SÍNDROME DE BURNOUT E READAPTAÇÃO FUNCIONAL EM PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DO DISTRITO FEDERAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.4287497

Palavras-chave:

Síndrome de Burnout. Readaptação Funcional. Professor. Análise do Comportamento. Metacontigências.

Resumo

O perfil profissional do professor tem se modificado ao longo do tempo, porém, sua missão continua a mesma: a de educar e a de transmitir conteúdos que foram construídos historicamente. Contudo, após a Revolução Industrial, e mais recentemente, com o aumento da tecnologia de das transformações sociais, os professores têm sofrido bastante com o estresse. A este estresse provocado no trabalho e pelo trabalho, os pesquisadores deram o nome de Síndrome de Burnout (SB). Essa síndrome é caracterizada pelo estresse crônico, continuo e intenso, pela despersonalização e a reduzida realização profissional. Atinge principalmente profissionais cujas profissões lidam com cuidados. A pesquisa é do tipo quali-quanti e foi realizada no final do segundo semestre de 2019 com professores de uma escola de ensino fundamental e outra de ensino médio, com professores que foram readaptados, isto é, professores que por motivo de saúde estão fora da sala de aula e que desenvolvem outras atividades pedagógicas. Para isso, primeiramente foi feito durante o período de um ano, observação direta desses professores, e em seguida, foram convidados para participar da pesquisa, primeiramente respondendo a uma entrevista e em uma segunda fase aplicando um questionário.Antes, porém foi feita uma busca no Portal CAPES utilizando os descritores “Burnout” e “Professor” onde encontramos mais de 1.200 períodicos; posteriormente acrescentou-se outros descritores como “Análise do Comprotamento” e “Behaviorismo”, o resultado para períodos foi zero, porém, encontramos uma dissertação de mestrado, de cunho teórico no qual a autora procurou uma definição para Síndrome de Burnout sob a ótica da Análise do Comportamento. Os resultados indicaram que, mesmo readaptados, os professores continuam estressados e que o Programa de Readaptação Funcional, bem como o órgão gestor, não deram continuidade no processo de readaptação, mostrando que estes professores, além da doença pelo qual foi afastado do serviço, adquiriram outras, como a SB, depressão e até doenças físicas. Nesse sentido, podemos concluir que há uma necessidade de se elaborar políticas públicas de combate ao estresse (metacontigência) bem como fazer com que os professores adquiram novos repertórios comportamentais para lidar com as situações no trabalho.

 

 

Biografia do Autor

Jose Francisco de Sousa, Universidade Católica de Brasília, UCB, DF, Brasil.

Orcid: https://orcid.org/0000-0002-1890-7933
E-mail: francisco1965@gmail.com

Referências

ABRAMORAY, Miriam. Violências nas Escolas. ABRAMORAY, Miriam. Programa de prevenção à violência nas escolas. FRACSO, Brasil (s.d.).

AMARAL, Graziele Alves. Escuta clinica do trabalho e re(significação) do sofrimento de professores readaptados. Tese não publicada (Doutorado em Psicologia). Brasília, Universidade de Brasília, 2018.

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boi tempo, 2019.

BICALHO, Camila Cristina Fonseca; CARVALHO, Moisés de Vieira; LEÃO-ANDRADE, Natália Cristina; GUIMARÃES, Juliana Bohnen. O estilo de vida influencia nos índices de burnout em professores. Brazilian Journal of Development, 5(10), 19160-19169, 2019.

BIROLIM, Marcela Maria; MESAS, Arthur Eumann; GONZÁLEZ, Alberto Durán; SANTOS, Hellen Geremias dos; HADDAD, Maria do Carmo Fernandez Lourenço; ANDRADE, Selma Maffei de. Trabalho de alta exigência entre professores:associações com fatores ocupacionais conforme o apoio social. Ciência & Saúde Coletiva, 24(4), 1255-1264, 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 – Título III, Capítulo 4: Do Distrito Federal e Territórios. Brasília, Ed. do Senado, 1988.

