CONSEQUÊNCIAS PSICOLÓGICAS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUE SOFRERAM ABUSO SEXUAL: A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGE

  • Me. Jonas Rodrigo Gonçalves Faculdade Processus - DF (BRASIL)
  • Ana Flavia Lopes dos Santos Universidade Paulista (UNIP) - SP
Palavras-chave: Violência Sexual Infantil. Saúde Mental. Assistência de Enfermagem.

Resumo

O tema deste artigo é: consequências psicológicas em crianças e adolescentes que sofreram abuso sexual: a assistência de enfermagem. Investigou-se o seguinte problema: como o enfermeiro pode contribuir ao minimizar sequelas psicológicas de crianças e adolescentes que sofreram abuso sexual? Cogitou-se a seguinte hipótese: a maioria dos profissionais de enfermagem não estão aptos para responder com destreza a situações que necessitam envolvimento psicológico. O objetivo geral é analisar a capacitação do enfermeiro ao prestar cuidado em saúde mental com crianças e adolescentes. Os objetivos específicos são: Identificar os sinais e sintomas de uma violência sexual apresentados na criança e adolescentes, listar diferentes atuações que o enfermeiro pode exercer frente ao trauma de um abuso e apontar formas de prevenir futuros casos de abuso sexual infantil. Este trabalho é importante em uma perspectiva individual devido a necessidade que o enfermeiro tem em desenvolver ações inovadoras para prevenir e manter um bom crescimento e desenvolvimento, visando a reabilitação da saúde, física, psicológica e emocional; para a ciência, é relevante por proporcionar a compreensão da vivência do processo científico de cuidar da criança diante de um fenômeno tão importante, além disso permite buscar aprimorar técnicas que estão deixando de ser eficazes; agrega à sociedade pelo fato de incentivar a população na cooperação da terapêutica incluindo a voz ativa dos usuários. Trata-se de uma pesquisa qualitativa teórica com duração de quatro meses.

 

Biografia do Autor

Me. Jonas Rodrigo Gonçalves, Faculdade Processus - DF (BRASIL)

Doutorando em Psicologia; Mestre em Ciência Política, Direitos Humanos e Cidadania; Licenciado em Filosofia e Letras (Português e Inglês); Especialista em Didática do Ensino Superior em EAD, Docência no Ensino Superior, Formação em EAD, Revisão de Texto, Agronegócio e Gestão Ambiental. Professor das faculdades Processus, Unip, Facesa, CNA. Escritor (autor de 61 livros didáticos). Revisor. Editor.

Referências

ALBUQUERQUE, Lêda Maria et al. Terminologia da Enfermagem caracterizadora da violência doméstica contra crianças e adolescentes. Brasilia: Revista Brasileira de Enfermagem, 2015. 452 p. v. 68. Disponível em:
. Acesso em: 28 out. 2017.

AMARAL, Ana Paula; SAMPAIO, Josiane Uchoa. Depressão e ideação suicida na adolescência: implementação e avaliação de um programa de intervenção. São Paulo, 2017.

ANTONI, Clarissa; YUNES, Maria Angela Mattar; HABIGZANG Luisa, KOLLER Sílvia Helena. Abuso sexual extrafamiliar: percepções das mães das vítimas. Estudos de Psicologia. Campinas 28(1) Janeiro – Março 2011, p.98-104.

BOTEGA, Neury José. Crise Suicida: avaliação e manejo. Porto Alegre: Artmed, 2015. P. 302.

Botega, 2016 FAZER

BRAGA, Luiza Lima; DELL’ AGLIO, Débora Dalbosco. Suicídio na adolescência: fatores de risco, depressão e gênero. Porto Alegre – RS, 2013.

BRASIL, Código Civil Lei Nº 8.069, de 13 de Jul. de 1990. Disponível em <
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm>. Acesso em 21 de set. 2017.

BRASIL, Ministério da Saúde Portaria Nº 1,968, de 25 de Out. de 2001. Disponível em .html>. Acesso em 22 de set. 2017.

CAMPOS, Rosana Onocko et al. Saúde mental na atenção primária à saúde: estudo avaliativo em uma grande cidade brasileira. Campinas SP, 2019.

CANETE, Ingrid. Adolescente Cristal: como entender, acolher e apoiar as novas gerações. Porto Alegre: Besourobox, 2016.

DUPAS, Gisele; OLIVEIRA, Irma; Costa, Terêsa Neumann Alcoforado. A importância do interacionismo simbólico na prática de enfermagem. Rev Esc Enferm USP 1997 ago; 31(2): 219-26.

FLORENTINO, Bruno Ricardo Bérgamo. As possíveis consequências do abuso sexual praticado contra crianças e adolescentes. São João Del Rei: Fractal: Revista de Psicologia, 2015. 139 p. v. 27. Disponível em: . Acesso em: 19 jul.2017.

GARBIN, Cléa Adas Saliba et al. Desafios do profissional de saúde na notificação da violência: obrigatoriedade, efetivação e encaminhamento. Rio de Janeiro: Revista Ciência e Saúde Coletiva, 2015. 13 p. Disponível em:
. Acesso em: 21 set. 2017.

HABIGZANG, Luísa Fernanda; RAMOS, Michele Silva; KOLLER, Sílvia Helena. A revelação de abuso sexual: as medidas adotadas pela rede de apoio. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Out-Dez 2011, Vol. 27 n. 4, p.467-473.

