O ESTRESSE OCUPACIONAL NO ENFERMEIRO QUE ATUA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

  • Jonas Rodrigo Goncalves Faculdade Processus - DF (BRASIL)
  • Gabriela Carneiro de Oliveira Universidade Paulista (UNIP) - SP
Palavras-chave: Enfermagem. Estresse ocupacional. Terapia Intensiva. Estressores

Resumo

O ambiente hospitalar é repleto de fatores estressantes tanto para os pacientes e familiares quanto para os profissionais, pois diariamente há convívio com doenças e sofrimento. O objetivo do presente estudo foi identificar a presença de estresse ocupacional em enfermeiros que atuam na Unidade de Terapia Intensiva e analisar suas manifestações físicas e psicológicas. Partiu-se da hipótese que o estresse ocupacional na UTI gera diversos sinais e sintomas de desgaste no indivíduo. Este estudo refere-se a uma revisão da literatura, com abordagem qualitativa. O levantamento de dados foi efetuado nas seguintes bases Scientific Eletronic Library Online (Scielo) e Biblioteca Virtual em saúde (BVS) no período de 2005 a 2019.

Biografia do Autor

Jonas Rodrigo Goncalves, Faculdade Processus - DF (BRASIL)

Doutorando em Psicologia pela Universidade Católica de Brasília/DF (Cultura contemporânea e relações humanas); Mestre em Ciência Política pelo Centro Universitário Euroamericano/DF (Direitos Humanos, Políticas Públicas e Cidadania); Licenciado em Filosofia pela Universidade Católica de Brasília/DF; Licenciado em Letras (Português/Inglês) pela Universidade Paulista/SP; Especialista em Revisão de Texto pela Universidade Gama Filho/RJ; Especialista em Formação em EAD pela Universidade Paulista/SP; Especialista em Didática do Ensino Superior em EAD pela Faculdade Sena Aires/GO; Especialista em Docência na Educação Superior pela Faculdade Sena Aires/GO; Especialista em Gestão do Agronegócio pela Faculdade Apogeu/DF. Professor da Faculdade Processus/DF; Professor da Faculdade Sena Aires/GO; Professor da Universidade Paulista/SP; Professor da Faculdade CNA/DF; Editor da Editora JRG e da Revista JRG de Estudos Acadêmicos.

Gabriela Carneiro de Oliveira, Universidade Paulista (UNIP) - SP

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Paulista UNIP

Referências

1. Hanzelmann Renata da Silva, Passos Joanir Pereira. Imagens e representações da enfermagem acerca do stress e sua influência na atividade laboral. Rev. esc. enferm. USP  [Internet]. 2010  Sep [cited  2019  Nov  25] ;  44( 3 ): 694-701.

2. Tung CY, Chang CC, Ming JL, Chao KP. Occupational hazards educativos for nursing staff through web-based learning. Int J environ Res Public Health. 2014;11(12):1303-46.

3. Smeltzer, Suzane C. Brunner&Suddarth: Tratado de Enfermagem Médico-cirúrgica; Conceitos da Biofísica e Psicossociais na Prática de Enfermagem: Homeostase, Estresse e Adaptação. 12. Ed. 2012.

4. Monte Paula França, Lima Francisca Elisângela Teixeira, Neves Fernanda Macedo de Oliveira, Studart Rita Mônica Borges, Dantas Rodrigo Tavares. Estresse dos profissionais enfermeiros que atuam na unidade de terapia intensiva. Acta paul. enferm. ; 2013  [cited  2019  Nov  25] ;  26( 5 ): 421-427.

5. Vidotti Viviane, Martins Júlia Trevisan, Galdino Maria José Quina, Ribeiro Renata Perfeito, Robazzi Maria Lucia do Carmo Cruz. Síndrome de burnout, estresse ocupacional e qualidade de vida entre trabalhadores de enfermagem. Enferm. glob. ; 18 (55): 344-376.

6. PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar. Metodologia do Trabalho Cientifico: Métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. Ed. Rio Grande do Sul: Feevale. 2013.

7. CORONETTI, Adriana. O estresse da equipe de enfermagem na unidade de terapia intensiva: o enfermeiro como mediador. Arquivos Catarinenses de Medicina; Florianópolis: ACM. Volume 35; n 4. 36-43, 2006.

8. 2 Fernandes SMB, Medeiros SM, Ribeiro LM. Estresse ocupacional e o mundo do trabalho atual: repercussões na vida cotidiana das enfermeiras. Rev eletrônica enferm. ;10(2):414-27.


