Reações adversas em vacinas: revisão integrativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.7109160

Palavras-chave:

Imunização. Vacinação. Efeito colateral. Reações adversas.

Resumo

As reações adversas podem estar ligadas à toxicidade normal da vacina, acontecendo como parte da resposta imune. O objetivo geral dessa pesquisa foi analisar as principais reações adversas descritas em estudos pesquisados. Essas são raras, mas devido aos transtornos e lesões causadas, são altamente indesejadas. Trata-se de uma revisão integrativa considerando as informações nas bases de dados em buscas na literatura quanto à investigação de riscos associados à vacinação. Foram realizadas buscas de artigos científicos, pesquisados na internet por meio dos bancos de dados: Lilacs, Scielo e Medline/Pubmed. Total dos artigos encontrados 356 com os descritores imunização, vacinação, efeito colateral e reações adversas, após leitura exaustiva dos artigos e de acordo com os critérios de inclusão e exclusão, foram utilizados 08 artigos de acordo com os resultados. Os eventos adversos mais frequentes, de acordo com esta pesquisa foram: irritabilidade, dor de cabeça, cansaço, dor e vermelhidão no local da aplicação, perda de apetite, sonolência, diarreia, náusea, vômito, inchaço, mal-estar, febre baixa, endurecimento no local da aplicação.  Entre 0,1% e 1% dos vacinados relatam sintomas respiratórios, rinite, vertigem, erupções na pele, dor muscular, rigidez muscular, diminuição da sensibilidade, dormências, coceira e calafrios. Os resultados comprovam que os benefícios de receber a vacina superam os riscos, as pesquisas demonstram que a maioria das reações adversas notificadas não foi grave. As principais limitações desse estudo ocorrem devido à falta de artigos publicados relacionado às reações adversas em todas as vacinas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara Sena Borgmann Rodrigues da Silva, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil

mceclip0.png https://orcid.org/0000-0002-4679-3128
mceclip1.png http://lattes.cnpq.br/7548311089016887
E-mail: barbaraborgmann09@gmail.com

Walquiria Lene dos Santos, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Católica de Goiás (2002) e Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal de Goiás (2008).Já atuou na atenção primária em saúde, saúde da família. Coordenadora do Curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires. Membro do Comitê de Ética e Pesquisa da FACESA. Participou do Programa de Iniciação Cientifica da FACESA (PIC). Docente no curso de Fisioterapia no Centro Universitário do Planalto Central Apparecido dos Santos - UNICEPLAC. Docente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Integrante do Núcleo Docente Estruturante (NDE) da FACESA, Integrante do Comitê de Ética e Pesquisa da FACESA.

Referências

Levi, G. C., & Kallás, E. G. (2002). Varíola, sua prevenção vacinal e ameaça como agente de bioterrorismo. Revista Da Associação Médica Brasileira, 48(4), 357–362. https://doi.org/10.1590/S0104-42302002000400045

Brasil. Programa Nacional de Imunização-30 anos. (2003). Secretaria de Vigilância a Saúde. Ministério da Saúde.

Waldman, E. A., Silva, L. J. da, & Monteiro, C. A. (1999). Trajetória das doenças infecciosas: Da eliminação da poliomielite à reintrodução da cólera. Informe Epidemiológico do Sus, 8(3), 05–47. https://doi.org/10.5123/S0104-16731999000300002

Brasil. Ministério da Saúde. Calendário Nacional de Vacinação. Brasília (DF). (2014).

Brasil. Ministério da Saúde. (2008). Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância epidemiológica de eventos adversos pós-vacinação. 2.ed. Brasília.

Brasil. Ministério da Saúde. (2015). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de Imunizações: aspectos históricos dos calendários de vacinação e avanços dos indicadores de coberturas vacinais, no período de 1980 a 2013. Bol Epidemiol, (30):1-13.

