Fatores comportamentais e propensão ao endividamento: uma análise dos indivíduos com restrição de crédito

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8083467

Palavras-chave:

Finanças Comportamentais, Variáveis comportamentais, Endividamento, Restrição de crédito

Resumo

Os elevados índices de endividamento e as constantes restrições que afetam a condição financeira dos indivíduos têm motivado a realização de estudos que visam identificar os aspectos geradores desses acontecimentos. Nesse sentido, o presente estudo teve como objetivo analisar a influência dos fatores comportamentais na propensão ao endividamento dos indivíduos com restrição de crédito em uma cidade da região central do Rio Grande do Sul. Foi realizada uma pesquisa quantitativa do tipo survey junto a 60 indivíduos com restrição de crédito. Os dados foram coletados por meio de um questionário estruturado, organizado em três blocos relativos ao perfil socioeconômico, às finanças pessoais e aos fatores comportamentais associados ao endividamento. Resultados desfavoráveis foram destacados na análise da situação financeira dos pesquisados, como a ocorrência de gastos superiores aos rendimentos mensais, sendo que o cartão de crédito e os carnês de loja representam os principais tipos de dívida contraídos. De modo geral, os resultados auferidos indicaram a falta de planejamento e o materialismo como fatores determinantes na propensão ao endividamento dos indivíduos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pâmela Amado Tristão, Federal University of Rio Grande do Sul

Lattes

Professora Adjunta na Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Doutora em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (2019).

Naíse da Silva Manganeli, Franciscan University

Lattes

Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (2022) e em Administração pela Universidade Franciscana (2017

Referências

ALLAIS, M. Le compartement de l’homme rationnel devant le risque, critique des postulats et axiomes de l’ecole americaine. Econometrica, v.21, p. 503-546, 1953.

ASSUNÇÃO, J. J.; ALVES, L. S. Restrições de crédito e decisões intra-familiares. Revista Brasileira de Economia, v. 61, n.2, p. 201-229, abr./jun. 2007.

ANDRADE, M. A. Introdução à metodologia do trabalho científico. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Relatório de estabilidade financeira 2017. Disponível em: < http://www.bcb.gov.br/htms/estabilidade/2017_04/refPub.pdf >. Acesso em: 6 abril 2017.

BARBEDO, C. H.; CAMILO-DA-SILVA, E. Finanças comportamentais: pessoas inteligentes também perdem dinheiro na bolsa de valores. São Paulo, SP: Atlas, 2008.

BATISTELLA, C. Consumo e endividamento na classe média brasileira no início do século XXI. Monografia. Departamento de Economia da Universidade de Brasília, 2014.

CASTRO JUNIOR, F. H. F.; FAMÁ, R. As novas finanças e a teoria comportamental no contexto da tomada de decisão sobre investimentos. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 9, n. 2, abr./jun. 2002.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO (CNC). Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) 2017. Disponível em: < http://cnc.org.br/>. Acesso em: 21 mar. 2017.

DAYAN, R. O efeito do tipo de recebimento salarial sobre a percepção de risco e o endividamento do consumidor brasileiro. Monografia. Curso de Ciências Econômicas, Insper Instituto de Ensino e Pesquisa, São Paulo, 2016.

FECOMÉRCIO RS. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) 2017. Disponível em: <http://links.fecomercio-rs.org.br/ascom/analisePEICmar17.pdf>. Acesso em: 2 abril 2017.

FERREIRA. R. Como Planejar, Organizar e Controlar seu Dinheiro. Thomson IOB. São Paulo: 2006.

FERREIRA, V. R. M. Psicologia econômica: estudo do comportamento econômico e da tomada de decisão. Rio de Janeiro: Campus, 2008.

FLORES, S. A. M. Modelagem de equações estruturais aplicada à propensão ao endividamento: uma análise de fatores comportamentais. Dissertação. Programa de Pós Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Maria, 2012.

FONTE NETO, J. W.; CARMONA, C.U.M. As finanças comportamentais e o mercado acionário brasileiro: evidências do efeito pessimismo em estudos de eventos com regressões EGARCH. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 30, 2006, Salvador, BA. Anais. Salvador, ANPAD, 2006.

FRADE, C. et al. Um perfil dos sobre endividados em Portugal. Relatório final. Cento de Estudos Sociais. Faculdade de Economia de Coimbra. Portugal, 2008.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GITMAN, L. J. Princípios de administração financeira. 12. ed. São Paulo, SP: Pearson, 2010.

HAIR JR., J. F. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2015. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98887.pdf>. Acesso em: 12 nov. 2017.

KAHNEMAN, D.; TVERSKY, A. Prospect theory: an analysis of decision under risk. Econometrica, n.47, p. 263-291, 1979.

KEESE, M.; SCHMITZ, H. Broke, ill and obese: the effect of household debt on health. Social Science Research Network, 2010.

LINTNER, G. Behavioral finance: why investors make bad decisions, The Planner, 13, p. 7-8, 1998.

MACEDO JUNIOR, J. S.; KOLINSKY, R.; MORAIS, J. C. J. Finanças comportamentais: como o desejo, o poder, o dinheiro e as pessoas influenciam nossas decisões. São Paulo, SP: Atlas, 2011.

MAIA, G. B. S. Racionamento de crédito e crise financeira: uma avaliação Keynesiana. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 16, n. 31, p. 61-84, jun. 2009.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman, 2012.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MICHEL, M. H. Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

MOSCA, A. Finanças comportamentais: gerencie suas emoções e alcance sucesso nos investimentos. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, 2009.

