A escolha do tipo de parto e as vantagens do parto vaginal à parturiente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v6i13.806

Palavras-chave:

Parto normal, Gestantes, Cesárea

Resumo

O parto é um experiência única e de grande importância para a mulher, pois trata-se de um evento que lhe possibilita dar à luz outro ser humano. Esse momento culmina com alegrias e dores próprias do ato porquanto o trabalho de parto assim ocorre. Esse evento relevante pode acontecer por um processo totalmente natural (parto vaginal) ou por intermédio de uma cirurgia (cesárea). As justificativas para um ou outro parto são diversas, de modo que o parto cirúrgico deve ser reservado para situações específicas. Entretanto, ocorre com relativa frequência partos cesáreos sem a devida indicação apenas por opção da mulher ou por decisão do arbitrária do médico. Este artigo tem o objetivo de verificar o que há publicado sobre a escolha do tipo do parto e as vantagens do parto vaginal à parturiente. Para tanto, foi desenvolvido uma revisão integrativa a partir das bases de dados SciELO, LiLACS e BDENF, cujos dados foram coletados entre os meses de agosto e outubro de 2023, obtendo-se estudos publicados entre 2018 e 2023. Os resultados possibilitaram listar as seguintes vantagens do parto vaginal para a mulher: rápida recuperação pós-parto; vínculo com o bebê; menor risco de infecção hospitalar e puerperal e menor risco de morte. Desse modo, destaca-se a importância de buscar, em novos estudos, relatar as vantagens do parto vaginal para o bebê, visto que ambos – mãe e filho – vivenciam, mutuamente, de todas as vantagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leidiane de Sousa Vale, Universidade Paulista

[Lattes] - Graduanda em Enfermagem pela Universidade Paulista – UNIP, campus Brasília (DF).

Andrey Hudson Interaminense Mendes de Araújo, Universidade Paulista

[Lattes] - Docente de Enfermagem na Universidade Paulista – UNIP, campus Brasília, (DF). Graduação em Enfermagem pela Universidade de Brasília (2015). Mestre em Ciências e Tecnologias em Saúde pela Universidade de Brasília (2017). Especialista em Saúde da Família pela Universidade Estácio de Sá (2019). Especialista em Didática do Ensino Superior em Educação à Distância pela Faculdade Sena Aires (2020).

Referências

ALMEIDA; Juliana Sousa de Almeida et al. Prevalência de parto vaginal após cesárea em uma maternidade de alto risco. R. Pesq. Cuid. Fundam. online 2021 jan./dez. 13: 1506-1511. Acesso em: https://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/10250/10560. Acesso em: 29 out. 2023.

ANTUNES, Marcos Benatti; ROSSI, Robson Marcelo; PELLOSO, Sandra Marisa. Relação entre risco gestacional e tipo de parto na gravidez de alto risco. Rev Esc Enferm USP, v. 54, e03526, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reeusp/a/kqvyvpxg7XkznD4HgnTmLft/?lang=pt. Acesso em: 31 out. 2023.

ARIK, Roberta Marielle et al. Percepções e expectativas de gestantes sobre o tipo de parto. Rev Bras Enferm, v. 72, (suppl. 3), dez. 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/6tQNtWXb9ZBQ6n4SQnxwjPr/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 31 out. 2023.

BALZANO, Cristina. O parto é da mulher! Guia de preparação para um parto feliz. Belo Horizonte: Editora Gutenberg, 2019.

BERNAL, Andrés López; NORWITZ, Errol R. O mecanismo do trabalho de parto normal. in: EDMONDS, D. Keith. Dewhurst: ginecologia & obstetrícia: manual prático. 8. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2016.

BIO, Eliane. O corpo no trabalho de parto: o resgate do processo natural do nascimento. São Paulo: Summus; 2015. https://www.gruposummus.com.br/wp-content/uploads/primeiras-paginas/11025.pdf. Acesso em: 8 ago. 2023.

CARVALHO, Eliete dos Reis et al. Expectativa e experiência do processo parturitivo em mulheres atendidas em Unidade Básica de Saúde. Saúde e Pesqui., v. 12, n. 3, p. 545-554, set./dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/7562/3577. Acesso em: 29 out. 2023.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

DATA-SUS [online]. Histórico. Disponível em: https://datasus.saude.gov.br/sobre-o-datasus/. Acesso em: 12 nov. 2023.

FEBRASGO. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Alta taxa de cesáreas no Brasil é tema de audiência pública. 20 dez. 2018. Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/728-alta-taxa-de-cesareas-no-brasil-e-tema-de-audiencia-publica. Acesso em: 6 ago. 2023.

KOTTWITZ, Fernanda; GOUVEIA, Helga Geremias, GONÇALVES, Annelise de Carvalho. Via de parto preferida pelas mães e suas motivações. Esc Anna Nery, v. 22, n. 1, e20170013, 2018.disponível em: https://www.scielo.br/j/ean/a/9sShvRLLFyrzvwfWcFjnfDx/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 31 out. 2023.

