A ESQUIZOFRENIA ASSOCIADA A DEPENDÊNCIA QUÍMICA

  • Barbara Samara Chaves Trindade Universidade Católica de Brasília, UCB/DF
  • Me. Walquiria Lene dos Santos FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.
  • Dra. Maria Liz Cunha de Oliveira Universidade Católica de Brasília, UCB/DF, Brasil; FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS A SAÚDE, FEPECS, Brasil; Escola Superior de Ciências da Saúde, ESCS, Brasil.
Palavras-chave: descritores: Esquizofrenia, Dependência Química e Saúde Mental.

Resumo

Segundo a OMS até o ano de 2014, 26 milhões de pessoas foram diagnosticadas com esquizofrenia no mundo. No Brasil o dado mais recente divulgado é do ano de 2013 no qual o protocolo e diretrizes terapêuticas (PCDT) do Ministério da Saúde Brasileira, descreve que transtornos esquizofrênicos afetam cerca de 0,6% da população sofrendo variação de 0,6% a 3%, a depender dos critérios diagnósticos utilizados. O objetivo geral deste estudo foi compreender de acordo com a pesquisa integrativa o conceito de transtorno esquizofrênico associado a dependência química. Os objetivos específicos foram conhecer o gerenciamento do tratamento assertivo com os pacientes portadores de esquizofrenia, por parte dos profissionais de saúde e analisar estratégias eficientes para diminuição dos estigmas e preconceitos sobre a doença. O levantamento bibliográfico foi por meio dos bancos de dados LILACS (Literatura Latino-Americana em Ciência de Saúde), SciELO (Scientific Eletronic Library Online) e PUBMED. Para o levantamento dos artigos, utilizouse os descritores: ‘’esquizofrenia’’, “dependência química” e ‘’saúde mental’’, em artigos publicados nos anos de 2006 a 2019. Conclui-se que os anos de 2009 e 2010 foram os anos em que mais ocorreram as publicações sobre assuntos relacionados a esquizofrenia, saúde mental e dependência química, sendo que as frequencias foram: Esquizofrênia 40%, Dependência Química45% e Saúde Mental 15%.

Biografia do Autor

Barbara Samara Chaves Trindade, Universidade Católica de Brasília, UCB/DF

Estudante de Psicologia da Universidade Católica de Brasília

Dra. Maria Liz Cunha de Oliveira, Universidade Católica de Brasília, UCB/DF, Brasil; FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS A SAÚDE, FEPECS, Brasil; Escola Superior de Ciências da Saúde, ESCS, Brasil.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5945-1987.Graduada em Enfermagem (1983), mestrado em Educação (1995 bolsista CAPES ) e doutorado em Ciências da Saúde (2000) todos pela Universidade de Brasília- UnB. Pós Doutorado ( em andamento) em psicologia social pela Universidade Católica de Brasília /UCB. Atualmente é professora da pós-graduação em Gerontologia da UCB. Pesquisadora do núcleo permanente na Linha de Pesquisa 1. Aspectos Físicos, Biológicos, Epidemiológicos e Tecnológicos do Envelhecimento. É professora/pesquisadora do mestrado profissional da Fundação de Ensino e Pesquisa do Distrito Federal - FEPECS, na linha de pesquisa de saúde do adulto. Na graduação leciona na área básica e no curso de Enfermagem . É consultora ad hoc da Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia e Revista Brasileira Ciência e Movimento, Texto & contexto enfermagem dentre outras. Coordenadora de duas linhas de pesquisa no CNPq epidemiologia e estudos na área da saúde. Membro do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da UCB e coordenadora do CEP da Faculdade Sena Aires, ambos como voluntária. Trabalhou na Secretaria de Saúde do DF como enfermeira assistencial e Gerente de Enfermagem do Hospital de Base do DF e do Centro de Saúde 01 de Santa Maria - DF, foi Diretora da Divisão de Pesquisa da Fundação de Ensino e Pesquisa- FEPECS e Técnica da Gerência de DST/AIDS da Diretoria de Vigilância Epidemiológica, ex Coordenadora do Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Ciências para a Saúde da ESCS/FEPECS/SES e avaliadora do Sistema Nacional de Educação Superior (INEP).

