SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO NO SETOR DE ONCOLOGIA

  • Debora Adriana Ramos Universidade Paulista (UNIP) - SP
  • Luzia Luana Mesquita Pessôa Universidade Paulista (UNIP) - SP
Palavras-chave: Saúde Mental. Enfermagem. Oncologia. Sofrimento.

Resumo

Objetivo: Analisar de que forma é trabalhada a saúde mental do enfermeiro que presta assistência na área de oncologia e quais as estratégias de confrontação desenvolvidas e utilizadas para suportar o estresse, sofrimento e morte presentes no ambiente de trabalho. Métodos: trata-se de uma revisão integrativa da literatura realizada a partir da seleção de artigos nas bases de dados BDENF, LILACS e SciELO. Como critérios de inclusão para a seleção da amostra foram utilizados: artigos originais, publicados no idioma português e entre o período de 2014 a 2019. Diante disso, foram selecionados 18 artigos para análise, interpretação, discussão e estruturação deste artigo. Resultados: agruparam-se para discussão nas seguintes categorias: saúde mental do enfermeiro e fatores que influenciam; as estratégias de enfrentamento mais utilizadas por enfermeiros da oncologia. Conclusão: verificou-se desafios na manutenção da saúde mental do enfermeiro e no desenvolvimento de estratégias de enfrentamento. Evidenciando que a atualização profissional, capacitação e a busca por apoio psicológico são instrumentos de ajuda eficazes.

Biografia do Autor

Debora Adriana Ramos, Universidade Paulista (UNIP) - SP

Mestranda em Piscologia pela Universidade Católica de Brasília, UCB/DF, Brasil. Possui graduação em Psicologia pela Universidade Paulista (2010). Atualmente é aae do Ministério da Educação e professor da Universidade Paulista. Tem experiência na área da Psicologia Organizacional, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Psicanálise, Educação Inclusiva, Psicomotricidade, Psicologia Hospitalar, Neurociências e Psicologia do Esporte

CV: http://lattes.cnpq.br/8157104994909882

Referências

1. Ayalaa ALM; Feliciob ACR; Pachão J. Sofrimento dos profissionais que atuam no setor de oncologia em um hospital público de Joinville. Rev de atenção à saúde. [Internet] 2017. [Citado em 2019 abr 05] Disponível em: seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/view/4376.

2. Oliveira PP; et al. ESGOTAMENTO PROFISSIONAL E TRANSTORNOS MENTAIS COMUNS EM ENFERMEIROS ONCOLÓGICOS. Rev de enfermagem UFPI. [Internet] 2018. [Citado em 2019 abr 05] Disponível em:
https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/234712/29941.

3. Guimarães TM; et al. Cuidado paliativo em oncologia pediátrica na formação do enfermeiro. Rev Gaúcha Enferm. 2017. [Citado em 2019 abr 05 ] mar;38(1):e65409 doi: http://dx.doi. org/10.1590/1983-1447.2017.01.65409. Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472017000100408&lang=pt.

4. Rainho M. C; et al. (2015). [Citado em 2019 abr 5]. Validação da Escala de Stress Profissional em Enfermeiros. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental (14), 48-54.

5. Bastos RA; et al. (2017) [Citado em 2019 abr 05] Vivências dos enfermeiros frente ao processo de morrer: uma metassíntese/ qualitativa. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental (17), 58-64.

6. Luz KR; et al. Coping strategies for oncology nurses in high complexity. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016;69(1):59-63. [ Citado em 2019 nov 15] DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690109i.

7. Alencar DC; et al. Feelings of nurses who work with cancer patients in terminal phase. Rev Fun Care Online. 2017 out/dez; 9(4): 1015-1020. DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i4. 1015-1020.

8. Ferreira M. & Ferreira C. (2014) [ Citado em 2019 nov 15]. Carga mental e carga psíquica em profissionais de enfermagem. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental (Ed. Esp. 1), 47-52.

9. Bastos RA; Quintana AM; Carnevale F. Angústias Psicológicas Vivenciadas por Enfermeiros no Trabalho com Pacientes em Processo de Morte: Estudo Clínico-Qualitativo. Trends Psychol., Ribeirão Preto, vol. 26, nº 2, p. 795-805 - Junho/2018. DOI: 10.9788/TP2018.2-10Pt.

10. Viero V; et al. (2017) [Citado em 2019 nov 15]. Oncologia pediátrica: estratégias defensivas no trabalho. Esc Anna Nery 2017;21(4):e20170058. DOI: 10.1590/2177-9465-EAN-2017-0058.

11. Dias MV; et al. (2014) [Citado em 2019 nov 15]. Formação do enfermeiro em relação ao processo de morte-morrer: percepções à luz do pensamento complexo. Rev Gaúcha Enferm. 2014 dez;35(4):79-85, DOI: http://dx.doi.org/10.1590/19831447.2014.04.45177.

12. Lima MJV; Andrade NM. (2017) [Citado em 2019 nov 15] A atuação do profissional de saúde residente em contato com a morte e o morrer. Saúde Soc. São Paulo, v.26, n.4, p.958-972, 2017. DOI 10.1590/S0104-12902017163041.

13. Silva R; Lage I; & Macedo, E. (2018) [Citado em 2019 nov 15]. Vivências dos enfermeiros sobre morte e morrer em cuidados intensivos: Uma reflexão fenomenológica. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental (20), 34-42. doi: 10.19131/rpesm.0224.

14. Rojas FR; et al. Psychosocial risks noted by oncology workers related to their quality of life. Rev Bras Enferm. 2019;72(4):854-60. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-083.

15. Silva M.M; et al. [Citado em 2019 nov 15]. Cuidados paliativos oncológicos: percepção de enfermeiros. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 19(3) Jul-Set 2015. DOI: 10.5935/1414-8145.20150061.

16. Silva VR; Velasque LS; Tonini T. Job satisfaction in an oncology nursing team. Rev Bras Enferm [Internet]. 2017;70(5):988-95. [Thematic Edition “Good practices and fundamentals of Nursing work in the construction of a democratic society”] DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0422 [Citado em 2019 nov 15].

17. Lopera MA. Nursing care of patients during the dying process: a painful professional and human function. Invest Educ Enferm. 2015; 33(2): 297-304 [Citado em 2019 nov 15].

18. Santos NAR; et al. Estresse ocupacional na assistência de cuidados paliativos em oncologia. Cogitare Enferm. (22)4: e50686, 2017. Disponivel em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/50686.

19. Alencar DC; et al. Sentimentos de enfermeiros que atuam junto a pacientes com câncer em fase terminal. Rev Fun Care Online. 2017 out/dez; [ Citado em 2019 nov 15] 9(4): 1015-1020. DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i4. 1015-1020.

20. Silva, S. M; et al. (2016) [Citado em 2019 nov 15]. Relação entre resiliência e burnout: Promoção da saúde mental e ocupacional dos enfermeiros. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental (16), 41-48.

Bordignon M; et al. (2015) [Citado em 2019 nov 15]. Satisfação e insatisfação no trabalho de profissionais de enfermagem da oncologia do brasil e portugal. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2015 Out-Dez; 24(4): 925-33. http://dx.doi.org/10.1590/0104-0707201500004650014
Publicado
2019-11-26
Como Citar
Ramos, D. A., & Mesquita Pessôa, L. L. (2019). SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO NO SETOR DE ONCOLOGIA. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 2(5), 348-359. Recuperado de http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/91