Comportamento de suínos em fase de terminação em diferentes tipos de piso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8014464

Palavras-chave:

Baias, Bem-estar animal, Estereotipia, Etograma, Suinocultura

Resumo

O Brasil é o quarto maior produtor e exportador de carne suína do mundo. Observa-se a necessidade de aprimorar os conhecimentos de bem-estar animal por meio de análise comportamental animal. Desta forma, avaliou-se as ingerências dos diferentes tipos de pisos e períodos do dia sobre os componentes comportamentais de suínos na fase final de terminação. O experimento foi realizado em uma suinocultura situada na cidade de Missal/PR. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado (DIC), em esquema fatorial 2x2, com seis repetições. Os tratamentos foram constituídos pela combinação de dois tipos de pisos, sendo um em baia com piso de concreto sólido e lâmina d’água (piso laminado) e o outro em baia com piso misto com parte de concreto sólido e parte grelhada de concreto vazado (piso grelhado), testados em dois períodos do dia (manhã das 8h às 12h e tarde, das 13h às 17h). As observações foram realizadas por 3 semanas, totalizando seis observações e 48 horas de filmagens. Os animais observados estavam com 80 dias de alojamento e foram observados até os 108 dias. Os dados foram obtidos por meio de gravações dos animais. Posteriormente foi verificado os comportamentos de postura (em pé, sentado ou deitado); de interação com o ambiente (visita ao comedouro e ao bebedouro); de interações sociais (agonístico, interação e exploratório); e estereotipado (mastigação simulada e tempo de mastigação), com auxílio de um etograma. As variáveis com normalidade dos dados foram avaliadas pelo teste F na análise de variância (ANOVA). Quando significativo na ANOVA, foram comparadas por meio do teste de Tukey. As variáveis sem distribuição normal dos dados foram analisadas pelo teste de Friedman ao nível de 5%. Verificou-se que o tipo de piso e os diferentes períodos do dia influenciam nos componentes comportamentais dos suínos na fase final de terminação. O piso grelhado apresentou melhores resultados, pois os animais interagiram mais, mesmo com a temperatura ambiente mais elevada; porém como as baias com este piso eram menores (comparadas com as de piso laminado), observou-se um maior número de animais com comportamento estereotipado. A pesquisa com emprego de Etograma ajudou a entender melhor o comportamento de suínos observados em diferentes ambientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielli Ferrari, Centro Universitário Dinâmica Cataratas, UDC, Brasil

Lattes
Graduação em andamento em Medicina Veterinária pelo Centro Universitário Dinâmica das Cataratas, UDC, Brasil.

Simone Cristina Camargo, Centro Universitário Dinâmica Cataratas, UDC, Brasil

Lattes
Possui graduação em Zootecnia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2007). Mestre em zootecnia, Área de concentração produção e nutrição animal. Doutora na área de concentração Produção Animal.

Referências

ABPA. Relatório Anual 2023 [recurso eletrônico]. Associação Brasileira de Proteína Animal, São Paulo, p.1-145, 2023.

ABREU, Paulo G. de; ABREU, V. M. N. Sistema de distribuição de água na suinocultura: dimensionamento e equipamentos. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves, p. 1-25, 2000.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CRIADORES DE SUÍNO. Produção de suínos: teoria e prática. Coordenação editorial. Associação brasileira de criadores de suínos. Brasília, DF, 2014.

BAPTISTA, Raíssa I. A. de A. et al. Indicadores do bem-estar em suínos - Revisão bibliográfica. Ciência Rural, Santa Maria, v.41, n.10, p.1823-1830, out, 2011.

BRASIL. Manual de procedimentos técnicos e administrativos de outorga de direito de uso de recursos hídricos 2013. Agência Nacional de Águas – ANA, Brasília: 2013. Disponível em < https://www.ceivap.org.br/ligislacao/Resolucoes-ANA/2013/Resolucao-ANA-1041-anexo.pdf> acesso em 09 maio de 2023.

______. Missal. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE [on-line], 2023.

CAGLIARI, Talita P. et al. Avaliação do ambiente em pesquisas sobre o comportamento dos suínos em crescimento e terminação: uma revisão sistemática. In: OELKE, Carlos; MORAES, G.; GALATI, R. (Org.). Zootecnia: pesquisas e práticas contemporâneas. 1 ed. Guarujá: Editora Científica, p. 208-227, 2021.

CARVALHO, Camila L. et al. Bem-estar animal em suínos. Cap. 6. In: OELKE, C.A. (Org.). Suinocultura e Avicultura: do básico a zootecnia de precisão [livro eletrônico], p. 89-115, 2021.

CARVALHO, Pedro L. C.; VIANA, E. de F. Suinocultura SISCAL e SISCON: análise e comparação dos custos de produção. Custos e @gronegócio online, v. 7, n. 3, p. 1-19, set/dez 2011.

DALLA VILLA, Paolo.; BARNARD, S.; DI FEDE, E.; PODALIRI, M.; CANDELORO, L.; DI NARDO, A.; SIRACUSA, C.; SERPELL, J. A. Behavioural and physiological responses of shelter dogs to long-term confinement. Vet. Ital. n. 49, p. 231–241, 2013.

¬EINSFELD, Suelen M. et al. Enriquecimento ambiental na criação de suínos: Revisão. Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), 2014.

