A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EFICAZ NO ATENDIMENTO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

  • Me. Jonas Rodrigo Gonçalves Faculdade Processus - DF (BRASIL)
  • Ana Gabriela Neves Silvano Universidade Paulista (UNIP) - SP
Palavras-chave: Surdez. Comunicação. Linguagem de Sinais. Acesso à Saúde.

Resumo

Objetivos: O estudo teve o objetivo de analisar a importância da comunicação eficaz entre deficiente auditivo e profissionais de saúde e entender como os deficientes auditivos se comunicam. Metodologia: Este é um trabalho de estudo exploratório descritivo e qualitativo, realizado por meio de uma revisão integrativa da literatura, no período de 2009 a 2018, mediante buscas em base de dados virtuais em saúde, no Scientific Electronic Library Online (SciELO), Sistema Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (LILACS) e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS – BIREME). Resultados: Os resultados encontrados evidenciam que a assistência para pacientes com deficiência auditiva é um problema, devido à grande barreira da comunicação. Conclusão: Diante dos estudos foi observado que grande parte de os profissionais de saúde não estão capacitados para atenderem pacientes com deficiência auditiva. É de responsabilidade legal e ética dos profissionais de saúde proporcionar a assistência adequada para os usuários surdos que se comunicam por meio da Libras.

Biografia do Autor

Me. Jonas Rodrigo Gonçalves, Faculdade Processus - DF (BRASIL)

Doutorando em Psicologia (Cultura Contemporânea e Relações Humanas); Mestre em Ciência Política (Direitos Humanos, Políticas Públicas e Cidadania); licenciado em Filosofia e em Letras (Português/Inglês); professor das faculdades Processus (DF), Unip (SP), Sena Aires (GO) e CNA (DF). CV:http://lattes.cnpq.br/6904924103696696. OrcidID: http://orcid.org/0000-0003-4106-8071. E-mail: professorjonas@gmail.com.

