Lógica gerencial no trabalho prescrito do psicólogo organizacional na esfera federal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.10001060

Palavras-chave:

psicologia organizacional, psicólogo, trabalho

Resumo

Este estudo empírico analisa como a lógica gerencial se manifesta no trabalho prescrito do psicólogo organizacional e do trabalho que atua na gestão de pessoas do serviço público federal brasileiro. O trabalho prescrito é um conceito da Psicodinâmica do Trabalho (PDT), aqui analisado em diálogo com o gerencialismo – modelo de gestão associado à precarização do trabalho. Por meio da análise documental, foi categorizado e analisado o conteúdo da descrição de função de editais dos 13 concursos públicos realizados entre 2012 e o 1º semestre de 2022 (data da coleta de dados), que incluíam vaga específica de psicologia organizacional e do trabalho (POT) em autarquias federais. A análise demonstra a presença do gerencialismo no desenho das atividades, em uma atuação com viés adaptativo, no desempenho de atividades técnico-administrativas, em áreas que, em alguma medida, fogem das práticas tradicionais – como saúde, qualidade de vida e segurança no trabalho. Os achados divergem de outros estudos, demonstrando que, no trabalho prescrito, a atividade migra das práticas tradicionais, além de investigar, numa perspectiva crítica, a eventual atuação ético-política do psicólogo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Azevedo Germano Rodrigues, Universidade Católica de Brasília

Lattes

Servidora pública federal, com graduação em Psicologia pela UFRN; Especialização em Inovação e Tecnologias na Educação pela ENAP; Mestrado em Administração, também pela UFRN, com ênfase de pesquisa em gestão estratégica de pessoas. Está cursando Doutorado em Psicologia na UcB. Tem 16 anos de atuação em gestão de pessoas, 12 dos quais no serviço público e 11 em posições de liderança. Por quase 10 anos atuou como docente em diversos âmbitos: Professora Substituta na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Departamento de Psicologia); Professora conteudista nos programas de educação a distância do Instituto Tecnológico Brasileiro (Psicologia do Trabalho e Carreira Técnica em Recursos Humanos); Professora Mestre na Estácio de Sá, em Natal/RN; e Professora convidada no programa de Pós-Graduação da Universidade Potiguar.  Atualmente, é facilitadora do curso "Relações Interpessoais e Feedback", pela Escola Nacional de Administração Pública.

Lêda Gonçalves, Universidade Católica de Brasília

Lattes

Pós-Doutora em Psicossociologia pelo Conservatoire National de Arts et Métiers (CNAM), em Paris. Doutora em Psicologia Organizacional e do Trabalho pela Universidade de Brasília (UnB). Mestre em Educação. Graduada em Pedagogia. Participante do Grupo de Trabalho: "Trabalho, Subjetividade e Práticas Clínicas" da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia (ANPEPP). Docente do programa de pós-graduação em Psicologia da Universidade Católica de Brasília (UCB). Editora da Revista Trabalho (EN) Cena.Temas de pesquisa: Trabalho contemporâneo: uberização, precarização e sentidos do trabalho; Mobilização subjetiva no trabalho; Saúde do trabalhador; Clínica do trabalho e potência para as resistências. Desenvolvimento humano para as diversidades.

Referências

Álvarez Silva, L. A., Estrella Marín, B. M., & Rosas Baldeón, S. M. (2018). Rol del psicólogo organizacional en la gestión de talento humano. Podium, 33, 79–90. https://doi.org/10.31095/podium.2018.33.8

Alves Silva, K. A. S. A., & Faria, B. E. M. (2018). Qualidade de vida no trabalho: A contribuição do psicólogo organizacional. Psicologia e Saúde Em Debate, 4(2), 115–129. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V4N2A7

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Barreto, M. M. (2020, 9 de outubro). Empregos públicos representam 12,1% da força de trabalho no Brasil. Jornal Extra Classe [site]. https://www.extraclasse.org.br/politica/2020/10/empregos-publicos-representam-121-da-forca-de-trabalho-no-brasil/

Bernardo, M. H., Oliveira, F. de, Souza, H. A. de, & Sousa, C. C. de. (2017). Linhas paralelas: as distintas aproximações da Psicologia em relação ao trabalho. Estudos de Psicologia, 34(1), 15–24. https://doi.org/10.1590/1982-02752017000100003

Bresser-Pereira, L. C. (2006). Gestão do setor público: Estratégia e estrutura para um novo estado. In L. C. Bresser-Pereira & P. Spinke (Orgs.), Reforma do estado e administração pública gerencial (pp. 21–28). FGV.

