O GRAU DE ACEITAÇÃO DOS MEDICAMENTOS GENÉRICOS NO BRASIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.4608698

Palavras-chave:

Medicamentos genéricos. Aceitação. Prevalência. Legislação. Brasil.

Resumo

Os medicamentos genéricos foram criados com o intuito de reduzir os custos dos tratamentos farmacológicos. No Brasil, foram instituídos oficialmente em 1999 como uma forma clara de cumprir os direitos de acesso à saúde trazidos pela Constituição de 1988. Desse modo, é importante avaliar a efetividade dessa política. A avaliação do grau de aceitação dos medicamentos genéricos é uma medida válida para tanto, uma vez que permite verificar o conhecimento que os consumidores têm sobre tais medicamentos, sobretudo em relação à sua eficácia e segurança, e se os mesmos são favorecidos por apresentarem custos mais baixos. Assim, com vistas realizar uma síntese sobre os estudos já criados referentes a esta temática, optou-se por realizar uma revisão bibliográfica. Os trabalhos pesquisados permitiram realizar reflexões pertinentes e verificar bem o crescimento na prevalência de utilização dos medicamentos genéricos, permitindo concluir que o grau de aceitação de tais formas farmacêuticas cresceu bastante desde a sua implementação. O ótimo resultado observado decorre de diversos fatores, principalmente regulação bem estruturada, a qual garante a qualidade dos genéricos, preços mais baixos e políticas de promoção dos medicamentos genéricos.

Biografia do Autor

Luísa Borges Medeiros, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Valparaíso de Goiás, Goiás, Brasil

Orcid: https://orcid.org/0000-0003-4987-6268
Lattes: http://lattes.cnpq.br/6209264398387193
Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Valparaíso de Goiás, Brasil
E-mail: luisaborgesmedeiros2007@gmail.com

Dânilo Henrique Vinhal Mendes, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Valparaíso de Goiás, Goiás, Brasil

Orcid: https://orcid.org/0000-0002-2581-9851
Lattes: http://lattes.cnpq.br/3359578227332050
Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Valparaíso de Goiás, Brasil
E-mail: danilovinhal@gmail.com

Haline Gerica de Oliveira Alvim, Universidade de Brasília, UnB, DF, Brasil

Orcid https://orcid.org/0000-0002-1682-5512
Lattes: http://lattes.cnpq.br/6733311247207705
Universidade de Brasília, UnB, DF, Brasil.
E-mail: halinegerica@senaaires.com.br

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro Gráfico, 1988.

BRARSIL. Lei nº 6360, de 23 de setembro de 1976. Dispõe sobre a vigilância sanitária a que ficam sujeitos os medicamentos, as drogas, os insumos farmacêuticos e correlatos, cosméticos, saneantes e outros produtos, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6360.htm>. Acesso em: 12 set 2020.

BRASIL. Lei nº 9787, de 10 de fevereiro de 1999. Altera a Lei no 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9787.htm>. Acesso em: 12 set 2020.

BRASIL. Resolução RDC nº 133, de 19 de setembro de 2003b. Dispõe sobre o registro de Medicamento Similar e dá outras providências. Disponível em: < http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2003/rdc/133_03rdc.htm>. Acesso em: 12 set 2020.

BRASIL. Resolução RDC nº 16/2007, de 02 de março de 2007a. Aprova o regulamento técnico para medicamentos genéricos. Disponível em: < http://www.sindifarpr.org.br/Legislacao_visualizar.aspx>. Acesso em 12 set 2020.

BERTOLDI, Andréa Dâmaso et al. Utilização de medicamentos genéricos na população brasileira: uma avaliação da PNAUM 2014. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 50, supl.2,11s, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102016000300309&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 27 ago 2020.

CARNEIRO, João Marcos Barbosa; DIAZ, Estela Maria Pérez; ROMEIRO FILHO, Eduardo. Consumer perception of generic drug packages and its influence on product choice: a study in Minas Gerais, Brazil. Gest. Prod., São Carlos, v. 26, n. 1, e2157, 2019.

Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-530X

&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 26 ago 2020.

CICCHELERO, Laiz Mangini et al. Knowledge and perceptions about generic drugs by users of PSF in triple borders. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 260-270, 2020. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-462X2020000200260&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 30 ago 2020.

FREITAS, Marcia Sayuri Takamatsu. Intercambialidade entre medicamentos genéricos e similares de um mesmo medicamento de referência. 2016. Tese (Doutorado em Produção e Controle Farmacêuticos) - Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em:

-093243>. Acesso em: 30 ago 2020.

GRANDE-ORTIZ, Miguel et al. Equivalencia terapéutica evaluada mediante estudios

in vitro de medicamentos multifuentes: estudio de casos de amoxicilina, doxiciclina y fluconazol en Lima, Perú. Rev. perú. med. exp. salud publica, Lima , v. 36, n. 1, p. 74-80, 2019 . Disponível em: <http://www.scielo.org.pe/scielo.php?script=sci_arttext&pid

=S1726-46342019000100011&lng=es&nrm=iso>. Acesso em: 5 de set 2020.

GUTTIER, Marília Cruz et al . Percepção, conhecimento e uso de medicamentos genéricos no Sul do Brasil: o que mudou entre 2002 e 2012?. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n. 7, e00070215, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?scr ipt=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000705014&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 7 set 2020.

HASENCLEVER, Lia. O Mercado de Medicamentos Genéricos no Brasil. Preparado para o Simpósio Franco-Brasileiro “O Novo Direito da Propriedade Intelectual

no Domínio da Saúde e dos Seres Vivos (implicações para o acesso aos tratamentosanti-retrovirais)”, Brasília, 2004.

LOEWENHEIM, Thomas Vecchio. O impacto da entrada dos medicamentos genéricos nos preços dos medicamentos referência, no Brasil. Trabalho de Conclusão do Curso do Insper Instituto de Pesquisa e Ensino. Área de concentração: Economia, São Paulo, 2016. Disponível em: < http://dspace.insper.edu.br/xmlui/handle/11224/1423>. Acesso em: 8 set 2020.

LOPES, Renato Almeida; NEVES, Francisco de Assis Rocha. Metanálise de estudos de bioequivalência: a intercambiabilidade de genéricos e similares que contêm Hidroclorotiazida é possível, mas não àqueles com Maleato de Enalapril. J. Bras. Nefrol., São Paulo, v. 32, n. 2, p. 173-181, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-2800201000020

&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 7 set 2020.

MIRANDA, Elaine Silva et al. Disponibilidade no setor público e preços no setor privado: um perfil de medicamentos genéricos em diferentes regiões do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 10, p. 2147-2158, 2009. Disponível em:

scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2009001000006&lng=en&nrm

=iso>. Acesso em: 29 ago 2020.

RUMEL, Davi; NISHIOKA, Sérgio de Andrade; SANTOS, Adélia Aparecida Marçal dos. Intercambialidade de medicamentos: abordagem clínica e o ponto de vista do consumidor. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 5, p. 921-927, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-891020060006000

&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 7 set 2020.

TORRES, Natália Patrícia Batista; CHINCHILA, Isabel Nunes. Medicamentos Similares e Genéricos: Biodisponibilidade Relativa e Contexto Regulatório do Cenário Brasileiro Atual. Referências em Saúde da Faculdade Estácio de Sá de Goiás - RRS-FESGO, V. 2, N. 2, 2019. Disponível em; < http://periodicos.estacio.br/index.php/rrsfesgo/article/view/7182>. Acesso em: 3 set 2020.

Downloads

Publicado

2021-03-16

Como Citar

Medeiros, L. B. ., Mendes, D. H. V., & Alvim, H. G. de O. (2021). O GRAU DE ACEITAÇÃO DOS MEDICAMENTOS GENÉRICOS NO BRASIL. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, 4(8), 97–108. https://doi.org/10.5281/zenodo.4608698