ESTUDO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA EM POTENCIAL ENVOLVENDO ANTIMICROBIANOS

  • Me. Walquiria Lene dos Santos FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.
  • Laerte Silva de Oliveira Faculdade Sena Aires, FACESA, Brasil - GO
  • Francyellen Almeida da Silva Faculdade Sena Aires, FACESA, Brasil - GO
Palavras-chave: Interação medicamentosa. Antimicrobianos. Reação adversa.

Resumo

Dentre as principais causas de eventos adversos que podem ser evitadas estão às interações de medicamentos, corresponde a uma porcentagem de 20 a 30%, sendo ainda relevante na clínica representando 80% dos casos, na sua maioria atinge a população idosa. Essas interações acontecem quando um medicamento altera a ação do outro, podendo assim modificar tanto a farmacocinética do primeiro quanto o mecanismo de ação do segundo. O  objetivo do estudo foi analisar os antibióticos mais utilizados pela população, descrever as principais interações medicamentosas com antimicrobianos e os riscos que estas interações podem trazer para a qualidade de vida. O estudo foi realizado nos meses de abril a setembro do ano de 2018, usando as bases de dados: SciELO – Scientific Electronic Library Online, PubMed  e LILACS - Literatura Latino-Americana e de Caribe em Ciências da Saúde. Para pesquisa dos artigos foram utilizados os descritores: “efeitos adversos”, “interações medicamentosas” e “antibióticos”. Os resultados demonstraram que  Fármacos como a teofilina que causa uma broncodilatação tem como indicação a asma brônquica. A elevação das concentrações sanguíneas da teofilina, e vista quando esta é integrada as tetraciclinas. O uso da eritromicina em conjunto a uma dose via oral da teofilina proporciona a elevação do tempo de meia-vida de excreção e reduz o clearance renal da teofilina, aumentando os níveis de concentrações séricas. As considerações finais demonstram que as interações entre os fármacos podem gerar prejuízos ao tratamento, podendo assim na sua grande maioria ser evitados, sendo de suma importância que o profissional te saúde tenha conhecimento e atenção, para isso deve ser ter todo uma avaliação na prescrição do paciente e preparo para orientação do mesmo. É de fundamental participação do farmacêutico na orientação da correta administração do fármaco.

Biografia do Autor

Me. Walquiria Lene dos Santos, FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.

Mestre em Enfermagem, professora titular na Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires.

Laerte Silva de Oliveira, Faculdade Sena Aires, FACESA, Brasil - GO

Farmacêutico Bioquímico, acadêmico da Pós Graduação em Farmacologia na Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires.

Francyellen Almeida da Silva, Faculdade Sena Aires, FACESA, Brasil - GO

Farmacêutica Bioquímica, acadêmica da Pós Graduação em Farmacologia na Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires

Referências

1. Guastaldi RBF, Secoli SR. Interações medicamentosas de antimicrobianos utilizados em transplante de células-tronco hematopoeticas. São Paulo. Volume 19, número 4. Pág.2-3. 2011
2. Neves C, Colet C. Perfil de uso de antimicrobianos e suas interações medicamentosas em uma UTI adulto do Rio Grande do Sul. Ijuí, RS, Brasil. Volume 5, número. 2: pág. 65-71. 2015
3. Leite JMS, Moura AKO, Alves LP, Rêgo RIA, Teixeira A. Interações medicamentosas relacionadas ao uso de antibióticos no setor de infectologia de um hospital universitário. Conbracis, 2017; 9-10.
4. Nobrega RC, Batista LM. Avaliação de interações medicamentosas potenciais envolvendo antimicrobianos em unidade de terapia intensiva de um hospital público de ensino de João Pessoa PB. João Pessoa- PB. volume 1, número1. página 7-8. 2013
5. Souza J M, Thomson J C. Um estudo farmacoepidemiológico de drogasinterações em um hospital universitário brasileiro. Número 61, volume 06. Pág. 515-20. 2006
6. Fariña LO, Poletto G. Interações entre antibióticos e nutrientes: uma revisão com enfoque na atenção á saúde. Curitiba. 2010; volume 11. Número 1. Página 1518-5192.
7. Estrela T S. Resistência antimicrobiana: enfoque multilateral e resposta brasileira. Saúde e Política Externa: os 20 anos da Assessoria de Assuntos Internacionais de Saúde (1998-2018). Rio de janeiro. 2018
8. Silva NMO, Carvalho RP, Bernardes ACA, et al. Avaliação de potenciais interações medicamentosas em prescrições de pacientes internadas, em hospital público universitário especializado em saúde da mulher, em Campinas-SP. Ver Ciênc Farm Básica Apl. Vol. 31. Página 2. 171-6.2010
9. Matos HJ, Acordi C, Dutra RL, Fritzen M. Estudo da interação medicamentosa entre anticoncepcionais e antibióticos em alunas do Centro Universitário Estácio de Sá de Santa Catarina. Rev Eletro Estácio Saúde SC. volume 3. Número1. 2014
10. Bergamaschi CC, Montan MF, Cogo K, Franco GCN, Groppo FC, Volpato MC et al. Interações medicamentosas: analgésicos, antiinflamatórios e antibióticos. Camaragibe. Volume 7 número. 2 página. 9-18. 2007
Publicado
2019-12-09
Como Citar
dos Santos, M. W. L., de Oliveira, L. S., & da Silva, F. A. (2019). ESTUDO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA EM POTENCIAL ENVOLVENDO ANTIMICROBIANOS. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 2(5), 384-392. Recuperado de http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/103