Carnut, P., & Narvai, P. C. (2016). Avaliação de desempenho de sistemas de saúde e gerencialismo na gestão pública brasileira. Saúde e Sociedade, 25(2), 290–305. https://doi.org/10.1590/S0104-12902016144614

Castro, R. N. de, & Sales, M. M. (2017). Os desafios do psicólogo organizacional na realização das atividades que envolvem os processos de seleção de pessoas. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, 2(4), 245–262. http://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/view/15257/11737

Chiavenato, I. (2020). Recursos humanos: O capital humano das organizações (11ª ed.). Atlas.

Conselho Federal de Psicologia. (2022). Resolução CFP nº 03/22 de 16 de março de 2022. Institui condições para concessão e registro de psicóloga e psicólogo especialistas; reconhece as especialidades da psicologia e revoga as Resoluções CFP nº 13, de 14 de setembro de 2007, nº 3, de 5 de fevereiro de 2016, e nº 8, de 25 de abril de 2019. https://www.in.gov.br/web/dou/-/resolucao-n-3-de-16-de-marco-de-2022-386760566

Costa, S. H. B. (2013). Trabalho prescrito e trabalho real. In F. de O. Vieira, A. M. Mendes, & A. R. C. Merlo (Eds.), Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho (pp. 467–471). Juruá.

Decreto nº 9.739/2019, de 28 de março de 2019. (2019). Estabelece medidas de eficiência organizacional para o aprimoramento da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, estabelece normas sobre concursos públicos e dispõe sobre o Sistema de Organização e Inovação Institucional do Governo Federal – SIORG. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/d9739.htm

Dejours, C. (2008). Addendum da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. In S. Lancman & L. I. Sznelwar (Orgs.), Christophe Dejours: Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (2ª ed., pp. 49–106). Paralelo 15.

Dejours, C. (2012). Psicodinâmica do trabalho e teoria da sedução. Psicologia em Estudo, 17(3), 363–371. https:// doi.org/10.1590/S1413-73722012000300002

Dejours, C. (2015). A loucura do trabalho: Estudo de psicopatologia do trabalho. Cortez.

Dejours, C. (2017). O fator humano (5ª ed.). FGV.

Fundação Universidade de Brasília. (2015, 15 de junho). Edital nº 01/2015. Torna pública a realização de concurso público para provimento de cargos de nível superior e de nível intermediário para o seu quadro de pessoal permanente, http://www.cespe.unb.br/concursos/FUB_15_1/arquivos/FUB_1_2015_ED_ABERTURA.PDF

Gaulejac, V. de. (2007). Gestão como doença social: Ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Ideias e Letras.

Gil, A. C. (2019). Métodos e técnicas de pesquisa social (7ª ed.). Atlas.

Han, B. C. (2014). Psicopolítica: Neoliberalismo y nuevas técnicas de poder. Herder.

Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. (2014, 14 de novembro). Edital nº 1/2014. Torna pública a realização de concurso público para ingresso nos cargos de analista executivo em metrologia e qualidade e de assistente executivo em metrologia e qualidade. http://www.idecan.org.br/concursos/197/37_11022015105721.pdf

Lei nº 7.596/1987, de 10 de abril de 1987. (1987). Altera dispositivos do Decreto-lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7596.htm

Lei nº 11.091/2005, de 12 de janeiro de 2005. (2005). Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação, no âmbito das Instituições Federais de Ensino vinculadas ao Ministério da Educação, e dá outras providências, http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11091.htm

Ministério da Economia. (2021, 28 de maio). SIPEC o que é [site]. https://www.gov.br/servidor/pt-br/sipec/o%20que%20e

Ministério da Economia. (2023). Painel estatístico de pessoal [site]. https://www.gov.br/economia/pt-br/acesso-a-informacao/servidores/servidores-publicos/painel-estatistico-de-pessoal

Misoczky, M. C., Abdala, P. R. Z., & Damboriarena, L. (2017). A trajetória ininterrupta da reforma do aparelho de Estado no Brasil: Continuidades nos marcos do neoliberalismo e do gerencialismo. Administração Pública e Gestão Social, 9(3), 184–193. https:// doi.org/10.21118/apgs.v1i3.1306

