A COMPREENSÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UMA CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO FRENTE AOS RISCOS OCUPACIONAIS RELACIONADOS AO PROCESSO DE LIMPEZA DOS ARTIGOS MÉDICOS HOSPITALARES

Palavras-chave: Central de Material e Esterilização. Riscos Ocupacionais. Equipe de Enfermagem.

Resumo

Objetivos: avaliar a compreensão da equipe de enfermagem de uma central de material e esterilização frente aos riscos ocupacionais relacionados ao processo de limpeza de artigos médicos hospitalares; identificar os riscos ocupacionais que a equipe de enfermagem estão exposta durante o processo de limpeza dos artigos médicos e hospitalares na central de material e esterilização e investigar os mecanismos de autocuidado utilizados pela equipe de enfermagem que atuam em uma CME para reduzir a incidência de eventos relacionados aos riscos ocupacionais durante o processo de limpeza de artigos médicos hospitalares. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa de campo descritiva e exploratória com abordagem quantitativa, que foi realizada na CME de um hospital privado do DF. Os dados foram coletados mediante uma entrevista individual, utilizando-se um questionário com 13 perguntas fechadas elaboradas pela pesquisadora utilizando a literatura disponível. A amostra do estudo foram 22 profissionais de enfermagem que atuam na Sala de recebimento e limpeza dos artigos de uma (CME).  Resultados: A pesquisa demonstra que (100%) dos profissionais de enfermagem da CME têm consciência dos riscos que estão expostos durante o processo de limpeza dos artigos médicos hospitalares. Conclusão: conclui-se que os profissionais de enfermagem da CME estão expostos aos riscos biológicos, físicos, químicos, ergonômicos e psicológicos. Neste ambiente da CME se evidencia a importância dos mecanismos de autocuidado através do comportamento preventivo na utilização dos EPIs, a fim de evitar as doenças infectocontagiosas e lesões ocupacionais nas quais o profissional da enfermagem estar suscetível durante a exposição dos riscos ocupacionais presentes em seu ambiente de trabalho e nas suas atividades laborais.

Biografia do Autor

Kamila Alves Feitosa, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil.

Graduação em Enfermagem pela Universidade Paulista. Especialista em Bloco cirúrgico e Unidade de Terapia Intensiva pela Escola Técnica e Pós-graduação em Enfermagem. E-mail: kamilaalvesenfermagem2014@gmail.com. Orcid: http://orcid.org/0000-0002-6283-521X

Cinthya Ramires Ferraz, Universidade Gama Filho

Graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Gama Filho. Especialista em Métodos dialíticos e transplante pela Universidade Federal Fluminense. Mestre em Gerontologia pela Universidade Católica de Brasília. E-mail: cinthya_ferraz@yahoo.com.br. Orcid: http://orcid.org/0000-0002-2163-8674.

Fábio Pereira Feitosa, Universidade Paulista, UNIP, SP, DF

Graduação em Enfermagem pela Universidade Paulista. Pós-graduando em Unidade de Terapia Intensiva pela Escola Técnica e Pós-graduação em Enfermagem. Área específica do artigo: Saúde Pública. E-mail: fabiotstfeitosa@gmail.com. Orcid: http://orcid.org/0000-0003-1094-5545.

 

Referências

1. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). Resolução nº 15, de 15 de Março de 2012. Requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União 13 de março de 2012; Seção 1. Acesso em: 21 de agosto de 2017. Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2012/rdc0015_15_03_2012.html >.

2. Leite BL. Central de Material Esterilizado projeto de reestruturação e ampliação do Hospital Regional de Francisco Sá. Acesso em: 04 de Abril de 2018. Disponível em:< http:// bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/artigo_CME_flavia_leite.pdf >.

3. Diretrizes de práticas em enfermagem cirúrgica e processamento de produtos para a saúde-SOBECC. Associação Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização. 7. Ed. rev. e atual. Barueri, SP: Manole; São Paulo: SOBBEC, 2017.

4. Riffel FA, Zirr JA, Novick A, Mallet EKM. Análise Epidemiológica de Acidentes com Material Perfurocortante Ocorridos com a Equipe de Enfermagem em um Hospital na Cidade de Santa Rosa/RS. v. 7, n. 13-14 (2014). Acesso em: 27 de janeiro de 2018. Disponível em:.

5. Espindola MCG, Fontana RT. Riscos ocupacionais e mecanismos de autocuidado do trabalhador de um centro de material e esterilização. Rev. Gaúcha Enferm. Porto Alegre (RS) 2012 mar; 33(1):116-123. Acesso em: 06 de agosto de 2017. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472012000100016>.

6. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 424, de 19 de Abril de 2012. Normatiza as atribuições dos profissionais de enfermagem em Centro de Material e Esterilização (CME) e em empresas processadoras de produtos para saúde. Acesso em: 28 de janeiro de 2018. Disponível em.

7. Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Parecer COREN-SP 003/2012-CT. PRCI nº 98.434/2012 e Ticket nº 257.546, 05 de julho de 2012. Atribuições dos profissionais de enfermagem no Centro de Material e Esterilização-CME. Responsabilidade do Enfermeiro. Resolução COFEN nº 424/2012 e RDC ANVISA nº 15/2012. Acesso em: 29 de janeiro de 2018. Disponível em:

8. Silva CDL, Pinto WM. Os riscos ocupacionais a que estão expostos os profissionais de enfermagem no ambiente hospitalar e fatores que favorecem a sua ocorrência. Saúde Coletiva em Debate, 2(1), 95-105, dez. 2012. Aceso em: 27 de janeiro de 2018. Disponível em:< Fis.edu.br/revistaenfermagem/artigos/vol02/artigo10.pdf>

9. Medeiros KP, Bezerra ALD, Sousa MNA. Riscos ocupacionais e acidentes de trabalho na central de materiais esterilizados de um hospital de cajazeiras – PB XXXI encontro nacional de engenharia de produção Inovação Tecnológica e Propriedade Intelectual: Desafios da Engenharia de Produção na Consolidação do Brasil no Cenário Econômico Mundial Belo Horizonte, MG, Brasil, 04 a 07 de outubro de 2011). Acesso em: 15 de agosto de 2017. Disponível em:< http://abepro.org.br/biblioteca/enegep2011_TN_STO_138_877_17937.pdf>.

10. Ministério do Trabalho e Emprego (BR). Portaria n.485, de 11 de novembro de 2005. Aprova a Norma Regulamentadora n° 32 (Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde). Diário Oficial da República Federativa da União, Brasília, 16 nov. 2005. Seção 1:1. Acesso em: 25 de janeiro de 2018. Disponível em: < www.trtsp.jus.br/geral/tribunal2/ORGAOS/MTE/portaria/P485_05.html>.

11. Gouveia MTO, Oliveira VC, Lira IMS. Ergonomic risks in a Material and Sterilization Center. Rev Enferm UFPI. 2016 Jul-Set;5(3):42-47. Acesso em: 28 de dezembro de 2018. Disponível em: http://www.ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/5427

12. Fernandes JC, Portela LF, Rotenberg L, Griep RH. Jornada de trabalho e comportamentos de saúde entre enfermeiros de hospitais públicos. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. set.-out. 2013 [acesso em: 21(5): [08 telas]. Acesso em: 10 de Maio de 2018. Disponível em: www.scielo.br/pdf/rlae/v21n5/pt_0104-1169-rlae-21-05-1104.pdf.

13. Costa EC, FRS Sant’ana. Jornada de trabalho do profissional de Enfermagem e fatores relacionados à insatisfação laboral. REAS, Revista Eletrônica Acervo Saúde, 2017. Vol. 9 (4), 1140-1145. Acesso em: 15 de maio de 2018. Disponível em:< acervosaud.dominiotemporario.com/doc/31_2017.pd>.

14. Bittencourt VLL, Benetti ERR, Graube SL, Stumm EMF, Kaiser DE. Vivências de profissionais de enfermagem sobre riscos ambientais em um Centro de Material e Esterilização. REME Rev Min Enferm. 2015 out/dez; 19(4): 878-884. Acesso em: 28 de dezembro de 2017. Disponível em: DOI: 10.5935/1415-2762.20150067.

15. Borgheti SP, Viegas K, Caregnato RCA. Biossegurança no Centro de Materiais e Esterilização: Dúvidas dos profissionais. Rev. SOBECC, São Paulo. Jan./Mar. 2016; 21(1): 3 12. Acesso em: 28 de dezembro de 2017. Disponível em: https://revista.sobecc.org.br/sobecc/article/view/36

16. Costa CCP, Souza NVDO, Silva PAS, Oliveira EB, Vieira MLC. O trabalho na central de material: repercussões para a saúde dos trabalhadores de enfermagem. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2015 jul/ago; 23(4):533-39. DOI: Acesso em: 14 de março de 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2015.15934.

17. Santos IBC, Cordeiro MFGS, Melo AC, Lima VS, Chaves BJP, Silva PE. Equipamentos de proteção individual em Centros de Material e Esterilização. Rev. SOBECC São Paulo Jan/ Marc 2017; 22(1): 36-41. Acesso em: 28 de dezembro de 2017. Disponível em: https://revista.sobecc.org.br/sobecc/article/view/155.

18. Ribeiro RP, Vianna LAC. Uso dos equipamentos de proteção individual entre trabalhadores das Centrais de Material e Esterilização. Cienc Cuid Saude 2012; 11(suplem.):199-203. Acesso em: 28 de dezembro de 2017. Disponível em: DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v10i5.17076.

19. Brasil. Norma Regulamentadora – 6 – NR-6. Dispõe sobre segurança e medicina do trabalho. Brasília (DF); 2001. Acesso em: 14 de março de 2018. Disponível em: http://www.portoitajai.com.br/cipa/legislacao/arquivos/nr_06.pdf.

20. Cruz EDA, Ronconi RB, Sarquis LM, Canini SRMS, Gir E / UNOPAR Cient., Ciênc. Biol. Saúde. 2009;11(4):5-8. Comportamento Preventivo do Risco Ocupacional Biológico em Centro de Material e Esterilização. Acesso em: 28 de dezembro de 2017. Disponível em: pgsskroton.com.br/seer//index.php/JHealthSci/article/download/1419/1362
Publicado
2020-07-13
Como Citar
Feitosa, K. A., Ferraz, C. R., & Feitosa, F. P. (2020). A COMPREENSÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UMA CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO FRENTE AOS RISCOS OCUPACIONAIS RELACIONADOS AO PROCESSO DE LIMPEZA DOS ARTIGOS MÉDICOS HOSPITALARES. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 3(7), 10-26. https://doi.org/10.5281/m9.figshare.12649742