AS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELA MULHER NA PREVENÇÃO CONTRA A CANDIDÍASE VULVOVAGINAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.6785015%20

Palavras-chave:

Candidíase vulvovaginal. Profilaxia. Recidiva.

Resumo

As dificuldades encontradas pela mulher na prevenção contra a candidíase vulvovaginal. Problema: A falta de medidas preventivas para a candidíase atrapalha o bem-estar da mulher, sua vida íntima e suas relações. Hipótese: Uma das hipóteses abordadas nesta pesquisa é que as mulheres confundem os sinais e sintomas com as demais patologias, visto que, a maioria não busca ou demora a procurar assistência de um profissional da saúde, fazendo o tratamento de forma incorreta, o que causa recidivas. Outra hipótese é a má alimentação, vestimentas apertadas e má higienização das áreas e peças íntimas. Objetivo: Compreender as dificuldades encontradas pela mulher na prevenção contra a candidíase vulvovaginal. Justificativa: Trazer mais conhecimentos para os profissionais de enfermagem, para a ciência e para a sociedade. Método: Revisão sistemática da literatura, por meio da abordagem metodológica qualitativa, na qual os locais de estudo foram os artigos científicos em bases da Literatura Latino-Americana, do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), revistas online e publicações do Ministério da Saúde. Resultado: Trouxe a difícil rotina de uma mulher que faz com que ela não consiga se adaptar às mudanças do dia a dia de modo que não contraia a candidíase vulvovaginal. Assim, o número de recidiva só aumenta, causando transtornos para ela. Conclusão: Diante das dificuldades enfrentadas pelas mulheres contra a candidíase, pode-se citar o tamanho do problema relacionado, principalmente, à profilaxia e à recorrência da candidíase vulvovaginal presente na flora vaginal, muitas vezes associado à falta de informação e orientação adequada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emanuelly Priscila Rodrigues Pereira, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Valparaíso de Goiás, Brasil

mceclip0.png https://orcid.org/0000-0002-2031-6972
mceclip1.png http://lattes.cnpq.br/4574159500823027
Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Valparaíso de Goiás, Brasil
E-mail: emanuelly.priscila2@gmail.com

Priscila Azevedo da Silva Nóbrega, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Valparaíso de Goiás, Brasil

mceclip2.png https://orcid.org/0000-0002-3714-2526
mceclip3.png http://lattes.cnpq.br/3781900352814241
Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Valparaíso de Goiás, Brasil
E-mail: executivapriscila@gmail.com

Sandra Godoi de Passos, Universidade Católica de Brasília, UCB/DF, Brasil

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Católica de Goiás (2004) , Mestrado em Gerontologia pela Universidade Católica de Brasília (2019) e Especialização em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília (UNB). Atualmente, docente presencial e EAD FACESA , enfermeira em Unidade Básica de Saúde . Experiência na área de Enfermagem, atuando principalmente nos seguintes temas: Estratégia Saúde da Família/UBS, Saúde da Mulher e do recém - nascido, Saúde Pública, enfermagem cirúrgica, saúde do adulto e do idoso, enfermagem, mulher - presa, cuidado com o idoso, urgência e emergência e UTI. 

Referências

Souza TS. Cândida Albicans: mecanismos que facilitam a proliferação vulvovaginal. Centro Univer. Anhanguera de Niterói, 2019.

Gabriel A, Pires DVDC, Massaro TC. Candidíase Vulvovaginal e Oral: conhecimento das mulheres universitárias. União das Instituições de Serviço, Ensino e Pesquisa - UNISEPE. Centro Univer. Amparense - UniFia, 2016.

Furtado HLA, Motta BLA, Mendes TL, Silva TO, Santo JRA. Fatores Predisponentes na Prevalência da Candidíase Vulvovaginal. Revisa de Investigação Biomédica. São Luís, 10(2).

