A EDUCAÇÃO INFANTIL ATRAVÉS DA LUDICIDADE: A eficácia dos jogos dramáticos no processo de aprendizagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8342702

Palavras-chave:

Educação Infantil. Desenvolvimento. Ludicidade. Jogo.

Resumo

O presente período histórico traz grandes consequências para a educação nacional, a entrada na era digital e o constante uso da tecnologia alteraram todos os setores da sociedade, inclusive aqueles que dizem respeito à educação e as salas de aula. Na primeira infância, as crianças já costumam ter acesso a celulares, tablets e computadores, como uma forma de distrai-las. Porém, esse uso pode ser prejudicial caso não seja mediado e controlado. O presente estudo pretende mostrar que atividades milenares como brincar e jogar, mais especificamente o jogo dramático, podem trazer diversos benefícios para o desenvolvimento motor, mental e até mesmo cognitivo dessas crianças. É preciso que essas atividades sejam trazidas para dentro das salas de aula e que o uso de jogos educativos se torne um hábito para essas crianças. A metodologia selecionada é descritiva e qualitativa, podendo ser categorizada como uma pesquisa bibliográfica. Os resultados apontam para o fato de que tais medidas fazem com que os alunos se interessem mais pelas aulas e se empenhem nas mesmas, muitas vezes até mais do que quando são expostos a metodologias de ensino tradicionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Fernando Pires Pinto, Instituto Federal do Maranhão


[Lattes]
Mestre em Gestão e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Taubaté (UNITAU). Especialista em Psicopedagogia Institucional pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Possui licenciatura em Educação Artística e bacharelado em Direito, ambos pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). É técnico em Assuntos Educacionais no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão.

Referências

ÁRIES, Philippe. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.BRUNER, J. Juego, pensamiento e lenguage. Paris: Perspectivas, 1986.

BARBOSA, Catarina; RODRIGUES, Rosane. Espontaneidade na terceira idade. Revista Brasileira de Psicodrama, v. 24, n. 2, 102-107, 2016.

CUKIER, Rosa. Psicodrama bipessoal. Editora Agora, 1992.

ESTEVES, Maria Ester R.; MOTTA, Julia M. Casulari; ALVES, Luís Falivene. Psicodrama público: um projeto social em Campinas. Revista Brasileira de Psicodrama, v. 19, n. 2, p. 33-39, 2011.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Infância e Pensamento. In: GHIRALDELLI JR., Paulo. (org.). Infância, escola e modernidade. São Paulo: Cortez; Curitiba: Editora da UFPR, 1997, p. 83 – 100.

HEYWOOD, Colin. Uma história da infância. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 21-47.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida (org). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 10. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2007.

MORENO, Jacob Levy; MORENO, Zerka T. Fundamentos do psicodrama. Editora Agora, 2014.

MOTTA, Júlia Maria Casulari. Psicodrama brasileiro: história e memórias. Grupo Editorial Summus, 2008.

NOFFS, Neide de Aquino. O brincar e a criança do nascimento aos seis anos. 3 ed. Petrópolis. RJ: Vozes, 2001.

PIAGET, Jean. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. São Paulo: Zahar, 1978.

ROSA, Sanny. Brincar, conhecer, ensinar. 5.ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVEIRA, Maria Joana Martins. O ensino Lúdico. Santa Maria: Multiprees, 1998.

VEYNE, Paul. O Império Romano. In: História da Vida Privada. v. 1. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. p. 19 – 43.

VIANNA, Elisete Soave. O despertar para a autonomia, protagonismo e alteridade sob a concepção da pedagogia salesiana e de Paulo Freire. Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL. São Paulo, 2016.

VYGOTSKY, Lev. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Downloads

Publicado

2023-09-13

Como Citar

PINTO, L. F. P. A EDUCAÇÃO INFANTIL ATRAVÉS DA LUDICIDADE: A eficácia dos jogos dramáticos no processo de aprendizagem. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 1342–1351, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.8342702. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/715. Acesso em: 23 jul. 2024.

ARK