Referências

1. Organização Mundial da Saúde. Acesso 04 març2019. Disponível em : https://www.who.int/eportuguese/countries/bra/pt/
2. Protocolo Clinico de Diretrizes Terapêuticas: Esquizofrenia Portaria SAS/MS nº 364, de 9 de abril de 2013 Acesso 01 abril2019. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2014/abril/02/pcdtesquizofrenia-livro-2013.pdf
3. Jessica Vieira. Blog da Psicologia Unimar. OMS lança a CID-11! Veja o que muda na nova classificação internacional de doenças. Acesso
em: 03mar 2019. Disponível em : http://blogdapsicologia.com.br/unimar/2018/06/oms-lanca-a-cid-11-vejao-que-muda-na-nova-classificacao-internacional-de-doencas/.
4. MedicinaNet. CID10. Acesso 03març2019. Disponível em: http://www.medicinanet.com.br/cid10/1521/f20_esquizofrenia.htm
5. American Psychiatry Association. Manual de Diagnostico e Estatístico de Saúde Mental –DSM-5. 5ª ed. Tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento et al.,Artmed editora ltda, Porto Alegre, 2013.
6. Winklbaur B, Ebner N, Sachs G, Thau K, Fischer G. Sustance abuse in patients with schizophrenia. Dialogues Clin Neurosci. 2006 Mar; 8(1): 37–43.
7. Reis GC , Arruda ALA. Fisiopatologia da esquizofrenia baseada nos aspectos moleculares da hipótese glutamatérica. Rev. Bras. Farm. 92(3): 118-122, 2011.
8. Organização Mundial de Saúde. Neurociência do uso e da dependência de substâncias psicoativas. São Paulo: Roca; 2006.
9. Costa NS, Salgado DM. Neurobiologia e neuropsicologia na esquizofrenia e no uso de cocaína. Rev. méd. Minas Gerais; 22(2)jun. 2012.
10. Tameline MG, Mndoni SM. Dependência de substâncias psicoativas. Monografia (Especialização) - Curso de Psiquiatria, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (hc-fmusp), São Paulo, 2009. Disponível em:http://medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/1545/dependencia_de substancias_psicoativas.htm. Acesso em: 12 abr.2019.
11. Leweke FM, Koethe D. Cannabis and psychiatric disorders: it is not only addiction. Addiction Biol. 2008;13(2):265
12. Pasa MSGG, Almeida RMM. Dependência de álcool, cocaína e crack e transtornos psiquiátricos .Psico.:Teor.e Pesqu. Vol26 no.3 July/Sept 2010.
13. Maciel SC, Maciel CMC, Barros D R, Nova Sá RCda, Camino LF. Exclusão social do doente mental: discursos e representações no contexto da reforma psiquiátrica.2008;13(1):115-124.
14. Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. Vol.8, no1. 2010; 8(1 Pt 1):102-6
15. Silveira JLF da, Oliveira RL, Viola BM, Silva TM da, Machado RM. Esquizofrenia e o uso de álcool e outras drogas:perfil epidemiológico . Rev.Rene 2014 maio-jun 15(3):436-46
16. Contin MR, Webster CMC, Vieira FS, Znetti ACG. Identificação do consumo de substâncias psicoativas entre indivíduos com esquizofrenia. SMAD. Rev.Eletrônoica Saúde Mental Álccol Drog,(Ed. Port.) vol.14 no.1 Ribeirão Preto jan./mar.2018.
17. Thornton LK, Baker AL. The importance of investigating alcohol use among people with schizophrenia [Abstract]. Acta Psychiatr Scand. 2013; 128(1):96.
18. Mackowick KM, Heishman SJ, Wehring HJ, Liu F, McMahon RP, Kelly DL. Illicit drug use in heavy smokers with and without schizophrenia. Schizophr Res. 2012; 139(1-3):194-200.
19. Rondina RC, Gorayeb R,Botelho C. Características psicológicas associadas ao comportamento de fumar tabaco. J Bras.pneumol.vol.33 no5, São Paulo, 2007. 16
20. Gregg L, Barrowclough C , Haddock G ( 2007 ) Razões para o aumento do uso de substâncias na psicose . Clin Psychol Rev .
21. Kessler F. Cannabis e saúde mental- uma revisão sobre a droga de abuso e o medicamento. Rev. Bras. Psiquiatr. Vol.31no.1 São Paulo. Mar 2009. Centro de Pesquisa em Alcool e Drogas, em UFRGS, Porto Alegre. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000100022
22. Asher CJ, Gask L. Reasons for illicit drug use in people withschizophrenia: Qualitative study. BMC Psychiatr. 2010; 10(94):1-15.
23. Oliveira LG, Nappo SA. Caracterização da cultura de crack na cidade de São Paulo: padrão de uso controlado. Rev Saúde Pública. 2008 Aug;42(4):664-71. [. Citado em 2009 abr 13]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102008000400012&
24. Oliveira RM, Facina PCBR, Junior ACS. A realidade do viver com esquizofrenia.Rev. Bras. Enferm, Brasilia 2012 mar-abr;65(2):309
25. Martins AKL, Braga VAB, Souza AMA. Práticas em saúde mental na Estratégia Saúde da Família: um estudo bibliográfico. Rev Rene. 2009; 10(4):165- 72.
26. Cavaleri SC. Transformações do modelo assistencial em saúde mental e seu impacto na família.Rev. Bras. Enferm. Vol.63 no.1 Brasilia Jan/Feb.2010
Como Citar
Chaves Trindade, B. S., dos Santos, M. W. L., & Cunha de Oliveira, D. M. L. (1). A ESQUIZOFRENIA ASSOCIADA A DEPENDÊNCIA QUÍMICA . Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 2(5), 56-69. Recuperado de http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/64

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##