Carmona S, Sanches R, Ferreira MC, Gouveia M. Probióticos: haverá algum benefício no tratamento e prevenção das infecções urogenitais na mulher adulta? Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar: 2018; pp. 34:425-7.

Nogueira MIS. Implantação do Núcleo para as Políticas de DST/AIDS, Hepatites Virais e Tuberculose: uma estratégia de gestão para práticas e promoção da saúde no município de AREZ/RN. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2017.

Muniz SDB, Silva HS, Silva AO, Amorim FD. Prevalência de Candidíase Vulvovaginal Recorrente em Mulheres com Idade entre18 e 30 anos Anos, em uma Unidade Básica de Saúde no Município de Cajazeiras- PB. Journal of Biology & Pharmacy and Agricultural Management, v. 15, n. 1, jan/mar2019.

Acosta IH. Prevenção de Vaginite nas Mulheres em Idade Fértil: ações de educação em saúde. Universidade Federal do Ceará, Univ. Aberta do SUS (UNA-SUS) – Núcleo Ceará, Núcleo de Tecnologias de Educação em Saúde à Distância (NUTEDS), Fortaleza, 2015.

Silva FV, Castro PS. Candidíase Vaginal: conhecimento de um grupo de mulheres cadastradas em uma clínica de enfermagem. Universidade Paulista - UNIP, 2018.

Brandão LDS. Prevalência e Suscetibilidade Antifúngica de Cândida Spp Implicadas na Candidíase Vulvovaginal em Gestantes. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2017.

Medeiros EZ, Bloemer B, Costa CS, Bazo AP, Gazola AC, Castro AA. Candidíase Vaginal: Uma breve revisão sobre prevenção e tratamentos. Universidade do Extremo Sul Catarinense, 2017.

Soares DM et. al. Candidíase Vulvovaginal: uma revisão de literatura com abordagem para Candida albicanis. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research – BJSCR. V.25, n1, pp.28-34 (dez, 2018-Fev2019).

Firmono L, Dias DP, Santos TG, Terra SN, Queiroz VMA. Benefício dos Alimentos Usados como Terapia Complementar para Candidíase Vulvovaginal Recorrente. V14, Minas Gerais, Id on Line Rev. Mult. Psic. N. 53, pp. 913-925, Acre. Dezembro/2020.

Linhares IM. Candidíase Vulvovaginal Recorrente: fisiopatogênese, diagnóstico e tratamento. Revista Ciências Médicas, Campinas, 14(4): pp.373-378, jul./ago, 2005.

Simões J.A. Sobre o Diagnóstico da Candidíase Vaginal. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 2005.

Rosa MID, Rumel D. Fatores Associados à Candidíase Vulvovaginal: estudo exploratório. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 2004.

Carvalho LP, Bacellar O, Neves NA, Carvalho EME, Jesus ARD. Avaliação da Resposta Imune Celular em Pacientes com Candidíase Recorrente. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 2003.

Alvares AA, Svidzinski TIE, Consolaro MEL. Candidíase Vulvovaginal: fatores predisponentes do hospedeiro e virulência das leveduras. J.Bras. Patol. Med. Lab. vol.43 n. 5 Rio de Janeiro setembro/outubro, 2007.

Barbosa MB, Faria MGI. Produtos Naturais como Nova Alternativa Terapêutica para o Tratamento de Candidíase Bucal. Revista Uningpa Review. vol. 20. n. 1. pp. 103-107. Paraná, agosto, 2014.

Faria PFM, Arze WNC, Fialho SA, Filho JE, Barreto NA, Passos MRL. Frequência de Diagnósticos de Candidíase em Mulheres Atendidas em uma Clínica de DST: não há aumento no verão. Revista Fluminense de Medicina, 2012.

Cruz G, Brito EH, Freitas L, Monteiro FP. Candidíase Vulvovaginal na Atenção Primária à Saúde. Revista Enfermagem Atual In Derme. v. 94 .n. 32 .2020. e-020074.

Downloads

Publicado

2022-06-30