LEAL, Sarah Yasmin Pinto et al. Percepção de enfermeiras obstetras acerca da violência obstétrica. Cogitare Enferm, v. 23, n. 2, e52473, 2018. Disponível em:https://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/05/883486/52473-231497-1-pb.pdf. Acesso em: 29 out. 2023.

MARTINS, Andressa Paula de Castro et al. Aspectos que influenciam a tomada de decisão da mulher sobre o tipo de parto. Rev Baiana Enferm, v. 32, e25025, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/25025/15809. Acesso em: 29 out. 2023.

MATOS, Greice Carvalho de et al. Parto normal ou cesárea na adolescência: de quem é a decisão? Rev Enferm UFPE On line, v. 12, n. 6, p. 1681-1687, jun., Recife, 2018a. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/231069/29211. Acesso em: 29 out. 2023.

MATOS, Greice Carvalho de et al. Representações sociais do processo de parturição de mulheres que vivenciaram a gravidez na adolescência. J. Res.: Fundam. Care. Online, v. 10, n. 4, p. 1077-1084, out/dez, 2018b. Disponível em: https://seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/6325/pdf_1. Acesso em: 29 out. 2023.

MATOS, Mariana Gouvêa de. O parto na parentalidade. Curitiba: Appris; 2021.

NUNES, Ana Lúcia et al. Acolhimento ao parto em estabelecimentos de saúde vinculados à Rede Cegonha no Brasil: a perspectiva das usuárias. Cad. Saúde Pública, v. 38, n. 4, e00228921, 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/3gK4vMQWgVwDWgpTDWMdFjg/. Acesso em: 31 out. 2023.

OLIVEIRA, Virgínia Junqueira; PENNA, Cláudia Maria de Mattos. Cada parto é uma história: processo de escolha da via de parto. Rev Bras Enferm, v. 71, (suppl. 3), p. 1204-1312, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/8bjVWVQyjMc5wcy4xHXr9CD/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 31 out. 2023.

OPAS/OMS. Organização Pan-Americana de Saúde/Organização Mundial da Saúde. OMS emite recomendações para estabelecer padrão de cuidado para mulheres grávidas e reduzir intervenções médicas desnecessárias. 15 fev. 2018. Disponível em; https://www.paho.org/pt/noticias/15-2-2018-oms-emite-recomendacoes-para-estabelecer-padrao-cuidado-para-mulheres-gravidas-e. Acesso em: 6 ago. 2023.

PEREIRA, Simone Barbosa et al. Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento na perspectiva de profissionais de saúde. Rev Bras Enferm, v. 71 (suppl. 3), 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/XYksDZmcHxdFTppBV87bxrn/?lang=pt. Acesso em: 31 out. 2023.

PRISMA. - Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses. A declaração PRISMA 2020: uma diretriz atualizada para relatar revisões sistemáticas. BMJ, v. 372, n. 71, mar. 2021. Disponível em: https://www.bmj.com/content/372/bmj.n71. Acesso em: 25 out. 2023.

SANTOS, Gleice Oliveira et al. Discurso de mulheres sobre a experiência do parto normal e da cesariana. Rev Fundam Care Online, v. 10, n. 1, p. 233-241, jan./mar. 2018. https://seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/5931/pdf. Acesso em: 29 out. 2023.

SILVA, Amada Bezerra da et al. Percepção da Mulher acerca da assistência ao parto pela enfermeira obstetra. Revista Enfermagem em Foco – Cofen, v. 9, n. 4, 2018. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/1068/473. Acesso em: 29 out. 2023.

SILVA, Mônica Maria de Jesus; SILVA, Semara Carollini Brandão; MELO, Gabriel Arruda. Autonomia da gestante na escolha do tipo de parto. Investigación en Enfermería: Imagen y Desarrollo, v. 21, n. 2, jul./dez. 2019. Disponível em: https://revistas.javeriana.edu.co/index.php/imagenydesarrollo/issue/view/1442. Acesso em: 29 out. 2023.

SIMÕES, Amabille Dellalibera et al. Perfil epidemiológico dos tipos de parto realizados no Brasil: análise temporal, regional e fatorial. Research, Society and Development, v. 11, n. 7, e0211729678. 2022. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/download/29678/25651/339960. Acesso em: 6 ago. 2023.

SOUSA, Joelma Lacerda de et al. Percepção de puérperas sobre a posição vertical no parto. Revista Baiana de Enfermagem, v. 32, e27499, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/27499/17081. Acesso em: 29 out. 2023.

Downloads

Publicado

2023-11-23

Como Citar

VALE, L. de S.; ARAÚJO, A. H. I. M. de. A escolha do tipo de parto e as vantagens do parto vaginal à parturiente. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 2001–2015, 2023. DOI: 10.55892/jrg.v6i13.806. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/806. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK