ANÁLISE DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO IDOSO: UMA REVISÃO DE LITERATURA

Palavras-chave: Idoso. Violência. Políticas Públicas.

Resumo

O tema deste artigo é análise da política nacional de saúde do idoso: uma revisão de literatura. Investigou o seguinte problema: diante da situação, a equipe de enfermagem está preparada para prevenir, detectar e gerenciar a violência contra o idoso? Cogitou a seguinte hipótese: a violência contra idosos é objeto de procedimentos que a equipe de enfermagem deve tomar ao perceber características de qualquer tipo de violência sofrida pelo idoso. A negligência é a forma mais comum de violência sofrida pela população idosa. O objetivo geral é analisar o conceito de detecção e prevenção de violência contra os idosos, cuidados e observação dos profissionais de enfermagem que atuam em unidades básicas de saúde e hospitais. Os objetivos específicos são: identificar as formas de violência mais comuns perpetradas contra idosos internados na secretaria de saúde do hospital; analisar a opinião dos idosos sobre a violência vivenciada; analisar a visão dos profissionais que atendem a violência vivenciada; identificar se a equipe de profissionais da área da saúde está preparada para lidar com essa situação.  

Biografia do Autor

Karina de Santana Santos, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil.

Graduanda em Enfermagem pela Faculdade UNIP. CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/9908153197957025. Orcid: http://orcid.org/0000-0002-5691-451X. E-mail: karinasantana221@gmail.com.

Débora Adriana Ramos, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil.

Mestre em Psicologia; Especialista em Psicanálise,  em Docência do Ensino Superior, em Educação Infantil e Educação Especial e Inclusiva, entre outras especializações. Professora da faculdade Unip (SP).CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/8157104994909882. Orcid: http://orcid.org/0000-0003-0683-5466. E-mail: psicologa.ramos@gmail.com.

Jonas Rodrigo Gonçalves, Universidade Católica de Brasília UCB, DF, Brasil.

Doutorando em Psicologia; Mestre em Ciência Política (Direitos Humanos e Políticas Públicas); Licenciado em Filosofia e Letras (Português e Inglês); Especialista em Direito Constitucional e Processo Constitucional, em Direito Administrativo, em Direito do Trabalho e Processo Trabalhista, entre outras especializações. Professor das faculdades Processus (DF), Unip (SP) e Facesa (GO). Escritor (autor de 61 livros didáticos/acadêmicos). Revisor. Editor. CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/6904924103696696. Orcid: https://orcid.org/0000-0003-4106-8071. E-mail: jonas.goncalves@institutoprocessus.com.br.

Referências

AGUSTINI F.C. Introdução ao direito do idoso. Florianópolis: Fundação Boiteux; 2003.

AMARAL, A. C. S. et al. Perfil de morbidade e de mortalidade de pacientes hospitalizados. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 6, p. 1317-1326, nov.-dez. 2004.

AMESTOY, S. C.; SCHWARTZ, E.; THOFEHRN, M. B. A humanização do trabalho para os profissionais de enfermagem Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 19, n. 4, p. 444-449, out.-dez. 2006.

ASSIS, M. (Org.) Promoção da saúde e envelhecimento: orientações para o desenvolvimento de saúde com idosos. Rio de Janeiro: UERJ/UnATI, 2002. (Série Livros Eletrônicos). Disponível em: . Acesso em: 10 abr 2005.

ASSIS, M. (Org.) Promoção da saúde e envelhecimento: orientações para o desenvolvimento de saúde com idosos. Rio de Janeiro: UERJ/UnATI, 2002. (Série Livros Eletrônicos). Disponível em: . Acesso em: 10 abr 2005.

ASSIS, M. de. Envelhecimento ativo e promoção da saúde: reflexão para as ações educativas com idosos. Rio de Janeiro, 2005, p. 1-15.

BERALDO CC, Carvalho MCBNM. Política social de atenção ao idoso: trabalho social com idosos no SESC. In: Barros Junior organizador. Empreendedorismo, trabalho e qualidade de vida na terceira idade. São Paulo: Edicon; 2009. p. 153-73.

