VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA E OS DIREITOS DAS GESTANTES: O QUE AS MULHERES SABEM?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.5948750

Palavras-chave:

Violência, Direito das Mulheres, Parto Humanizado, Conhecimento, Educação em Saúde

Resumo

Violência obstétrica consiste em atos de violência contra mulher, realizado por profissionais de saúde, em qualquer fase do ciclo gravídico-puerperal, utilizando intervenções abusivas como procedimentos de rotina ou impedindo a mulher de exercer seus direitos durante a gestação, parto e puerpério. A violência obstétrica é um problema social e é desconhecida para muitas mulheres, portanto, esta pesquisa teve como objetivo analisar o nível de conhecimento das mulheres, gestantes e/ou mães, acerca da violência obstétrica e dos seus direitos durante o ciclo gravídico-puerperal. Trata-se de uma pesquisa de campo descritiva com abordagem quantitativa, na qual foi aplicado um questionário por meio de uma plataforma online, no período de março a abril de 2021, tendo como critério de inclusão mães e/ou gestantes, de 18 a 40 anos, que residiam no município Valparaíso de Goiás e utilizavam a rede pública de saúde. O questionário foi respondido por 56 mulheres que aceitaram participar da pesquisa. A partir da análise de 56 questionários respondidos, foi observado que 80% das mulheres entrevistadas conhecem o significado do termo violência obstétrica, entretanto, conhecem parcialmente as formas de violência. Apesar das mulheres conhecerem parcialmente a violência obstétrica, os resultados revelam a importância de disseminar mais informações sobre o assunto, e a importância do comprometimento dos profissionais de saúde em orientar as gestantes e prepará-las para um futuro parto humanizado, deixando-as ciente sobre seus direitos e da sua autonomia frente às suas escolhas.

Biografia do Autor

Giovanna Maria Oliveira de Lacerda, Faculdade Sena Aires, Valparaíso de Goiás, Brasil

Graduação em andamento em Enfermagem pelo COLEGIO SENA AIRES, CTESA_PPROV, Brasil.

Valéria da Costa Mariano, Faculdade Sena Aires, Valparaíso de Goiás, Brasil

Graduada em Enfermagem pelo COLEGIO SENA AIRES, CTESA_PPROV, Brasil.

Sandra Godói de Passos, Centro Universitário - UNIDESC, Brasil

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Católica de Goiás (2004) , Mestrado em Gerontologia pela Universidade Católica de Brasília (2019) e Especialização em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília (UNB). Atualmente, docente presencial e EAD FACESA e enfermeira em UBS. Experiência na área de Enfermagem, atuando principalmente nos seguintes temas: Estratégia Saúde da Família/UBS, Saúde da Mulher e do recém - nascido, Saúde Pública, enfermagem cirúrgica, saúde do adulto e do idoso, enfermagem, mulher - presa, cuidado com o idoso, urgência e emergência e UTI

Referências

Souza AB, Silva LC, Alves RN, Alarção ACJ. Fatores associados à ocorrência de violência obstétrica institucional: uma revisão integrativa da literatura. 2016; 25(3): 115-128.

Costa ADF, Oliveira TCF. Violência obstétrica: do sono ao pesadelo. Salvador. Trabalho de Conclusão de Curso [graduação em direito] - Universidade Católica de Salvador; 2018.

Sauaia AS, Serra MCM. Uma dor além do parto: violência obstétrica em foco. Rev. de Direitos Humanos e Efetividade. 2016; 15(1): 103-8.

Luz AA, Silva LAS, Lemos LR, Aoyama EA. As diversas faces da violência obstétrica no âmbito hospitalar. Rev. Bras. Inter. de Saúde. 2019; 1(3): 78-83.

Barbosa NR, Lima TQ, Barros LA, Cotta CFA. (Des)conhecimento sobre a prática da violência obstétrica. Enf. Bras. 2018; 17(4): 318-325.

Parto do Princípio – Mulheres em Rede pela Maternidade Ativa. Dossiê violência obstétrica “parirás com dor” elaborado pela Rede Parto do Princípio para CPMI Violência Contra as Mulheres. 2012. Disponível em: https://www.senado.gov.br/comissoes/documentos/SSCEPI/DOC%20VCM%20367.pdf. Acesso: 16 de março de 2020.

