Gamificação – uma possibilidade de engajamento e protagonismo dos estudantes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v6i12.459

Palavras-chave:

Gamificação, Protagonismo Estudantil, Game, Era digital, Educação básica

Resumo

A escola atualmente confronta-se com a necessidade de uma mudança em seu paradigma pedagógico. Hoje, ela não deve apresentar apenas as informações, ela precisa trabalhar com as informações que os estudantes trazem para a sala de aula. Esses estudantes, nascidos na era digital, estão acostumados com dinamismo, agilidade, tecnologia e vontade de agir. Diante dessa nova realidade, a gamificação surge como uma possibilidade eficaz para trazer engajamento, protagonismo a esse estudante que adentra a escola com a possibilidade de pesquisa em sua mão, com a impetuosidade de encarar desafios e com a vontade de ter o aprendizado por meios prazerosos, lúdicos e gratificantes. O estudo baseou-se na busca por diferenciações importantes para a temática em questão, voltando-se a teóricos especializados no assunto e na apresentação de um exemplo de gamificação feito em uma unidade escolar do Distrito Federal. Os resultados apontam que a gamificação proporcionou maior integração dos estudantes e permitiu uma eficácia interação nas atividades; intensificando, assim, a vivência com o lúdico, o aprendizado produtivo, a participação colaborativa; proporcionando, então, o protagonismo estudantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nancy Moreira Vasconcelos, Universidade Católica de Brasília, UCB, DF, Brasil

Mestrado em andamento em Educação (Conceito CAPES 4) pela Universidade Católica de Brasília. Possui especialização Lato Senso e Orientação Educacional, graduação em PROFORM PEDAGÓGIGA DE DOSCENTES PARA AS DISCIPLINAS DO EF. EM E PROFISSION pela Universidade Católica de Brasília (2002) e graduação em Administração pela Universidade de Uberaba (1999). Coordenadora pedagógica / professora - Colégio Estadual de Águas Lindas de Goiás. Tempo de experiência na área de Matemática ministro aulas a (20 anos), e Coordenação Pedagógica Público Estadual (3anos) e Tecnico Administrativo( 6 meses)

Rita de Cássia de Almeida Rezende, Universidade Católica de Brasília, UCB, DF, Brasil

Possui graduação em Letras - Português pela Universidade Católica de Brasília (1998) e em Pedagogia pelo IESB (2021). Atualmente é professora da Secretaria de Educação do Distrito Federal. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa e literaturas. Já trabalhou com todas as séries do Ensino Fundamental II e com o Ensino Médio, além da Educação de Jovens e Adultos, tanto em escolas particulares e públicas. Trabalha com alunos que apresentam deficiência mental e privilegia estratégias pedagógicas que auxiliem no desenvolvimento dos alunos como um todo. Ministra aula de Projeto de Vida e de Projetos de Língua Portuguesa para o Novo Ensino Médio e para o Ensino Médio em Tempo Integral. Apresenta vários cursos nas áreas de ensino especial e na área de estratégias pedagógicas, escrita criativa, Comunicação Não-violeta e Projeto de Vida. Pesquisadora nas áreas de formação do professor, utilização das Metodologias Ativas e de práticas reflexivas dentro de sala de aula.Doutoranda em Educação pela Universidade Católica de Brasília.