OBSERVATÓRIO DO ENDIVIDAMENTO DOS CONSUMIDORES. Endividamento e sobre-endividamento das famílias: conceitos e estatísticas para sua avaliação. Centro de Estudos Sociais da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, 2002.

OLSEN, R. Behavioral finance and its implications for stock price volatility. Financial Analysts Journal, 54, p. 10-18, 1998.

PINTO, A. R. Restrição de crédito e decisão do investimento: evidências de racionamento de crédito ao setor informal da economia brasileira. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências Econômicas – UFMG. Belo Horizonte, 2010.

PLAGNOL, A. C. Financial satisfaction over the life course: the influence of assets and liabilities. Journal of Economic Psychology, v. 32, n. 1, p. 45-64, 2011.

PONCHIO, M. C. The influence of materialism on consumption indebtedness in the context of low income consumers from the city of São Paulo. Tese de doutorado. Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas. São Paulo, 2006.

RIBEIRO, C. A. et al. Finanças pessoais: análise dos gastos e da propensão ao endividamento em estudantes de administração. In: SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 21, 2009, Porto Alegre. Livro de resumos. Porto Alegre, UFRGS, 2009.

RIBEIRO, R. F.; LARA, R. O endividamento da classe trabalhadora no Brasil e o capitalismo manipulatório. Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 126, p. 340-359, mai./ago. 2016.

ROGERS, P.; FAVATO, V.; SECURATO, J. R. Efeito educação financeira no processo de tomada de decisões em investimentos: um estudo a luz das finanças comportamentais. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS, 2, 2008, Salvador. Artigos. Salvador, ANPCONT, 2008.

RUBERTO, I. V. G. et al. A influência dos fatores macroecômicos sobre o endividamento das famílias brasileiras no período 2005-2012. Revista do Departamento de Ciências Econômicas, do Departamento de Ciências Administrativas e do Programa de Pós-Graduação em Administração, Santa Cruz do Sul, n. 37, jan./jun. 2013.

SANTOS, C. P.; FERNANDES, D. V. D. H. A socialização de consumo e a formação do materialismo entre os adolescentes. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 169-203, jan./fev. 2011.

SERASA EXPERIAN. Estudos de inadimplência 2014. Disponível em: < https://www.serasaexperian.com.br/>. Acesso em: 28 mar. 2017.

SILVA, J. J. G. Finanças pessoais: identificação dos fatores que influenciam no endividamento de jovens universitários. Trabalho de conclusão de curso. Curso de Administração, Universidade Estadual da Paraíba, 2014.

SILVA, J. T. L.; SOUZA, D. A.; FAJAN, F. D. Análise do endividamento e dos fatores que influenciam o comportamento de alunos universitários. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 12, 2015, Resende, RJ. Artigos. Resende, AEDB, 2015.

SILVA, P. R. Psicologia do risco de crédito: análise da contribuição de variáveis psicológicas em modelos de credit scoring. Tese de Doutorado em Administração – Universidade de São Paulo, 2011.

SILVA, W. V. et. al. Finanças comportamentais: análise do perfil comportamental do investidor e do propenso investidor. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 7, n. 2, p. 1-14, nov. 2008.

SIMON, H. A. Rational choice and the structure of the environment. Psychological Review, n. 63, p. 129-138, 1956.

SLOMP, J. Z. F. Endividamento e consumo. Revista Relações de Consumo. n. 108, p. 109-131, 2008.

SOMAN, D. Effects of payment mechanism on spending behavior: the role of rehearsal and immediacy of payments. Journal of Consumer Research, 27, 460-474, 2001.

SPC BRASIL. O conceito do endividamento e as consequências da inadimplência. Disponível em: <https://www.spcbrasil.org.br/uploads/st_imprensa/analise_educacao_financeira_dividas.pdf>. Acesso em: 6 abr. 2017.

THALER, R. H. The winner’s curse: paradoxes and anomalies of economic life. Free Press, 1991, Princeton University Press paperback, 1993.

TRINDADE, L. L. Determinantes na propensão ao endividamento: um estudo nas mulheres da mesorregião central ocidental rio-grandense. Dissertação. Programa de Pós Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Maria, 2009.

TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. Elimination by aspects: a theory of choice. Psychological Review, n. 79, p. 281-299, 1972.

VIEIRA, J. F. A relação entre endividamento e falta de planejamento financeiro pessoal em um grupo de acadêmicos de sétima fase de uma universidade do município de Criciúma-SC. Monografia. Curso de Administração – Linha de formação específica em Comércio Exterior, Universidade do Extremo Sul Catarinense, 2014.

VIEIRA, K. M. et al. Nível de materialismo e endividamento: uma análise de fatores socioeconômicos na mesorregião central do Estado do Rio Grande do Sul. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, Ribeirão Preto, 10. ed., jun. 2014.

______; FLORES, S. A. M.; CAMPARA, J. P. Propensão ao endividamento no município de Santa Maria (RS): verificando diferenças em variáveis demográficas e culturais. Revista Teoria e prática em administração, v. 4, n. 2, p. 180-205, 2014.

ZERRENNER, S.A. Estudo Sobre as razões para a população de baixa renda. 2007. Disssertação - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

Downloads

Publicado

2023-06-26

Como Citar

TRISTÃO, P. A.; MANGANELI, N. da S. Fatores comportamentais e propensão ao endividamento: uma análise dos indivíduos com restrição de crédito . Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 1060–1081, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.8083467. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/653. Acesso em: 16 jun. 2024.

ARK