Sandim NFC. Nível de conhecimento das mulheres acerca da violência obstétrica. Brasília. Trabalho de Conclusão de Curso [graduação em fisioterapia] – Faculdade de Ciência da Educação e Saúde, Centro Universitário de Brasília; 2017.

Zanardo GLP, Uribe MC, Nadal AHR, Habigzang LF. Violência obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicol. Soc. 2017. Disponível em: http:/www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=SO1O1-7182201700010

&Ing=en&nrm=iso.

Souza JG, Azevedo MFBD, Silva MRB, Souza DRS, Silva HCDA, Cunha AL, et. al. Conhecimento das mulheres sobre violência obstétrica em uma unidade básica de saúde na Zona Oeste. Rev.Glob.Acad.Nurs. 2021; 2(1). Disponível em: http://globalacademicnursing.com/index.php/globacadnurs/article/view/12

Acesso em: 08 de abril de 2020.

Farias MMPC; Silva DDA; Barros JS; Pereira HÁ; França AMB; Dantas NPM. Análise da violência obstétrica pela mulher: vivência e reconhecimento de procedimentos obstétricos associados. Brazilian Jornal of Development. 2021; 7(2): 18425-18437.

Venturi G, Godinho T. Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: Fundação Perseu Abramo e Editora SESC; 2013. Disponível em: https://fpabramo.org.br/publicacoes/wp- content/uploads/sites/5/2017/05/pesquisaintegra_0.pdf. Acesso em: 14 de março de 2021.

Brasil. Lei nº 11.108, de 7 de abril de 2005. Garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto. Diário Oficial da União. 8 de março de 2005. Disponível em: http//www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/Lei/L11108.htm. Acesso em: 12 de março de 2021.

Brasil. Lei nº 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Regula o § 7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Diário Oficial da União. 15 de janeiro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9263.htm. Acesso em: 12 de março de 2021.

Brasil. Lei nº 11.634, de 27 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o direito da gestante ao conhecimento e a vinculação à maternidade onde receberá assistência no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União. 28 de dezembro de 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11634.htm. Acesso em: 12 de março de 2021.

Conselho Federal de Medicina (Brasil). Resolução nº 2.133, de 17 de março de 2016. É ético o médico atender à vontade da gestante de realizar parto cesariano, garantida a autonomia do médico, da paciente e a segurança do binômio materno fetal. Diário Oficial da União. 22 jun 2016. Disponível em: https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=138&data=22/06/2016. Acesso em: 12 de março de 2021.

Junqueira TL, Coelho ASF, Souza MC, Louro NS, Silva OS, Almeida NAM. Gestantes que recebem informações de profissionais de saúde e o conhecimento de seus direitos no período gravídico-puerperal. Enferm. Foco. 2019; 10(4): 67-22.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida. Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_assistencia_parto_normal.pdf. Acesso em: 14 de abril de 2021.

Ribeiro KG, Ribeiro TCSM, Dias RSF, Neta ME, Leite MG, Silva KS, et. al. Caracterização da violência obstétrica na produção cientifica: uma revisão integrativa. REAS. 2021; 13(4): 1-8. Disponível em: https://acervomais.com.br

Martins FL, Silva BO, Carvalho FLO, Costa DM, Paris LRP, Junior LRG, et.al. Violência obstétrica: uma expressão nova para um problema histórico. Rev. Saúde em Foco. 2019; 11(1): 413-423.

Santos ML, Silva DKF, Andrade OS, Albuquerque TT. Plano de parto: o conhecimento da gestante sobre esta ferramenta para empoderamento durante a assistência obstétrica. Braz. J. Hea. Rev. 2020; 3(4): 10143-10165.

Monteiro BR, Souza NL, Silva PP, Pinto ESG, França DF, Andrade ACA, et. al. Atenção à saúde no contexto do pré-natal e parto sob a perspectiva de puérperas. Rev. Bras. Enferm. 2020; 7(4). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034- 71672020000400192&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 14 de março de 2021.

Downloads

Publicado

2022-02-02

Como Citar

Lacerda, G. M. O. de ., Mariano, V. da C. ., & Passos, S. G. de . (2022). VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA E OS DIREITOS DAS GESTANTES: O QUE AS MULHERES SABEM? . Revista JRG De Estudos Acadêmicos, 5(10), 42–53. https://doi.org/10.5281/zenodo.5948750