ELIS: DA LINGUAGEM AO CÓDIGO

Palavras-chave: Linguagem. Libras. Elis.

Resumo

 

O presente artigo tem como objetivo apresentar como a compreensão  do sistema de escrita denominado Elis-Escrita da língua de sinais corrobora no processo de ensino aprendizagem da Libras. A metodologia utilizada foi a pesquisa qualitativa, especificamente, a pesquisa bibliográfica, pautando em autores como:  Mariângela Barros, Noam Chomsky, Gilles Deleuze e Claire Parnet, Marcel Dettiene, Norbert Elias, Michel Foucault, Ronice Quadros entre outros, possibilitando a construção de um referencial teórico que articula a concepção de linguagem e escrita. Os resultados preliminares mostraram que o ensino da Elis para os alunos surdos permitirá que eles compreendam a estrutura da sua primeira língua –  a Libras – bem como que façam estudo comparativo entre as regras da Escrita de Língua de Sinais e do Português, de forma progressiva, resultando em um processo de letramento, de maneira ampla, sistematizada e significativa tanto na sua  língua como na L2, ou seja, na Língua portuguesa escrita.

Biografia do Autor

Mairy Aparecida Pereira Soares Ribeiro, Universidade Católica de Brasília UCB - DF (BRASIL)

Doutoranda em Psicologia – UCB-Brasília; Mestre em Educação- PUC-Goiás; Especialista em Estudos Linguísticos e Literários-UFG; Especialista em Letramento Informacional- UFG; Graduada em Letras Português-UFG; Graduada em Letras-Libras-UFG; Professora das Licenciaturas do UNIGOIÁS; Estatutária da Secretária de Estado da Educação, Cultura e Esporte de Goiás. mairyribeiro@hotmail.com. Orcid: http://orcid.org/0000-0001-5571-7154

Tulio Adriano Alves Gontijo, Universidade Federal de Mato Grosso

Mestrando em Estudos de Linguagem da Universidade Federal de Mato Grosso. Graduado em Letras Libras também pela UFMT. Professor de ensino superior no Centro Universitário - UNIVAG. Tradutor intérprete de  Libras / língua portuguesa / UFMT. tuliolibras@gmail.com. Orcid: http://orcid.org/0000-0002-0100-5247

Solange M. Barros , Universidade Federal de Mato Grosso/ UFMT

Professora da Universidade Federal de Mato Grosso/ UFMT. Doutora em Linguística Aplicada pela PontifÍcia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP. Pós-doutorado no Instituto de Educação (IOE) da Universidade de Londres. solmarbarros@gmail.com.

Orcid: http://orcid.org/0000-0002-1708-8657

Referências

ANDRADE, Maria M. Como preparar trabalhos para cursos de pós- graduação. São Paulo. Editora Atlas,1997.

BARROS, M. E. ELiS – escrita das línguas de sinais: proposta teórica e verificação prática. 2008. 192 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

_______. A iconicidade dos visografemas (manuscrito); Goiânia, 2013.
_______. A estrutura. https://cinararklibras.webnode.com.br/news/a-estrutura/. Acesso em: 15 jun. 2020.
CAMARA Jr., J. M. Dicionário de linguística e gramática. Petrópoles, Vozes, 1977.

CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo, Ática, 1997.

CHAN-VIANNA, A. C. Português (L2) e Libras (L1): desenvolvimento de estruturas de posse na interlíngua. In: THEORETICAL ISSUES IN SIGN LANGUAGE.

CHOMSKY, Noam. LinguísticaCartesiana. Petrópoles, Vozes, 1972.

_______ .1977. Linguagem e Pensamento.. Trad. Francisco M. Guimarães. Petrópolis, Vozes.

CUNHA, Celso. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1986.

DELEUZE, G. &PARNET, C. Diálogos. São Paulo, Escuta, 1998.

DETIENNE, M. Ainvenção da mitologia. Trad. André Telles &Gilza Martins Saldanha da Gama. Brasília. Editora UNB & José Olimpo Editora, 1992.

ESTELITA,M. ELIS – ESCRITA DAS LÍNGUAS DE SINAIS: SUA APRENDIZAGEM.Anais do IX Encontro do CELSULPalhoça, SC, out. 2010
Universidade do Sul de Santa Catarina. Disponível em:http://www.celsul.org.br/Encontros/09_index.htm. Acesso em: 20 maio 2015.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Trad. RUY Jungmann. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Editor, 1994.

FERNANDES, L.A. A viabilidade da ELiS em vinte línguas de sinais. 2013. (Trabalho de Conclusão de Curso) - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2013.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. Trad. Salma TannusMuchail. São Paulo, Martins Fontes, 2002.

GERALDI, João W.(org.) O texto na sala de aula. São Paulo, Ática, 2001.

______.1991. Portos de passagens. São Paulo, Martins Fontes, 1991.

GOURHAN-Leroi. Le geste et la parole. Paris, Albin Michel, 1964.

LYONS, John. Linguagem e linguística. Rio de Janeiro, LTC, 1981.– 2002

LIMA, Rocha. Gramática Normativa da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, José Olympio, 1976.

LUFT, Celso. Língua e liberdade: por uma nova concepção da língua materna eseu ensino. 12ª . Porto Alegre, L&PM, 1985.

PCNs. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. Brasília: Ministério da Educação e Desporto (MEC), 1997.

QUADROS, Ronice Muller de. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

STOKOE, W. Sign and Culture: A Reader for Students of American Sign Language. Listok Press, Silver Spring, MD.1965.
Publicado
2020-06-12
Como Citar
Ribeiro, M. A. P. S., Gontijo, T. A. A., & Barros , S. M. (2020). ELIS: DA LINGUAGEM AO CÓDIGO. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 3(6), 146-158. https://doi.org/10.5281/zenodo.3895206