BRASILIA. SEEDF. CRE Plano Piloto e Cruzeiro. Disponível em <http://www.se.df.gov.br/cre-plano-piloto/>. Acesso em 15 mar. 2020.

CARLOTTO. M. S. A. Síndrome do Burnout e o trabalho docente. Ver. Psic. em Estudo, Maringá, v. 7 n. 1, 2002.

CARLOTTO, Mary Sandra; CÂMARA, Sheila Gonçalves. Síndrome de Burnout e estratégias de enfrentamento em professores de escolas públicas e privadas. Psicologia da Educação, São Paulo, 26, 29-46, 2008.

CODO, Wanderley. Educação, carinho e trabalho. Burnout: a síndrome da desistência do educador, que pode levar á falência da educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

DELGADO, Mauricio Godinho. A Reforma Trabalhista no Brasil: com os comentários à Lei n. 13.467/2017. São Paulo: LTR, 153- 157, 2017.

DEL PRETTE, ZAP; DEL PRETTE, A. Social Skills Inventory (SSI-Del-Prette): Characteristics and studies in Brazil. OSÓRIO, F.L. (org.). Social Anxiety Disorders: from theory to practice.Nova Iorque: Nova Science Publishers, 49-62, 2013.

EXTRA-CLASSE. Contratação uberizada de professores por aplicativo já é realidade. Extra-classe, Publ. 07 jan. 2020. Disponível em: <https://www.extraclasse.org.br/educacao/2020/01/contratacao-uberizada-de-professores-por-aplicativo-ja-e-realidade/>. Acesso em 19 mar. 2020.

FACCI, Marilda Gonçalves Dias. Valorização ou esvaziamento do trabalho do professor? Um estudo crítico-comparativo da teoria do professor reflexivo, do construtivismo e da psicologia vigotskiana. Campinas: Autores Associados (Coleção Formação de Professores), 2004.

FARIAS, Patrícia Martins. Condições do ambiente de trabalho do professor: avaliação em uma escola municipal de Salvador-Bahia. Dissertação não publicada (mestrado em Saúde, ambiente e trabalho. Salvador, Bahia, UFBA, 2009.

FREUDENBERG, H.J. Staff born-out. Jornal of Social Issues, 20(1), 159-165, 1974.

GASPARINI, Sandra Maria; BARRETO, Sandhi Maria; ASSUNÇÃO, Ada Ávila. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 189-199, 2005.

GLENN, S.S. Contingences and metacontingencies: Toward a synthesis of behavior analysis and cultural materialism. The Behavior Analyst, 11, 161-179, 1988.

GOEBEL, D. K.; CARLOTTO, M. S. Preditores sociodemográficos, laborais e psicossociais da Síndrome de Burnout em docentes de educação a distância. Avances en Psicología Latinoamericana, 37(2). 295-311, 2019.

GOMES, Carlos Minayo; THEDIM-COSTA, Sônia Maria da Fonseca. A construção do campo de saúde do trabalhador:percurso e dilema. Revista Cadernos de Saúde Pública, 13 (suplemento 2), 21-32, 1997.

LIMA DA SILVA, Jorge Luiz; CARDOSO DE LACERDA PEREIRA, Letícia; PEREIRA SANTOS, Mariana; ALVES BEZERRA BORTOLAZZO, Pedro Antonio; GOMES DA SILVA RABELO, Thalia; AMARAL MACHADO, Emanoele. Prevalência da síndrome de Burnout entre professores da Escola Estadual em Niterói, Brasil. Enfermería Actual de Costa Rica, (34), 14-25, 2018.

LUZ-NERIS, Marco Aurelio. Representações Sociais da identidade docente readaptado no magistério público do DF. Tese não publicada (tese em Psicologia). Brasilia, Universidade Católica de Brasília, 2018.

