Prescrição racional de antibióticos após exodontia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v6i13.870

Palavras-chave:

Antibióticos, Resistência Antimicrobiana, Terapia Antibiótica em casos de extração

Resumo

Introdução: O surgimento dos antibióticos foi um avanço no tratamento de doenças infecciosas, reduzindo a morbidade e mortalidade associadas às infecções bacterianas. No entanto, o uso indiscriminado desses medicamentos desencadeou resistência bacteriana, um problema que pode afetar negativamente a saúde pública mundial. Na prática clínica, o cirurgião-dentista utiliza antibióticos para tratar ou prevenir infecções. Nas exodontias são usados como medida profilática para evitar infecções como a endocardite bacteriana e disseminação local ou sistêmica da infecção. Nesse contexto, é necessário e fundamental que estudos sobre esta temática sejam desenvolvidos e aplicados na rotina clínica de cirurgiões dentistas, a fim de garantir que esses profissionais exerçam um uso criterioso e indispensável de antibióticos. É de suma importância que os cirurgiões-dentistas estejam adequadamente habilitados para prescrever esses agentes de forma apropriada, abstendo-se assim de recomendá-los indiscriminadamente. Objetivo: Revisar a literatura especializada sobre o uso de antibióticos para exodontia visando destacar indicações, contraindicações, dosagens, vantagens e desvantagens desta prática. Materiais e Métodos: Realizou-se uma revisão de literatura descritiva utilizando como base de dados PubMed, Google Acadêmico e BVS, utilizando combinações entre os descritores: “Antibiotics”; “Antimicrobial Resistance”; “Antibiotic Therapy In Tooth Extractions”. Foram considerados artigos predominantemente dos últimos dez anos, sendo estes revisões de literatura, relato de caso, revisões sistemáticas e meta-análises. A pesquisa foi feita com 40 artigos, sendo 29 selecionados. Conclusão: A remoção de fontes de infecção na cavidade oral e a manutenção da saúde periodontal, aliadas a técnica cirúrgica delicada, são elementos chaves para extrações dentárias sem complicações. Vale reforçar que extração de dente de forma habitual em pacientes com uma boa saúde sistêmica, não necessita de terapia antibiótica.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Maranhão Pereira, Pontifícia Universidade Católica de Goiás

[Lattes] - Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Goiás (1996), doutorado em Estomatopatologia pela Universidade Estadual de Campinas (2004) mestrado em Estomatopatologia pela Universidade Estadual de Campinas (2002), Especialização em Estomatologia pelo Hospital Heliópolis-SP (2000) e Habilitação em Odontologia Hospitalar pelo CFO (2016).

Milka Barreto Amado Barbosa, Centro Universitário ICESP. Brasília, DF Brasil

[Lattes] - Graduação em Odontologia pelo Centro Universitário ICESP, Brasil.

Rayara Richelle Silvestre Jacobina, Centro Universitário ICESP. Brasília, DF Brasil

[Lattes] - Graduação em Odontologia pelo Centro Universitário ICESP, Brasil.

Referências

ALEGRE, U. C .P.; CERICATO, G. O.; MARIO, D. A. N.; FABRIS, V. Conhecimento de cirurgiões dentistas sobre antimicrobianos e resistência bacteriana. Journal of Oral Investigations, v. 8, n. 1, p. 18-33, 2019.

ARANCIBIA, J. M. Estrategias para el uso de antibióticos en pacientes críticos. Revista Médica Clínica Las Condes, v. 30, n. 2, p. 151-159, 2019.

BAUER, H. C. Associação entre o tempo cirúrgico e infecção pós-operatória na exodontia de terceiros molares. 2016. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.BIREME/OPAS/OMS.

BRASIL. Lei nº 5.081, de 24 de agosto de 1966, regula o Exercício da Odontologia. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-5081-24-agosto-1966-364652-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 13 set. 2023.

BUONAVOGLIA, A. et al. Antibiotics or No Antibiotics, That Is the Question: An Update on Efficient and Effective Use of Antibiotics in Dental Practice. MDPI Journals Awarded Impact Factor, Suiça, p. 4-34, 9 maio 2021.

CAMPINAS, Prefeitura Municipal de. Secretaria de Saúde. Uso de Antibióticos em Odontologia Cirurgia Oral Menor. Campinas, 2022.

