TRANSTORNO ALIMENTAR E OBJETIFICAÇÃO FEMININA: UM RESULTADO DAS RELAÇÕES DE PODER?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.3992831

Palavras-chave:

Transtorno alimentar. Objetificação feminina. Relações de poder. Patriarcado. Gestalt-terapia.

Resumo

A objetificação do corpo feminino é um conceito que tem ganhado cada vez mais visibilidade nas discussões sobre o machismo, sendo um conceito que se refere à banalização da imagem das mulheres, de maneira que a aparência é colocada em evidência em detrimento de todos os atributos que as definem enquanto seres humanos, levando à imposição de padrões sobre como devem aparentar e agir. Este estudo aborda diferentes concepções a respeito do corpo feminino e da subjetividade das mulheres sob a ótica do patriarcado, buscando discutir sobre as relações entre a cultura patriarcal,os papéis de gênero e o sistema  de dominação, para compreender os termos pelos quais   atravessam a saúde mental e corporal das mulheres. Dessa forma, este estudo procurou identificar e caracterizar a objetificação feminina por meio da literatura feminista e investigar os efeitos da objetificação sobre a autopercepção corporal de mulheres que desenvolveram transtornos alimentares, trazendo luz sobre a contribuição da Gestalt-terapia no processo de emancipação feminino. Considerando que muitas mulheres não se veem bonitas, cumpre destacar a contribuição do estudo para a Psicologia no que diz respeito à possibilidade de esta ciência proporcionar às mulheres a percepção de novas formas de existir, libertando-as do sofrimento psíquico que as relações de poder e de domínio podem causar. Vale destacar a importância de os demais profissionais, não somente das áreas da saúde, estarem atentos aos perigos da imposição dos padrões de beleza, a fim de contribuírem para intervenções saudáveis e positivas junto às mulheres.

 

Biografia do Autor

Juliana Andreza Soares dos Santos, Universidade Católica de Brasília, UCB, DF, Brasil.

Orcid: https://orcid.org/0000-0002-8401-0550

Vanessa Lima Rodrigues da Trindade, Universidade Católica de Brasília, UCB, DF, Brasil.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/1664210998639284
Orcid: https://orcid.org/0000-0002-8334-871X

Ondina Pena Pereira, Universidade Católica de Brasília, UCB, DF, Brasil.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/6499670425098733
Orcid: https://orcid.org/0000-0001-7874-9888
E-mail: ondinapena@gmail.com 

Luciana da Silva Santos, Universidade Católica de Brasília, UCB, DF, Brasil.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/2340887354242206
Orcid: http://orcid.org/0000-0002-2280-3483

Referências

APPOLINÁRIO, José Carlos; CLAUDINO, Angélica M. Transtornos alimentares.

Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 22, p. 28-31, 2000.

BERCHT, Ana Maria; COSTA, Angelo Brandelli. Objetificação e saúde mental. XVII Seminário Corpo Gênero e Sexualidade. Universidade Federal do Rio Grande. https://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/14381/2/OBJETIFICACAO_E_SAUDE_MENTAL.pdf ,2018.

BORIS, Georges Daniel Janja Bloc; CESÍDIO, Mirella. Mulher, corpo e subjetividade: uma análise desde o patriarcado à contemporaneidade. Revista mal-estar e subjetividade, v. 7, n. 2, p. 451-478, 2007.

BORGES, Nádia Juliana Beraldo Goulart et al. Transtornos alimentares-quadro clínico. Medicina (Ribeirao Preto. Online), v. 39, n. 3, p. 340-348, 2006.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina; tradução Maria Helena Kuhner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

CARVALHO, Marianne Lima de; LIMA, Deyseane Maria Araujo. A Anorexia em Adolescentes Sob a Ótica da Gestalt-terapia: The anorexia in adolescents from the perspective of Gestalt therapy. IGT na Rede, v. 14, n. 26, p. 23-30, 2017.

COLLING, Ana. A construção histórica do feminino e do masculino. Gênero e cultura: questões contemporâneas, v. 1, p. 13, 2004.

ESPÍNDOLA, Cybele Ribeiro et al. Bulimia e transtorno da compulsão alimentar periódica: revisão sistemática e metassíntese. Rev Psiquiatr RS, v. 28, n. 3, p. 265-75, 2006.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1987.