MARX, Karl; ENGELS, Friederick. A ideologia Alemã. São Paulo: Boi Tempo, 2007.

MARX, Karl. O 18 Brumário de Luis Bonaparte. São Paulo: Boi tempo, 2011.

MEDEIROS, Rosana Carneiro Ferreira. Para uma ecologia (mais) humana do professor readaptado. 2010. 217 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

MELANDRA, Francine Neselo; SANTOs, Hellen Geremias; SALVAGIONI, Denise Albiere Jodas; MESAS, Arthur Eumann; GONZÁLEZ, Alberto Durán; ANDRADE, Selma Maffei. Violência física contra professores no espaço escolar: análise por modelos de equações estruturais. Cadernos de Saúde Pública, 34(5), 1-12, 2018.

MELO, Sandro Nahmias. Meio Ambiente do Trabalho: Direito Fundamental. São Paulo: LTr, 2001.

NASCIMENTO, Jorge Luis da Silva. Representações Sociais da Síndrome de Burnout por professores do ensino fundamental de escolas públicas do Rio de Janeiro em situação de readaptação. Dissertação (Mestrado em Educação), Rio de Janeiro, Universidade de Sá, 2017.

NÓVOA, Antonio (1996). O passado e o presente dos professores. Nóvoa, Antonio. (Org.) Profissão professor. Porto, Portugal: Porto, 1996.

OLAZ, F.O. Contribuições da teoria social-cognitiva de Bandura para o treinamento de habilidades sociais (p.109-18). DEL PRETTE, A.; DEL PRETTE, Z.A.P. (orgs.). Psicologia das habilidades sociais: diversidade teórica e suas implicações. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

OLIVEIRA, Tatiana Moreira Rosini. A uberização das relações de trabalho. Revista Carta Capital, Publ. 9 ago 2019. Disponível em: <https://www.cartacapital.com.br/justica/a-uberizacao-das-relacoes-de-trabalho/>. Acesso em 19 mar. 2020.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO A condição dos professores: recomendação Internacional de 1966, um instrumento para a melhoria da condição dos professores. Genebra: OIT/ Unesco, 1984.

POCHMANN, Márcio. A uberização leva à intensificação do trabalho e a competição entre os trabalhadores – entrevista. Revista POLI: saúde, educação e trabalho – jornalismo público para o fortalecimento da educação profissional em saúde, 9(48), 16-20, 2016.

RAMAZZINI, Bernardino. As doenças dos trabalhadores. 4.ed. São Paulo: Fundacentro/Ministério da Saúde, 2016.

RODRIGUES, Cristina Delgado; CHAVES, Laura Brandão; CARLOTTO, Mary Sandra. Síndrome de Burnout em professores da educação pre-escolar. Interação Psicologia, 14(2), 197-204, 2010.

RODRÍGUEZ RAMÍREZ, José Andrés; GUEVARA ARAIZA, Albertico; VIRAMONTES ANAYA, Efrén. Síndrome de burnout en docentes. IE Revista de investigación educativa de la REDIECH, 8(14), 45-67, 2017.

ROSSI, Valéria Rondon. Ser ninguém: um estudo de caso sobre readaptação funcional na perspectiva da psicodinâmica do trabalho. Dissertação de mestrado não publicada (mestrado em Psicologia). Brasília, Universidade Católica de Brasília, 2018.

RYAN-WENGER, N.M.. A Taxonomy of Children’s Coping Strategies: A Step Toward Theory Development. American Journal of Orthopsychiatry, v. 62, pp. 256-263, 1991.

SCHMITZ, Giliane Aparecida. Síndrome de Burnout: uma proposta de análise sob enfoque analítico-comportamental. Dissertação (Mestrado em Análise do Comportamento). Maringá, Universidade Estadual de Maringá, dissertação não publicada, 2015.

