Promoção da prática de pilates para gestantes na atenção primária: um relato de experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8023784

Palavras-chave:

Pilates. Promoção da saúde. Atenção primária. Gestantes. Atividade física.

Resumo

Ao longo do período gestacional a mulher passa por diversas modificações físicas e emocionais, ocorrem mudanças em quase todos os sistemas, inclusive no sistema musculoesquelético. Ao praticar o Método Pilates as gestantes recebem como benefícios a melhora da dor nas regiões lombar e pélvica, uma vez que a prática propicia uma estabilidade articular, muscular e ligamentar. Este relato teve como objetivo geral apresentar a criação de um grupo para a promoção da prática do Método Pilates voltado para grávidas por um profissional de enfermagem e de fisioterapia, e como objetivos específicos descrever as observações da vivência em grupo realizada com gestantes e mostrar os benefícios do Método Pilates para grávidas. Trata-se de um estudo descritivo e qualitativo, do tipo relato de experiência desenvolvido por um enfermeiro e uma fisioterapeuta, residentes do Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica, da Escola de Governo da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), tendo como cenário uma Unidade Básica de Saúde da região administrativa do Recanto das Emas de Brasília, Distrito Federal. Todas as gestantes atendidas e escolhidas para o grupo tinham queixas em comum. Após finalizado o grupo, as gestantes foram reavaliadas individualmente em suas respectivas consultas de pré-natal, sendo essa reavaliação baseada apenas considerando os relatos verbais que as mesmas trouxeram, sendo eles: diminuição da dor lombar e dor pélvica, melhoras posturais, além de, afirmarem maior flexibilidade e leveza corporal, benefícios estes já identificados por outros autores que usaram o Método Pilates como terapêutica em grupos. O Método Pilates mostrou-se como uma alternativa eficaz para a diminuição das queixas apresentadas pelas gestantes, e também uma ferramenta importante para a melhoria da qualidade de vida. O trabalho interprofissional é extremamente importante dentro da Atenção Primária em Saúde (APS) e para que ele ocorra na prática, é comum a criação de vínculos entre os profissionais envolvidos para que haja maior resolução de problemas e demandas de saúde. Sendo assim, foi possível trazer um método que é prioritariamente inacessível para a população desfavorecida economicamente, inserindo-o em um cenário público pertencente ao Sistema Único de Saúde (SUS) possibilitando que esse método fosse democratizado mesmo que por um curto período de tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Ripardo Lustosa, Oswaldo Cruz Foundation

Lattes
Graduado em Enfermagem, especialista em Atenção Básica/Saúde da Família pelo programa de Residência Multiprofissional da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ).

Joceara Alexandrino da Silva, Oswaldo Cruz Foundation

Lattes
Graduada em Fisioterapia, especialista em Atenção Básica/Saúde da Família pelo programa de Residência Multiprofissional da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ).

Francy Webster de Andrade Pereira, Rio de Janeiro State University

Lattes
Graduado em Fisioterapia, doutorando em Saúde Coletiva, Mestrado em Educação, Residência em Saúde da Família, Especialista em Políticas e Cuidados em Saúde, em Apoio em Saúde, em Cinesioterapia.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, DF: Ministério da saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderno de atenção Básica nº 39. Núcleo de apoio à saúde da família-volume 1: Ferramentas para gestão e para o trabalho cotidiano. Brasília, DF: Ministério da saúde, 2014.

CUNHA, Gustavo Tenório; CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa. Apoio matricial e atenção primária em saúde. Saúde e Sociedade, v. 20, p. 961-970, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 15 Mar. 2023.

PORTARIA, Nº. 849, DE 27 DE MARÇO DE 2017. Inclusão na Política Nacional de Práticas Integrativas, 2020.

JUNIOR, E.P.P; NOGUEIRA, F. P. Abordagem histórica e conceitual acerca do método pilates. Rev. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Ano 19, Nº 191, Abr. 2014.

PEREIRA, N. S; REGO, B. A. C; PINTO, L. F. R; BLANCO, K. B. Os benefícios do método pilates diante das alterações do período gestacional. Rev. Cathedral, v. 2, n. 4, ano 2020.

BALDINI, L; ARRUDA, MF. Método pilates do clássico ao contemporâneo: vantagens do uso. Rev. Interciência – IMES Catanduva – v.1, n.2, Jun, 2019.

PILATES, J.H, Miller W 1945 (First published 1945. Reprint 1998) Return to Life through Controlology. Presentation Dynamics Inc., NV, USA.

LATEY, Penelope. O método Pilates: história e filosofia. Austrália, set, 2001.

