ESTUDO DE CASO: EDUCAÇÃO INCLUSIVA IRRESTRITA NA PRÁTICA ESCOLAR

Palavras-chave: Educação Especial, Educação Inclusiva Irrestrita, AEE

Resumo

Este artigo trata de um estudo sobre a educação inclusiva implementada entre a teoria e a práxis-pedagógica, amplamente discutida entre educadores, pesquisadores e estudiosos renomados na área da educação. Objetivou-se identificar as diferenças da expressão educação “inclusiva irrestrita” no contexto escolar. Especificamente, neste caso, analisar como as práticas pedagógicas são efetivadas no cotidiano escolar por parte dos profissionais que interagem com alunos(as) com necessidades educativas especiais. Como método, optou-se em realizar um estudo de caso caracterizado como uma pesquisa descritiva na abordagem qualitativa. Revisitou-se ao longo do estudo legislações que norteiam o desenvolvimento das práticas pedagógicas no ambiente da educação. Nos resultados, constatou-se na escola pesquisada, que as infraestruturas físicas são inadequadas para cumprir os atendimentos educacionais especializados; e os profissionais que atuam na unidade escolar necessitam de formação continuada nessa modalidade de ensino da educação especial. Concluiu-se que nesse espaço escolar, melhorias devem ser feitas para receber os educandos especiais; as práticas pedagógicas desenvolvidas carecem de recursos para trabalhar com atividades específicas das deficiências dos(as) alunos(as), e  existem limitações nos planejamentos pedagógicos. Nas implicações futuras, sugere-se a criação de ambientes inclusivos saudáveis, acolhedores, seguros, sobretudo, onde se dão às aprendizagens para todos.

Biografia do Autor

Daniela dos Santos Borges Castro, Universidade Católica de Brasília, UCB, DF, Brasil

Mestranda em Educação pela Universidade Católica de Brasília, pós-graduada em Docência do Ensino Superior pela Universidade Cândido Mendes, graduada em Pedagogia em Início de Escolarização pela Universidade de Brasília, graduada em Pedagogia em Alfabetização pela Universidade Católica de Brasília.

Orcid: http://orcid.org/0000-0003-3237-7649. E-mail: danielaborges.castro@gmail.com

Marli Alves Flores Melo, Universidade Católica de Brasília, UCB, DF, Brasil.

Marli Alves Flores Melo, estágio pós-doutoral nos programas de pós-graduação da UCB. Doutora e Mestre em Educação na linha de concentração Política Gestão e Avaliação da Educação pela Universidade Católica de Brasília. Pós-graduação matemática superior e metodologia da matemática e Licenciatura Plena em Ciências – Matemática. Atuou como docente na Secretaria de Estado da Educação do Distrito Federal e na Educação Superior em universidades e faculdades privadas do DF, no Núcleo de educação a distância (NEAD) - Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ), ex-consultora Unesco e chefe de divisão  no Ministério da Educação; Ex-bolsista do Programa de Cooperação Internacional MASHAV /Israel. Vice-presidente da associação dos ex-bolsistas do Brasil em Israel. ID Lattes: 3171875327686453. http://lattes.cnpq.br/3171875327686453. Orcid: http://orcid.org/0000-0002-9919-230X.

E-mail: floresmelo@gmail.com.

Referências

BALL, S. Aprendizagem ao longo da vida, subjetividade e a sociedade totalmente pedagogizada. Educação, v.36, p.2, p.144-155,27. jun.2013.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70,2011,145p.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Disponível em: http://www.academia.edu/6674293/Bogdan_Biklen_investigacao_qualitativa_em_educacao. Acesso: 15 de junho de 2020.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004. 19p.

