AS DOENÇAS VIRAIS NO MUNDO CONTEMPORÂNEO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.6787812%20

Palavras-chave:

Doenças Virais. Acesso aos Serviços de Saúde. Epidemia. Prevenção de Doenças Transmissíveis.

Resumo

As doenças virais emergentes no Brasil. Problema: de que maneira os profissionais de saúde podem contribuir para prevenção e promoção à saúde diante dos casos das doenças virais no Brasil? Objetivos: analisar sobre a prevenção e promoção à saúde em relação as doenças virais emergentes no Brasil. Justificativa: as doenças, por meio de vírus, continuam a ser um problema de saúde pública que requer atitude e profissionalismo na prevenção dessas doenças, sendo todos responsáveis pelo debate e sugestões de como enfrentar o problema das doenças virais. Resultados. As doenças infecciosas incomodam a humanidade desde o início da civilização. Os vírus e as viroses monopolizaram as pesquisas nas ciências biológicas e médicas oportunizando avanços nos estudos em virologia. A prevenção as doenças virais é a melhor atitude, dentre as opções a vacinação ainda é uma das melhores soluções.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daiane Caroline Izaias Moreira, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil

mceclip0.png https://orcid.org/0000-0003-2552-425X
mceclip1.png http://lattes.cnpq.br/4916078541005747
Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil
E-mail: carolinidaiane@hotmail.com

Gabriela Anolino Feitosa, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil

mceclip2.png https://orcid.org/0000-0002- 2852-4768
mceclip3.png http://lattes.cnpq.br/0241504295108120
Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil
E-mail: anolinogabif@gmail.com

Clézio Rodrigues de Carvalho Abreu, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil

Mestre em Farmacologia Toxicologia e Produtos Naturais no curso de Ciências da Saúde - UNB; Especialista em Farmacologia Clínica - UNB; Especialista em Gestão da Assistência Farmacêutica - UFSC; Especialista em Didática do Ensino Superior - FACESA; Possui graduação em Farmácia - FACESA (2009). Professor de Pós Graduação em Farmacologia Clínica; Tem experiência na área de Farmacologia Clínica, Gestão da Assistência Farmacêutica e Acompanhamento Farmacoterapêutico.

Referências

Waldman, E. A., & Sato, A. P. S. (2016). Path of infectious diseases in Brazil in the last 50 years: An ongoing challenge. Revista de Saúde Pública, 50(0). https://doi.org/10.1590/s1518-8787.2016050000232

Santos, N. S. de O., & Santos, N. S. de O. (2018). Novos desafios no ensino da Virologia. Revista Pan-Amazônica de Saúde, 9(1), 7–8. https://doi.org/10.5123/s2176-62232018000100001

Schmidt, B., Crepaldi, M. A., Bolze, S. D. A., Neiva-Silva, L., & Demenech, L. M. (2020). Saúde mental e intervenções psicológicas diante da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Estudos de Psicologia (Campinas), 37, e200063. https://doi.org/10.1590/1982-0275202037e200063

Stephens, Paulo Roberto Soares et al. Virologia: conceitos e Métodos para a Formação de Profissionais em Laboratórios de Saúde, 2010. Disponível em:

https://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/cap2.pdf

Acesso em 19 de Maio de 2021.

Berlinguer, Giovanni. Globalização e saúde global. Estud. av. São Paulo , v. 13, n. 35, p. 21-38, Apr. 2009 .

Rothbarth,R. Vacinação direito ou dever? (2018). A emergência de um paradoxo sanitário e suas consequenciais para a saúde pública. Dissertação - Faculdade de Saúde de Pública da Universidade de São Paulo.

Brasil. Ministério da Saúde. Vademecum Influenza Ampliado. 2010a. Disponível em «http://www.influenza.lcc.ufmg.br/DVD/vademecum/Vademecum_Ampliado.pdf». Acesso em 14.11.2020.

