DESCARTE DE MEDICAÇÃO: CONTROLE DO IMPACTO SOCIOAMBIENTAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.6539392

Palavras-chave:

Descarte de Medicamentos. Descarte de Substâncias. Legislação. Impactos Socioambientais

Resumo

Este artigo aborda a questão do descarte correto de medicamento e a consciência socioambiental, tem relação com o excesso e consumo de medicamentos no Brasil. Objetivo da pesquisa foi analisar quais os impactos socioambientais provindos do descarte incorreto de medicamentos. Como métodos de pesquisa, utilizamos a revisão bibliográfica, com uma abordagem qualitativa. O levantamento de dados foi feito na base de dados Lilacs, Scielo e Bireme no período de 2010até 2020. Os resultados que obtivemos foi que no Brasil, há cada vez mais debate sobre o destino de medicamentos que não são mais usados ​​pela comunidade, pois o descarte de lixo e esgoto é uma grave poluição do meio ambiente e da saúde pública. Concluimos que o descarte correto dos medicamentos é imprescindível para o equilíbrio do meio ambiente e para preservar a saúde da população.

Biografia do Autor

Clézio Rodrigues de Carvalho Abreu, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil

Mestre em Farmacologia Toxicologia e Produtos Naturais no curso de Ciências da Saúde - UNB; Especialista em Farmacologia Clínica - UNB; Especialista em Gestão da Assistência Farmacêutica - UFSC; Especialista em Didática do Ensino Superior - FACESA; Possui graduação em Farmácia - FACESA (2009). Professor de Pós Graduação em Farmacologia Clínica; Tem experiência na área de Farmacologia Clínica, Gestão da Assistência Farmacêutica e Acompanhamento Farmacoterapêutico

Referências

ABEP. (2019). Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de Classificação Econômica Brasil.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2021). NBR. 10.04 Resíduos sólidos: Classificação. São Paulo.

Anuário DF. Anuário do Distrito Federal. Ceilândia é reduto da nova classe média. Disponível em:< http://www.anuariododf.com.br/regioes- administrativas/ra-ix-ceilandia/>. Acesso em: 20 de jul. 2017.

Alencar, T. de O. S., Machado, C. S. R., Costa, S. C. C., & Alencar, B. R. (2014). Descarte de medicamentos: uma análise da prática no Programa Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 19, 2157–2166.

Beckhauser, G.C.; Valgas, C.; Galato, D. (2019). Perfil do estoque domiciliar de medicamentos em residências com crianças. Revista Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 33, n. 4, p. 583- 589.

Bento, D.G.; Costa, R. (2018). Estado da arte acerca dos resíduos de serviço de saúde. Revista Eletrônica Estácio Saúde, v. 4, n. 2.

Carvalho, Dacifran Cavalcanti. Gestão e gerenciamento de resíduos de equipamentos eletrônicos: o campus central da UFRN em análise / Dacifran Cavalcanti Carvalho. – Natal, RN, 2015.

Maia, M.; Giordano, F. Estudo da situação atual de conscientização da população de Santos a respeito do descarte de medicamentos. Revista Ceciliana. v. 4, p. 24-28, 2012.

Oliveira, W.L. Descarte correto de medicamentos: uma responsabilidade dos farmacêuticos que atuam na atenção primária. Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS. Conselho Federal de Farmácia, n° 4, p. 16-24, 2016.

OMS. Organização Mundial de Saúde. The role of Pharmacist in self care- medication. Disponível em: Acesso em: 10 nov. 2020.

Pdot. Plano de Ordenamento Territorial do Distrito Federal. Secretaria de Estado de Gestão do Território e Habitação. Disponível em: Acesso em 11 de nov. 2020.

Pinto, G. M. F. et al. Estudo do descarte residencial de medicamentos vencidos na região de Paulínia (SP), Brasil. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, v.19, n.3, p. 219-224, 2014.

Medeiros, M. S. G.; Moreira, L. M. F.; Lopes C. C. G. O. Descarte de medicamentos: programas de recolhimento e novos desafios. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 35, n. 4, 2014.

Torres, A.C.G. Pertinência da normativa estadual e distrital sobre logística reversa aplicada ao setor de medicamentos no Brasil. Caderno Ibero Americano de Direito Sanitário. Brasília, v.5, p. 41-59, 2016.

Ueda, J, et al. Impacto ambiental do descarte de fármacos e estudo da conscientização da população a respeito do problema. Revista Ciências do ambiente, v.5, n.1, p. 1-6, 2019.