BRASIL. Congresso Nacional. Projeto de Lei nº 7212, de 2017. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (LDB) para dispor sobre o cargo de Professor de Apoio Especializado em Educação Especial para atendimento ao aluno deficiente. Brasília, Câmara dos Deputados, 2017. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=2DF783E8FFC29BC6CD71E7312BB5B0D5.proposicoesWebExterno2?codteor=1536995&filename=PL+7212/2017. Acesso: 10 jul. de 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Decreto Legislativo nº 186, de 9 de julho de 2008. Aprova o texto da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e de seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova Iorque, em 30 de março de 2007.Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jul. 2008.Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf Acesso em: 10 jul. de 2020.

BRASIL. A Política Nacional de Educação Especial 2008. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=3019.Acesso em 20 Jul. de 2020

BRASIL. Ministério da Educação. A Política Nacional de Educação Especial de 2018. Comissão de Defesa das Pessoas dos Direitos das Pessoas com Deficiência (no prelo).

BRASIL. Decreto nº 3956, de 08 de outubro de 2001. Promulga a Convenção Interamericana para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Pessoas Portadoras de Deficiência. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9.out. 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2001/D3956.htm#:~:text=DECRETO%20N%C2%BA%203.956%2C%20DE%208,que%20lhe%20confere%20o%20art.. Acesso em:10 jul 2020.

BRASIL. Decreto nº 6949 de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007”. Disponível em : http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm. Acesso: 22 de jul. de 2020

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 4, de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília, DF, Conselho Nacional de Educação, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/CONGRESSO/DLG/DLG-186-2008.htm Acesso: 10 jul. 2020.

CRESWELL, J.W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CRESWELL, J. W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. Porto Alegre, RS: Penso, 2014.

DELEUZE, G. Pourparlers. Paris: Les Éditions de minuit, 1990.

DOBZHANSKY, T.O Homem em evolução. São Paulo: Polígono/EDUSP, 1972.

EDWARDS,D. Discourse and cognition. London: Cage, 1999.

FALK. R. Globalização Predatória uma crítica. Tradução de Rogério Alves Lisboa: Instituto Piaget, 1999 (p.1).

GONSALVES, E.L. Iniciação à pesquisa científica. 2 ed. Campinas, SP: Alíneas, 2001.

LAKATOS, E. M; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MANTÓAN, M.T.E. Inclusão escolar. O Que é? Por quê? Como Fazer? São Paulo: Moderna 2003.

MANTÓAN, M.T.E. (org). Pensando e fazendo educação de Qualidade. São Paulo: Moderna, 2001, p. 51.

MASON, M. The Etics of integrity: education values beyond postmodern ethics. Philosophy os Education. v, 35, n. 1, p. 47, 2001.

MCWILLIAM, RA. Uma Causa de felicidade. Jornal de Intervenção Precoce, 2002. p 75-77.

OMOTE, S. Estigma no tempo da inclusão. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 10, n. 3, dez. 2004. p. 287- 308. Disponível em: https://www.abpee.net/homepageabpee04_06/artigos_em_pdf/revista10numero3pdf/3omote.pdf Acesso em: 10 jul 2020 .

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Doc. A/61/611, Nova Iorque, 13 dez.2006.

RIMKE, H. M. Governing citizens through self-help literature. Cultural Studies, v. 14, n. 1, p.71,2000.

SEMINÁRIO. Política Nacional de Educação Especial, Brasília, Câmara dos Deputados. Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência, 2018. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cpd/noticias/seminario-tratara-da-politica-nacional-de-educacao-especial Acesso em 10 jul 2020.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artmed, 1999.

WILMOTT, H. Managing the Academics: Commodification and Control in the Development of University Education. In: The U.K. Human Relations n. 9, p. 993-1027,1995. HUM RELAT. 48, WITTEL, A, Towards a network sociality. Theory, Culture and Society, v. 18, n. 6. 51-76, 2001.
Publicado
2020-08-19
Como Citar
Castro, D. dos S. B., & Melo, M. A. F. (2020). ESTUDO DE CASO: EDUCAÇÃO INCLUSIVA IRRESTRITA NA PRÁTICA ESCOLAR. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 3(7), 108-122. https://doi.org/10.5281/zenodo.3991771