ÓBITO E LUTO: OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM

  • Simone Aparecida Noronha de Souza Faculdade Sena-Aires - FACESA, Valparaíso -GO
  • Esp. Samara Costa da Rocha Nogueira Faculdade Sena-Aires - FACESA, Valparaíso -GO
  • Me. Walquiria Lene dos Santos FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.
  • Ana Lúcia Mendonça dos Santos Faculdade Sena-Aires - FACESA, Valparaíso -GO
Palavras-chave: More. Qualidade de vida. Família e Saúde dos Profissionais

Resumo

O artigo aborda questões relativas ao óbito e os desafios encontrados pela equipe de enfermagem. A morte é um evento biológico que encerra uma vida, é um dos acontecimentos que mais ocasionam interrogações na história do homem. A pesquisa objetivou identificar os desafios encontrados pela equipe de enfermagem diante do óbito, avaliando se esses profissionais estão preparados para tais situações. Estudo de abordagem transversal descritiva quantitativa, utilizando-se para coleta de dados, realizada mediante questionário aplicado à equipe de enfermagem de um hospital em  Brasília situada no DF. Os dados demonstraram que apesar de 77,5% não possuir fornecimento de capacitação ou estratégias para equipe, 72,5% sentem-se preparados diante do óbito, contudo o maior desafio encontrados por eles é lidar com o sofrimento da família 67,5%, levando assim ao sentimento de muita tristeza com 70%. Os resultados apontam profissionais em despreparo psicológico e emocional. Conclui-se a necessidade de capacitação de maneira individual e coletiva.

Biografia do Autor

Simone Aparecida Noronha de Souza, Faculdade Sena-Aires - FACESA, Valparaíso -GO

Possui graduação em Enfermagem Bacharelado pela Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires (2007). Especialização em Docência do Ensino Superior . Especialização em Didática do Ensino Superior em EAD. Coordenadora do Curso Técnico em Enfermagem da Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires (2008-2013). Atualmente é Coordenadora de Estágio Curricular Supervisionado dos Cursos de Enfermagem Bacharelado e Enfermagem nível técnico (2008 - aos dias atuais).

Lattes: http://lattes.cnpq.br/6080026702652901

Esp. Samara Costa da Rocha Nogueira, Faculdade Sena-Aires - FACESA, Valparaíso -GO

Enfermeira Especialista. Coordenação de Estágios da Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires. 

Me. Walquiria Lene dos Santos, FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Católica de Goiás (2002) e Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal de Goiás (2008). Coordenadora do Curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires. Docente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Integrante do Núcleo Docente Estruturante (NDE), Integrante do Comitê de Ética e Pesquisa da FACESA, Programa de Iniciação Cientifica da FACESA (PIC), Integrante dos Programas de Extensão Benjamim, Programa de Extensão Melhor Idade, Programa de Extensão FACESA, Comando de Saúde nas Empresas e Programa de Extensão Promovendo Saúde nas Escolas. Docente no Centro Universitário do Planalto Central - UNICEPLAC. Atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem, saúde coletiva, idoso, cuidados, sexualidade.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/4723603129713855

E-mail: walquiria@senaaires.com.br

Ana Lúcia Mendonça dos Santos, Faculdade Sena-Aires - FACESA, Valparaíso -GO

Pedagoga. Especialista em Didática do Ensino Superior em EAD.

 

Referências

Mattos TAD, Lange C, Cecagno D, Amestoy SC, Thofehrn MB, Milbrath VM. Profissionais de enfermagem e o processo de morrer e morte em uma unidade de terapia intensiva. Revista Mineira de enfermagem. 2009; 13(3).

Banazeski FTLL, Vargas BJV, Silva SS. O olhar da Enfermagem diante do Processo de Morte e Morrer de pacientes críticos: Uma revisão integrativa. Revista eletrônica trimestral de Enfermeira. 2016; 41 (1).

Salomé GM, Cavali A, Espósito VHC. Sala de emergência: o cotidiano das vivências com a morte e o morrer pelos profissionais de saúde. Revista Brasileira de Enfermagem. 2009; 62(5).

Brêtas JRS, Oliveira JR, Yamaguti L. Reflexões de estudantes de enfermagem sobre morte e morrer. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2006; 40(4).

Souza LPS, Ribeiro JM, Goncalves RRBR, Silva CSO, Barbosa DA. A morte e o processo de morrer: sentimentos manifestados por enfermeiros. Revista eletrônica trimestral de Enfermeira. 2013; 32 (1).

Silva ALL, Ruiz EM. Cuidar, morte e morrer: Significações para profissionais de enfermagem. Estudos de Psicologia (Campinas). 2003; 20(1).

Santos MA, Hormanez M. Atitude frente à morte em profissionais e estudantes de enfermagem: revisão da produção científica da última década. Ciência e Saúde Coletiva. 2013;18 (9).

Bellato, R. et al. A abordagem do processo do morrer e da morte feita por docentes em um curso de graduação em enfermagem.Acta Paul .Enferm. São Paulo, v. 20, n. 3, 2007.

Saraiva DMRF. Atitude do enfermeiro perante a morte. Disponível emhttp://www.forumenfermagem.org/index.php?option=com_content&view=article&id=3505:atitude-do-enfermeiro-perante-a-morte&catid=205:abril-a-maio-2009.

Azevedo NSG, Carvalho PRA, Rocha CF. O enfrentamento da morte e do morrer na formação de acadêmicos de medicina. Rebem- Revista Brasileira de Educação Médica, v35, n:1 p.37-42, março 2011.

Bretas JRS, Oliveira, JR, Yamaguti L. A morte e o morrer segundo representações de estudantes de enfermagem. REE- Revista Escola de Enfermagem da USP, v41, n:3 p. 386-393, setembro 2007.

Barbosa MA, Pinho LMO. A relação docente-acadêmico no enfrentamento do morrer. REE- Revista Escola de Enfermagem da USP, v44, n:1 p. 107-112, março 2004.
Publicado
2020-03-23
Como Citar
Noronha de Souza, S. A., da Rocha Nogueira, E. S. C., dos Santos, M. W. L., & Mendonça dos Santos, A. L. (2020). ÓBITO E LUTO: OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 3(6), 36-43. https://doi.org/10.5281/zenodo.3893194

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##