ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ATENDIMENTO AOS CUIDADOS CONTINUADOS NA ONCOLOGIA

  • Maria Fabiana da Silva Universidade Paulista UNIP -SP
  • Me. Maria Luiza Rêgo Bezerra Universidade Paulista UNIP - SP
Palavras-chave: Cuidados continuados, Oncologia, Enfermagem

Resumo

Introdução:  O câncer é considerado o maior problema de saúde pública mundial e sua incidência aumenta a cada ano, principalmente em decorrência do crescimento e do envelhecimento populacional. Em muitos casos a ausência de cura incita o estabelecimento de práticas de cuidado paliativo com foco na qualidade de vida e manutenção do conforto do paciente. O enfermeiro ocupa um papel central neste processo, executando cuidados de saúde humanizados e adaptados às necessidades do doente em tratamento oncológico. Objetivo: Compreender a importância da atuação do enfermeiro nos cuidados continuados da oncologia e levantar implicações de formação e capacitação do enfermeiro na assistência aos pacientes. Método: Revisão integrativa de natureza exploratória de artigos científicos nacionais e internacionais publicados entre 2015 e 2020. Resultados: A partir da análise e seleção de dez artigos, a maioria dos estudos indicou que a prática do enfermeiro é focada no desenvolvimento, autocuidado e independência dos indivíduos em atividades diárias, envolvendo familiares e cuidadores na reabilitação por meio de práticas educativas em saúde. Outro aspecto foi a deficiência na formação acadêmica do enfermeiro. Conclusão: A atuação do enfermeiro em cuidados continuados integrados na oncologia é central. Ressalta-se a necessidade de formação adequada ao enfermeiro, tanto para prover ao estudante de enfermagem subsídios acerca dos cuidados paliativos, propiciando a escolha por uma qualificação especializada posterior, quanto a prestar uma assistência eficaz em sua rotina profissional.

Biografia do Autor

Maria Fabiana da Silva, Universidade Paulista UNIP -SP

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Paulista-UNIP - SP

Me. Maria Luiza Rêgo Bezerra, Universidade Paulista UNIP - SP

Doutoranda em Bioética (Programa de Pós-graduação em Bioética da UnB). Mestre em Enfermagem pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade de Brasília (UnB), Especialista em Gestão em Saúde Pública com Ênfase em Saúde Coletiva e da Família (INESPO-PUC/SP) e Enfermeira pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), campus de Imperatriz-MA. Atuou na Atenção Primária em Saúde com ênfase em ações educativas na assistência pré-natal, parto e puerpério, bem como doenças negligenciadas, além dos demais programas que englobam a assistência preventiva no âmbito da Saúde Pública. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem em Saúde Coletiva, Doenças Transmissíveis, Sistematização da Assistência de Enfermagem, Segurança do Paciente, Saúde Pública, atuando principalmente nos seguintes temas: hanseníase, diagnósticos de enfermagem, taxonomia II da NANDA-I, Teorias de Enfermagem, Teoria Geral de Orem. Revisora dos periódicos Revista en Investigación y Educacion en Enfermería Universidad de Antioquia e JMPHC | Journal of Management & Primary Health Care . Foi Oficial da Marinha do Brasil atuando na Divisão de Enfermagem como Supervisora de Enfermagem e Encarregada do Núcleo de Segurança do Paciente do Hospital Naval de Brasília. Atualmente é Professora Adjunto/Profissional III do Curso de Enfermagem da Universidade Paulista (UNIP), campus Brasília-DF nas disciplinas: Gerenciamento em Enfermagem; Prática Gerencial em Saúde Hospitalar; Enfermagem em Centro Cirúrgico; Propedêutica e o Processo do Cuidar em Saúde do Adulto e Prática Clínica e foi Professora Substituta do Curso de Enfermagem da Universidade de Brasília (UnB) nas disciplinas de Gerenciamento em Serviços de Saúde, Processo de Trabalho e Vivências 4 e 7.