Referências

1. Brasil. Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência Brasília: decreto Nº 3.298; 1999. Acesso em 04 de maio 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm.
2. Brasil. Prioridade de atendimento e estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. Brasília: decreto Nº 5296; 2004. Acesso em 04 de maio 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20042006/2004/Decreto/D5296.htm#art4ii.
3. World Health Organization (OMS). Deafness and hearing impairment. Geneva; 2012. Acesso em 07 de maio de 2018. Acesso em 07 de maio 2018. Disponível em: http://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/deafness-and-hearing-loss.
4. Barbosa MA, Oliveira MA, Siqueira KM, Damas KCA, Prado MA. Linguagem Brasileira de Sinais – Um desafio para a assistência de enfermagem. Rio de Janeiro: Rev Enferm – UERJ; 2003; 11(3):247–51. Acesso em 11 de maio 2018. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v11n3/v11n3a02.pdf.
5. Silva MF, Silva MJP. A auto-estima e o não–verbal dos pacientes com queimaduras. São Paulo: Rev Esc Enferm USP; 2004; 38(2):206 - 16. Acesso em 11 de maio 2018. Disponível em: http//:dx.doi.org/10.1590/S0080-62342004000200012.
6. Corrêa CS, Pereira LAC, Barreto LS, Celestino PPF, André KM. O despertar do enfermeiro em relação ao paciente portador de deficiência auditiva. Rio de Janeiro: Rev Pesqui Cuid Fundam UNIRIO; 2010, 2(2):758-69. Acesso em 17 de maio 2018. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/490/pdf_14.
7. Chaveiro N, Barbosa AB. Assistência ao surdo na área de saúde como fator de inclusão social. São Paulo: Rev Esc Enferm USP; 2005; 39(4):417-22. Acesso em 17 de maio 2018. Disponível em: http://www.ee.usp.br/reeusp/upload/pdf/62.pdf.
8. Magrini AM, Santos TMM. Comunicação entre funcionários de uma unidade de saúde e pacientes surdos: um problema? São Paulo: Distúrb Comum; 2014; 26(3): 550-558. Acesso em 20 de maio 2018. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/dic/article/view/14880/152.
9. .Treinta FT, Filho JRF, Sant’Anna AP, Rabelo LM. Metodologia de pesquisa bibliográfica com a utilização de método multicritério de apoio à decisão. Rio de Janeiro: Produção, 2012. Acesso em 20 de out. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prod/2013nahead/aop_prod0312.pdf.
10. Soares CB, Hoga LAK, Peduzzi M, Sangaleti C, Yonekura T, Silva DRAD. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. São Paulo: Rev Esc Enferm USP; 2014; 48(2):335-45. Acesso em 20 de out. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48n2/pt_0080-6234-reeusp-48-02-335.pdf
11. Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Florianópolis: Texto Contexto Enferm UFSC; 2008; 17(4): 758-84. Acesso em 21 de out. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v17n4/18.pdf.
12. Oliveira YCA, Celino SDM, Costa GMC. Comunicação como ferramenta essencial para assistência à saúde dos surdos. Rio de Janeiro: Physis Revista de Saúde Coletiva; 2015; 25 [ 1 ]: 307-320. Acesso em 28 de out. 2018. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/physis/2015.v25n1/307-320/pt.
13. Brito FR, Samperiz MMF. Dificuldades de comunicação e estratégias utilizadas pelos enfermeiros e sua equipe na assistência ao deficiente auditivo. São Paulo: Rev Einsten, 2010; 8(1 Pt 1):80-5. Acesso em 28 de out. 2018. Disponível em: http://apps.einstein.br/revista/arquivos/pdf/1339-Einsteinv8n1_p80-85_port.pdf.
14. Costa LSM, Almeida RCN, Mayworn MC, Alves PTF, Bulhões PAM, Pinheiro VM. O atendimento em saúde através do olhar da pessoa surda: avaliação e propostas. Rio de Janeiro: Rev Bras Clin Med UFF; 2009; 7:166-170. Acesso em 28 de out. 2018. Disponível em: http://www.sbcm.org.br/revistas/RBCM/RBCM-2009-03.pdf#page=17.
15. Pires HF, Almeida MAPT. A percepção do surdo sobre o atendimento nos serviços de saúde. Bahia: Revista Enfermagem Contemporânea; 2016, Jan.-Jun.;5(1):68-77. Acesso em 28 de out. 2018. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/912/650.
16. Silva NGPS, Andrade EGS. Comunicação eficaz através da língua brasileira de sinais do profissional de enfermagem com os deficientes auditivos. Goiás: Rev Inic Cient e Ext REIcEn; 2018, Jul-Set; 7(1): 11-7. Acesso em 28 de out. 2018. Disponível em: http://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/36/3.
17. Giustina FPD, Carneiro DMN, Souza RM. A enfermagem e a deficiência auditiva: assistência ao surdo. Brasília: Rev Saúde Faciplac, 2015, Jan-Dez; v. 2, n. 1. Acesso em 29 de out. 2018. Disponível em: http://revista.faciplac.edu.br/index.php/RSF/article/view/101/57.
18. Oyama SMR, Terceiro FABM, Parazzi LC. Comunicação do enfermeiro docente na assistência a pessoas cegas e surdas. São Paulo: Rev CuidArt, 2017, Jan.-Jun.; 11(1): 78-85. Acesso em 01 dez. 2018. Disponível em: http://www.webfipa.net/facfipa/ner/sumarios/cuidarte/2017v1/11%20Artigo%20ComuComu%C3%A7%C3%A3o%20do_Enfermeiros%20%20docente%20pessoas%20cegas%20e%20ou%20surdas.pdf.
19. Brasil. Princípios do SUS, Ministério da Saúde. 2013. Acesso em 29 de out. 2018. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/sistema-unico-de-saude/principios-do-sus.
20. Araujo PS. Concepção dos surdos acerca da comunicação com os profissionais de saúde. Campina Grande, UEPB. 2014. Acesso em 29 de out. 2018. Disponível em: http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/9358.
Publicado
2019-11-07
Como Citar
Gonçalves, M. J. R., & Neves Silvano, A. G. (2019). A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EFICAZ NO ATENDIMENTO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 2(5), 267-279. Recuperado de http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/84