VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA

  • Daiane Caroline Beserra Alves Universidade Paulista (UNIP) - SP
  • MSc. Mayara Cândida Pereira Universidade Paulista (UNIP) - SP
  • Esp. Jéssica Leite Rodrigues Universidade Paulista (UNIP) - SP
Palavras-chave: Enfermagem Obstétrica. Violência Contra a Mulher. Saúde da Mulher.

Resumo

Objetivo: Descrever meios de prevenção do ato de violência obstétrica, conhecendo o histórico da violência obstétrica no Brasil. Metodologia: Trata-se de um estudo do tipo revisão integrativa da literatura, que representa um tipo de revisão de universo complexo, buscando métodos normatizados e sistemáticos para assegurar o necessário rigor diligenciado na pesquisa científica e a autenticidade das evidências estabelecidas, com abordagem qualitativa por meio de artigos científicos. Foi desenvolvido com publicações indexadas no período de 2014 a 2020, sendo realizadas diversas consultas nos amplos bancos de dados eletrônicos da Biblioteca |Virtual de Saúde (BVS) - BIREME e Scientific Eletronic Library Online –Scielo. Resultados: Foram selecionados 14 artigos que se adequavam ao tema proposto da pesquisa. Os artigos utilizados foram analisados e interpretados precisamente para que desta forma fossem alocados posteriormente em categorias. Conclusão: Ao final deste estudo com base nos resultados encontrados pode se afirmar que a violência obstétrica ainda é muito comum no Brasil, no entanto é necessário que haja uma reavaliação da eficácia e da real necessidade das intervenções obstétricas por parte dos profissionais, levando em consideração os riscos e o desconforto gerado por tais atos. Atualmente vem sendo desenvolvido novas condutas por parte dos profissionais que buscam por educação continuada e treinamentos nas instituições para a redução da violência obstétrica no país.

Biografia do Autor

MSc. Mayara Cândida Pereira, Universidade Paulista (UNIP) - SP

Graduada em Enfermagem pela Anhanguera Educacional - Anápolis GO. Doutoranda em Gerontologia pela Universidade Católica de Brasília-DF, Mestre em Gerontologia e Especialista em Saúde Pública. Atualmente é Coordenadora do Curso de Enfermagem da Universidade Paulista - UNIP campus Brasília - DF; Consultora Ad Hoc da Revista de Divulgação Científica Sena Aires; avaliadora de cursos pelo INEP/MEC e colaboradora dos processos éticos de enfermagem do COREN-DF. Tem experiência na área de enfermagem, com ênfase em saúde pública, gerontologia e ética profissional. Além disso, tem experiência em gestão acadêmica de ensino superior.CV: http://lattes.cnpq.br/9411361325476945

Esp. Jéssica Leite Rodrigues , Universidade Paulista (UNIP) - SP

Graduada em Enfermagem Bacharelado pela Universidade Paulista (2016). Especialista em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na Faculdade UnYleYa. Preceptora de estágio na Atenção Básica pela UNIP. Atualmente enfermeira supervisora da Clinica de Enfermagem da Universidade Paulista- UNIP Formada em Língua Estrangeira - Inglês - 6 anos no CIL. Curso profissionalizante de Assistente Administrativo concluído. CV: http://lattes.cnpq.br/1335687139418625

Referências

1- Diniz SG, Salgado HO, Halana, Andrezzo HFA, Carvalho PGC, Carvalho PCA, Aguiar CA, Niy DY. Violência Obstétrica como questão para a saúde pública no Brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção. Journal of Human Growth and Development. 2015; 25(3): 377-376.

2- Silva TS, Melo RO, Sodré MP, Moreira RCR, Souza ZCSN. A extensão universitária e a prevenção da violência obstétrica. Rev. Ciênc. Ext. 2017; 13 (1): 176-189.

3- Andrade BP, Aggio CM. Violência obstétrica: a dor que cala. Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 27 a 29 de maio de 2014 GT3 - Violência contra a Mulher e Políticas Públicas- Coord. Sandra Lourenço A. Fortuna.

4- Organização Mundial da Saúde – OMS. (2014). Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. Genebra: Autor. http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/134588/3/WHO_RHR_14. 23_por.pdf Acesso em 30 de julho, 2016,

5- Zanardo GLP, Uribe MCU, Nadal AHR, Habigzang LF. Violência obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicologia & Sociedade. 2017; 29: e155043

6- Moura LJASM, Gabriella Andrade GCMC, Santos NF, Santana TS, Musse JO, Violência obstétrica - papel do enfermeiro. International Nursing Congress Theme: good practices of nursing representations in the construction of society; 2017 may 9-12.

7- Barbosa LC, Fabbro MRC Geovânia, Machado GPR. Violência obstétrica: Revisão integrativa de pesquisas qualitativas; Av Enferm. 2017; 35(2): 190-207.

8- Brandt GP, Souza SJP, Migoto MT, Weigert SP, Violência obstétrica: a verdadeira dor do parto; Revista gestão & saúde (ISSN 1984 - 8153).2018; 19(1): 19-37.

9- Santiago DC, Souza WKS, Nascimento RF; Violência Obstétrica: uma análise das consequências; Revista Científica da FASETE 2017.2 | 148.

10- Rodrigues DP, Alves VH, Penna LHG, Pereira AV, Branco MBLR, de Souza RMP; O descumprimento da lei do acompanhante como agravo à saúde obstétrica; Texto Contexto Enferm, 2017; 26 (3): e5570015.

11- Moura RCM, Pereira TF, Rebouças FJ, Costa CM, Lernandes AMG, Silva LKA, Rocha KMM; Cuidados da enfermagem na prevenção da violência obstétrica; Enferm. Foco 2018; 9(4): 60-65.

12- Andrade BP, Aggio CM; Violência obstétrica: a dor que cala; Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 27 a 29 de maio de 2014.

13- Leal SYP, Lima VLA, Silva AF, Soares PDFL, Santana LR, Pereira A; percepção de enfermeiras obstétricas acerca da violência obstétrica; Cogitare Enferm. 2018, (23) 2: e52473.

14- Martins FL, Silva BO, Carvalho FLO, Costa DM, Paris LRP, Junior LRGJ, Bueno DMP, David ML; Violência obstétrica: Uma expressão nova para um problema histórico, Revista Saúde em Foco – 2019. Edição nº 11.

15- Sena LM, Tesser CD. Violência obstétrica no Brasil e o ciberativismo de mulheres mães: Comunicação Saúde Educação 2017; 21(60): 209-20.

16- Lansky S, Souza KV, Peixoto ERM, Oliveira BJ, Diniz CSG, Vieira NF, Cunha RO, Friche AAL, Violência obstétrica: influência da Exposição Sentidos do Nascer na vivência das gestantes, Ciência & Saúde Coletiva, 2019 24(8): 2811-2823.

17- Guimarães LBE, Jonas E, Amaral LROG; Violência obstétrica em maternidades públicas do estado do Tocantins; Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 2018, 26(1): e, janeiro-abril.

18- Menezes FR, Reis GM, Jardim DMB, Lopes TC; O olhar dos residentes em enfermagem obstétrica para o contexto da violência obstétrica nas instituições; Interface (Botucatu). 2020; 24: e180664.
Publicado
2019-12-06
Como Citar
Beserra Alves, D. C., Cândida Pereira, M. M., & Leite Rodrigues , E. J. (2019). VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 2(5), 360-376. Recuperado de http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/101