Duarte, E. C., & Barreto, S. M. (2012). Transição demográfica e epidemiológica: A Epidemiologia e Serviços de Saúde revisita e atualiza o tema. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 21(4), 529–532

Luna, EJA. and Silva JR., JB. Doenças transmissíveis, endemias, epidemias e pandemias. In FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. A saúde no Brasil em 2030 - prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: população e perfil sanitário [online]. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde/Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, 2013. Vol. 2. pp. 123-176. ISBN 978-85-8110-016-6. Available from SciELO Books.

Di Nubila, H. B. V., & Buchalla, C. M. (2008). O papel das Classificações da OMS - CID e CIF nas definições de deficiência e incapacidade. Revista Brasileira de Epidemiologia, 11(2), 324–335. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2008000200014

Segurado, Aluisio Cotrim. Saúde nas metrópoles – Doenças infecciosas, Estudos Avançados, 2016.

Pereira, Yolanda dos Anjos Andrade de Sá. (2017). Febre amarela, Dengue, Zika e Chikungunya: a propósito de um caso clínico. Tese de Doutorado.

Farias, Daniel et al. Manifestações neurológicas das arboviroses da Bahia: febre amarela, dengue, zika e chikungunya. Rev. Saúde HSI. V. 3, n.2, p. 16-20, 2015.

Freire, Maria das Graças Machado et al. Zero Aedes: fora dengue, fora zika, fora chikungunya. Biológicas & Saúde, v. 7, n. 24, 2017.

Andrioli, D. C., Busato, M. A., & Lutinski, J. A. (2020). Características da epidemia de dengue em Pinhalzinho, Santa Catarina, 2015-2016*. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 29(4)

Dias, S. (2020). A (Re)emergência das doenças nas sociedades contemporâneas. SAPIENS - Revista de divulgação Científica, 2(2), 7–20

Burattini, M. N. (2016). Doenças infecciosas no Século XXI. Acta Paulista de Enfermagem, 29(2)

Cavalcante, Karina Ribeiro Leite Jardim, & Tauil, Pedro Luiz. (2017). Risk of re-emergence of urban yellow fever in Brazil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 26(3), 617-620. https://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742017000300018

Salgado, Yvanna Carla de Sousa. Patologia: doenças virais [recurso eletrônico]. Ponta Grossa (PR): Atena Editora, 2019.

Gasparini, R., Panatto, D., Lai, P. L., & Amicizia, D. (2015). The "urban myth" of the association between neurological disorders and vaccinations. Journal of preventive medicine and hygiene, 56(1), E1–E8.

D'alò, G. L., Zorzoli, E., Capanna, A., Gervasi, G., Terracciano, E., Zaratti, L., & Franco, E. (2017). Frequently asked questions on seven rare adverse events following immunization. Journal of preventive medicine and hygiene, 58(1), E13–E26.

Santos, N. S. de O., & Santos, N. S. de O. (2018). Novos desafios no ensino da Virologia. Revista Pan-Amazônica de Saúde, 9(1), 7–8.

Beltrão, RPL, Mouta, AAN, Silva, NS, Oliveira, JEN, Beltrão, IT, Beltrão, CMF, … Da Silva, ACB (2020). Perigo do movimento antivacina: Análise epidemio-literária do movimento antivacinação no Brasil. Revista Eletrônica Acervo Saúde , 12 (6), e3088. https://doi.org/10.25248/reas.e3088.2020

Succi, RC de M. (2018). Recusa de vacina – o que precisamos saber. Jornal de Pediatria, 94 (6), 574–581. https://doi.org/10.1016/j.jped.2018.01.008.

Schuindt, A. de AP, Menezes, VC, & Abreu, CR de C. (2021). As consequências do uso da ritalina sem prescrição médica. Revista Coleta Científica, 5 (10), 28–39.

Souza, M. B. R., Moraes, S. de J. V., & Alvim, H. G. de O. (2021). BOLDO E SEUS BENEFÍCIOS EM DOENÇAS GASTROINTESTINAIS. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, 4(9), 15–26.

Downloads

Publicado

2022-07-01