Pricila Kohls-Santos, Universidade Católica de Brasília, UCB, DF, Brasil

Professora e pesquisadora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCB/DF. Doutora em Educação pelo PPGEdu/PUCRS, com estágio sanduíche na Universidad Politécnica de Madrid (2014). Líder do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Tecnologias Digitais, Internacionalização e Permanência estudantil (GeTIPE). Pesquisadora da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade. Integrante da RIES - Rede Sulbrasileira de Investigadores em Educação Superior, do ARGOS (Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação Digital PUCRS). Integrante e membro fundador da RedGUIA (Red Internacional para la Gestión Univervitária Integral del Abandono e Permanencia Estudiantil). Integrante do Comitê Coordenador da RedGUIA (Gestão 2022 - 2024). Participou do Projeto Alfa GUIA (Gestão Universitária Integral do Abandono - 2012 - 2014), financiado pelo projeto Alfa da União Européia. Mestre em Educação pelo PPGEdu/PUCRS, possui graduação em Pedagogia Multimeios e Informática Educativa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Realiza assessoria pedagógica em Educação e prestação de serviços e consultoria em Tecnologia Educacional e EaD. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Tecnologias Digitais na Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: tecnologias digitais, educação a distância, educação superior, permanência estudantil, internacionalização, ambientes de aprendizagem, informática na educação, formação de professores. Tendo realizado estágio Pós Doutoral (PNPD) na PUCRS vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação e ao Centro de Estudos em Educação Superior, sob supervisão da Prof. Dra. Marilia Costa Morosini (Pesquisadora 1A - CNPq).

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069/90. São Paulo, Atlas, 1991.

BACICH, Lilian; MORAN, José (Orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BUSARELLO, Raul I. Gamification: princípios e estratégias. São Paulo: Pimenta Cultural, p.126, 2016.

DAROLT, Viviani, (organizadora). Gamificar em sala de aula. Curitiba: CRV, 2021.

ELKONIN, Daniil B. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes. 1998.

FADEL, Luciane M.; ULBRICHT, Vania R.; BATISTA, Claudia R.; VANZIN, Tarcísio organizadores. Gamificação na educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014.

FILATRO, Andrea; CAVALCANTI, Carolina C. Metodologias Inov-a-ativas na educação presencial, a distância e coorporativa. 1ª. Ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2018.

GEE, James P. Bons videogames e boa aprendizagem. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 27, n. 1, p. 167-178, 01 jan. 2009. DOI 10.5007/2175-795X.2009v27n1p167.

KAPP, Karl M. The gamification of Learning aind Instruction: Game-based Methods and Strategies for Training and Education. Washington: Pfeiffer & Company, 2012.

KAPP, Karl M. Gamification of Learning (curso on-line) Linked In Learning. 10 set. 2014. Disponível em: https:// www.linkedin.com/learning/gamification-of-learning. Acesso em 9 nov. 2022.

KOHLS-SANTOS, Pricila. Permanência na Educação Superior: desafios e perspectivas. Brasília: Cátedra UNESCO e Juventude, Educação e Sociedade, 2020.

KOHLS-SANTOS, Pricila. COVID-19 y educación: experiencias y perspectivas docentes en la educación superior. Revista Iberoamericana de Educación, v. 86, n. 2, p. 31-44, 18 ago. 2021.

LAMPROPOULOS, Georgios; KERAMOPOULOS, Euclid; DIAMANTARAS, Konstantinos; EVANGELIDIS, Georgios. Augmented Reality and Gamification in Education: A Systematic Literature Review of Research, Applications, and Empirical Studies. Applied Sciences, v. 12, n. 13, p. 6809, 5 jul. 2022. DOI 10.3390/app12136809.

McGONICAL, Jane. A realidade em jogo - por que os games nos tornam melhores e como eles podem mudar o mundo. Trad. Eduardo Rieche. Rio de Janeiro: Best Seller, 2012.

PALFREY, John; GASSER, Urs. Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração de nativos digitais; tradução: Magda França Lopes; revisão técnica: Paulo Cysneiros. Porto Alegre: Grupo A, 2011.

TOLOMEL, Bianca V., A Gamificação como Estratégia de Engajamento e Motivação na Educação. EAD Em Foco. V.7, n 2, p. 145-156. Abril 2017. DOI 10.18264.

Downloads

Publicado

2023-01-13

Como Citar

VASCONCELOS, N. M.; REZENDE, R. de C. de A.; KOHLS-SANTOS, P. . Gamificação – uma possibilidade de engajamento e protagonismo dos estudantes. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 12, p. 09–20, 2023. DOI: 10.55892/jrg.v6i12.459. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/459. Acesso em: 16 jun. 2024.

ARK