Dificuldades enfrentadas pelo profissional farmacêutico no Sistema Único de Saúde (SUS)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8050755

Palavras-chave:

Sistema Único de Saúde, Assistência farmacêutica, Desafios, Atenção básica

Resumo

O cuidado farmacêutico no componente de atenção básica do Sistema Único de Saúde (SUS), dentre outros benefícios, é essencial para promover o uso racional de medicamentos. Desde a inserção do SUS na saúde pública brasileira, o cuidado farmacêutico vem fazendo parte da assistência em saúde, porém muitos foram os desafios encarados pelo farmacêutico nesse processo. Este estudo é uma Revisão de Literatura, realizada em bases de dados científicas digitais e gratuitas, cujo objetivo foi identificar os desafios do farmacêutico na realização da assistência farmacêutica no SUS. Na literatura foram relatadas várias dificuldades na inserção do farmacêutico no SUS, tais como irregularidade no fornecimento dos medicamentos, ausência da vaga para o profissional farmacêutico na Equipe Multidisciplinar, falta de condições físicas adequadas para o armazenamento e dispensação dos medicamentos, assim como escassez de farmacêuticos e farmácias no serviço público. Os cursos de Farmácia vêm se adequando ao exigido pela realidade brasileira, mas o cuidado farmacêutico ainda necessita reconhecimento como parte integrante da atenção básica de saúde no sistema único de saúde brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Vitória Ramos Moreira da Cunha, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Goiás, Brasil

Lattes

Graduação em andamento em Farmácia pela Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires

Maria Salete Vaceli Quintilio, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Goiás, Brasil

Lattes

Possui graduação Física, Licenciatura e Bacharelado, pela Universidade Estadual de Londrina (1989), mestrado em Ciências, área de concentração Astronomia, pela Universidade de São Paulo (1992) e doutorado em Ciências, área de concentração Astronomia, pela Universidade de São Paulo (1998). Tem formação complementar em EaD. Tem experiência no Magistério Superior em cursos de Licenciatura e de Fonoaudiologia. Atua também em Educação a Distância através de disciplinas híbridas utilizando a plataforma Moodle e cursos de aperfeiçoamento. Pesquisadora e orientadora, com ênfase em Ensino de Física, Ruído e Astronomia.

Referências

ALBUQUERQUE, S. V. et al. A Integração Ensino-serviço no Contexto dos Processos de Mudança na Formação Superior dos Profissionais da Saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 32, n. 3, p. 356-362, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022008000300010. Acesso em: 20 mar 2023.

ARAÚJO, A.L.A.; FREITAS, O. Concepções do profissional farmacêutico sobre a assistência farmacêutica na unidade básica de saúde: dificuldades e elementos para a mudança. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences. vol. 42, n. 1, p.137-146, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-93322006000100015 . Acesso em: 18 mar 2023.

ARAÚJO, A.L.A.; UETA, J. M.; FREITAS, O. Assistência Farmacêutica como um modelo tecnológico em atenção primária à saúde. Rev. Ciênc. Farmac. Básica Aplic. v. 26, n. 2. 2005. Disponível em: https://rcfba.fcfar.unesp.br/index.php/ojs/article/view/593. Acesso em: 22 mar 2023.

ARAÚJO, A. L. A. et al. Perfil da assistência farmacêutica na atenção primária do Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, p. 611-617, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000700010. Acesso em: 22 mar 2023.

ARAÚJO, F. Q.; PRADO, E. M. Análise das Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia. Revista Contemporânea de Educação, v. 3, n. 5, p. 96–108, 2011. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/1544/1393. Acesso em: 20 mar 2023.

ARAÚJO, P. S. et al. Pharmaceutical care in Brazil’s primary health care. Revista de Saúde Pública, v. 51, p. 6s, 2017. DOI: https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051007109 . Acesso 22 mar 2023.

BERMOND, M. D. et al. Modelo referencial de ensino para uma formação farmacêutica com qualidade. Brasília: Conselho Federal de Farmácia, 113 p., 2008. Disponível em: https://www.cff.org.br/userfiles/file/educacao_farmaceutica/Comissao_Ensino/referencial_de_ensino_vermelho_revisado.pdf. Acesso em: 22 mar 2023.

BRASIL. Decreto nº 2.283, de 24 de Julho de 1997. Dispõe sobre a extinção do Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição – INAN, a desativação da Central de Medicamentos - CEME, e dá outras providências. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1997/d2283.htm. Acesso em: 20 mar 2023.