9. Rocha MCP, Martino MMF. O estresse e qualidade de sono do enfermeiro nos diferentes turnos hospitalares. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(2):280-6.

10. 4 Sória DAC. A resiliência dos profissionais de enfermagem na unidade de terapia intensiva [tese]. Rio de Janeiro: Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2006.

11. 5 Cole A. High anxiety. Nurs Time 1992; 12:26-30.

12. Stacciarini JMR, Tróccoli BT. Estresse Ocupacional. In: Mendes AM, Borges LO, Ferreira, MC (Orgs.). Trabalho em transição, saúde em risco. Brasília: Universidade de Brasília; 2002. p. 187-205.

13. Bezerra Francimar Nipo, Silva Telma Marques da, Ramos Vânia Pinheiro. Estresse ocupacional dos enfermeiros de urgência e emergência: Revisão Integrativa da Literatura. Acta paul. enferm. ;  25( spe2 ): 151-156.

14. Lunardi Filho WD. Prazer e sofrimento no trabalho: contribuições à organização do processo de trabalho da enfermagem. Rev Bras Enfermagem 1997 janeiro-março; 50(1): 77-92.

15. Fernandes S, Medeiros S, Ribeiro L. Estresse ocupacional e o mundo do trabalho atual: repercussões na vida cotidiana das enfermeiras. REE [Internet]. 2º de novembro de 2009 [citado 25º de novembro de 2019];10(2).

16. FERNANDES, Márcia Astrês et al.SAÚDE MENTAL DOS ENFERMEIROS DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL DE ENSINO. Revista de Enfermagem UFPE online; Recife: Revol. 9(10) 1437-44, 2015.

17. FABRI, Janaina Mengal Gomes et al. Revista Baiana de Enfermagem. ESTRESSE OCUPACIONAL EM ENFERMEIROS DA PEDIATRIA: MANIFESTAÇÕES FÍSICAS E PSICOLÓGICAS. Bahia: Volume 1; 2018.

18. Lipp MEN. Manual do Inventário de sintomas de stress para adultos (ISSL). 2a ed. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2011.

19. Maslach C, Leiter MP. Understanding the burnout experience: recent research and its implications for psychiatry. World Psychiatry . 2016 ;15(2):103-11.

20. Merces MC, Cordeiro TM, Santana AI, Lua I, Silva DS, Alves MS, et al. Burnout syndrome in nursing workers of the primary health care. Rev Baiana Enferm. 2016;30(3):1-9.

21. Murofuse NT, Abranches SS, Napoleªo AA. Reflexıes sobre estresse e Burnout e a relaªo com a enfermagem. Rev Latinoam Enferm. 2005;13(2):255-61

22. Menegaz FDL. Caractersticas da incidŒncia de burnout em pediatras de uma organizaªo hospitalar pœblica [dissertaªo]. Florianpolis: Centro de Filosofia e CiŒncias Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina; 2004

23. Abadia Leite, Maria, da Silva Carvalho Vila, Vanessa, Dificuldades vivenciadas pela equipe multiprofissional na unidade de terapia intensiva. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2005;13(2):145-150.

24. RODRIGUES, Diego Pereira. ESTRESSE NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: REVISÃO INTEGRATIVA. Revista de Enfermagem UFPE online; Recife: Revol. 7:4217-26, 2013.

25. Oliveira PP, Amaral JG, Silva LS, Fonseca DF, Silveira EAA, Amaral RA, et al. Esgotamento profissional e transtornos mentais comuns em enfermeiros oncológicos. Rev. de Enferm. UFPE. 2018;12(9):2442-50. 22

26. Inoue, Kelly Cristina, Gomes da Silva Versa, Gelena Lucinéia, Yassuko Murassaki, Ana Cláudia, de Melo, Willian Augusto, Misue Matsuda, Laura, Estresse ocupacional em enfermeiros intensivistas que prestam cuidados diretos ao paciente crítico. Revista Brasileira de Enfermagem. 2013;66(5):722-729.
Publicado
2019-12-02
Como Citar
Jonas Rodrigo Goncalves, & de Oliveira, G. C. (2019). O ESTRESSE OCUPACIONAL NO ENFERMEIRO QUE ATUA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. Revista JRG De Estudos Acadêmicos , 2(5), 318-327. Recuperado de http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/97