Qualidade de vida após cirurgia ortognática reparadora em classe III: revisão integrativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8028216

Palavras-chave:

Qualidade de Vida. Cirurgia ortognática reparadora classe III. Diagnósticos de enfermagem.

Resumo

Objetivo: o presente estudo teve como objetivo geral investigar o impacto da Cirurgia Ortognática reparadora na qualidade de vida de pacientes em classe III, as principais causas de deformidades, além de comparar a qualidade de vida após a cirurgia, incluindo os aspectos funcionais, estéticos e psicossociais desses pacientes. Métodos: trata-se de revisão narrativa da literatura, realizando-se um levantamento de artigos científicos nos bancos de dados eletrônicos da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) – BIREME e Scientific Electronic Library Online – SciELO. Resultados: foram selecionados 8 artigos que estão dispostos em um quadro, nos quais identificou-se as alterações dentofaciais e disfunções miofuncionais classe III, tratamentos, proposta de diagnósticos e intervenções de enfermagem, e a qualidade de vida. Considerações finais: a correção das deformidades esqueléticas faciais e das irregularidades dentárias associadas através da cirurgia ortognática reparadora apresentam um impacto positivo na vida dos pacientes através da melhora harmônica dos ossos esqueléticos faciais, resultando em uma estética facial favorável e em um aprimoramento das funções do sistema estomatognático.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nydia Helena dos Santos Ferreira, Universidade Paulista

Lattes
Graduação em andamento em Enfermagem pela Universidade Paulista DF, UNIP, Brasil.

Marco Aurélio Ninômia Passos, Universidade Paulista

Lattes
Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Católica de Brasília, mestrado em Ciências Genômicas e Biotecnologia pela Universidade Católica de Brasília. Doutor em Biologia Molecular pela Universidade de Brasília. Bolsista de mestrado e doutorado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Professor Titular da Universidade Paulista (UNIP-DF) e do Centro Universitário ICESP.

Andrey Hudson Interaminense Mendes de Araújo, Universidade Paulista

Lattes
Graduado em Enfermagem; Docente/tutor de Enfermagem, Farmácia e Biomedicina; Pós-graduando em Anatomia Funcional e em Atendimento de Emergências Pré-hospitalares; Especialista em Didática do Ensino Superior em Educação à Distância; Especialista em Saúde da Família; Mestre em Ciências e Tecnologias em Saúde.

Referências

Assis GLC, Sousa CS, Turrini RNT, Poveda VB, Silva RCG. Proposta de diagnósticos, resultados e intervenções de enfermagem para pacientes em pós-operatório de cirurgia ortognática. Revista escola de enfermagem da USP. 2018; 52(03): 321.

Anasenko S, Macedo DS, Júnior WP. Tratamento cirúrgico de fratura Le Fort II: Relato de Caso. Revista Cirúrgica de Traumatologia Buco-Maxilo-Facial. 2021; 21(1): 44-48.

Barel PS, Sousa CS, Poveda VB, Turrini RNT. Ansiedade e conhecimento de pacientes submetidos a cirurgia ortognática no pré-operatório. Revista brasileira de enfermagem. 2018; 71(5): 2206-2211.

Carvalho LF. et al. Cirurgia ortognática e seus efeitos na harmonia facial: Revisão de Literatura . Revista da Academia Brasileira de Odontologia. 2019: 8(1): 61-64.

Cavalcanti AMF et al. Tratamento ortocirúrgico de paciente portador de deformidade dentofacial classe III: Relato de caso. Research, Society and Development. 2021; 10(5).

Galvão MCB, Ricarte ILM. Revisão sistemática de literatura: conceituação, produção e publicação. Revista logeion: Filosofia da informação. 2019; 6(1): 57-73.

Heinzmann G et al. Impacto da cirurgia ortognática na qualidade de vida em pacientes com diferentes deformidades orofaciais: revisão de literatura. RFO UPF. 2020; (25)1:150-154.

Henrique T, Banhara FL, Silva NF, Farinha FT, Manso MMFG, Trettene AS. Cirurgia ortognática: dúvidas de pacientes com fissuras orofaciais referentes ao pós-operatório imediato. Revista brasileira de enfermagem. 2021; 74(2).

Mendes DS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão Integrativa: Método De Pesquisa Para A Incorporação De Evidências Na Saúde e na Enfermagem. Texto Contexto Enfermagem. 2008; 17(4):758-64.

Sousa CS, Turrini RNT. Desenvolvimento de aplicativo de celular educativo para pacientes submetidos à cirurgia ortognática. Revista Latino-americana de Enfermagem. 2019; 27(31):43-45.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: O que é e como fazer. Einstein. 2010;8(1):102-106.

Silva MFN, Toni LDM. Fonoaudiologia e cirurgia ortognática: revisão de literatura. Revista brasileira de cirurgia plástica. 2018; 33(3): 404-413.

Zere E, Chaudhari PK, Sharan J, Dhingra K, Tiwari N. Desenvolvendo más oclusões de Classe III: desafios e soluções. Odontologia Clínica, Estética e Investigativa. 2018; 10.

Downloads

Publicado

2023-05-30

Como Citar

FERREIRA, N. H. dos S.; PASSOS, M. A. N.; ARAÚJO, A. H. I. M. de. Qualidade de vida após cirurgia ortognática reparadora em classe III: revisão integrativa. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 224–236, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.8028216. Disponível em: http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/584. Acesso em: 4 mar. 2024.

ARK