LAWDER, Isabelli Belli; TAKAHASHI, Meizi Missora; OLIVEIRA, Vanessa Bertoglio Comassetto Antunes. A abordagem do enfermeiro aos casos de violência sexual contra a criança. Curitiba – PR, 2016)

MAGALHÃES, Maria Lourdes Caltabiano et al. O profissional de saúde e a violência na infância e adolescência. Revista Femina. Out 2009, vol. 37, n. 10, p.548-551.

MALGARIM, Bibiana Godoi; BENETTI, Silvia Pereira Cruz. O abuso sexual: estudos de casos em cenas incestuosas. Estudos de Psicologia. Campinas 28(4) Outubro – Dezembro 2001, p.511-519.

MENDES, Elena Carla Batista et al. A enfermagem no contexto da violência doméstica na infância: revisão integrativa. Santa Fé do Sul: Revista Funec Científica, 2016. 2 p. v. 5. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2017.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica de Saúde da Mulher. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes: norma técnica. 3a ed. Brasília: Editora MS; 2011

MIRANDA, Francisco Arnoldo Nunes et al. Percepção de alunos de graduação em enfermagem sobre o processo da reforma psiquiátrica no Brasil. Rev. enferm. UERJ. v. 18, n. 2, 2010.

OLIVEIRA, Franciele Augusto. Conduta do Enfermeiro em Casos de Violência Infantil. 2016. 22 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Enfermagem) – Faculdade de Educação e Meio Ambiente (FAEMA), Ariquemes, 2016.

OMS. WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). 2010. Participant manual – IMAI One-day Ori- entation on Adolescents Living with HIV Geneva. Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/publications/2010/9789241598972_eng.pdf. Acesso em: 10/05/2010.

PAIXÃO, Gilvânia Patrícia do Nascimento et al. Violência intrafamiliar contra criança: atribuições do profissional de enfermagem. Vitória da Conquista: C&D-Revista Eletrônica da Fainor, 2013. 28 p. Disponível em:
. Acesso em: 30 out. 2017.

PFEIFFER, Luci; SALVAGNI, Edila Pizzato. Visão atual do abuso sexual na infância e adolescência. J Pediatr (Rio J). 2005; 81(5 Supl):S197-S204.

PFEIFFER, Luci; WAKSMAN, Renata. Violência na Infância e Adolescência. Manual de Segurança da Criança e do Adolescente, Sociedade Brasileira de Pediatria. São Paulo, 2004;195-267.

REZENDE, Stéfany Jaqueline. As cicatrizes: Impactos na vida adulta do abuso sexual infantil. Anápolis: Revista Raízes No Direito,2013. 14 p. Disponível em:
. Acesso em: 15 set. 2017.

ROCHA, Ana Carolina. Perfil epidemiológico dos casos de violência infantil em escolas de ensino básico. Araçatuba: UNESP, 2015. 8 p. Disponível em:
. Acesso em: 15 nov. 2017.

RODRIGUES, Juliana Luiz; BRINO, Rachel Faria; WILLIAMS, Lúcia Cavalcanti Albuquerque. Concepções de sexualidade entre adolescentes com e sem histórico de violência sexual. Paideia. 2006; 16:229–40.

SÁ, Carla Maria Queiroz de; et al. Abuso sexual infantil e suas consequências na vida adulta da mulher – uma abordagem reflexiva. Mostra Interdisciplinar do curso de Enfermagem,2016. 4 p. v. 2.

SANTOS, Francésly Barbosa. Assistência à criança vítima de violência doméstica: reflexão sobre a atuação da enfermagem. 2016. 44 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Enfermagem) - Faculdade de Educação e Meio Ambiente (FAEMA), Ariquemes, 2016.

SILVA, Rodrigo Sinnott; GONÇALVES, Marcia. A Ocorrência de Transtornos Psiquiátricos em Crianças e Adolescentes Abusados Sexualmente. Anhanguera: Revista Uniciência, 2015. 72 p. v. 19.

SOARES, Barbara M. Mulheres invisíveis. Violência conjugal e novas políticas de segurança. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 1999.

SOUZA, Flavia Bello Costa et al. Aspectos psicológicos de mulheres que sofrem violência sexual. São Paulo -SP, 2013.

SOUZA, Ingrid Zeferino. Abuso sexual infantil: uma abordagem necessária na graduação de enfermagem. Ariquemes- RO, 2017.

TAPIA, Carmen Elisa Villalobos; ANTONIASSI, Larissa Jennifer; AQUINO, Jéssica Pereira. PAPEL DO ENFERMEIRO FRENTE AO ABUSO SEXUALDE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Teresina: Revista Saúde Em Foco, 2014. 93 p.v.1

WAKSMAN, Renata Dejtiar ; HIRSCHHEIMER, Mário Roberto . Manual de
Atendimento às Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência. Brasília: [s.n.],
2011. 172 p.

WILLIAMS, Lúcia Cavalcanti de Albuquerque; et al. Investigação de Suspeita de Abuso Sexual Infanto juvenil: O Protocolo NICHD. Temas em Pcicologia, 2014. 415 p.v.22.

WOISKI, Ruth Oliveira Santos; ROCHA, Daniele Laís Brandalize. Cuidado de enfermagem à criança vítima de violência sexual atendida em unidade de emergência hospitalar. Esc Anna Nery Rev Enfermagem, 2010 jan-mar, v.14, n.1, p.143-150.
Publicado
2019-11-29
Como Citar
Gonçalves, M. J. R., & Lopes dos Santos, A. F. (2019). CONSEQUÊNCIAS PSICOLÓGICAS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUE SOFRERAM ABUSO SEXUAL: A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGE. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 2(5), 295-308. Recuperado de http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/95