Aspectos clínicos, terapêuticos e medicamentos da atrofia muscular espinhal (AME): uma revisão integrativa da literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.7190898

Palavras-chave:

Atrofia Muscular Espinhal. Cuidados de Enfermagem. Cuidados de Enfermagem Doenças Degenerativas. Tratamento Atrofia Muscular Espinhal.

Resumo

Evidenciar os planos de cuidado do paciente com AME demonstrando uma revisão de literatura sobre a AME, informando sobre os tratamentos possíveis para a AME e discutindo a sistematização e assistência prestada em pacientes com AME. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, sendo selecionados artigos através de dados eletrônicos, como Scientific Eletronic Library Online (Scielo), PubMed e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), e a utilização do DECS/MeSH em busca dos seguintes descritores: “enfermagem”; “atrofia muscular espinhal”. Foram selecionados 14 artigos científicos, em que debateram sobre assuntos que foram organizados e divididos por categorias, nos quais foram tidos como mais importantes aqueles com o conhecimento acerca do tema proposto, com o intuito de obter um conjunto de proposições e conclusões dos autores escolhidos. A AME é uma doença rara, no qual existe estudo diagnóstico genético que deve ser efetuado no tratamento da mesma. A diversificação de complicações que pode determinar, exige uma abordagem mais ampla e coordenada do doente. O acompanhamento médico e os cuidados paliativos, em conjunto, são procedimentos importantes no decorrer de toda a vida dos pacientes com a doença. Com isso, deve ser desenvolvido um plano que contenha um trabalho em equipe, com profissionais multidisciplinares de saúde, em que cada profissional desenvolva ações complementares, favorecendo o tratamento dos pacientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vídia Karine Souza Rodrigues, Universidade Paulista, UNIP, Brasil

[1] Graduação em andamento em Enfermagem pela Universidade Paulista, UNIP, Brasil.

Thalice Rodrigues do Santos, Universidade Paulista, UNIP, Brasil

[2] Graduação em andamento em Enfermagem pela Universidade Paulista, UNIP, Brasil.

Rodrigo José de Oliveira Silva, Universidade Paulista, UNIP, Brasil

[3] Graduação em andamento em Enfermagem pela Universidade Paulista, UNIP, Brasil.

Carolina do Nascimento Rodrigues, Universidade Paulista, UNIP, Brasil

[4] Graduação em andamento em Enfermagem pela Universidade Paulista, UNIP, Brasil.

Guilherme Santos Caldas, Universidade Paulista, UNIP, Brasil

[5] Graduação em andamento em Enfermagem pela Universidade Paulista, UNIP, Brasil.

Marco Aurélio Ninômia Passos, ICESP Promove, ICESP, Brasil

[6] Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Católica de Brasília (2006), mestrado em Ciências Genômicas e Biotecnologia pela Universidade Católica de Brasília (2009). Doutor em Biologia Molecular pela Universidade de Brasília (2014). Bolsista de mestrado e doutorado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Professor Titular da Universidade Paulista (UNIP-DF) e do Centro Universitário ICESP. Atua principalmente nas seguintes áreas: Biologia Molecular, Biologia Celular, Genética, Bioquímica, Microbiologia, Imunologia, Patologia, Biotecnologia e Metodologia científica.

Referências

Souza, C. P. V. de, Ribeiro, R. K. C., Lima, L. do V., Sant’Anna, C. C., & Araújo, A. P. de Q. C. (2018). Pico de fluxo de tosse em crianças e jovens com atrofia muscular espinhal tipo II e tipo III. Fisioterapia e Pesquisa, 25(4), 432–437. https://doi.org/10.1590/1809-2950/18002025042018

Caetano, R., Hauegen, R. C., & Osorio-de-Castro, C. G. S. (2019). A incorporação do nusinersena no Sistema Único de Saúde: Uma reflexão crítica sobre a institucionalização da avaliação de tecnologias em saúde no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 35(8), e00099619. https://doi.org/10.1590/0102-311x00099619

Kades, M. G. P., Aquino, M. E. S. de, & Souza, L. P. de. (2017). Síndrome de werdnig-hoffman: Aspectos patológicos e os saberes da enfermagem. Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem, 7(20), 40. https://doi.org/10.24276/rrecien2358-3088.2017.7.20.40-47

Brasil. Ministério da Saúde. (2020). Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias e Inovação em Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Atrofia Muscular Espinhal 5Q Tipo I. Brasília – DF.

Baioni, M. T. C., & Ambiel, C. R. (2010). Atrofia muscular espinhal: Diagnóstico, tratamento e perspectivas futuras. Jornal de Pediatria, 86(4), 261–270. https://doi.org/10.1590/S0021-75572010000400004

Saquetto, M. B., Oliveira, I. K., Ferreira, J. B., Oliveira, C. P., Silva, C. M., & Neto, M. G. (2015). Efeito e segurança da mobilização funcional em crianças com Síndrome de Werdnig-Hoffman: Relato de caso. Revista Neurociências, 23(3), 451–456. https://doi.org/10.4181/RNC.2015.23.03.1031.06p

Assega, M. L., Lopes-Júnior, L. C., Assega, D. T., Lima, R. A. G., & Pirolo, S. M. (2015). Projeto terapêutico singular e equipe multiprofissional no manejo de caso clínico complexo: Relato de experiência. Revista de Enfermagem UFPE on line, 9(4), 7482–7488. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v9i4a13608p7482-7488-2015