Vaz, K.V.; Freitas, M.M.; Cirqueira, J.Z. Investigação sobre a forma de descarte de medicamentos vencidos. Cenarium Pharmacêutico, v.4, n.4, 2011.

Vilarino, J.F. et al. Perfil da automedicação em município do Sul do Brasil. Revista Saúde Pública, v. 32 n.1, p 43-49. 2018.

Zaparroli, I.D.; Camara, M.R.G.; Beck, C. Medidas mitigadoras para a indústria de fármacos Comarca de Londrina-PR. Brasil: impacto ambiental do despejo de resíduos em corpos hídricos. In: 3°International Workshop Advanced in Cleaner Production. Cleaner Production Initiatives and Challenges for a Sustainable World. São Paulo, 2011.

Bueno CS, Weber D, Oliveira KR. Farmácia caseira e descarte de medicamentos no bairro Luiz Fogliatto do município de Ijuí – RS. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2009; 30(2):75-82.

Falqueto E, Kligerman DC. Análise normativa para descarte de resíduos de medicamentos - Estudo de caso da Região Sudeste do Brasil. Rev Dir Sanit. 2012; 13(2):10-23.

Ferreira C, Santos M, Rodrigues S. Análise do conhecimento da população sobre descarte de medicamentos em Belo Horizonte/MG. Interfaces Cient Saude Amb. 2015; 3(2):9-18. 25

Seehusen D, Edwards J. Patient Practices and Beliefs Concerning Disposal of Medications. J Am Board Fam Med. 2009; 19(6):542-547.

Kotchen M, Kallaos J, Wheeler K, Wong C, Zahller M. Pharmaceuticals in wastewater: Behavior, preferences, and willingness to pay for a disposal program. J Environ Manage. 2009; 90(3):1476-1482.

Falqueto E, Kligerman D. Diretrizes para um Programa de Recolhimento de Medicamentos Vencidos no Brasil. Cien Saude Colet. 2013; 18(3):883- 892.

Pinto GMF, Silva KR, Pereira RFAB, Sampaio SI. Estudo do descarte residencial de medicamentos vencidos na região de Paulínia (SP), Brasil. Eng Sanit Ambient. 2014; 19(3):219-224.

ABEP. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de Classificação Econômica Brasil, 2021.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR. 10.04 Resíduos sólidos: Classificação. São Paulo, 2021.

Alencar, T.O.S. et al. Descarte de medicamentos: uma análise da prática no Programa Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 7, p. 2157-2166, 2018.

Allevato, C.G. Resíduos de Serviços de Saúde: o conhecimento dos profissionais que atuam no contexto hospitalar. Dissertação de mestrado, 2014.

Beckhauser, G.C.; Valgas, C.; Galato, D. Perfil do estoque domiciliar de medicamentos em residências com crianças. Revista Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 33, n. 4, p. 583-589, 2012.

Bento, D.G.; Costa, R. Estado da arte acerca dos resíduos de serviço de saúde. Revista Eletrônica Estácio Saúde, v. 4, n. 2, 2015.

Jacobi, P.R. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 233-250, 2009.

Maia, M.; Giordano, F. Estudo da situação atual de conscientização da população de Santos a respeito do descarte de medicamentos. Revista Ceciliana. v. 4, p. 24-28, 2012.

Oliveira, W.L. Descarte correto de medicamentos: uma responsabilidade dos farmacêuticos que atuam na atenção primária. Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS. Conselho Federal de Farmácia, n° 4, p. 16-24, 2016.

OMS. Organização Mundial de Saúde. The role of Pharmacist in self care- medication. Disponível em:. Acesso em: 10 nov. 2016. PDOT. Plano de Ordenamento Territorial do Distrito Federal. Secretaria de Estado de Gestão do Território e Habitação. Disponível em: . Acesso em 11 de nov. 2016.

Pinto, G. M. F. et al. Estudo do descarte residencial de medicamentos vencidos na região de Paulínia (SP), Brasil. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, v.19, n.3, p. 219-224, 2014.

Downloads

Publicado

2022-05-11

Como Citar

Vital, C. M. F., Araújo, E. M. C. de, & Abreu, C. R. de C. (2022). DESCARTE DE MEDICAÇÃO: CONTROLE DO IMPACTO SOCIOAMBIENTAL. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, 5(10), 91–100. https://doi.org/10.5281/zenodo.6539392