A FLEBITE COMO UMA DAS PRINCIPAIS INTERCORRÊNCIAS NA TERAPIA INTRAVENOSA PERIFÉRICA EM ADULTO

Palavras-chave: Complicação local. Flebite. Procedimento invasivo. Terapia Intravenosa Periférica.

Resumo

Objetivo: Analisar a ocorrência da flebite como uma das principais complicações da terapia intravenosa periférica em adultos. Metodologia: Foram utilizados artigos dos bancos de dados SCIELO, LILACS e BDENF para a realização de uma revisão integrativa da literatura. Resultados: A seleção de 14 artigos possibilitou a identificação dos principais fatores incidentes de flebite. Conclusão: a flebite pode ser considerada uma das principais intercorrências da TIV em razão de fatores como o tipo de medicamento, o calibre do cateter e o tempo de punção e de infusão entre outros fatores menos preponderantes conforme os estudos analisados.

Biografia do Autor

Maria Messias dos Santos Santana, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil.

Acadêmico de Enfermagem. Universidade Paulista (UNIP), Campus Brasília-DF, Brasil. E-mail: mariasantanam2570@gmail.com ORCID: http://orcid.org/0000-0002-0894-8862

Lúcia de Medeiros Taveira, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil.

Mestre em Gerontologia pela Universidade Católica de Brasília Especialista em Saúde Coletiva e Licenciatura em Enfermagem.Orcid: :https://orcid.org/0000-0001-9907-2183. E-mail:lucia.taveira@docente.unip.br

 

Referências

1- Barbosa AKC, Carvalho KRC, Moreira ICCC. Ocorrência de flebite em acesso venoso. [Internet]. 2016 [acesso em 19 maio 2020]. Enfermagem em foco, 2016; 7(2). Disponível em http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/792/317 .

2- Enes SMS, Perufo OS, Faro ARMC, Pedreira MLG. Flebite associada a cateteres intravenosos periféricos em adultos internados em hospital na Amazônia Ocidental Brasileira. [Internet]. 2016 [acesso em 19 maio 2020]. Rev. Esc. Enferm. USP, 2016; 50(2), 263-271. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&lng=pt&tlng=pt&pid=S0080-62342016000200263.

3- Silva LFA, Pinto AAM. Avaliação do conhecimento da equipe de enfermagem diante da flebite e flebite pós-infusional. [Internet]. 2019 [acesso em 27 maio 2020]. Rev. Intelecto Produção Científica Fema, dezembro 2019; 2. Disponível em https://www.fema.edu.br/images/fema/pesquisa/Intelecto/FEMARevistaintelecto2019.pdf#page=61.

4- Alves DA, Lucas TC, Martins DA, et al. Cateter intravenoso periférico: características físicas do sítio de inserção e conhecimento da equipe de enfermagem. [Internet]. 2019 [acesso em 27 maio 2020]. Rev. de Enferm. do Centro-Oeste Mineiro, 2019; 9: e3005. Disponível em http://seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/3005/2081

5- Donato H, Donato M. Etapas na condução de uma revisão sistemática. Acta Med Port [internet]. 2019 [acesso em 2019 Set 22];32(3):227-235. Disponível em: https://www.actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp/article/view/11923/5635 doi: https://doi.org/10.20344/amp.11923

6- Urbaneto JS, Peixoto CG, May TA. Incidência de flebite associada ao uso de cateter intravenoso periférico e após a remoção do cateter. [Internet]. 2016 [acesso em 23 maio 2020]. Revista. Latino-Am. Enfermagem, 2016; 24(e2746). Disponível em https://www.scielo.br/pdf/rlae/v24/pt_0104-1169-rlae-24-02746.pdf .

7- Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. [Internet]. 2010 [acesso em 24 maio 2020]. Einstein, 2010; 8(1Pt1), 102-106. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/eins/v8n1/pt_1679-4508-eins-8-1-0102.pdf

8- Urbanetto JS, Muniz FOM, Silva RM, Freitas APC, Oliveira APR, Santos JCR. Incidência de flebite e flebite pós-infusional em adultos hospitalizados. Rev. Gaúcha Enferm. [Internet]. 2017 [citado 2020 Out 20]; 38(2): e58793. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472017000200403&lng=pt

9- Buzatto LL, Massa GP, Peterlini MAS, Whitaker IY. Fatores relacionados à flebite em idosos com infusão intravenosa de amiodarona. Acta paul. Enferm. [Internet]. 2016 Jun [citado 2020 Out 20]; 29(3): 260-266. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002016000300260&lng=pt.

