (SHU) é uma doença que pertence ao grupo das microangiopatias trombóticas1 doença esta, grave definida pela tríade de anemia hemolítica microangiopática, trombocitopenia e lesão renal aguda. É dividida em dois subtipos, a SHU típica e a SHU atípica (SHUa). Essa divisão é baseada na apresentação clínica e, principalmente, nas causas da síndrome. O objetivo deste estudo foi identificar os casos de recorrência da Síndrome Hemolítica Urêmica Atípica Pós Transplante Renal. Trata-se de uma revisão integrativa de abordagem qualitativa, realizada nos meses de agosto de 2019 a junho de 2020. Buscou-se referências como: Scientific Eletronic Library Online, Jornal Brasileiro de Nefrologia, Ministério da Saúde, MEDLINE e BDENF, onde foram pesquisados e estudados 22, dos quais 6 tiveram mais relevância para o desenvolvimento deste trabalho. Os resultados do estudo demonstram que ainda que seja considerada uma doença grave, poucos são os estudos realizados sobre SHUa, e com longo intervalo de tempo entre as publicações, contudo conclui-se a recorrência de SHUa pós transplante renal necessitando de tratamento medicamentoso com Eculizumab ao longo da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thamara Cardoso Barbosa, FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/3308612636208059
Orcid: https://orcid.org/0000-0003-3149-7446

Mariellen da Silva Caixeta, FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.

Orcid: https://orcid.org/0000-0002-1131-4086

Walquiria Lene dos Santos, FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/4723603129713855
Orcid: https://orcid.org/0000-0001-6489-5243
E-mail: walquiria@senaaires.com.br

Alice da Cunha Morales Álvares, FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.

Orcid: https://orcid.org/0000-0002-0444-1319

Lattes: http://lattes.cnpq.br/5367332853652325

Referências

Eculizumab na Síndrome Hemolítica ­ Urêmica Atípica.;62–82.Yvoty A. S. Sens, Luiz A. Miorin, Hélio G. C. Silva, Pedro Jabur Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. 2017.

SOUSA D. Síndrome Hemolítica Urémica Atípica.;30. Available from: https://sigarra.up.pt/fmup/pt/pub_geral.show_file?pi_gdoc_id=626330 Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar- Universidade do Porto, Portugal. 2014.

DRIELLY M. S. Ferreira; Carlos Pereira Nunes Eculizumab para tratamento da síndrome hemolítica urêmica atípica. Revista da Faculdade de Medicina de Teresópolis V.1 | N.1.2017.

TOMÁS D, Luís A, Dra O, Santos J. O papel do Sistema Complemento no Síndrome Hemolítico Urémico Atípico.; Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto, Portugal. 2014.

SENS YAS, Miorin LA, Silva HGC, Jabur P. Revisão / Atualização em Transplante Renal : Síndrome Hemolítico- Urêmica pós-transplante renal Síndrome Hemolítico-Urêmica.20 (2):211–4. 1998.

NEFROLOGIA SB De. Um novo biênio, uma nova diretoria à frente da SBN; Publicação Oficial da Sociedade Brasileira de Nefrologia Ano 25 | nº 116 Outubro Novembro Dezembro | 2018.

Publicado

2020-07-13

Como Citar

BARBOSA, T. C. .; CAIXETA, M. da S. .; SANTOS, W. L. dos .; ÁLVARES, A. da C. M. . SÍNDROME HEMOLÍTICA URÊMICA ATÍPICA (SHUA) PÓS TRANSPLANTE RENAL. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 3, n. 7, p. 01–09, 2020. DOI: 10.5281/jrg.v3i7.32. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/32. Acesso em: 18 jun. 2024.