BETTINELLI, L.A.; Portella M.R. Humanização da velhice: reflexões acerca do envelhecimento e do sentido da vida. In: Pessini L, Bertachini L. Humanização e cuidados paliativos. São Paulo: Loyola; 2004.

BRAGA PMV. Direitos do idoso: de acordo com o Estatuto do Idoso. São Paulo: Quartier Latin; 2005.

BRAGA PMV. Direitos do idoso: de acordo com o Estatuto do Idoso. São Paulo: Quartier Latin; 2005.p. 179.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Senado; 1988.

BRASIL. Ministério da Previdência e Assistência Social. Plano Integrado de Ação Governamental para o desenvolvimento da Política Nacional do Idoso. Brasília; 1997

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Redes Estaduais de Atenção à Saúde do Idoso: guia operacional e portarias relacionadas. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em:. Acesso em: 20 jan. 2009.

BRASIL, Portaria 2528/GM, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2006ª. [citado 2009 out. 19]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt2528_19_10_2006.html.

BRASIL. Ministério de Saúde. Portaria n. 1395, de 10 de dezembro de 1999. Aprova a Política Nacional de Saúde do Idoso [Internet]. Brasília; 1999 [citado 2009 out. 19]. Disponível em: http://dtr2004.saude.gov.br/susdeaz/legislacao/arquivo/Portaria_1395_de_10_12_1999.pdf

BRASIL. Lei n. 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para Promoção, Proteção, e Recuperação da Saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil,Brasília, 20 set. 1990. Seção 1.

BRASIL. Lei n. 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências [Internet]. Brasília; 1990 [citado 2010 nov. 20]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/Lei%208080.pdf

BRASIL. Lei n. 8.842, de 04 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências [Internet]. Brasília; 1994 [citado 1994 jan. 05]. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8842.htm

BRASIL, Portaria 2528/GM, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Brasília: Ministério da Saúde; 2006a.

BRASIL, Portaria 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Brasília: Ministério da Saúde; 2006b

CAMARANO, A. A. Os novos idosos Brasileiros muito além dos 60? Rio de Janeiro, 2004, p. 26-71.

CARVALHO, J. A. M.; GARCIA, R. A. O envelhecimento da população brasileira: um enfoque demográfico. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 725-733, maio-jun.

CARVALHO, S. R. As contradições da promoção à saúde em relação à produção de sujeitos e a mudança social. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 9, n.3, p.669-677, 2004.

CHAVES, E. C.; MARTINES, W. R. V. Humanização no Programa de Saúde da Família. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 274-279, abr.-jun. 2003.

DERNTL, A. M. As muitas autonomias e o autocuidado. Gerontologia, São Paulo, v.6, n.4, p.197-199, 1998.
DUARTE, Y.A.O.; DIOGO M.J.D. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu; 2000.

FERNANDES, M. T. de O. O desenvolvimento de políticas públicas de atenção ao idoso no Brasil. São Paulo, 2012, p. 7.

FERNANDES, M. T. de O. O desenvolvimento de políticas públicas de atenção ao idoso no Brasil. São Paulo, 2012, p. 7.

HENNINGTON, E. A. Gestão dos processos de trabalho e humanização em saúde: reflexões a partir da ergologia. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 555-561, jun. 2008.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo demográfico: sinopse dos resultados do Censo 2010 [Internet]. Rio de Janeiro; 2010 [citado 2011 fev. 25]. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/webservice/.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Censo demográfico: sinopse dos resultados do Censo 2010 [Internet]. Rio de Janeiro, 2010 [citado 2011 fev. 25]. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/webservice/.

KERBER, N. P. C.; KIRCHHOF, A. L. C.; CEZARVAZ, M. R. Vínculo e satisfação de usuários idosos com a atenção domiciliária. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 17, n. 2, p. 304-312, abr.-jun. 2008.

KICKBUSCH, I. Promoción de la salud: una perspectiva mundial. In: OPS. Promoción de la salud: una antología. Washington: OPS, 1996a. p.15-24. (Publicación científica, 557.

LASLETT, P. What is old age? Viariatio over time and between cultures. Internacional studies in demography: health and mortality amog the elderty, issues for assessmet. New York: Oxford Uiversity Press, 1996 p. 83.
LIMA, T. J. V. de. Humanização na Atenção à Saúde do Idoso. São Paulo. 200, p. 868.

MARTINS, J. de Jesus. Políticas públicas de atenção à saúde do idoso: reflexão acerca da capacitação dos profissionais da saúde para o cuidado com o idoso. Rio de Janeiro, 2007, p. 5.

MARTINS, J. de Jesus. Políticas públicas de atenção à saúde do idoso: reflexão acerca da capacitação dos profissionais da saúde para o cuidado com o idoso. Rio de Janeiro, 2007, p. 2.

MELLO, D. A. Reflexões sobre a promoção da saúde no contexto do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.16, n.4, p.1149, 2000.

MENDES, A.M.C.P.; SOUZA-LIMA, J.E.; HAMMERSCHMIDT, K.S.A.; LOURENÇO, M.S.; GUARAGNI, M.V. Políticas públicas, desenvolvimento e as transformações do Estado brasileiro. In: Silva CL, Souza-Lima JE, organizadores. Políticas públicas e indicadores para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Saraiva; 2010. p. 3-34.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Decreto n. 1948, de 3 de julho de 1996: regulamenta a Lei n° 8.842, sancionada em 4 de janeiro de 1994, a qual dispõe sobre a Política Nacional do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, [Internet] 05 jan 1994 [acesso em 10 nov 2010].

OLIVEIRA, B. R. G.; COLLET, N.; VIERA, C. S. A humanização na assistência à saúde. Revista Latino - Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 14, n. 2, p. 277-284, mar.-abr. 2006.

PAPALÉO Netto M; YUASO; D.R, KITADAI F.T. Longevidade: desafio no terceiro milênio. O mundo da saúde. 2005;29(4):594-607.

PARAHYBA, M. I.; SIMÕES, C. C. S. A prevalência de incapacidade funcional em idosos no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, n. 4, p. 967-974, out.-dez. 2006.

PINHO, L. B.; SANTOS, S. M. A. Dialética do cuidado humanizado na UTI: contradições entre o discurso e a prática profissional do enfermeiro. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 42, n. 1, p.66-72, mar. 2008.

PNSPI, Política Nacional do Idoso – Declaração Nacional dos Direitos Humanos – Programa Nacional de Direitos Humanos. Imprensa Nacional; 1998.

PUCCINI, P. T.; CECÍLIO, L. C. O. A humanização dos serviços e o direito à saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, p.1342- 1353, set.-out. 2004.
RAMOS LR. Fatores determinantes do envelhecimento saudável em idosos residentes em centro urbano: projeto epidoso, São Paulo. Cadernos Saúde Pública 2003 maio/jun.; 19(3): 793-97.

RODRIGUES RAP; KUSUMOTA L; MARQUES S; FABRÍCIO, SCC; CRUZ, IR; LANGE, C. Política nacional de atenção ao idoso e a contribuição da enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2007;16(3):536-45.

ROWE, J. W.; KAHN, R. L. Sucsseful ageing. Gerontologist, v.37, n.4, p.433-440, 1997.

TEIXEIRA EC. O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. Salvador: AATR; 2002.
VASCONCELOS, E. M. Sobre Educação Popular em saúde. Interface, São Paulo, v.5, n.8, p.121-126, 2001.

WHO, N.M.H.N.P.H. Active ageing: a policy framework. Geneve: World Health Organization, 2002, 58 p.

WHO (World Health Organization). II Assembleia Mundial sobre o Envelhecimento. Madri: World HealthOrganization; 2002.

WILLIG, M. H. A trajetória das políticas públicas do idoso no brasil: breve análise. Paraná, 2012, p. 574-577.
Publicado
2020-11-19
Como Citar
Santos, K. de S., Ramos, D. A., & Gonçalves, J. R. (2020). ANÁLISE DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO IDOSO: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 3(7), 591-611. https://doi.org/10.5281/zenodo.4281496