Referências

1. Marmelo HIB. Controle da dor em ambulatório no doente oncológico em cuidados paliativos. Lisboa. Dissertação [Mestrado em Enfermagem] - Escola superior de Enfermagem de Lisboa; 2012. [citado 2019 Out 22]. Disponível em: https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/15829/1/Relat%c3%b3rio%20Est%c3%a1gio%20Helena%20Marmelo.pdf

2. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2020. [acesso em 10 jan. 2020] Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf

3. Institute of Medicine. Delivering high-quality cancer care: charting a new course for a system in crisis; 2013. Disponível em: https://www.nap.edu/read/18359/chapter/1. Accessed August 31, 2019.

4. Peiter CC, Caminha MEP, Lanzoni GMM, Erdmann AL, Gestão do cuidado de enfermagem ao paciente oncológico num hospital geral: uma teoria fundamentada nos dados. Revista de Enfermagem Referência. Série IV - n.º 11 - out./nov./dez. pp-61-69. 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.12707/RIV16044

5. Brasil. COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Decreto 94.406/87. Lei 7.498/1986. Dispõe sobre a o exercício profissional. (2016) Disponível em: http://www.cofen.gov.br/decreto-n-9440687_4173.html

6. Burlá C, Py, L. Cuidados Paliativos: ciência e proteção ao fim da vida. Caderno de saúde pública, v. 30, n. 6, p.1-3, 2014.

7. Academia Nacional de Cuidados Paliativos. Manual de cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Diagraphic; 2009.

8. Ministério da Saúde (BR). REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Decreto-Lei n.º 101/2006, de 6 de junho. O Mundo da saúde [Internet]. 2006 [acesso em 31 de março de 2020]; 37(1): 105- 118. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/mundo_saude/rede_nacional_cuidados_continuados_integrados.pdf.

9. Samudio AKM, Loureiro MDR, Ferreira Júnior MA. O processo de trabalho da equipe de enfermagem em Cuidados Continuados Integrados. J Nurs UFPE on line. 2016; 10(7), p.2453-2462.

10. Silva EP, Sudigursky D. Concepções sobre cuidados paliativos: revisão bibliográfica. Acta Paul Enferm 2008;21(3):504-8.

11. Santos SC, Pinheiro EA, Loureiro MDR, Pompílio MA, Sales APA. O enfermeiro no processo reabilitação do idoso em cuidados continuados integrados. Investigação Qualitativa em Saúde, Investigación Cualitativa en Salud, Volume 2, Atas, 2018.

12. Hui D, Bruera E. Integrating palliative care into the trajectory of cancer care. Nat Rev Clin Oncol. March; 13(3): 159–171, 2016. Disponível em:10.1038/nrclinonc.2015.2017

13. Swami M, Case AA. Effective Palliative Care: What Is Involved?. Oncology (Williston Park). 2018;32(4):180–184. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29684230/

14. Mesquita MGR, Paes GO, Silva MM et al. Gerência do cuidado de enfermagem ao homem com câncer. J. res.: fundam. care. Online jul./set. 7(3):2949-2960 2949. 2015. Disponível em: 10.9789/2175-5361.2015.v7i3.2949-2960

15. Ribeiro, JP, Cardoso, LS; Pereira, CMS, Silva, BT, Bubolz, BK, Castro, CK. Assistência de enfermagem ao paciente oncológico hospitalizado: diagnósticos e intervenções relacionadas às necessidades psicossociais e psicoespirituais. Rev. pesqui. cuid. fundam; 8(4): 5136-5142, out.-dez. 2016.

16. Guimaraes T, Silva LF, Espírito FH, Moraes JRMM. Cuidados paliativos em oncologia pediátrica na percepção dos acadêmicos de enfermagem. Esc. Anna Nery [online]. vol.20, n.2, pp.261-267. ISSN 1414-8145. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160035.

17. Cruz RAO, Arruda AJCG, Agra G, Costa MML, Nobrega VKM. Reflexões acerca dos Cuidados Paliativos no contexto da formação em enfermagem. Rev. enferm UFPE online., Recife, 10(8):3101-7, ago., 2016. Disponível em: 10.5205/reuol.9534-83209-1-SM1008201638

18. Santos FCC, Camelo SHH, Laus AM, Leal LA. O enfermeiro que atua em unidades hospitalares oncológicas: perfil e capacitação profissional. Enfermaria Global, n.35, 313-324, 2015.

