ANÁLISE DO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS RELACIONADO À ASSISTÊNCIA À POPULAÇÃO LGBT

  • Me. Jonas Rodrigo Gonçalves Faculdade Processus - DF (BRASIL)
  • Guilherme Ripardo Lustosa Universidade Paulista (UNIP) - SP
Palavras-chave: LGBT. Saúde do adulto. Saúde pública.

Resumo

Objetivo: Este estudo teve como objetivo analisar o conhecimento de enfermeiros sobre a população LGBT, e sobre a importância da enfermagem no atendimento a este público. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa de caráter exploratório e descritivo, usando-se da abordagem quanti-qualitativa que foi realizada em uma Unidade Básica de Saúde localizada na região administrativa de Santa Maria, no Distrito Federal, com enfermeiros que trabalhavam na Unidade Básica de Saúde. Foi aplicado um questionário em formato de entrevista. Resultados: Observou-se que a maioria dos enfermeiros entrevistados não sabe a diferença entre orientação sexual e identidade gênero, não souberam definir de forma concreta o que é o processo transexualizador, mas no geral apresentaram respostas positivas quanto à importância de a enfermagem estar capacitada para atender a população LGBT e sobre outras questões que a envolvem. Conclusão: Ainda vê-se necessário o investimento em educação continuada desses profissionais para com a o população LGBT, afinal, vários artigos mostram a fragilidade na formação dos enfermeiros sobre sexualidade humana e uma fragilidade ainda maior quando referente à diversidade sexual e de gênero e isso se confirma no desconhecimento da maioria sobre o processo transexualizador e de alguns enfermeiros que afirmaram não conhecer a Política Nacional de Saúde Integral LGBT, afirmaram que orientação sexual e identidade de gênero não são consideradas como determinante e condicionante na situação de saúde de um LGBT, e ainda, um manifestou não se sentir preparado para atender um homem transexual que precise fazer papanicolau/preventivo.

Biografia do Autor

Me. Jonas Rodrigo Gonçalves, Faculdade Processus - DF (BRASIL)

Doutorando em Psicologia; Mestre em Ciência Política, Direitos Humanos e Cidadania; Licenciado em Filosofia e Letras (Português e Inglês); Especialista em Didática do Ensino Superior em EAD, Docência no Ensino Superior, Formação em EAD, Revisão de Texto, Agronegócio e Gestão Ambiental. Professor das faculdades Processus, Unip, Facesa, CNA. Escritor (autor de 61 livros didáticos). Revisor. Editor.

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Caderno de atenção Básica nº26. Brasília/DF – 2010. Acesso em 10 de março de 2018. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/biblioteca.php?conteudo=publicacoes

2. Brasil. Governo do Estado de São Paulo. Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, Coordenação de Políticas Para a Diversidade Sexual. Cartilha Diversidade Sexual e a Cidadania LGBT. São Paulo – 2014. Acesso em 12 de março de 2018. Disponível em: http://www.recursoshumanos.sp.gov.br/lgbt/cartilha_diversidade.pdf

3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Cartilha Cuidar Bem da Saúde de Cada Um: Atenção Integral à Saúde da População Trans. Brasília/DF – 2016. Acesso em 12 de março de 2018. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cuidar_bem_saude_populacao_trans.pdf

4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília/DF – 2013. Acesso em 14 de março de 2018. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_lesbicas_gays.pdf

5. Oliveira SR, Santos MM, Santos RAS, Correia SA, Afonso TM. O Enfermeiro da Estratégia de Saúde da Família e o Cuidado à População LGBT. Congresso Internacional de Enfermagem; 2017 May 9-12; Universidade Tiradentes (UNIT). Aracaju/SE: Maria Inês Brandão Bocardi; 2017.

6. Alves CMR. O papel da enfermagem no rompimento dos preconceitos LGBT nos serviços de saúde. 16º Congresso Nacional de Iniciação Científica; 2016 Nov 25-26; Faculdade Eniac. Guarulhos; 2016.

7. Matoso LML. O papel da enfermagem diante da homossexualidade masculina. Saúde (Santa Maria). 2014; 40(2): 27-34.

8. Lionço T. Que direitos à saúde para a população GLBT? Considerando direitos humanos, sexuais e reprodutivos em busca da integralidade e da equidade. Saúde e Sociedade. 2008; 17(2): 11-21.

9. Araujo LM, Penna LHG. A relação entre sexo, identidades sexual e de gênero no campo da saúde da mulher. Revista Enfermagem UERJ. 2014; 22(1): 134-138.

10. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Transexualidade e travestilidade na saúde. Brasília/DF – 2015.

11. Popadiuk GS, Oliveira DC, Signorelli MC. A Política nacional de saúde integral de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT) e o acesso ao processo transexualizador no sistema único de saúde (SUS): avanços e desafios. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22(5): 1509-1520.

12. Brasil. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2007.

13. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.820/GM, de 13 de agosto de 2009. Dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde. Diário oficial da República Federativa do Brasil. 2009 ago. 14; Seção 1. p 1-4.

14. Silva LKM, Silva ALMA, Coelho AA, Martiniano CS. Uso do nome social no Sistema Único de Saúde: elementos para o debate sobre a assistência prestada a travestis e transexuais. Revista de Saúde Coletiva. 2017; 27(3): 835-846.

15. Rocon PC, Rodrigues A, Zamboni J, Pedrini MD. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; 21(8): 2517-2525.

16. Lara LAS, Abdo CHN, Romão APMS. Transtornos da identidade de gênero: o que o ginecologista precisa saber sobre transexualismo. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2013; 35(6): 239-42.

17. Silva BO, Brandt DB. Controle do câncer rumo ao arco-íris. O Social em Questão. 2017; 38: 57-76.

18. Silva CJC, Andrade CAA, Abreu PD, Pires AM, Araujo EC. A transexualidade no contexto da enfermagem: uma revisão integrativa. V Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades 2017; Salvador. Bahia: Editora Realize; 2017.

19. Cavalcanti AC, Nascimento LC, Medeiros HHA, Nunes ASR, Barrêto AJR. Acolhimento nos Serviços de Saúde à População LGBT: Uma Revisão Integrativa. Revista do Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde. 2016; 01(01): 01- 09.

20. Borges CA, Souza M. Saúde das travestis: um desafio para a enfermagem. In: XVI Simpósio de Ensino, Pesquisa e Extensão: Aprender e empreender na educação e na ciência; 2012; Centro Universitário Franciscano – UNIFRA; Santa Maria/RS, 2012. p. 1-8.

21. Cardoso MR, Ferro LF. Saúde e População LGBT: demanda e especificidades em questão. Psicologia: ciência e profissão. 2012; 32(3): 552-563.

22. Cirino LEB, Ferreira DS. Evidências sobre atitudes de estudantes e profissionais de saúde relacioAnadas às pessoas LGBT. Amazonas: Universidade do Estado do Amazonas; 2018.
23. Bilgic D, Daglar G, Sabanciogullari S, Ozkan SA. Attitudes of midwifery and nursing students in a Turkish university toward lesbians and gay men and opinions about healthcare approaches. J Nurs Educ Pract. 2018; 29: 179-184.

24. Nogueira IS, Rodrigues DMMR, Labegalini CMG, Lopes MCL, Baldissera VDA. A percepção e formação dos acadêmicos de enfermagem acerca da sexualidade humana. J. res.: fundam. care. online. 2017; 9(3): 614-619.

25. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 457, de 19 de agosto de 2008. Aprova a regulamentação do Processo Transexualizador no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 20 ago. 2008. Seção 1.

26. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.803, de 19 de novembro de 2013. Redefine e amplia o Processo Transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília (DF), 21 nov. 2013. Seção 1, p. 25.

27. Arán M, Murta D, Lionço T. Transexualidade e saúde pública no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2009; 14(4): 1141-1149.

28. Sampaio LLP, Coelho MTÁD. Transexualidade: aspectos psicológicos e novas demandas ao setor saúde. Interface - Comunic., Saude, Educ. 2012; 16(42): 637-49.

29. Mott L, Michels E, Paulinho. Mortes violentas de LGBT no Brasil: Relatório 2017. Salvador; Grupo Gay da Bahia, 2017.

30. Querino MS, Almeida SS, Oliveira SCS, Umann J, Filho IMM. Ações da equipe de enfermagem na implementação da política de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais- revisão de literatura. Rev. Cient. Sena Aires. 2017; 6(1): 46-58.

31. Rolim AGF, Brito FL, Moreira ASS, Nascimento MD. Realidade de um serviço de média complexidade, para o público LGBT voltado para a atenção à saúde sexual e reprodutiva da população. Extramuros Revista de Extensão da UNIVASF. 2016; 4(2): 138-146.
Publicado
2019-10-28
Como Citar
Gonçalves, M. J. R., & Guilherme Ripardo Lustosa. (2019). ANÁLISE DO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS RELACIONADO À ASSISTÊNCIA À POPULAÇÃO LGBT. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 2(5), 226-239. Recuperado de http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/81