BRASIL. LEI 13.021 de 08 de agosto de 2014. Presidência da República. Casa Civil, 2014. Dispõe sobre o exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13021.htm#:~:text=Disp%C3%B5e%20sobre%20o%20exerc%C3%ADcio%20e%20a%20fiscaliza%C3%A7%C3%A3o%20das%20atividades%20farmac%C3%AAuticas.&text=Art.,de%20direito%20p%C3%BAblico%20ou%20privado. Acesso em: 22 set 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 3.916, 30 de outubro de 1998. Aprova a Política Nacional de Medicamentos. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 nov. 1998. s. 1, n. 215-E, p. 18. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt3916_30_10_1998.html . Acesso em: 24 mar 2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei 8080 de 19 de Setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm . Acesso em: 21 set 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução CNS nº. 338, de 06 de maio de 2004. Aprova a Política Nacional de Assistência Farmacêutica. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 20 maio 2004. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2004/res0338_06_05_2004.html . Acesso em: 22 mar.2023

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Assistência Farmacêutica na atenção básica: Instruções técnicas para sua organização. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). 2.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 100p. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/judicializacao/pdfs/283.pdf . Acesso em: 2 mar 2023.

BRASIL. Portaria nº 176, de 8 de Março de 1999. Estabelece critérios e requisitos para a qualificação dos municípios e estados ao incentivo à Assistência Farmacêutica Básica e define valores a serem transferidos. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/incentivo_assit_farm.pdf . Acesso em: 21 set 2022.

BRASIL. Resolução nº 6 do CNE/CES, de 19 de outubro de 2017. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia. Brasília: Conselho Nacional de Educação. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_RES_CNECESN62017.pdf?query=INOVA%C3%87%C3%83O . Acesso em: 24 mar 2023.

CARVALHO, M. N. et al.Força de trabalho na assistência farmacêutica da atenção básica do SUS, Brasil. Rev. Saúde Pública. São Paulo. v. 51, supl. 2. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2017051007110 . Acesso 21 set 2022.

CFF. Conselho Federal de Farmácia. Formação Farmacêutica no Brasil. Brasília: Conselho Federal de Farmácia, 2019. 160 p. Disponível em: https://www.cff.org.br/userfiles/livro_caef21maio2019.pdf . Acesso em: 24 mar 2023.

CFF. Conselho Federal de Farmácia. RESOLUÇÃO Nº 480 DE 25 DE JUNHO DE 2008. Brasília, 2008. Disponível em: https://www.cff.org.br/userfiles/file/resolucoes/480.pdf. Acesso em: 22 set 2022.

CHAGAS, M. O. et al. Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Farmácia: análise qualitativa comparativa 2002-2017. CIAIQ, v. 1, p. 1011-1016, 2019. https://proceedings.ciaiq.org/index.php/CIAIQ2019/article/view/2390. Acesso em: 22 set 2022.

CORRER, C. J; OTUKI, M. F; SOLER, O. Assistência farmacêutica integrada ao processo de cuidado em saúde: gestão clínica do medicamento. Rev Pan-Amaz Saude. Ananindeua. v. 2, n. 3, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S2176- 62232011000300006 . Acesso em 20 set 2022.

COSTA, D. A. S. et al. National curriculum guidelines for health professions 2001- 2004: an analysis according to curriculum development theories. Interface, vol. 22, n. 67, p. 1183-1195, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0376 .Acesso em: 20 set 2022.

COSTA, E. A. et al. Concepções de assistência farmacêutica na atenção primária à saúde, Brasil. Rev. Saúde Pública, v. 51, n. suppl 2, p. -, 2017. DOI: https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051007107 . Acesso em: 23 set 2022.

DELORS, J. et al. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. 10. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2006. Disponível em: http://dhnet.org.br/dados/relatorios/a_pdf/r_unesco_educ_tesouro_descobrir.pdf. Acesso em: 24 set 2022.

FIP. Federação Internacional Farmacêutica (FIP). Transformar a formação e educação em farmácia e ciências farmacêuticas no contexto da força laboral farmacêutica. Haia: Federação Mundial Farmacêutica, 2017. https://www.cff.org.br/noticia.php?id=4629 . Acesso em: 20 abr 2023.

GOMES, C. A. P. A assistência farmacêutica no Brasil: análise e perspectivas. In: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. A formação em farmácia, perspectivas e necessidades da área de medicamentos. 2004. Acesso em: 23 set 2022.

GRESCHMAN, S.; SANTOS, M.A.B. O Sistema Único de Saúde como Desdobramento das Políticas de Saúde do Século. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 21 nº. 61, p. 178-227. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092006000200010 . Acesso em: 23 set 2022.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP) NOTA TÉCNICA DAES/INEP Nº 008/2015, 2015. https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Nota-Tecnica-008-2015.pdf. Acesso em: 19 mar 2023.

IVAMA, A.M.; NOBLAT, L.; CASTRO, M.S.; OLIVEIRA, N.V.B.V.; JARAMILLO, N.M.; RECH, N. Consenso brasileiro de atenção farmacêutica – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2002. Disponível em: http://www.opas.org.br/medicamentos/temas_documentos_detalhe.cfm?id=43&iddoc=245. Acesso em: 20 abr 2023.

