Desenvolvimento de formulação de uso tópico baseada em uma inovação incremental contendo o princípio ativo Ibuprofeno

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v6i13.844

Palavras-chave:

Anti-inflamatório, Gel, Inovação, Inflamação, Prostaglandina

Resumo

Este trabalho propõe o desenvolvimento de uma formulação tópica contendo Ibuprofeno, como alternativa aos anti-inflamatórios orais. Atualmente, o uso sistêmico desses medicamentos pode causar efeitos colaterais indesejáveis, como tontura, náuseas e problemas gastrointestinais. Portanto, essa formulação tópica incremental busca reduzir esses efeitos colaterais, evitando a necessidade de ingestão oral, diminuindo interações medicamentosas e melhorando a adesão ao tratamento. A justificativa para o desenvolvimento dessa formulação é baseada nos problemas causados pelo uso indiscriminado dos anti-inflamatórios orais, que estão sendo amplamente utilizados sem prescrição médica. O Ibuprofeno é um exemplo desses medicamentos, sendo utilizado para alívio de dores musculares e artrite, reduzindo a produção de prostaglandinas associadas à inflamação e dor. No entanto, seu uso oral pode levar a complicações gastrointestinais e toxicidade hepática. Na atualidade, não há registro de formulações tópicas de Ibuprofeno no Brasil. Portanto, o objetivo dessa pesquisa é propor o desenvolvimento de uma formulação tópica incremental com o fármaco Ibuprofeno. Foram realizados estudos farmacotécnicos e testes em bancada com 5 formulações diferentes, para avaliar a viabilidade e a melhor forma farmacêutica para essa formulação tópica. A metodologia da pesquisa foi experimental, com pesquisa de mercado, delineamento farmacotécnico, e análises de pH, viscosidade, densidade, características organolépticas e teste de centrifugação. Como resultado, foi obtido um produto semissólido tópico com formulação do gel de Ibuprofeno 5%, utilizando um gel não iônico com o espessante hidroxietilcelulose, sendo uma alternativa a ser considerada como substituto para o uso oral do ativo Ibuprofeno e com alto potencial para medicamento comercializável. O produto se manteve estável e dentro dos parâmetros avaliados e com resultados satisfatórios para as análises de pH, viscosidade, densidade, características organolépticas e teste de centrifugação.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandra Aparecida do Amaral, Associação de Ensino Pesquisa e Extensão – Faculdade Biopark, PR, Brasil

[Lattes] - Graduada em Química pela Universidade Federal da Fronteira Sul (2016); Mestra em Química Orgânica pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2018); Graduanda em Farmácia pelo Parque Científico e Tecnológico de Biociências, Biopark, Brasil (2023).

Letícia Maria Ferreira, Associação de Ensino Pesquisa e Extensão – Faculdade Biopark, PR, Brasil

[Lattes] - Graduanda em Farmácia pelo Parque Científico e Tecnológico de Biociências, Biopark, Brasil.

Schirlei Diana Kleinubing Silva, Associação de Ensino Pesquisa e Extensão – Faculdade Biopark, PR, Brasil

[Lattes] - Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1999); graduada em Farmácia pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (2007); Mestre em Ciências Ambientais pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Carin Fabíola Pensin, Associação de Ensino Pesquisa e Extensão – Faculdade Biopark, PR, Brasil

[Lattes] - Graduada em Farmácia pela Universidade Paranaense (2005); Mestra em Farmacologia (Farmacotécnica) pela Universidade Federal de Santa Catarina (2011).

Referências

ANDRIOLI, Andrea; PRADO. Livia Deris; COSTA, Maíra Assis; ROCHA, Helvécio Vinícius Antunes. Caracterização do insumo ibuprofeno e a correlação com propriedades de dissolução e de fluxo. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 35, n. 3, 2014.

AULTON, Michael E. TAYLOR, Kevin M. G. Delineamento de Formas Farmacêuticas. [s.l.]: Elsevier, 4.ed., 2016.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Guia de controle de qualidade de produtos cosméticos. 2.ed, Brasília, 2008.

BRASIL. Monografias Insumos Farmacêuticos e Especialidades. Farmacopéia Brasileira, 6.ed, v.2, 2019.

DERRY, S. MOORE, R. A.; GASKELL, H.; MCLNTYRE, M.; WIFFEN, P.J.; AINEs tópicos para dor musculoesquelética aguda em adultos. Cochrane Database Syst Rev. Jun, 11, 2015. doi: 10.1002/14651858.CD007402.

DUGGAN, K.C.; PRUSAKIEWICZ, J.J.; ROUZER, C.A.; MARNETT, L.J. Differential sensitivity and mechanism of inhibition of COX-2 oxygenation of arachidonic acid and 2-arachidonoylglycerol by ibuprofen and mefenamic acid. Biochemistry, 48, 7353-7355, 2009.

FERREIRA, Anderson de Oliveira. Guia Prático da Farmácia Magistral. [s.l.]: Pharmabooks, 5.ed., v.2, 2018.

HOWARD, Patricia A. DELAFONTAINE, Patrice. Nonsteroidal anti-inflamatory drugs and cardiovascular Risk. J Am Coll Cardiol, 43, 519-25, fev, 2004.

LOYD, Allen V.; POPOVICH, Nicholas G.; HOWARD, Anselc. Formasfarrnacêuticas e sistemas de liberação de fármacos. Porto Alegre: Artmed, 2013.

LOURENÇO, Ana Rita Nunes. Administração tópica de fármacos: Das restrições aos desafios. Lisboa, 2013. 51f, Dissertação de Mestrado, Universidade Lusófona De Humanidades e Tecnologias.

LÜLLMANN, Heinz. Farmacologia: Texto e Atlas. Porto Alegre: Artmed/Panamericana Editora Ltda, 7.ed., 2017.

MENDES , Reila Tainá; STANCZYK, Cassiano Pereira; SORDI, Regina; OTUKI, Michel Fleith; SANTOS, Fábio André; FERNANDES , Daniel. Inibição seletiva da ciclo-oxigenase-2: riscos e benefícios. Revista Brasileira Reumatol. v. 5, 767-782, 2012.

RAO, P. N. Praveen; KNAUS, Edward E. Evolution of Nonsteroidal Anti-Inflammatory Drugs (NSAIDs): Cyclooxygenase (COX) Inhibition and Beyond. J Pharm Pharmaceut Sci, [s. l.], 2008.

ROWE, R. C.; SHESKEY, P. J.; QUINN, M. E.; Handbook of Pharmaceutical Excipients. London: American Pharmacists Association. 6.ed, 2009.

Downloads

Publicado

2023-12-06

Como Citar

AMARAL, A. A. do; FERREIRA, L. M.; SILVA, S. D. K.; PENSIN, C. F. Desenvolvimento de formulação de uso tópico baseada em uma inovação incremental contendo o princípio ativo Ibuprofeno. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 2333–2345, 2023. DOI: 10.55892/jrg.v6i13.844. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/844. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK