ARTE TERAPIA COMO DISPOSITIVO DE TRATAMENTO PARA PESSOA COM DIAGNÓSTICO DE ESQUIZOFRENIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.4284017

Palavras-chave:

Arteterapia. Esquizifrenia. Reintegração social.

Resumo

Introdução:Arte-terapia como dispositivo de tratamento para pessoa com diagnóstico de esquizofreniatem levado diversos benefícios aos pacientes, pois o poder terapêutico da arte está na integração entre o fazer e o sentir, levando a pessoa apropriar de seus conteúdos, promovendo não só o conhecimento do seu sofrimento, mas principalmente das suas possibilidades de recuperação. Objetivo: Identificar os benefícios da arte terapia no processo de cuidado a pessoa com diagnóstico de esquizofrenia. Materiais e Métodos: A construção deste estudo se constituiu através de uma revisão integrativa de literatura onde foram pesquisados 10 artigos cujo os métodos abordados eram a arteterapia como tratamento paliativo em pacientes com esquizofrenia.Resultados e Discussão: Constatou-se que a arteterapia tem ajudado bastante no tratamento de pacientes com diagnósticos de esquizofrenia obtendo uma resposta positiva no seu quadro psiquico.Conclusão: Essa arte veio para trazer uma nova concepção, onde o profissional quebra o paradigma em que ele vê o paciente como um problema da sociedade, e passa a entende-lo e ajuda-lo a se perceber e responder de forma positiva aos objetivos esperados.

 

Biografia do Autor

Julianna Porto Sousa, FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.

Orcid: https://orcid.org/0000-0003-0921-2213
E-mail: juliannafelix32@gmail.com


Erci Gaspar da Silva Andrade Erci Gaspar da Silva Andrade, FACESA-Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, FACESA, Brasil.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/5310692836496349
Orcid: https://orcid.org/0000-0002-3223-0041
E-mail: ercigaspar@senaaires.com.br

Referências

CIORNARI S. PERCUSOS EM ARTETERAPIA: Arteterapia e educação; Arteterapia e Saúde. São Paulo. Editora ABBA, 2005.

MANUAL DIAGNÓSTICO E ESTATÍSTICO DE TRANSTORNOS MENTAIS - DSM-V. American PsychiatricAssociation (APA). Artmed Editora, 1 de jan de 2014 – pag.392.

CIORNAI, S. (org.). Percursos em Arteterapia: ArteterapiaGestaltica, Arte em Psicoterapia, Supervisão em Arteterapia. São Paulo: Summus, 2004.

PAÏN, S.; JARREAU, G. Teoria e técnica da arte-terapia: a compreensão do sujeito. Porto alegre: Artmed, 2002.

BARBOSA, Ana Mae. Arte Terapia. Palestra de abertura Congresso Internacional de Arte Terapia, Madri, 2003.

COQUEIRO, Neusa Freire, Francisco Ronaldo Ramos Vieira, Marta Maria Costa Freitas. Arteterapia como dispositivo terapêutico em saúde mental. Fortaleza, Abril de 2010.

BASSO, Fabrício Siqueira. A terapia gestálica como instrumento na clínica individual com clientes que estão esquizofrênicos. Revista IGT na Rede, V.8, N.15, 2011.

FILHO, Julio Manoel dos Santos, Virgínia Elizabeth Suassuna Martins Costa. Encontrando um modo de ser esquizofrênico: arte e técnica na gestal-terapia, 2016.

FONSECA, Annelise Nani da Fonseca, Cícero Marcelo Félix Junior, Geovana Barboza da Silva Gregório, Rute Grossi Milani, Vivian Moreno Corradini. Aplicação da arteterapia com usuários esquizofrênicos de um caps a partir da visão winnicottiana. VIII EPCC, UNICESUMAR, Out 2013.

VASCONCELLOS, Erika Antunes, Joel Sales Giglio. Introdução da arte na psicoterapia: enfoque clínico e hospitalar. Estudo de Psicilogia, Campinas, 2007.

Salgado, J. V., Hetem, L. A., &Sandner, G. (2006). Modelos experimentais de esquizofrenia – uma revisão. Revista Brasileira Psiquiatria, pag. 135-141.

Ey, H., Bernard, P., &Brisset, C. (2005). As psicoses esquizofrênicas. In Manual de psiquiatria (pp. 535-615). Rio de Janeiro: Masson.

Pull, C. (2005). Diagnóstico da esquizofrenia: uma revisão. In M. Maj& N. Sartorius (Orgs.), Esquizofrenia (pp. 13-70). Porto Alegre: Artmed.

.BRASIL, Ministerio da saúde. World Health Organizations: RELATORIO MUNDO DA SAÚDE. Saúde Mental: nova concepção, nova esperança. 1° ed. Lisboa, Abril de 2005.

SUEUR LE, SYLVIO. Arteterapia: Benefícios e a quem se destina. Disponível em :<http://www.arteterapia-ubatuba.com.br/arteterapia-beneficios.html>. Acesso: 10 de Mar de 2017.

BILBAO, GiulianaGnatos Lima, Vera Engler Cury. O artista e sua arte: um estudo fenomenologico. Pontificia Universidade Católica de Campinas, Paidéia, 2006.

ARAUJO, Marcio Flavio Moura, Ana Claudia Silva Lemos, Carolina Maria de Lima Carvalho. O relacionamento terapêutico no cuidade dispensado a um esquizofrênico: narrativas de um diário de campo, 2007.

HAINZ, Carine Goto, Abílio Costa-Rosa. A oficina terapêutica como intercessão em problematicas de sujeitos constituídos por foraclusão. Psicologia em Estudo, Maringá, V.14, N.2, Abril de 2009.

MATOS, Evandro Gomes de. et al; REV PSIQUIATR RS. A importancia e as limitaçes do uso do dsm-iv na praticaclinica: Artigo de revisao. Rs, 2005. 7 p.

MELO, Walter. Nise da Silveira e o campo da Saúde Mental (1944-1952): contribuições, embates e transformações. Mnemosine, v. 5, n. 2, p.30-52, 2009.

MENDES, Karina Dal Sasso, Renata Cristina de Campos Pereira Silveira, and Cristina Maria Galvão. "Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem." Texto & Contexto-Enfermagem 17.4 (2008): 758-764.

REIS, Arteterapia: a arte como instrumento no trabalho do psicólogo. CESUSC. 2014.

SANTAROSA, Liandra, Luis Gustavo Nolasco de Souza Ferro, Neliane Catarina Simioni, Audre Cristina Alberguini. Arteterapia – O desenvolver da expressão em pessoas com transtornos mentais. XVI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste, São Paulo, Maio de 2011.

SANTOANTONIO, Jacqueline, Andrés Eduardo Aguirre Antúnez. Ateliê de desenho e rorschach: estudo fenômeno-estrutural. Abril 2010.

WERNECK, Braz. Terapia cognitiva da esquizofrenia: reconstruções a partir da fenomenologia. Vol.15, N.4, Abril de 2010.

Publicado

2020-11-21

Como Citar

Sousa, J. P. ., & Erci Gaspar da Silva Andrade, E. G. da S. A. (2020). ARTE TERAPIA COMO DISPOSITIVO DE TRATAMENTO PARA PESSOA COM DIAGNÓSTICO DE ESQUIZOFRENIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, 3(7), 667–675. https://doi.org/10.5281/zenodo.4284017