EMBRAPA. Central de inteligência aves e suínos: estatísticas. EMBRABA [on-line], 2022. Disponível em <https://www.embrapa.br/suinos-e-aves/cias> acesso em 09 maio de 2023.

FERREIRA, Denize D. Gestão e uso da água na suinocultura: um diagnóstico a partir da comparação das pegadas hídricas. 223 f. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2012.

FERREIRA, Rony A. et al. Desempenho e comportamento de suínos em fase de terminação submetidos a diferentes programas de luz. Rev. Bras. Saúde Produção Animal, Salvador, v. 17, n. 2, p. 272-279, abr./jun. 2016.

HOY, S. Comportamento de suínos. Etologia, Curitiba, v. 1, p. 105–139, 2009.

JACOB, Jefferson de S. O Concreto nas Construções para Suínos. EMBRAPA, p. 1-40, 2018.

KIEFER, Charles et al. Respostas de suínos em terminação mantidos em diferentes ambientes térmicos. Rev. Bras. Saúde e Produção Animal. Campo Grande, v. 11, n. 2, p. 496-504, abr./jun. 2010.

LEVINE, Kathryn A. et al. Estatística: Teoria e Aplicações Usando o Microsoft Excel em Português. 5. ed. São Paulo: LTC, 2008.

MACHADO, Simone P. et.al. Behavior of pigs reared in enriched environment: alternatives to extend pigs attention. Plos One. v. 12, n. 1, p. 1-18, jan. 2017.

MASSARI, Juliana M. et al. Características Comportamentais de Suínos em Crescimento e Terminação em Sistema “Wean To Finish”. Rev. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v. 35, n. 4, p. 646-656, jul./ago. 2015.

MEDEIROS, Brenda B. L. et al. Uso da geoestatística na avaliação de variáveis ambientais em galpão de suínos criados em sistema “wean to finish” na fase de terminação. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v. 34, n. 5, p. 800-811, 2014.

MIELE, Marcelo; MARTINS, Franco M. Panorama da Suinocultura. Anuário 2023 da Suinocultura Industrial, São Paulo, v. 309, n. 06, p. 20-27, 2022.

MIKESELL, R.E., KEPHART, K.B. Effect of grouping arrangement on behaviour and performance of finishing pigs. Livestoock Production Science, v. 57, p. 291–294, 1999.

NATIONAL FARM ANIMAL CARE COUNCIL. Code of practice for the care and handling of pigs. Ottawa, 2014. Disponível em: <https://www.nfacc.ca/pdfs/codes/pig_code_of_practice. pdf> acesso em 09 de maio de 2023.

OLIVEIRA, Bruno; FARIA, B. Teste de Tukey para Comparações Múltiplas. StatPlace [on-line], ago. 2019.

OLIVEIRA, Nariane C. et al. Influência da temperatura na produção e bem-estar de suínos. Colloquium Agrariae, v. 13, n. esp. 2, p. 254-264, jan–jun, 2017.

OWCZARCZAK-GARSTECKA, Sara C.; BURMAN, O. H. P. Can Sleep and Resting Behaviours Be Used as Indicators of Welfare in Shelter Dogs (Canis lupus familiaris)? Plos One, v. 11, n. 10, p. 1-11, 2016.

PARANÁ. Clima – Estado do Paraná. Instituto de Terras, Cartografia e Geociências, 2008.

PEARSON, A. V.; HARTLEY, H. O. Tabelas biométricas para estatísticos, v. 2. Cambridge University Press, 1972.

PERTICARRARI, Amanda L. P. M. Teste de Significância – Experimentação Agrícola [recurso eletrônico]. Universidade Estadual Paulista-UNESP, p.1-27, 2018.

RENNÓ, Camilo D. Estatística: Aplicação ao Sensoriamento Remoto. Instituto Nacional e Pesquisas Espaciais-INPE [recurso eletrônico], 2022.

RIBAS, J.C.R. et al. Gestação coletiva de matrizes suínas: visão brasileira da utilização de sistemas eletrônicos de alimentação. Estudo de Caso. São Paulo: World Animal Protection, 2015. Disponível em <https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/producao-animal/ arquivos-publicacoes-bem-estar-animal/folder-uso-de-sistema-automatizado-de-alimentacao- -de-matrizes-suinas.pdf> acesso em 09 de maio de 2023.

ROLOFF, Cássio. Apostila de Suinocultura. São Leopoldo, RS: CEEPRO, 2020.

ROYSTON, Patrick. An extension of Shapiro and Wilk’s W test for normality to large samples. Applied Statistics, n. 31, p.115-124, 1982.

SILVA, Eder H. N. et al. Exemplos de Aplicação do Teste de Friedman. III Pró-Ensino: Mostra Anual de Atividades de Ensino da UEL, Londrina, PR, p. 94. de 18 a 19 de nov. de 2021.

SOUZA, Jean C. P. V. B. et al. Gestão da água na suinocultura. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves, 2016.

Downloads

Publicado

2023-06-07

Como Citar

FERRARI, D.; CAMARGO, S. C. Comportamento de suínos em fase de terminação em diferentes tipos de piso. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 415–429, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.8014464. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/576. Acesso em: 16 jun. 2024.

ARK