ASPECTOS TERAPÊUTICOS E FARMACOLOGICOS NA UTILIZAÇÃO DA CHENOPODIUM AMBROSIOIDES L.

Palavras-chave: Aspectos Terapêuticos. Farmacologicos. Chenopodium Ambrosioides L.

Resumo

Introdução: O uso de plantas medicinais é resultante da interação do ser humano com o ambiente em que habita. Logo, a descoberta das plantas medicinais com potentes terapêuticos foi um evento primitivo, contínuo e adquirido através de experiencias a partir do contato com a flora disponível. Com o passar dos tempos, as plantas e os vegetais começaram a ser mais conhecidos e classificados, o que resultou em diferentes técnicas de cultivo e uso terapêutico e farmacológico. Esse conhecimento da fitoterapia pode ser observado atualmente em comunidades de diferentes partes do mundo, tendo em comum as experiencias passados dos mais idosos para os mais jovens1,2.Objetivo:Este estudo tem como objetivo investigar os efeitos terapêuticos comprovados, por meio dos achados científicos, da Chenopodiumambrosioides L.Metodologia: Foi realizada uma revisão bibliográfica, através das bases de dados Scielo e Google Acadêmico, utilizando os descritores “diabetes mellitus”, “depressão” e “antidepressivos”, para artigos publicados entre 2010 e 2020.Resultado:Através dos estudos analisados, pode-se afirmar que, é importante conhecer e entender sobre as propriedades terapêuticas das plantas medicinais, para que existam estudos mais detalhados, e que possam proporcionar uma eficácia no tratamento de pacientes e para evitar interações medicamentosas.Conclusão:Portanto, o Chenopodiumambrosioides L., pode ser considerada uma planta vegetal com efeitos terapêuticos comprovados e de grande importância para a população.

Biografia do Autor

Idelbrando Alves da Silva, FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.

Graduando em Farmácia pela Faculdade Sena Aires, FACESA, GO, Brasil.

 

Dalva Pereira de Cantuario Mendes, FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.

Graduanda em Farmácia pela Faculdade Sena Aires, FACESA, GO, Brasil.

 

Clezio Rodrigues de Carvalho Abreu , FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.

Mestre em Farmacologia Toxicologia e Produtos Naturais no curso de Ciências da Saúde - UNB; Especialista em Farmacologia Clínica - UNB; Especialista em Gestão da Assistência Farmacêutica - UFSC; Especialista em Didática do Ensino Superior - FACESA; Possui graduação em Farmácia - FACESA (2009). Professor de Pós Graduação em Farmacologia Clínica; Tem experiência na área de Farmacologia Clínica, Gestão da Assistência Farmacêutica e Acompanhamento Farmacoterapêutico.