Miller, E. R., Moro, P. L., Cano, M., & Shimabukuro, T. T. (2015). Deaths following vaccination: What does the evidence show? Vaccine, 33(29), 3288–3292. https://doi.org/10.1016/j.vaccine.2015.05.023

Mesquita Júnior, D., Araújo, J. A. P., Catelan, T. T. T., Souza, A. W. S., Cruvinel, W. d. M., Andrade, L. E. C. & Silva, N. P. (2010). Immune system-part II: basis of the immunological response mediated by T and B lymphocytes. Revista Brasileira de Reumatologia, 50(5):552-580.

CDC. Principles of vaccination. (2016). Atlanta, USA: Center for Disease Control and Prevention. Christensen, D. 2016. Vaccine adjuvants: Why and how. Human Vaccin Immunother, 12(10):2709- 2711.

Tizard, I. R. (2014). Imunologia Veterinária: introdução. São Paulo, Brasil: Editora Roca.

WHO. Vacine safety basis - learning manual. (2013). Genebra, Suiça: World Healt Organization 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. (2003). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação: cartilha para trabalhadores de sala de vacinação / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília: Ministério da Saúde.

Vasconcelos W.R.C, Carvalho M.A (2019). Reações adversas pós-vacinação: atuação da equipe de enfermagem 2019.

Lieber NSR, Ribeiro E. Reações adversas a medicamentos levando crianças a atendimento na emergência hospitalar. Rev Bras Epidemiol 2012.

Chagas S.R, Agnol M.D, Pessoa A.V.C, Nascente E.P, Vidal M.G.R, Pascoal L.M. (2019). Vacinas e suas reações adversas. Revisão 13 (8).

Bisetto L.H.L, Malucelli M.R.C.A. (2011). A prática da enfermagem frente aos eventos adversos pós-vacinação. Rev Esc Enferm USP 45(5):1128-34

Santos Z.M.S.A, Alburquerque V.L.M, Sampaio F.H.S. (2014). Vacinação – o que o usuário sabe.

Piacentini S, Contrera-Moreno L. (2011). Eventos adversos pós-vacinais no município de Campo Grande (MS, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, 16(2).

Monteiro S.A.M.G, Takano A.O, Wadman E.A. (2011). Avaliação do sistema brasileiro de vigilância de eventos adversos pós-vacinação. Rev Bras Epidemiol

Aps L.R.M.M, Piantola M.A.F, Pereira S.A, Castro J.T, Santos F.A.O, Ferreira L.C.S. (2018). Eventos adversos de vacinas e as consequências da não vacinação: uma análise crítica. Rev Saúde Pública 52 (40).

Azevedo, V. A. C. (2008). Biotecnologia e biossegurança na produção de vacinas e kits diagnóstico. Ciência Veterinária nos Trópicos.

Tizard, I. R. (2014). Imunologia Veterinária: introdução. São Paulo, Brasil: Editora Roca.

Vacina bcg—Família sbim. ([s.d.]). Recuperado 23 de setembro de 2022, de https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacina-bcg

Vacinas disponíveis—Família SBIm. ([s.d.]). Recuperado 23 de setembro de 2022, de https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis

Vacina febre amarela – FA - Família SBIm. ([s.d.]). Recuperado 23 de setembro de 2022, de https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacina-febre-amarela-fa

Vacina hepatite a—Família sbim. ([s.d.]). Recuperado 23 de setembro de 2022, de https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacina-hepatite-a

Vacina hepatite B: Efeitos e eventos adversos [Internet]. [place unknown]; Apr 20 [cited 2021 Jan 6]. 2020 Available from: https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacina-hepatite-b

Vacinas poliomielite: Efeitos e eventos adversos [Internet]. [place unknown]; Sep 18 [cited 2021 Jan 6]. 2020 Available from: https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacinas-poliomielite

Vacina hepatite b—Família sbim. ([s.d.]). Recuperado 23 de setembro de 2022, de https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacina-hepatite-b

Vacina rotavírus—Família SBIm. ([s.d.]). Recuperado 23 de setembro de 2022, de https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacina-rotavirus

CloseDeleteEdit

Vacina hpv4—Família sbim. ([s.d.]). Recuperado 23 de setembro de 2022, de https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacina-hpv4

Downloads

Publicado

2022-09-23

ARK