ADESÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA PRÁTICA DE HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS EM AMBIENTE HOSPITALAR: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.4253230

Palavras-chave:

Higienização Das Mãos. Infecção Hospitalar. Adesão À Higiene das mãos.

Resumo

Objetivo: Analisar o percentual de adesão quanto à higienização das mãos dos profissionais que prestam a assistência direta aos pacientes hospitalizados por meio de uma revisão de literatura, e identificar os fatores que interferem para realização da técnica e estratégias de atuação de forma a aumentar a mesma. Metodologia: Trata-se de uma revisão integrativa com análise descritiva desenvolvida através de publicações cientificas preferencialmente, no período de 2013 a 2020, utilizando para levantamento dos dados artigos disponíveis na íntegra na base de dados do portal da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS); BDENF, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e Scientific Electronic Library Online (SCIELO). Resultados: Revisaram-se 12 artigos, e agrupados por semelhança didática na categoria temática proposta, a fim de obter um conjunto de hipóteses e conclusões das pesquisas escolhidas, os resultados serão discutidos a partir de duas categorias criadas: “Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde” e “Adesão dos Profissionais de Saúde sobre a Higienização das Mãos”. Conclusão: A partir do estudo realizado tendo em vista os objetivos propostos no estudo, verifica-se que, de forma geral, há baixa adesão à higienização das mãos pelos profissionais de saúde em comparação com o grau de conhecimento técnico sobre o assunto, no qual a teoria não se aplica na prática da assistência prestada, as medidas a serem adotadas são direcionadas para o incentivo à adesão à higienização das mãos, no sentido de gerar mudanças no comportamento dos profissionais de saúde, bem como adequar os recursos para contemplar a prática de higienização das mãos.

Biografia do Autor

Camila Hevilin Cardoso Gomes, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil.

Orcid: https://orcid.org/0000-0001-5020-283X

 

Marco Aurélio Ninômia Passos, Universidade Paulista, UNIP, SP, Brasil.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/9046655386585839
Orcid: https://orcid.org/0000-0003-4231-8941
E-mail: marconinomia@gmail.com

Referências

Brasil. Organização mundial da saúde. Manual para observadores; estratégia multimodal da OMS para a melhoria higienização das mãos.

Almeida EC, Costa ANB, Rosa PB, Costa CA, Melo TS. Ações de educação em higienização das mãos como estratégia à segurança do paciente: relato de experiência.: Relato de experiência. Grupo Verde de Agroecologia e Abelhas. Revista Brasileira de Educação e Saúde, [s.l.], v. 7, n. 2, p. 68, 1 abr. 2017.

Soares NRM, Souza DJ, Ferreira MBG, Senne ECV, Paiva L, Divanice. Conhecimentos, atitudes e práticas dos profissionais de enfermagem sobre higiene das mãos no ambiente hospitalar. Universidade Federal do Triangulo Minero. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social. 2017; 5(3):362

Orientações Gerais para Higiene das Mãos em Serviços de Saúde. Nota Técnica Nº01/2018 GVIMS/GGTES/ANVISA.

Vasconcelos RO, Alves DCI, Fernandes LM, Oliveira JLC. Adesão à higienização das mãos pela equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Brasil, Revista Eletrônica Trimestral da Enfermaria. 30 abr. 2017; 446-461.

Santa Cruz BAA, Sorgini PMA, Gonçalves PML, Higienização das mãos como prática do tratamento: reflexão sobre a responsabilidade profissional. Revista Brasileira de Enfermagem. 2017; 70(2): 461-464.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: O que é e como fazer. Einstein. 2010;8(1):102-6.

Prado MF, Oliveira ACJ, Nascimento TMB, Melo WA, Prado DB. Estratégia de promoção à higienização das mãos em unidade de terapia intensiva. 2012; 11(3): 557-564.

Soares MA, Rodrigues NM, Menezes MRO, Gerace DN, Duarte CM, Brandão PM, Borges LFA. Microrganismos multirresistentes nas mãos de profissionais de saúde em Unidades de Terapia Intensiva. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, Santa Cruz do Sul. 2019; 9(3): 187-192.

Silva BR, Carreiro MA, Simões BFT, Paula DG. Monitoramento da adesão à higiene das mãos em uma unidade de terapia intensiva. Revista de Enfermagem UERJ. 2018; 26:e33087.

Raimondi DC, Bernal SCZ, Souza VS, Oliveira JLC, Matsuda LM. Higienização das mãos: adesão da equipe de enfermagem de unidades de terapia intensiva pediátricas. Revista Cuidarte. 2017; 8(3): 1839-48.

Alvim ALS, Reis LC, Couto BRGM, Starling CEF, Vaz R. Avaliação das práticas de higienização das mãos em três unidades de terapia intensiva. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, Santa Cruz do Sul. 2019; 9(1): 55-59.

Souza LC, Ramos MF, Becker ESS, Meirelles LCS, Monteiro SÃO. Adesão dos profissionais de terapia intensiva aos cinco momentos da higienização das mãos. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2015; 36(4): 21-8.

Trannin KPP, Campanharo CRV, Lopes MCBT, Okuno MFP, Batista REA. Adesão à higiene das mãos: intervenção e avaliação. Cogitare Enfermagem. 2016; 21(2): 01-07.

Oliveira AC; Paula AO. A percepção dos profissionais de saúde em relação à higienização das mãos. Rev Fund Care Online. 2017; 9(2): 321-326.

Melo MHC, Leal ACAM. Controle das infecções na assistência à saúde relacionada à higienização das mãos. Revista Interdisciplinar. 2015; 8(1): 91-97.

Barros FE, Soares E, Teixeira MLO, Branco EMSC. Controle de infecções a pacientes em precaução de contato. Revista de Enfermagem UFPE. 2019; 13(4): 1081-1089.

Derhun FM, Souza VS, Costa MAR, Inoue KC, Matsuda LM. Conhecimento de profissionais de enfermagem sobre higienização das mãos. Cogitare Enfermagem. 2016; 21(3): 01-08.

Oliveira MA, Leuthier RM, Oliveira Filho JR, Leite MAP, Fernandes LGA, Santos AF, et al. Higienização das mãos: conhecimentos e atitudes de profissionais da saúde. Revista de Enfermagem UFPE. 2019; 13:e236418.

Publicado

2020-11-06

Como Citar

Gomes, C. H. C. ., & Passos, M. A. N. (2020). ADESÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA PRÁTICA DE HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS EM AMBIENTE HOSPITALAR: UMA REVISÃO INTEGRATIVA. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, 3(7), 347–360. https://doi.org/10.5281/zenodo.4253230

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)