Referências

1- Silva, A.B. et al. The use of medicinal plants for elderly users of a basic family health unit. J Nurs UFPE on line, v.9, n. 3, p.7636-7643, 2015.
2- Guerra, A.M.N.M. et al. Utilização de plantas medicinais pela comunidade rural Moacir Lucena, Apodi-RN. Biosci. J., Uberlândia, v.26, n.3, p.442-450, 2010.
3- Oliveira A, G.L. et al. Plantas medicinais utilizadas na comunidade urbana de Muribeca, Nordeste do Brasil. Acta Bot. Bras., São Paulo, v.24, n.2, p.571-577, 2010.
4- Brasileiro, B.G. et al. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no "Programa de Saúde da Família", Governador Valadares, MG, Brasil. Rev. Bras. Cienc. Farm., São Paulo, v.44, n.4, p.629-636, 2008.
5- Veiga Junior, V.F. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Rev. bras. Farmacogn. João Pessoa, v.18, n.2, p.308-313, 2008.
6- Veiga Junior, V. F.; Pinto, A. C. Plantas medicinais: cura segura? Química Nova, v. 28, p. 519-528, 2005.
7- Maciel, M. A. M. et al. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Química Nova, v. 25, n. 03, p. 429-438, 2002.
8- Santos, R. L. et al. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 13, n. 04, p. 486-491, 2011.
9- Silva, A.B. et al. The use of medicinal plants for elderly users of a basic family health unit. J Nurs UFPE on line, v.9, n. 3, p.7636-7643, 2015.
10- Degenhart, R.T. et al. Characterization and evaluation of the cytotoxic potential of the essential oil of Chenopodium ambrosioides. Rev. bras. farmacogn., Curitiba, v.26, n.1, p.56-61, 2016.
11- Lorenzi, H.; Matos, F.J.A. Plantas medicinais do Brasil: Naturais e exóticas cultivadas. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estados da Flora, 512p. 2002.
12- Kismann, K. G. Plantas infestantes e nocivas. São Paulo: BASF Brasileira, 608p. 1991.
13- Sousa, M. P. et al. Constituintes químicos ativos e propriedades biológicas de plantas medicinais brasileiras. Fortaleza: Editora UFC, 448p. 2004.
14- Lima, J. L. S. et al. Plantas medicinais de uso comum no Nordeste do Brasil. Campina Grande, 81p. 2006.
15- Plantamed. Chenopodiumambrosioides L. - ERVA-DE-SANTA-MARIA. 2013. Disponível em: http://plantamed.com.br/plantaservas/especies/chanepodiumambrosioides.htm. Acesso em: 15 de abril 2020.
16- Cunha, M. A. Anestesia em jundiás (Rhamdiaquelen) expostos a substâncias isoladas de plantas. Dissertação de Mestrado, Centro de Ciências Rurais/ Universidade Federal deSanta Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul. 65pp, 2007.
17- Sérvio, E. M. L.; Araújo, K. S.; Nascimento, L. R. S.; Costa, C. L. S.; Mendes, L. M. S.; Filho, A. L. M. M.; Santos, Í. M. S. P. 2011. Cicatrização de feridas com a utilização do extrato de Chenopodiumambrosioides(mastruz) e cobertura secundária estéril de gaze em ratos. ConScientiae Saúde, 10(3): 441-448, 2011.
18- Kliks, M. M. Studies on the traditional herbal anthelmintic Chenopodium ambrosioidesL.: ethnopharmacological evaluation and clinical field trials. Social Science & Medicine, v. 21, n. 8, p. 879-886, 1985.
19- Lorenzi, H.; Matos, F. J. A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. São Paulo: Plantarum, 2002. 512p.
20- Sarti, S.J.; Carvalho, J.C.T.; In: Carvalho, J.C.T. Fitoterápicos Anti-Inflamatórios: aspectos químicos, farmacológicos e aplicações terapêuticas. Fitoterapia e fitoterápicos. Ribeirão Preto: Tecmedd, 2004. 13-38 p.
21- Busnardo, C.A. et al. Diagnóstico do uso de fitoterápicos em animais de pequeno porte na cidade de Alegre-ES. Veterinária Ser, v.1, n.1, p.4-11. jul. 2004.
22- Ketzis, J. K. et al. Chenopodiumambrosioides and its essential oil astreatments for Haemonchuscontortus and mixed adult-nematode infections in goats; Small Ruminant Research, v 44, p. 193-200, 2002.
23- Martins, I.V.F. et al. O uso da Erva de Santa Maria (Chenopodiumambrosioides L.) no tratamento de enteroparasitoses caninas. Veterinária Ser (Rio de Janeiro) Rio de Janeiro, v.1, n.2, p 87-92, 2005.
24- Fidalgo, L. M. et al. Propiedadesantiprotozoarias de aceites esenciales extraídos de plantas cubanas. Revista Cubana de Medicina Tropical, v. 56, n. 3, p. 230-233, 2004.
25- Borges, A. R. et al. Trypanocidal and cytotoxic activities of essential oils from medicinal plants of Northeast of Brazil. Experimental Parasitology, v. 132, p. 123-128, 2012.
26- Monzote, L. et al. Combined effect of the essential oil from Chenopodium ambrosioidesand antileishmanial drugs on promastigotes of Leishmania amazonensis. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, v. 49, n. 4, p. 257-260, 2007a.
27- Monzote, L. et al. Activity, toxicity and analysis of resistance of essential oil from Chenopodium ambrosioidesafter intraperitoneal, oral and intralesional administration in BALB/c mice infected with Leishmania amazonensis: A preliminary study. Biomedicine & Pharmacotherapy, v. 61, n. 2-3, p. 148-153, 2007b.
28- Monteiro, Patrícia Castro. O uso do extrato aquoso de mastruz (ChenopodiumambrosioidesL.) no controle de monogenóideos (Plathyhelminthes) em juvenis de tambaqui Colossomamacropomum(Cuvier, 1818) / Patrícia Castro Monteiro. - Manaus: UNL/INPA, 2012. 76f.; 30 cm.
29- Calixto, J. B.; Otuki, M. F.; Santos, A. R. S. Anti-inflammatory Compounds of planta origin. Part I. Action on arachidonic acid pathway, nitric oxide and nuclear factor B (NF-kB). Planta médica. Vol. 69, pag. 973-983, 2003.)
30- Cuzzocrea, S.; Zinzgarelli, B.; Hake, P.; Salzman, A. L.; Szabo, C. Antiinflammatory effects of mercaptoethylguanidine a combinades inhibitor of nitric oxide synthase and peroxynitre scavenger in carrageenan-induced models of inflammation. Free Radical Biologyand medicine. Vol. 24, p. 450=459, 1998.
31- Oliveira Junior, J.; Serrano, S.; Teodoro, A.; Dana, B. Os anti-inflamatórios não hormonais. Revista Prática Hospitalar. Vol 09, p. 173-178, 2007.
32- Sérvio, E. M; Araújo, K. S,; Nascimento, R. S.; Costa, C. L.; Mandes, L. M.; Maia Filho A. L. et tal Cicatrização de feridas com a utilização do extrao de Chenopodiumambrozioides (matruz) e cobertura secundária estéril de gaze em ratos. conScientiae Saúde. Vol. 10, n. 3, pag. 441-448, 2011.
33- Calixto, J. B.; Siqueira Jr, J. M. Desenvolvimento de medicamentos no Brasil: Desafios. Gazeta Médica da Bahia. Vol 78, p. 98-106, 2008.
34- Moraes, D. C.; Barros, P. O.; Tamos, E. F.; Zuim, N. R. B. Ação cicatrizante de substâncias ativas: D-pantenol, óleo de girassol, papaína, própolis, e fator de cresciemento de fibroblastos. FOCO. Vol. 4 p. 83-98, 2013.
35- Sousa, Jandrey Paulo Julião. Efeito anti-inflamatório do extrato hidroalcóolico de folhas de Chenopodiumambrosioides L. na bexiga de ratos submetidos a cistotomia/ Jandrey Paulo Julião de Souza- 2014. 63f.
36- Sérvio EML et al. Cicatrização de feridas com a utilização do extrato de Chenopodiumambrosioides (mastruz) e cobertura secundária estéril de gaze em ratos. Universidade Nove de Julho São Paulo, Brasil. ConScientiae Saúde, 442 2011;10(3):441-448.
Publicado
2020-11-13
Como Citar
Silva, I. A. da, Mendes, D. P. de C., & Abreu , C. R. de C. (2020). ASPECTOS TERAPÊUTICOS E FARMACOLOGICOS NA UTILIZAÇÃO DA CHENOPODIUM AMBROSIOIDES L. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 3(7), 427-436. https://doi.org/10.5281/zenodo.4271881