CloseDeleteEdit

Gusset, N., Stalens, C., Stumpe, E., Klouvi, L., Mejat, A., Ouillade, M.-C., & de Lemus, M. (2021). Understanding European patient expectations towards current therapeutic development in spinal muscular atrophy. Neuromuscular Disorders, 31(5), 419–430. https://doi.org/10.1016/j.nmd.2021.01.012

Chen X, Sanchis-Juan A, French CE, Connell AJ, Delon I, Kingsbury Z, Chawla A, Halpern AL, Taft RJ, BioResource N, Bentley DR, Butchbach MER, Raymond FL, Eberle MA. Spinal muscular atrophy diagnosis and carrier screening from genome sequencing data. 2020 may.

Motyl AAL, Faller KME, Groen EJN, Kline RA, Eaton SL, Ledahawsky LM, Chaytow H, Lamont DJ, Wishart TM, Huang YT, Gillingwater TH. Pre-natal manifestation of systemic developmental abnormalities in spinal muscular atrophy. Hum Mol Genet. 2020 Sep 29;29(16):2674-2683.

Gusset N, Stalens C, Stumpe E, Klouvi L, Mejat A, Ouillade MC, de Lemus M. Understanding European patient expectations towards current therapeutic development in spinal muscular atrophy. Neuromuscul Disord. 2021 May;31(5):419-430.

Butterfield RJ. Spinal muscular atrophy treatments, newborn screening, and the creation of a neurogenetics urgency.2021 July;38:100899.

Veerapandiyan A, Connolly AM, Finkel RS, Arya K, Mathews KD, Smith EC, Castro D, Butterfield RJ, Parsons JA, Servais L, Kuntz N, Rao VK, Brandsema JF, Mercuri E, Ciafaloni E. Spinal Muscular Atrophy Care in the era of the COVID-19 Pandemic. 2020 April.

Willems J, Glattacker EF, Langer T. Evaluation of a case Management to support families with children diagnosed with spinal muscle atrophy-protocol of a mixed-methods study.2021 August.

Volpe JJ. Infantile spinal muscular atrophy - the potential for cure of a fatal disease. J Neonatal Perinatal Med. 2021;14(2):153-15

Lavie M, Nisnkorn H, Sagi L, Amirav I. Choosing Life with Spinal Muscular Atrophy Type 1. Adv Ther. 2020 May;37(5):1708-1713

Fernandes RDA. Atrofia Muscular Espinhal num Hospital Pediátrico: a emergência dos novos fenótipos na era dos tratamentos inovadores (Doctoral dissertation, Universidade de Coimbra). 2022.

Regis Sena Gomes, A. P., Costa Souza, V., & Araujo, M. de O. (2020). Atuação do enfermeiro no cuidado humanizado em unidades de terapia intensiva no Brasil: Uma revisão integrativa da literatura. HU Revista, 46, 1–7. https://doi.org/10.34019/1982-8047.2020.v46.28791

Sales CMP, Soliani FCBG, & Sanches ACS. Farmacoterapia da atrofia muscular espinhal. Inst. 2022;40(2):119-26.

Grellet ACC, Sonoda R T, & dos Santos É M. Atrofia Muscular Espinhal: Alterações Oculares E Motoras. Recima21-Revista Científica Multidisciplinar-ISSN. 2022. 2675-6218, 3(3), e331296-e331296.

Lima MADFD, Gilbert ACB, Horovitz DDG. Redes de tratamento e as associações de pacientes com doenças raras. Ciência & Saúde Coletiva. 2018. 23, 3247-3256.

Marqui ABT, Silva M, Tanaka SCS., Weffort VRS. Assistência multiprofissional em paciente com Atrofia Muscular Espinhal: relato de caso. 2021. Revista Neurociências, 29, 1-12.

Belizário MVAA, Berlanga JFU, Souza CEC, Moreira CMD, de Arruda MMG, de Oliveira N, de Oliveira MIV. Uso do Nusinersen na Atrofia Muscular Espinhal do tipo 1. Revisão bibliográfica. 2021. Research, Society and Development, 11(4), e33811427297-e33811427297.

Schorling DC, Pechmann A, Kirschner J. Avanços no tratamento da atrofia muscular espinhal – novos fenótipos, novos desafios, novas implicações para o cuidado. 2020. Jornal de doenças neuromusculares, 7 (1), 1-13.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias e Inovação em Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Atrofia Muscular Espinhal 5Q Tipo I. Brasília: Ministério da Saúde; 2020. 33 p.

Prior TW. Spinal muscular atrophy diagnostics. J Child Neurol. 2007;22:952-6. Review.

Downloads

Publicado

2022-10-12

Como Citar

RODRIGUES, V. K. S.; SANTOS, T. R. do; SILVA, R. J. de O.; RODRIGUES, C. do N.; CALDAS, G. S.; PASSOS, M. A. N. Aspectos clínicos, terapêuticos e medicamentos da atrofia muscular espinhal (AME): uma revisão integrativa da literatura. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 5, n. 11, p. 134–146, 2022. DOI: 10.5281/zenodo.7190898. Disponível em: http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/402. Acesso em: 18 jun. 2024.

ARK