MOVIMENTO ANTIVACINA: REVISÃO NARRATIVA DA LITERATURA SOBRE FATORES DE ADESÃO E NÃO ADESÃO À VACINAÇÃO

Palavras-chave: Vacinas; Recusa de Vacinação; Movimento contra Vacinação; Doenças Preveníveis por Vacina.

Resumo

Introdução: Atualmente, mais do que a desinformação, a presença de informações falsas nas mídias sociais tem levado a um novo movimento antivacina. Objetivo: Descrever, de acordo com a literatura, quais fatores contribuem para adesão versus a não adesão às vacinas. Método: Trata-se de um estudo de revisão narrativa da literatura com abordagem qualitativa. Foram utilizados estudos obtidos através das bases Biblioteca Virtual Em Saúde, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde, Scientific Eletronic Library Online e a Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações. Resultados e discussão: O total de 15 artigos foram analisados. A falta de informações tem contribuído para a reemergência de doenças infecciosas em diversos países no mundo e põe em risco planos globais para a erradicação de doenças infecciosas. É preciso ter equipes de saúde devidamente capacitadas nos serviços de atenção primário à saúde, para uma abordagem segura e rica em informações técnicas, capazes de levantar questionamentos em comportamentos antivacinais. Conclusão: O engajamento dos profissionais da saúde em conjunto ao Ministério da Saúde é de grande relevância para a solidez e adesão de toda comunidade em todas as faixas etárias as Campanhas de Vacinação.

Biografia do Autor

Flavia da Trindade Passos, Universidade Paulista UNIP

Graduando em Enfermagem Pela Universidade Paulista UNIP

Iel Marciano de Moraes Filho, Universidade Paulista UNIP

Possuo graduação em Enfermagem pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2014). Especialização em Enfermagem do Trabalho pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2016). Mestre em Ciências Ambientais e saúde pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2017). Orcid: http://orcid.org/0000-0002-0798-3949 Lattes: http://lattes.cnpq.br/4540309486777873. E-mail: ielfilho@yahoo.com.br.

Referências

1. Porto MY. Uma revolta popular contra a vacinação. Cienc Cult. 2003; 55(1): 53-54.
2. Aps LRMM, Piantola MAF, Pereira AS, Castro JT, Santos FAO, Ferreira LCS. Eventos adversos de vacinas e as consequências da não vacinação: uma análise crítica. Rev Saude Publica. 2018; 52(40):1-13. Doi: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2018052000384
3. Sousa CJ, Vigo ZL, Palmeira CS. Compreensão dos pais acerca da importância da vacinação infantil. Rev Enferm Contemp. 2012: 1(1):44-58. doi: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v1i1.39
4. Zanini NV, Prado BS, Hendges RC, Santos CA, Callegari FVR, Bernuci MP. Reasons for refusal of human papilomavirus vaccine among adolescente girls between 11 and 14 years of age in the municipality of Maringá-PR. Ver Bras Med Fam Comunidade. 2017; 12(39):1-13. Doi: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1253
5. Pereira BFB, Martins MAS, Barbosa TLA, Silva CSO, Gomes LMX. Motivos que levaram as gestantes a não se vacinarem contra H1N1. Cien Saude Colet. 2013; 18(6): 1745-1752.
6. Francisco PMSB, Barros MBA, Cordeiro MRD. Vacinação contra influenza em idosos: prevalência, fatores associados e motivos da não-adesão em Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011; 27(3):417-426. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000300003
7. Ferreira SF. Crenças das mães em relação à vacinação. Rev Bras Enferm. 1984; 37(2):109-115. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71671984000200005
8. Gomes LMX, Antunes KR, Barbosa TLA, Silva CSO. Motivos que levaram os idosos a não se vacinarem contra a influenza sazonal. Rev Pesquisa Cuidado é Fundamental Online. 2012; 4(3):2561-2569.
9. Silva AAM, Gomes UA, Tonial SR, Silva RA. Cobertura vacinal e fatores de risco associados à não-vacinação em localidade urbana do nordeste brasileiro, 1994. Rev Saúde Pública. 1999;33(2):147-156. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101999000200006
10. Moura RF, Andrade FB, Duarte YAO, Lebrão ML. Antunes JLFA. Fatores associados à adesão à vacinação anti-influenza em idosos não institucionalizados, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2015;31(10):2157-2168. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00065414
11. Santos LB, Barreto CCM, Silva FLS, Silva KCO. Percepção das mães quanto à importância da imunização infantil. Rev RENE. 2011; 12(3):621-626.
12. Santos ZMSA, Albuquerque VLM, Sampaio FHS. Vacinação – o que o usuário sabe? Rev Bras Promoç Saúde. 2005;18(1):24-30.
13. Santos PCF, Bohland AK, Paixão AC. Oportunidades perdidas de vacinação em hospital de referência pediátrica, em Aracaju (SE), Brasil. Rev de APS. 2009;12(1):29-38.
14. Barbieri CLA; Couto MT; Aith FMA. A (não) vacinação infantil entre a cultura e a lei: os significados atribuídos por casais de camadas médias de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2017; 33(2): e001733315. doi: 10.1590/0102-311X00173315
15. Couto MT, Barbieri CLA. Cuidar e (não) vacinar no contexto de famílias de alta renda e escolaridade em São Paulo, SP, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(1):105-114. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232014201.21952013
Publicado
2020-06-12
Como Citar
Passos, F. da T., & Filho, I. M. de M. (2020). MOVIMENTO ANTIVACINA: REVISÃO NARRATIVA DA LITERATURA SOBRE FATORES DE ADESÃO E NÃO ADESÃO À VACINAÇÃO. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 3(6), 170-181. https://doi.org/10.5281/zenodo.3891915