Os benefícios da quiropraxia para a cervicalgia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo/7948409

Palavras-chave:

Quiropraxia, Cervicalgia, Fisioterapia, Atenção Básica

Resumo

A fisioterapia atua nas cervicalgias, não só visando a diminuição do quadro álgico, mas a melhora das disfunções provocadas por ele, atuando diretamente na melhora da função da região do pescoço e, principalmente, de sua funcionalidade. Para o tratamento da cervicalgia, a fisioterapia dispõe de recursos variados tais como eletroterapia, fototerapia, cinesioterapia, recursos manuais e métodos específicos de realinhamento postural. Este estudo aborda a quiropraxia como prática terapêutica utilizada para o tratamento da cervicalgia. O problema de pesquisa deste trabalho é: quais as evidências científicas acerca da quiropraxia no tratamento da cervicalgia? O objetivo geral deste estudo é buscar evidências científicas acerca da quiropraxia no tratamento da cervicalgia. Os objetivos específicos são: identificar artigos publicados a partir de 2013 que mostrem dados acerca da eficácia da quiropraxia no tratamento da cervicalgia, fazer uma análise sobre os dados encontrados e a possibilidade de aplicar a quiropraxia na Atenção Básica em Saúde. Estudos publicados desde janeiro de 2000 fornecem evidências de qualidade baixa a moderada de que vários tipos de manipulação e/ou mobilização reduzem a dor e melhoram a função da dor cervical inespecífica crônica em comparação com outras intervenções.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Brenda Carolina de Paula Cunha, Faculdade de Ciências e Educação sena Aires, GO, Brasil

Lattes
Graduanda em Fisioterapia pela faculdade de Ciência e Educação Sena Aires, Valparaíso de Goiás, Goiás, Brasil.

Amanda Cabral dos Santos, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil

Lattes
Mestrado em Psicologia pela Universidade Católica de Brasília (2012), especialização em Psicomotricidade pela Faculdade Mauá (2020), especialização em Fisioterapia Neurológica pela Universidade de Brasília (2002), especialização em Transtornos do Desenvolvimento Infantil pelo Centro Lydia Coriat (2004), graduação em Educação Física pela Universidade de Brasília (2002), graduação em Fisioterapia pela Faculdade de Reabilitação do Planalto Central (2000)

Referências

BRASIL. COFFITO. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. RESOLUÇÃO N.º 220, DE 23 DE MAIO DE 2001. Dispõe sobre o reconhecimento da Quiropraxia e da Osteopatia como especialidades do profissional Fisioterapeuta e dá outras providências. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=2978. Acesso em: 28 de abril de 2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília :Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf. Acesso em: 28 de abril de 2023.

BRASIL. COFFITO. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. RESOLUÇÃO Nº 380/ 2010. Regulamenta o uso pelo Fisioterapeuta das Práticas Integrativas e Complementares de Saúde e dá outras providências. DOU nº. 216, Seção 1, em 11/11/2010, página 120. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=1437. Acesso em 28 de abril de 2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à saúde. PORTARIA Nº 145 DE 11 DE JANEIRO DE 2017. Altera procedimentos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS para atendimento na Atenção Básica. Brasília, DF, 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2017/prt0145_11_01_2017.html. Acesso em: 24 de abril de 2023.

CORCORAN, K. L.; DUNN, A. S.; GREEN, B. N; FORMOLO, L. R.; BEEHLER, G. P. CHANGES in female veterans' neck pain following chiropractic care at a hospital for veterans. Complement Ther Clin Pract ; V. 30, p. 91-95, 2018.

ELDER C, DEBAR L, RITENBAUGH C, DICKERSON J, VOLLMER WM, DEYO RA, JOHNSON ES, HAAS M. Comparative Effectiveness of Usual Care with or Without Chiropractic Care in Patients with Recurrent Musculoskeletal Back and Neck Pain. J Gen Intern Med.; v. 33, n. 9: p. 1469-1477, 2018. DOI: 10.1007/s11606-018-4539-y. Epub 2018 Jun 25. PMID: 29943109; PMCID: PMC6108992.

GBD. Global Burden of Disease. Disease and Injury Incidence and Prevalence Collaborators. Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 354 diseases and injuries for 195 countries and territories, 1990-2017: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2017. Lancet; v. 392, n. 10159, p.1789-858, 2017.

HERMAN, P.M.; EDGINGTON, S.E.; RYAN, G.W.; COULTER, I.D. Prevalence and Characteristics of Chronic Spinal Pain Patients with Different Hopes (Treatment Goals) for Ongoing Chiropractic Care. J Altern Complement Med., v. 25, n.10, p. 1015-1025, 2019. DOI: 10.1089/acm.2019.0247. Epub 2019 Aug 27. PMID: 31453711; PMCID: PMC6802729.

INNES, S. I.; LEBOEUF-YDE, C.; WALKER, B. F. Chiropractic student choices in relation to indications, non-indications and contra-indications of continued care. Chiropr Man Therap., v. 26, p. 3,-9, 2018.

KENDALL, J. C; FRENCH, S. D; HARTVIGSEN, J.; AZARI, M. F. Chiropractic treatment including instrument-assisted manipulation for non-specific dizziness and neck pain in community-dwelling older people: a feasibility randomised sham-controlled trial. Chiropr Man Therap., v. 26, p.14-27, 2018.

LOPES, J. P.; LUCARELLI, G. H. A eficácia da quiropraxia em pacientes com cervicalgia: uma revisão de literatura. Rev Inspirar Movimento & Saúde, v. 22, n. 2, p.1-11, 2022.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Diretrizes da OMS sobre a formação básica e a segurança em quiropraxia. Novo Hamburgo: Feevale, 2006.Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/43352/9241593717_por.pdf?sequence=5&isAllowed=yunLyHJd8WP5jviv-Z6BGX/view?fbclid=IwAR2Xi80AwavIo-advVpUbpB2_g3SDiGNKlXT1Zb5HXtdQnuC9rwkMrwVN-w. Acesso em: 28 de abril de 2023.

POHLMAN, K. A; FUNABASHI, M.; NDETAN, H.; HOGG-JOHNSON, S.; BODNAR, P.; KAWCHUK, G. Assessing Adverse Events After Chiropractic Care at a Chiropractic Teaching Clinic: An Active-Surveillance Pilot Study.

J Manipulative Physiol Ther., v. 43, n. 9, p. 845-854, 2020.

POPESCU, A.; LEE, H. Neck pain and lower back pain. Med Clin.; v. 104, n. 2, p. 279-92, 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.mcna.2019.11.003.

SANTOS, C. F. G. A. dos. Estudo bibliométrico sobre pessoas idosas, cervicalgia e quiropraxia nas bases de dados BVS e Scielo. 23ª Jornada da SBGG, v.18, n. 3, 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.5335/rbceh.v18i3.13528.

WHALEN, W.; FARABAUGH, R. J; HAWK, C.; MINKALIS, A. L; LAURETTI, W.; CRIVELLI, L. S; WYATT, L.; SHEPPARD, M.; WALTERS, S. A. Best Practice Recommendations for Chiropractic Management of Patients with Neck Pain. J Manipulative Physiol Ther; v. 42, n. 9, p. 635-650, 2019.

Downloads

Publicado

2023-05-18

Como Citar

CUNHA, B. C. de P.; SANTOS, A. C. dos. Os benefícios da quiropraxia para a cervicalgia. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 80–88, 2023. DOI: 10.5281/zenodo/7948409. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/566. Acesso em: 1 jun. 2023.

ARK