Oliveira, K. P. de, & Paula, A. P. P. de. (2014). Herbert Simon e os limites do critério de eficiência na nova administração pública. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 19(64), 113–126. https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/12605

Padilha, V. (2009). Qualidade de vida no trabalho num cenário de precarização: A panaceia delirante. Trabalho, Educação e Saúde, 7(3), 549–563. https://doi.org/10.1590/S1981-77462009000300009

Ramos, H. G., & Bonvicini, C. R. (2018). O psicólogo organizacional e a liderança na gestão de pessoas. Psicologia e Saúde em Debate, 4(Suppl1), 83–83. http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/429

Ramos, C. C., Costa, T. D., & Feitosa, I. O. (2017). Mapeamento de incoerências entre competências estabelecidas na formação do psicólogo organizacional e as requeridas pelo mercado de trabalho. Revista Psicologia Organizações e do Trabalho, 17(2), 114–120. https:// doi.org/10.17652/rpot/2017.2.12866

Sampaio, G. dos R., & Batista, R. dos S. (2020). Tempos de Covid-19: As doenças têm história, os trabalhadores também. Mundos do Trabalho, 12, Article e75531. https://doi.org/10.5007/1984-9222.2020.e75531

Silva, N. O., Maranhão, T. L. G., & Nunes, G. C. (2020). Libras um instrumento facilitador: a importância do psicólogo organizacional na inclusão de pessoas surdas dentro das organizações. Id online. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 14(51), 23–39. https://doi.org/10.14295/idonline.v14i51.2534

Silva, N. S. da, Silva, A. K. B. da, Almeida, J. S. P. de, Semensato, M. E., & Alfena, G. S. (2016). Comunicação organizacional, marketing e endomarketing: Ferramentas para o trabalho do psicólogo organizacional. Colloquium Humanarum, 13(n. esp.), 575–581.

Sousa, E. L. A. de, & Veronese, L. G. (2016). Burocracia: A política da indiferença. Revista Polis e Psique, 6(2), 87–108. https://doi.org/10.22456/2238-152X.62400

Universidade Federal de Goiás. (2015, 15 de março). Edital nº 26/2015. Torna público que estarão abertas as inscrições para o concurso público para provimento de vagas nos cargos do quadro de pessoal Técnico-administrativo em educação (TAE), https://centrodeselecao.ufg.br/2015/concurso_ta_ufg/sistema/edital/EDITAL_2015_Retificado5.pdf

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. (2013, 26 de novembro). Edital nº 38/2013. Torna pública a realização de Concurso Público para provimento de cargos Técnico-Administrativos em Educação para o seu quadro permanente, http://www.comperve.ufrn.br/conteudo/concursos/ufrn201338/documentos/Edital0382013_Retificado20140321.pdf

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. (2017, 17 de julho). Edital nº 018/2017. Torna pública a realização de Concurso Público para provimento de cargos Técnico-Administrativos em Educação para o seu quadro permanente, http://www.comperve.ufrn.br/conteudo/concursos/ufrn_201718/documentos/edital_018_20170727.pdf

Universidade Federal Fluminense (2018, 18 de novembro). Edital nº 216/2018. Torna público que estarão abertas as inscrições para Concurso Público destinado ao provimento de vagas em cargos técnico-administrativos em educação, http://www.coseac.uff.br/concursos/uff/2019/pdf/UFF-Edital-216-2018-Edital.pdf

Urt, S. (2016). A produção científica brasileira sobre a teoria e a práxis do psicólogo organizacional e do trabalho na virada do século XXI. Revista Foco, 9(2). https://doi.org/10.21902/jbslawrev.%20foco.v9i2.242

Visc, B., Vasconcelo, E. F., & Pellicioli, E. P. (2017). O psicólogo organizacional e do trabalho na gestão de pessoas: Perspectiva ética como competência primordial. Revista Foco, 10(3), 90–105. https://doi.org/10.21902/jbslawrev. foco.v10i3.165

Zardo, E., & Bedin, L. M. (2016). Gestão de carreira de psicólogos organizacionais. Recape, 6(1), 36–52. https://doi.org/10.20503/recape.v6i1.28022

Downloads

Publicado

2023-10-13

Como Citar

AZEVEDO GERMANO RODRIGUES, A.; GONÇALVES DE FREITAS, L. Lógica gerencial no trabalho prescrito do psicólogo organizacional na esfera federal. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 1437–1453, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.10001060. Disponível em: http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/723. Acesso em: 4 mar. 2024.

ARK