DAS NEVES, C. A. et al. Antibióticos x Terceiros Molares Inclusos Não Infectados: você está contribuindo para a resistência?. Journal of Infection Control, v. 9, n. 3, p. 196-201, 2020.

DE ANDRADE, E. D. Terapêutica medicamentosa em odontologia. Artes Médicas Editora, 2014.

DE BRITO, G. B.; TREVISAN, M. O uso indevido de antibióticos e o eminente risco de resistência bacteriana. Revista Artigos. Com, v. 30, p. e 7902-e 7902, 2021.

DENIZ‐SUNGUR, D. et al. The prescribing of antibiotics for endodontic infections by dentists in Turkey: a comprehensive survey. International Endodontic Journal, v. 53, n. 12, p. 1715-1727, 2020.

DIOGO, B. S.; RODRIGUES, S.; ANTUNES, S. C. Antibióticos. Revista de Ciência Elementar, v. 11, n. 1, 2023.

FONTOURA, R. A. Terapeutica e protocolos medicamentosos em odontologia. Nova Odess, SP: editora Napoleão, 2013.

GUIMARÃES, D. O.; MOMESSO, L. S.; PUPO, M. T. Antibióticos: importância terapêutica e perspectivas para a descobe novos agentes. Química nova, v. 33, p. 667-679, 2010.

ISIORDIA-ESPINOZA, M. A. et al. Risk of wound infection and safety profile of amoxicillin in healthy patients which required third molar surgery: a systematic review and meta-analysis. British Journal of Oral and Maxillofacial Surgery, v. 53, n. 9, p. 796-804, 2015.

KASSAB, N. M. Validação de métodos analíticos para determinação de antibióticos quinolônicos em preparações farmacêuticas. 2004. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

LUCCHETTE, A. C. T. et al. Avaliação da prática de prescrição de antibióticos pelos cirurgiões-dentistas da Rede Pública de um município de médio porte. Arquivos em Odontologia, v. 55, 2019

MARQUES, B. M. et al. Profilaxia antibiótica para extração de terceiros molares em pacientes saudáveis: há sustentação científica? Revista de Odontologia da UNESP, v. 43, n. Especial, p. 0-0, 2014.

MILANI, B. A. et al. Antibiotic therapy in fully impacted lower third molar surgery: randomized three-arm, double-blind, controlled trial. Oral and maxillofacial surgery, v. 19, p. 341-346, 2015.

OLIVEIRA, I. J. M. Efeito da antibioticoterapia no pós-operatório de cirurgias de terceiros molares inferiores: estudo em boca dividida, randomizado e controlado. 2020.

PETERSON, L. J. Antibiotic prophylaxis against wound infections in oral and maxillofacial surgery. Journal of Oral and Maxillofacial Surgery, v. 48, n. 6, p. 617-620, 1990.

PRAJAPATI, A.; PRAJAPATI, A.; SATHAYE S. Benefits of not prescribing prophylactic antibiotics after third molar surgery. Journal of Maxillofacial and Oral Surgery, v. 15, p. 217-220, 2016.

SANTOS, A. B.; GOMES, B. Alveolite: Revisão da Literatura. 2021.

SANTOS, A.Y. B. A relevância do uso racional de antibióticos na odontologia. 2018.

SANTOS, G. J. V. A.; COMARELLA, L. O uso indiscriminado de antibióticos e as resistências bacterianas. Saúde e Desenvolvimento, Curitiba, v.10, n.18, p.78-87, 2021

SILVA, L. N. O uso de antibióticos na prática odontológica: percepção de estudantes de uma instituição de ensino superior. 2020.

TRENTO, C. L. et al. Avaliação do conhecimento de Cirurgiões-Dentistas e acadêmicos de Odontologia na cidade de Aracaju, Sergipe, a respeito da adequada prescrição de antimicrobianos. Revista de Odontologia da UNESP, v. 43, p. 286-293, 2014.

ZANATTA, F. B. et al. Condutas clínicas na utilização de antibióticos em exodontias. Revista Gaúcha de Odontologia (Online), v. 59, n. 2, p. 171-177, 2011.

Downloads

Publicado

2023-12-13

Como Citar

PEREIRA, C. M.; BARBOSA, M. B. A.; JACOBINA, R. R. S. Prescrição racional de antibióticos após exodontia. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 2555–2569, 2023. DOI: 10.55892/jrg.v6i13.870. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/870. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK