Banda marcial: o som e o silencio nas escolas civis e militares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v6i13.779

Palavras-chave:

Banda marcial, Projeto político pedagógico, Gestão, Professores

Resumo

Este artigo é o resultado de um trabalho realizado ao longo dos anos em escolas civis e militares estaduais na cidade de Goiânia, observando os agentes envolvidos no processo educativo e analisando o processo de elaboração do projeto político pedagógico em relação à legitimação da implementação das Diretrizes Curriculares no contexto escolar. Para realizar a pesquisa, iniciamos pela leitura dos documentos oficiais da escola, como o Projeto Político Pedagógico e a Proposta Curricular, com o objetivo de observar como esses documentos se articulavam com a finalidade do ensino e as modalidades oferecidas na instituição. Sob essas condições, buscamos observar a dinâmica da escola em termos das observações feitas em relação ao PPP como orientador das práticas pedagógicas que visam atender às aspirações e especificidades da proposta de uma escola democrática e cidadã, especialmente em relação à arte, especificamente à banda marcial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mairy Aparecida Pereira Soares Ribeiro, Universidade Católica de Brasília

[Lattes] - Licenciada em Letras/Língua Portuguesa e Letras-Libras, Mestra em Educação e doutoranda em Psicologia. Professora de graduação do UNIGOIÁS, pesquisadora da área de ensino a distância- EaD e inclusão.

Aurélio Nogueira de Sousa, Universidade do Estado da Bahia

[Lattes] - Graduação em Educação Musical e Ensino Musical Escolar pela Universidade Federal de Goiás (2009) e Especialização em Gestão Escolar pela Faculdade Tecnológica Darwin (2011). É Mestre em Música pelo Programa de Pós-Graduação em Música, da Universidade Federal de Goiás, sob a Orientação da Dra. Sônia Ray, na linha de pesquisa Educação Musical e Pedagogia da Performance (2015), e Doutor em Educação Musical pela Universidade Federal da Bahia (2020), onde teve como orientador o Professor Dr. Joel Barbosa.

Referências

ALVES, Marcelo Eterno. Os instrumentos de metal no choro n° 10 de Villa-Lobos: uma visão analítico-interpretativa (Dissertação de mestrado). Escola de Música e Artes Cênicas - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Go, Brasil, 2003.

ARROYO, M. Quando a escola se redefine por dentro. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, 1995.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática docente. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GADOTTI, Moacir e ROMÃO, José E. Autonomia da Escola. 6. ed. São Paulo: Cortez, (Guia Positivo, 2009).

________. Perspectivas atuais da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo na educação. Porto Alegre,

GENTILINI, J. A. Comunicação, cultura e gestão educacional. Cadernos CEDES, Campinas, ano 21, n. 54, p. 41-53, ago. 2001.

INSTITUTO DE CORRESPONSABILIDADE PELA EDUCAÇÃO. Tecnologia de Gestão Educacional: Princípios e Conceitos Planejamento e Operacionalização. Recife:JPCM Trade Center, 2015. Disponível em: http://www.iema.ma.gov.br/wp-content/uploads/2016/10/Tecnologia-de-Gest%C3%A3o-Educacional-TGE.pdf. Acesso em: 25 nov. 2019.

LEDESMA, M. R. K. Gestão Escolar: desafios dos tempos. 2008. 15f. Tese Doutorado

LÜCK, Heloísa. A gestão pedagógica da organização curricular com foco na superação da distorção idade-série. Gestão em Rede, n. 62, p. 10 – 14, junho, 2005.

________. Dimensões de gestão escolar e suas competências. –Curitiba: Editora

________. Planejamento em orientação educacional. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

________. A gestão participativa na escola. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2006.

. Acesso em 21 out. 2019.

MEDEL, Cássia Ravena Mulin Assis de. Projeto Político-Pedagógico: construção e elaboração na escola. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. (Coleção Educação Contemporânea).

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Parâmetros Curriculares Nacionais-Geografia. Brasília, Secretaria da Educação-SEF, 1997.

PADILHA, P. R. Planejamento Dialógico: como construir o projeto político pedagógico da escola. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2001.

PPP- Projeto Político Pedagógico do Colégio Estadual Dom Pedro I – EFM, 2019.

RAYS, O. A. T. Trabalho pedagógico: hipótese de ação didática. Passo Fundo. Editora da UPF. 2001. p 13-31.

SOUSA, A. N.. Bandas Marciais Escolares de Goiânia: relações com a vida estudantil de seus integrantes (Tese de Doutorado). Escola de Música – Programa de Pós-graduação em Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil, 2020.

SOUSA, A. N.. Bandas em Goiânia: Uma abordagem a partir da história e práticas formativas(Artigo não publicado), ANPPOM, Brasil, 2022.

SOUZA, A.; GOUVEIA, A.; Silva, M. R. da; SCHWENDLER, S. F. Projeto Político pedagógico - Coleção Gestão e Avaliação da Escola Pública. 1. ed. Curitiba: UFPR, 2005. v. 5. 54 p.

VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Planejamento: Projeto de Ensino-Aprendizagem e Projeto Político-Pedagógico – elementos metodológicos para a elaboração e a realização. 16ª ed. São Paulo: Libertad, 2000 (1995). (Cadernos Pedagógicos do Libertad; v.1).

VILLAS BOAS, Benigna M de Freitas (2002). Construindo a avaliação formativa em uma escola de educação infantil e fundamental. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro; FONSECA, Marília (Orgs). Avaliação: políticas e práticas. Campinas, Papirus, p.56.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Perspectivas para a reflexão em torno do Projeto Político Pedagógico. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro; RESENDE, Lúcia Maria Gonçalves de (Orgs.). Escola: espaço do projeto político-pedagógico. Campinas: Papirus, 1998. cap. 1, p.9- 32.

Downloads

Publicado

2023-12-05

Como Citar

RIBEIRO, M. A. P. S.; SOUSA, A. N. de. Banda marcial: o som e o silencio nas escolas civis e militares. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 2260–2271, 2023. DOI: 10.55892/jrg.v6i13.779. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/779. Acesso em: 16 jun. 2024.

ARK