MCILLAN, A.; PROTEAU, L; LÉBE, R.-M. The Effect Of Pilates Based Training On Dance's Dynamic Posture. Journal Of Dance Medicine and Science. 2(3):101-7, 1998.

DE OLIVEIRA, Tassiane Queiroz et al. A prática do método pilates como uma abordagem fisioterapêutica durante o ciclo gravídico-puerperal: uma revisão integrativa. Revista da JOPIC, v. 7, n. 11, 2022.

MEUCCI, R. D; PERCEVAL, A. H; LIMA, D. R. D, et al. Ocorrência de dor combinada na coluna lombar, cintura pélvica e sínfise púbica em gestantes no extremo sul do Brasil. Rev. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 23, Jun, 2020.

MARTINS, R. A. S; CUNHA, R. M. Método pilates: histórico, benefícios e aplicações revisão sistemática da literatura. Monografia (Centro de Estudo Avançado e Formação Integrada Especialização em Pilates) - Universidade Católica de Goiás, 2013.

SILVA, Jaqueline Callegari et al. Percepção dos residentes sobre sua atuação no programa de residência multiprofissional. Acta Paulista de Enfermagem, v. 28, p. 132-138, 2015.

FEDERAL, Distrito. Portaria nº 77, de 14 de fevereiro de 2017. Estabelece a Política de Atenção Primária à Saúde do Distrito Federal. Diário Oficial do Distrito Federal, Brasília, DF, v. 15, 2017.

FEDERAL, Distrito. Portaria no. 78, de 14 de fevereiro de 2017. Estabelece a Política de Atenção Primaria a Saúde do Distrito Federal. Diário Oficial do Distrito Federal, v. 14, 2017.

Companhia de Planejamento do Distrito Federal (CODEPLAN). Índice de Vulnerabilidade Social do Distrito Federal (IVS-DF). Brasília, 2020. Disponível em <https://infodf.codeplan.df.gov.br/>

DE LIMA CAVALCANTE, Bruna Luana; DE LIMA, Uirassú Tupinambá Silva. Relato de experiência de uma estudante de Enfermagem em um consultório especializado em tratamento de feridas. Journal of Nursing and Health, v. 2, n. 1, p. 94-103, 2012.

COFEN. Resolução Nº 358, de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a sistematização da assistência de enfermagem e a implementação do processo de enfermagem em ambientes públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de enfermagem, e dá outras providências.15 de outubro de 2009. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html

OLIVEIRA, B. D. R. de; BRITO, V. C. Método Pilates no Ciclo Gravídico-Puerperal. In: LEMOS, A. Fisioterapia obstétrica baseada em evidências. 1. ed. Rio de Janeiro: MedBook, 2014

ENDACOTT, J. Pilates para grávidas: exercícios simples e seguros para antes e depois do parto. 1. ed. Barueri, SP: Manole, 2007.

LIMA, Karla Morais Seabra Vieira; SILVA, Kênia Lara; TESSER, Charles Dalcanale. Práticas integrativas e complementares e relação com promoção da saúde: experiência de um serviço municipal de saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 18, p. 261-272, 2014.

BARACHO, E. Fisioterapia aplicada à obstetrícia, uroginecologia e aspectos de mastologia. 4. ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

REZENDE, J; MONTENEGRO, C. A. B. Obstetrícia fundamental. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

OKTAVIANI, Ika. Pilates workouts can reduce pain in pregnant women. Complementary Therapies in Clinical Practice, v. 31, p. 349–351, maio 2018. DOI 10.1016/j.ctcp.2017.11.007.

BARACHO, E. Fisioterapia aplicada à obstetrícia, uroginecologia e aspectos de mastologia. 4. ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

RODRÍGUEZ-DÍAZ, Luciano et al. Efectividad de un programa de actividad física mediante el método Pilates enelembarazo y enelprocesodel parto. Enfermería clínica, v. 27, n. 5, p. 271-277, 2017.

SOUSA, Maria Tayenne Rodrigues; DaPonte Neto, Osmar Arruda. Utilização do método pilates em grupo na atenção primária à saúde: experiência, reflexões e apontamentos. Caderno de Educação, Saúde e Fisioterapia v. 8, n. 16, 2021.

Downloads

Publicado

2023-06-10

Como Citar

LUSTOSA, G. R.; SILVA, J. A. da; PEREIRA, F. W. de A. Promoção da prática de pilates para gestantes na atenção primária: um relato de experiência. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 594–607, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.8023784. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/613. Acesso em: 16 jun. 2024.

ARK