19. Copelli FHS, Erdmann AL, Santos JLG. Entrepreneurship in Nursing: an integrative literature review. Rev. Bras. Enferm [Internet]. 2019 [acesso em 26 de março de 2020] ;72(Suppl 1):289-98. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0523.

20. Carvalho MLIB. Política de saúde e de cuidados continuados integrados em Portugal. O planeamento da alta em Serviço Social. R. Katál. [Internet]. 2014 [acesso em 31 de março de 2020]; 17(2): 261-271. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rk/v17n2/1414-4980-rk-17-02-0261.pdf.

21. Costa JL, Mourão V. A perspectiva do risco na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) em Portugal: uma reflexão de peritos e decisores em saúde. Saúde Soc. [Internet]. 2015 [acesso em 31 de março de 2020]; 24(2): 501-514. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-12902015000200009.

22. Bordignon M et al. Satisfação e insatisfação no trabalho de profissional. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2014 [acesso em 31 de março de 2020]; 24(4):925-33. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-0707201500004650014.

23. Sant’ana JLG, Maldonado UM, Gontijo LA. Dinâmica de geração e dissipação do estresse na equipe de enfermagem num centro de oncologia. Rev. Latino-Am [Internet]. 2019 [acesso em 31 de março de 2020];27:e3156. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1518-8345.2874.3156.

24. Costa EKC, Silva SB, Silva JB. O impacto do estresse na assistência do enfermeiro ao paciente terminal – revisão literária. Rev. Inc. Cient. Ext. [Internet]. 2019 [acesso em 31 de março de 2020]; 2(1): 51-6. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/142/97.

25. Teobald, M. R. et al. Percepções do paciente oncológico sobre o cuidado. Physis. Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 26, n. 4, p. 1249-1269, 2016. [acesso em 31 de março de 2020]; Disponível em: https://www.scielosp.org/article/physis/2016.v26n4/1249-1269/

26. Cirilo JD, Silva MM, Fuly PSC, Moreira MC. A gerência do cuidado de enfermagem à mulher com câncer de mama em quimioterapia paliativa. Texto Contexto Enferm. 2016;25(3):1-9. [acesso em 03 de abril de 2020] DOI: 10.1590/0104-07072016004130015

27. Figueiredo JF, Souza VM, Coelho HV, Souza RS. Qualidade de vida de pacientes oncológicos em cuidados paliativos. Rev. Enferm do Centro-Oeste Min. 2018; 8:e2638. [acesso em 31 de março de 2020] DOI: 10.19175/recom.v8i0.2638

28. Silva, L. S., Lenhani, B. E., Tomim, D. H., Guimarães, P. R., & Kalinke, L. P. (2019). Quality of life of patients with advanced cancer in palliative therapy and in palliative care. Aquichan, 19(3), e1937. [acesso em 31 de março de 2020] doi: 10.5294/aqui.2019.19.3.7.

29. Oliveira JLC, Papa MAF, Wisniewski D, Inoue KC, Costa MAR, Matsuda LM. Qualidade do cuidado: concepções de graduandos de enfermagem. Rev Min Enferm. 2015; 19(1):29-35. [acesso em 05 de abril de 2020]. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/983

30. Coelho MP, Menezes HF, Rosas AMTF, Rosa AF, Pinto ACS, Saraiva RJ. O ensino do cuidado nos cursos de graduação em enfermagem do Brasil: revisão integrativa. [acesso em 05 de abril de 2020]. Rev. enferm UFPE online. 2016;10(2):647-56.
Publicado
2020-05-26
Como Citar
Maria Fabiana da Silva, & Me. Maria Luiza Rêgo Bezerra. (2020). ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ATENDIMENTO AOS CUIDADOS CONTINUADOS NA ONCOLOGIA. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 3(6), 123-137. https://doi.org/10.5281/zenodo.3895187