LORANDI, P.A.. Análise histórica da formação acadêmica do farmacêutico - quatro décadas. Infarma, v.18, n. 7/8, p.7-12, 2006. http://www.farmaceuticos.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/13/inf07a12.pdf. Acesso em: 21 set 2022.

LUZ, T. C. B. et al. Serviços farmacêuticos na Atenção Básica: há sintonia entre farmacêuticos e usuários?. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 8, p. 2463-2474, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017228.29642016 . Acesso em: 22 set 2022.

MANZINI, F. et al. O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS: diretrizes para ação. Brasília: Conselho Federal de Farmácia, 2015. https://www.cff.org.br/userfiles/file/livro.pdf. Acessado em: 24 set 2022.

MARQUESINI, A. M. B. G.; CARMO, G. T. do. Análise sistêmico-institucional da Central de Medicamentos - CEME. Revista De Administração Pública, vol. 14, n. 1, p. 127-178, 1980. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/7565 Acesso em 24 set 2022.

MATTOS, R.A. Os Sentidos da Integralidade: Algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. Pólo de Educação Permanente em Saúde Centro Leste Bahia. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/4fSwnHx3nWnW49Tzq8KZLKj/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 24 set 2022.

MOLINA, L. R; HOFFMANN, J. B; FINKLER, M. Ética e assistência farmacêutica na atenção básica: desafios cotidianos. Rev. Bioét. v. 28, n. 2, p. 365-375, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1983-80422020282398. Acesso em: 18 set 2022.

PAIM, J. S. A Constituição Cidadã e os 25 anos do Sistema Único de Saúde (SUS). Cad. Saúde Pública. v. 29, n. 10, p. 1927-1936, 2013. DOI:

http://dx.doi.org/10.1590/0102- 311X00099513 Acesso em: 18 set 2022.

PEPE, V. L. E. A Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename): a seleção de medicamentos no Brasil. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/judicializacao/pdfs/514.pdf Acesso em: 16 set 2022.

RODRIGUES, F. F; AQUINO, R; MEDINA, M. G. Avaliação dos serviços farmacêuticos na Atenção Primária à Saúde no cuidado ao paciente com tuberculose. Saúde debate. [S. l ], v. 42, n.p. 2, p.173-187, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s212 . Acesso em: 16 set 2022.

SANTI, V.; ALENCAR, L.B.O.; GOMES, M.B.B.O.; MELO, R.S.P.; GIRÃO M. A assistência farmacêutica no SUS – Brasília: Conselho Federal de Farmácia, 2009. Disponível em: https://www.cff.org.br/userfiles/Manual%20SUS_internet.pdf . Acesso em: 20 abr 2023.

SANTOS, A. M. Desafios e Oportunidades do Farmacêutico na Promoção de Saúde. Infarma, v.17, nº 5/6, 2005. Disponível em: https://revistas.cff.org.br/infarma/article/view/274 . Acesso em: 22 set 2022.

SATURNINO, L.T.M.; FERNÁNDEZ-LLIMÓS, F. A Farmácia Escola no Brasil: estado da arte e perspectivas. Revista Brasileira de Farmácia. v.90, n.3, p.204-210, 2009.

SOUZA, N. Z. Assistência Farmacêutica nas Modalidades de Farmácia Popular. Web Artigos. 2012. Disponível em: https://tede2.unisagrado.edu.br:8443/jspui/bitstream/tede/58/1/dissertacao_nency_zaurisio_de_souza.pdf. Acesso em:19 set 2022.

VIACAVA, F. et al. SUS: oferta, acesso e utilização de serviços de saúde nos últimos 30 anos. Ciênc. saúde colet. [s. l], v. 23, n. 6, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1413- 81232018236.06022018 . Acesso 24 set 2022.

VIEIRA, F. S. Assistência farmacêutica no sistema público de saúde no Brasil. Rev. Panam Saúde Pública. Brasília, v.27; p. 149–56, 2010. Disponível em: https://scielosp.org/pdf/rpsp/2010.v27n2/149-156/pt . Acesso em: 20 set 2022.

VIEIRA, F. S. Possibilidades de contribuição do farmacêutico para a promoção da saúde. Ciência e Saúde Coletiva. Brasília, v. 12. p. 213-220, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000100024 . Acesso em: 19 set 2022.

Downloads

Publicado

2023-06-17

Como Citar

CUNHA, L. V. R. M. da; QUINTILIO, M. S. V. Dificuldades enfrentadas pelo profissional farmacêutico no Sistema Único de Saúde (SUS) . Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 889–903, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.8050755. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/593. Acesso em: 23 jul. 2024.

ARK