10- Enes SMS, Opitz SP, Faro ARMC, Pedreira MLG. Flebite associada a cateteres intravenosos periféricos em adultos internados em hospitais na Amazônia Ocidental Brasileira. Rev. esc. Enferm. USP [Internet]. Abril de 2016 [citado em 20 de outubro de 2020]; 50 (2): 263-271. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342016000200263&lng=en.

11- Milutinović D, Simin D, Zec D. Fator de risco para flebite: um estudo de questionário sobre a percepção de enfermeiras. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. Agosto de 2015 [citado em 20 de outubro de 2020]; 23 (4): 677-684. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692015000400677&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.0192.2603.

12- Mandal A, Raghu K. Estudo sobre a incidência de flebite após o uso de cateter intravenoso ferférico. J Family Med Prim Care. Setembro 2019 30; 8 (9): 2827-2831. doi: 10.4103 / jfmpc.jfmpc_559_19. PMID: 31681650; PMCID: PMC6820419.

13- Lee S, Kim K, Kim JS. Um modelo de flebite associada a periferia Cateteres intravenosos em pacientes ortopédicos. Int J Environ Res Saúde Pública. 14 de setembro de 2019; 16 (18): 3412.

14- Pereira MSR, Cunha VVO, Borghardt AT, Lima EFA, Santos TFF, Portugal FB. A segurança do paciente no contexto das flebites notificadas em um hospital universitário infecç; 9(2): 109-115, 2019. Ilus. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1021457.

15- Beccaria LM, Contrin LM, Werneck AL, Machado BD, Sanches EB. Incidência de flebites em pacientes adultos. Rev. enferm. UFPE on line, 12(3): 745-752, mar. 2018. ilus, tab. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/230454/28040.

16- Alves JL, Mendes-Rodrigues C, Antunes AV. Prevalência de Flebite em uma Unidade de Internação Clínica de um Hospital Universitário Brasileiro de Alta Complexidade saúde; 22(3): 231-236, 2018. Tab. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/10/916087/27078-93460-1-pb.pdf.

17- Batista OMA, Moreira RF, Sousa AFL, Moura MEB, Andrade D, Madeira MZA. Complicações locais da terapia intravenosa periférica e fatores associados. Revista Cubana de Enfermería, Volumen 34, Número 3 (2018). Disponível em: http://www.revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/article/view/1246/374.

18- Salgueiro-Oliveira AS, Basto ML, Braga LM, Arreguy-Sena C, Melo MN, Parreira PMSD. Práticas de enfermagem no cateter venoso periférico: flebite e segurança do paciente. Texto contexto - enferm. [Internet]. 2019 [citado em 20 de outubro de 2020]; 28: e20180109. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072019000100346&lng=en. Epub 18 de julho de 2019.

19- Pinto Portill KE. Fatores relacionados à incidência de flebite por cateter intravenoso. Centro médico Cemesa, San Pedro Sula- Honduras. Maio - julho de 2015. Universidad Nacional Autonoma de Nicaragua, Managua Centro de Investigaciones y Estudios de la Salud Escuela de Salud Pública. Nicarágua, 2016. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-972386.

20- Souza AEBR; Oliveira JLC; Dias DC; Nicola AL. Prevalência de flebites em pacientes adultos internados em hospital universitário. Rev. RENE ; 16(1): 114-122, jan.- fev. 2015. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-758529.
Publicado
2020-11-10
Como Citar
Santana, M. M. dos S., & Taveira, L. de M. (2020). A FLEBITE COMO UMA DAS PRINCIPAIS INTERCORRÊNCIAS NA TERAPIA INTRAVENOSA PERIFÉRICA EM ADULTO. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 3(7), 379-392. https://doi.org/10.5281/zenodo.4266868