GALLI, Loeci Maria Pagano. Um olhar fenomenológico sobre a questão da saúde e da doença: a cura do ponto de vista da Gestalt-terapia. Estudos e pesquisas em Psicologia, v. 9, n. 1, p. 59-71, 2009.

GODOY, Arlida Schmidt. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades.

Revista de administração de empresas, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

GONÇALVES, Jonas Rodrigo. A lógica do poder, a heteronormatividade e o racismo: o epistemicídio e a subalternidade como estratégias de repressão e de vulnerabilidade. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, v. 1, n. 2, p. 59-82, 2018.

GONZALEZ, Gabriela Andrea Leite; SACOMANI, Junior; RONDINA, Regina. As vivências de um grupo de pacientes com transtornos alimentares: a relação com o espelho e a imagem corporal. Revista Subjetividades, v. 14, n. 3, p. 383-394, 2014.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Parte I. 15ª ed. Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes, 2005.

JODELET, Denise. Os processos psicossociais da exclusão. As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social, v. 2, p. 53-66, 1999.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 1992.

LOUREIRO, Carolina Piazzarollo. Corpo, beleza e auto-objetificação feminina. 2014. Dissertação de Mestrado.

LUCZINSKI, Giovana Fagundes et al. Gestalt-terapia e Empoderamento Feminino na Relação Terapêutica: Reverberações a partir do Atendimento Psicoterápico entre Mulheres. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 19, n. 4, p. 947-963, 2019.

MORGAN, Christina Marcondes; VECCHIATTI, Ilka Ramalho; NEGRÃO, André Brooking. Etiologia dos transtornos alimentares: aspectos biológicos, psicológicos e sócio-culturais. Revista Brasileira de Psiquiatria, v.24, suppl.3, pp.18-23, 2002.

NUNES, Arlene Leite; HOLANDA, Adriano. Compreendendo os transtornos alimentares pelos caminhos da Gestalt-terapia. Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies, v. 14, n. 2, p. 172-181, 2008.

OLIVEIRA, Leticia Langlois; HUTZ, Claúdio Simon. Transtornos alimentares: o papel dos aspectos culturais no mundo contemporâneo. Psicologia em Estudo, v. 15, n. 3, p. 575-582, 2010.

PEREIRA, Ondina Pena. Saúde mental, ética e política: Vidas dissidentes e práticas psicológicas contra-hegemônicas. Paco Editorial, 2016.

PEREIRA, O. TIMM, F. O amor em tempos de consumo. Curitiba: CRV, 2017.

PEREIRA, Ondina Pena; TIMM, Flávia Bascuñán; GONÇALVES, Jonas Rodrigo.

Psicologia da diferença: por uma ética da Singularidade. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, v. 2, n. 4, p. 49-62, 2019.

PERLS, Fritz. A Abordagem Gestáltica e Testemunha Ocular da Terapia. 2ª. RJ: Guanabara, 1988.

POLTRONIERI, Taiara Scopel et al. Insatisfação com a imagem corporal e fatores associados em mulheres do sul do Brasil. Ciência & Saúde; Saúde, v. 9, n. 3, p. 128-134, 2016.

SCHERER, Fabiana Cristina et al. Imagem corporal em adolescentes: associação com a maturação sexual e sintomas de transtornos alimentares. J Bras Psiquiatr, v. 59, n. 3, p. 198-202, 2010.

SEGATO, R. L. Las estructuras elementares de la violê ncia. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes, 2003.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 1998.

SPINOZA, Benedictus de. Ética (Tradução e notas de Tomaz Tadeu). Belo Horizonte, Autêntica Editora, 2007.

SILVA, Carla da. ilva. Revista Direito em Foco, São Paulo, v. 5, p. 2-9, 2009.

TURATO, Egberto Ribeiro. Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 507-514, June, 2005.

Publicado

2020-12-09

Como Citar

Santos, J. A. S. dos ., Trindade, V. L. R. da ., Pereira, O. P. ., & Santos, L. da S. . (2020). TRANSTORNO ALIMENTAR E OBJETIFICAÇÃO FEMININA: UM RESULTADO DAS RELAÇÕES DE PODER?. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, 3(7), 123–142. https://doi.org/10.5281/zenodo.3992831

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)