SILVA, Guilherme Leonardo Freitas Silva; ROSSO, Ademir Jose. As condições de trabalho docente dos professores das escolas públicas de Ponta Grossa-PR. XIV Congresso Nacional de Educação, Curitiba, Paraná, 2019. Acesso em 19 mar. 2020. Disponível em: <https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2008/495_536.pdf>.

SILVA, Adelson Fernandes; MATOS-MAIA, Maria de Fátima; GONÇALVES-LIMA, Celina Aparecida; GUEDES, Izulina Torres; COSTA-PEDREIRA, Karolina; SANTOS-SILVA, Diego Augusto; PETROSKI, Edio Luiz. Fatores que prevalecem ao esgotamento profissional em professores. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, São Carlos, 25(2), 333-339, 2017.

SILVA, Flávia Pietá Paulo. Burnout – um desafio aos trabalhadores. Revista Psi, Revista de Psicologia Social e Institucional, Maringá, UEL,2(1), 2000.

SILVA, Mariana Pereira; BERNARDO, Marcía Hespahol; SOUZA, Heloísa Aparecida. Relação entre saúde mental e trabalho: a concepção de sindicalistas e possíveis formas de enfrentamento. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 41(23), 1-12, 2016.

SILVA, Maria Emília Ferreira. Burnout: por que sofrem os professores? Estudos e Pesquisa em Psicologia, UERJ, 6(1), 89-98, 2006.

SILVEIRA, K. A.; ENUMO, S. R. F.; BATISTA, E. P. Indicadores de estresse e estratégias de enfrentamento em professores de ensino multisseriado. Revista Quadrimestral da Associação o Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 18(3), 457-465, 2014.

SKINNER, B. F. Ciência e Comportamento humano. Trad. de J. C. Todorov. São Paulo, SP: Martins Fontes (Original publicado em 1953), 2003.

SOUZA, A. N. A modernização do trabalho de professores: processos de precarização e ataque ao trabalho. 36º Encontro Anual da ANPOCS. Anais. Águas de Lindóia/SP, 2012.

SCHWARTSAMAN, Alexandre. A queda do emprego e a reforma. Revista Veja, 2019. Acesso em 19 mar. 2020. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/colunas/alexandreschwartsman/2018/01/1947680-a-queda-do-desemprego-e-a-reforma.shtml>.

TITTONII, J.; NARDI, H.C. Saúde mental e trabalho: reflexões a partir de estudos com trabalhadores afastados do trabalho por adoecimento profissional. JACQUES, MGC. et al. (orgs.) Relações sociais e ética [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008. p. 70- 80, 2008.

VASCONCELOS-ROCHA, S.; SQUARCINI, C.F. Paixão-Cardoso, J, Oliveira-Farias, F. Características ocupacionais e estilo de vida de professores em um município do nordeste brasileiro. Revista de Saúde Pública, v.18, 214-225, 2016.

VENCO, Selma. Situação de quasi-uberização dos docentes paulistas? Revista da ABET, v. 17, n. 1, 2018.

VENCO, Selma. Uberização do trabalho: um fenômeno de tipo novo entre os docentes de São Paulo, Brasil? Caderno de Saúde Pública, 35, 2, 2019.

WHO, World Health Organization. GAP Intervention Guide for mental, neurological and substance use disorders in non-specialized health settings. 2010.

ZIBETTI, Marli Lúcia Tonatto; RIBEIRO-PEREIRA, Sidnéia. Mulheres e professoras: repercussão da dupla jornada nas condições de vida no trabalho docente. Educar em Revista, editora da UFPR, n. especial 2, 359-276, 2010.

Publicado

2020-11-22

Como Citar

Sousa, J. F. de . (2020). SÍNDROME DE BURNOUT E READAPTAÇÃO FUNCIONAL EM PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DO DISTRITO FEDERAL. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, 3(7), 684–704. https://doi.org/10.5281/zenodo.4287497